História SomeBody To Love - Capítulo 9


Escrita por:

Postado
Categorias Glee
Tags Achele, Cherioos, Diannaagron, Faberry, Glee, Leamichele
Visualizações 29
Palavras 1.360
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Comédia, Crossover, Drama (Tragédia), Famí­lia, Fantasia, Ficção, Ficção Adolescente, LGBT, Policial, Romance e Novela, Survival, Universo Alternativo, Violência
Avisos: Álcool, Bissexualidade, Drogas, Heterossexualidade, Linguagem Imprópria, Sexo, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Mais um Capitulo Leitores !!!!

Capítulo 9 - Eight


Fanfic / Fanfiction SomeBody To Love - Capítulo 9 - Eight

Dianna

Cheguei em casa após outro dia cansativo de trabalho, me jogo no sofá, me perdendo em meus pensamentos.

O que a Lea tinha na cabeça de ir em minha sala, ela sabe muito bem que não consigo resistir ao seu toque e não vai parar até conseguir o que quer menos de uma semana quase transei duas vezes com ela, está tentando me levar a loucura só pode, ainda tem Patrick que dormiu comigo, estou perdendo a cabeça. Então sou acordada dos meus pensamentos com meu celular vibrando. Recebo mensagem dos dois me chamando para sair, respiro fundo pensando em uma resposta.

Respondo que não daria para sair, estaria ocupada.

 

Levanto e vou para o banho, quando volto coloco algo na tv, estava passando a comedia;

The Rocky Horror Picture Show – 1975 – (A história gira em torno de um jovem casal de noivos cujo carro quebra durante uma tempestade perto de um castelo onde eles procuram um telefone para pedir ajuda. O castelo é ocupado por estranhos com trajes elaborados que estão a celebrar uma convenção anual. Eles descobrem que o chefe da casa é Frank N. Furter, um "cientista louco" que, na verdade, é uma travesti alienígena que cria um homem musculoso em seu laboratório. O casal é seduzido separadamente pela cientista e, posteriormente, liberado pelos servos)

 

Passo minha noite toda assistindo ao musical.

 

Dois dias se passam me mantenho ocupada no trabalho para ter uma desculpa a Patrick e Lea. Meu chefe foi a minha sala alguns dias atrás, para que eu fizesse uma ação voluntária em um asilo de New York fazer uma matéria para revista.

 

Pego minha mala, com vários papeis, canetas e uma câmera fotográfica e saio em direção ao local.

 

Ao chegar me apresento a algumas pessoas informando que estaria sentada nas cadeiras mais distante do pequeno palco a minha frente, quero ver como eles trabalham não quero que agem diferente só porque tem ‘’uma importante presença’’

 

Faço algumas anotações sobre o evento, e eles anunciam que teria uma pequena apresentação de música é muito importante na recuperação de muitos idosos.

 

Ouço as primeiras notas da música, mas não tiro minha atenção as minhas anotações. As Primeiras frases começam a ser cantadas.

 

The day I first met you (No dia em que te conheci)

You told me you'd never fall in love (Você me disse que nunca iria se apaixonar)

Now that I get you (Agora entendo você )

I know fear is what it really was (Sei que era medo)

Now here we are, so close (Agora estamos aqui, tão próximos)

Yet so far, haven't I passed the test?( E ainda tão distante, não fui aprovada no teste?)

When will you realize(Quando você perceberá)

Baby, I'm not like the rest?( Querida, que eu não sou como o resto?)

 

Aquela voz que bagunçava meu mundo estava ali em minha frente cantando sobre o amor. Fixo meu olhar nela sem ter nenhuma reação a não ser essa.

 

Don't wanna break your heart (Não quero partir seu coração)

Wanna give your heart a break(Só quero dar um tempo a ele )

I know you're scared, it's wrong(Eu sei que você está assustada, é errado)

Like you might make a mistake(Como se você fosse cometer um erro)

There's just one life to live(Só temos uma vida para viver)

And there's no time to waste(E não temos tempo para desperdiçar)

So let me give your heart a break(Então, deixe-me dar um tempo ao seu coração)

 

É perfeito a forma que ela se expressar através da música, suspiro fundo no meu canto. Então a mesma termina de cantar.

 

Essa música que canto para vocês, já diz a letra não a tempo para desperdiçar no amor, nos sonhos, independente das nossas idades somos jovem para lutamos.

Sorrio ouvindo suas palavras, levanto indo embora do local, precisava arejar a cabeça.

 

Vou para casa levando tudo que havia anotado sobre o evento, me jogando como sempre em meu sofá, olhando para o teto.

 

Pego meu celular, mandando uma mensagem para lea.

 

Me encontre hoje à noite no Minskoff Theatre terá a peça FunnyGirl sei que você adora –

 

FunnyGirl ( é uma peça aonde Fanny Brice, é uma comediante e cantora talentosa, sai da obscuridade para se tornar uma das artistas mais amadas dos palcos da Broadway, em Nova York. Em busca de felicidade, ela se aproxima do charmoso Nicky Arnstein- 1968)

 

Saio de casa e vou em direção ao uma floricultura comprando apenas flor copo-de-leite. Logo após vou para a entrada do Concert, aguardando a morena chegar. Quando a vejo abro um enorme sorriso a cumprimentando, dando espaço para que ela andasse em minha frente.

 

Durante a peça não parava de olha-la que a todo momento ria e cantava as músicas, aproveitei para tirar algumas fotos dela distraída pelo celular.

 

Obrigada por me trazer – diz a morena encostando sua cabeça em meu ombro entrelaçando nossos dedos, sorrio com o gesto prestando atenção na peça. Ao acabar pergunto se ela estava com fome, afirma que queria comer bolo, entramos em meu carro e fomos em uma padaria, logo depois paro em um local, mas tranquilo para comemos ali no carro mesmo. Ela pega seu bolo o atacando.

 

Isso tudo é fome? – Rio pegando algumas batatas comendo.

 

Também, porem estava com vontade de comer bolo de chocolate – lea diz me oferecendo, nego com a cabeça enquanto como. Ficamos conversando por alguns minutos entre risadas de lembranças tosca, mas um silencio invade o ambiente. Encosto minha cabeça no banco do motorista fechando os olhos, sinto sua mão tocar meu rosto, abro os olhos encontrando os castanhos, ficamos ali apenas uma admirando a outra sem dizer nenhuma palavra.

 

Quando ira embora? - quebro o silencio.

 

Ainda vou ficar alguns dias, não sei ao certo de quando- a morena sorrir me dando um selinho.

 

Antes que me esqueça comprei essa flor para você – tiro de meu casaco a entregando.

 

Você é adorável dianna – lea cheira a flor, colando nossas testas – você é minha exceção – ouço ela sussurrar essas palavras de olhos fechados.

 

Então selo nossos lábios, em um beijo calmo.

 

 Quero que saiba que todas as vezes que cometo erros, estou tentando ser uma pessoa melhor para esta ao seu lado, mas falho em minhas chances, não quero ser perfeita até porque não existe perfeição, clichê dizer que você seria a peça que falta em meu quebra cabeça, quando eu vejo esses seus olhos me perco, mas são os mesmo que me traz paz, vou admitir que seus sorrisos são meus favoritos, amo seu cabelo bagunçados nas manhãs, posso passar horas falando tudo que é maravilhoso em você.

 

Ouço tudo aquilo sem tirar meus olhos dela, sorrindo de orelha a orelha, seguro em suas mãos fazendo carinho com meus polegares.

 

Não sei, o que dizer depois dessas palavras que falou pequena – dou um selinho rápido nela, que segura meu rosto deixando o selinho, mas demorado logo finalizado.

 

Você poderia dormir lá em casa, qualquer dia – lea fala enquanto olhava para fora do carro atrás da janela com ele em movimento.

 

So pensa nisso Michele – rio mantendo atenção na estrada.

 

Eu não, só estou te chamando para gente assistir um filme, nada a mais – ela gargalha cínica.

 

Sei, nem parece a pessoa que alguns dias atrás estava implorando.... – Mordo os lábios relembrando logo rindo ao percebe o tapa que lea deu em meu braço.  

 

Cala a boca, pelo menos não sou eu que a mãe flagrou transando e foi empurrada para fora a cama – a morena rir.

 

Não se esqueça que eu estava comendo você e minha mãe ficou olhando para sua cara – rio empurrando ela de lado.

 

Eu fiquei tão sem graça depois para olhar sua mãe, o que ela ia pensar de mim, mas ainda bem que ela não falou nada – a morena arruma seu cabelo.

 

Você queria que ela falasse o que, me avise quando forem transar – rio estacionando o carro em frente sua casa.

 

Pelo menos tranco a porta do quarto, só você para querer transar com ela destrancada, sabendo que seus pais estão em casa – ela sorrir tirando o cinto.

 

Então pretende trancar a porta, quando vim dormi aqui? – Levanto uma sobrancelha.


Notas Finais


espero que gostem,deixem nos comentários


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...