História Sombras do Passado - Remus Lupin - Capítulo 1


Escrita por:


Notas do Autor


Olá! Depois de tanto tempo me recuperei do meu bloqueio criativo!

Espero que gostem!

Capítulo 1 - Prólogo


Fanfic / Fanfiction Sombras do Passado - Remus Lupin - Capítulo 1 - Prólogo

Estava chovendo lá fora. As gotas de chuva escorriam pela janela, trazendo a Lizze uma sensação de paz. Amava o tempo chuvoso, gostava do cheiro de terra molhada do  seu quintal e o barulho das gotas de chuva caindo sobre seu telhado e batendo em sua janela era seu som preferido no mundo todo. A menina acariciava Milk, sua gata, que ronronava em seu colo, enquanto observava a chuva pela janela de seu quarto.

    Era um quarto pequeno, sua cama ficava encostada na parede ao lado da janela, as paredes amarelas davam um tom alegre e aconchegante ao lugar. Sua escrivaninha estava cheia de livros que ela havia emprestado da Biblioteca na semana passada, a garota havia passado os dias presa em cada página, viajando para mundos distantes e fantasiosos, os quais ela amava. Seu guarda roupas era organizado por cores, assim como seus calçados. Sua mãe tinha TOC (Transtorno Obsessivo Compulsivo) e estava sempre mexendo nas coisas organizando tudo em ordem alfabética ou cromática. Isso deixava Lizze maluca.

     A voz de John, seu padrasto tirou Lizze de seus devaneios. Ela não gostava dele. Ouviu a risada de sua mãe e suspirou, resignada. Ela não gostava dele, mas sua mãe o amava. E era por isso que a menina se forçava a ser mais compreensiva e tolerante, mas ele não facilitava pra ela. Vivia irritando a garota dizendo que ela deveria para de ler livros fictícios e passar a ler fatos reais, como livros históricos. Lizze nunca disse nada, não achava que um comentário desses sequer merecesse uma resposta. Aliás gosto é gosto. Mesmo assim sempre que ele estava em casa ela o evitava.

   Sentiu o cheiro do pão de queijo que sua mãe havia deixado no forno e sorriu. Ela amava pão de queijo e sempre que podia gostava de passar seu tempo na cozinha preparando alguns sob a supervisão de sua mãe que morria de medo que ela colocasse um talher no lugar errado.

   Colocou Milk no chão carinhosamente ouvindo a gata miar descontente com o desvio da atenção de sua dona. Desceu as escadas correndo e entrou na cozinha vendo sua mãe retirar a forma cheia de pães de queijo do forno enquanto John falava sobre alguma situação engraçada que aconteceu com ele nas ruas de Londres.

   - Sério Margareth, ele devia ter uns 2 metros e meio. Homem estranho. Me parou no meio da rua para perguntar como usar dinheiro. Da pra acreditar? Esses malucos de hoje em dia...

    Sua mãe sorriu quando a viu distraindo John de sua narrativa.

   - Animada para amanhã?

    Amanhã era 24 de Julho, seu aniversário. Sua mãe e ela sempre cozinhavam juntas nesse dia. Faziam um bolo de chocolate, e cantavam parabéns exatamente 5:00PM o horário em que ela nasceu. Passavam o dia todo juntas e depois dos parabéns sua mãe lhe dava um presente, que quase sempre era um livro. Ela amava aquela data, mas esse ano tinha John. Ele não comia bolo de chocolate, então minha mãe sugeriu que fizéssem um bolo de abacaxi. E até aí tudo bem, ela gostava de abacaxi. Mas John insistiu que deveriam encomendar o bolo ao invés de faze-lo. Lizze não pôde acreditar quando sua mãe concordou. Era a tradição delas sempre fazer o bolo no dia de seu aniversário. E então ele pediu pra cantarem parabéns 8:00PM e não 5:00PM, porque ele tinha um compromisso do trabalho. Ela estava frustrada, mas quando sua mãe lhe perguntou se não havia problemas ela mentiu dizendo que estava tudo bem. Não queria magoa-la.

    “É claro que estou animada! Estou dando pulinhos de alegria estão vendo?”

    - Sim. Vai ser divertido como sempre! - deu um sorrisinho forçado.

    - Espero que esteja animada para voltar aos estudos também. Tem que parar de ler tanta fantasia e voltar para a realidade Elizabeth.

     “Claro! Quando o inferno congelar!”

    - Falando em estudos: Lizze, querida, vamos comprar seu material depois de amanhã certo?

    Lizze não pôde deixar de sorrir pela tentativa óbvia de sua mãe para manter a paz. Ela sabia o quanto Lizze odiava quando diziam seu nome dessa forma.

     - Certinho!

    Pelo canto do olho viu John revirar os olhos e quis soca-lo.

     - Sério Margareth? Depois de amanhã? Achei que já tivessem comprado os livros mais cedo para que ela os estudasse.

     Lizze fez uma careta de desgosto, mas preferiu ignorar pegando um dos deliciosos pães de queijo e se sentando a mesa.

      - Desculpe querido, mas estive muito ocupada essa semana e não tive tempo livre para comprar os livros.

      - Já te disse mil vezes Margareth, deixe esse trabalho como cozinheira e fique em casa. Eu ganho bem o suficiente para todos nós.

       Lizze não o suportava! Sua mãe trabalhava a cinco anos como cozinheira chef em um restaurante japonês, ganhava bem, mas o mais importante amava o que fazia. Porém o trabalho no restaurante tomava muito de seu tempo. E John não perdia uma oportunidade, sempre que ela lhe dizia estar muito ocupada de manda-lo deixar o emprego.

     - Não John! Eu amo o que faço. – o tom de sua mãe deixava claro que ela discordava da atitude do marido – Já te disse mil vezes.

      Lizze, prevendo uma briga, pegou o máximo de pães de queijo que pode e correu para o quarto, fechando a porta e se jogando na cama, assustando Milk que miou indignada.

      - Desculpe Milk.

      A gata virou a cara para a dona e se deitou de costas para a mesma. Lizze riu.

       A tarde passou rápido enquanto ela lia um livro pelo qual ela teve um caso de amor a primeira vista. A história se passava num cenário fictício em um mundo dividido entre feéricos e humanos. *A personagem principal era humana, mas foi obrigada a ficar em uma das cortes feéricas por ter matado um deles. O final do livro deixou Lizze tão emocional que ela foi dormir chorando agarrada em Milk.

      Acordou na manhã seguinte com sua mãe invadindo seu quarto é cantando “parabéns pra você”. As duas riram muito e tomaram o café da manhã juntas. John havia saído mais cedo para trabalhar. E Lizze agradecia internamente por isso.

       As duas passaram o dia se divertindo, vendo filmes, jogando “Detetive” e brincando no quintal molhado.

      Quando o relógio indicava 7:30PM o bolo encomendado já estava na mesa e Lizze e sua mãe estavam na sala conversando sobre a nova escola da menina e as aventuras de sua mãe quando ela era mais jovem.

      - ... A professora ficou tão brava comigo que achei que seria expulsa!

      As duas riam jogadas no sofá quando a campainha tocou. Lizze olhou confusa para sua mãe, afinal John tinha a chave e ninguém mais viria hoje. Sua mãe apenas deu de ombros.

     - Deve ser John. Ele deve ter esquecido a chave.

      Ela levantou para abrir a porta e Lizze foi atrás. Mas não era John. Uma mulher de aparência severa com os cabelos presos firmemente em um coque as encarava do outro lado da porta.


Notas Finais


* O livro que Lizze estava lendo é um de meus livros preferidos, Corte de Espinhos e Rosas, da maravilhosa Sarah J. Maas.

   Todos os personagens com exceção de Lizze, Margareth e John pertencem a J.K. Rowling.

Essa história não tem dia certo para atualização. Estou reescrevendo uma outra fanfic minha de Crepúsculo, por isso pode ser que eu acabe demorando para atualizar por aqui.

Se gostaram comentem por favor! Eu amo ler os comentários.


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...