1. Spirit Fanfics >
  2. Soneto da Saudade >
  3. Capítulo Único - Doce Tarde

História Soneto da Saudade - Capítulo 1


Escrita por:


Notas do Autor


Escrevi esse pequeno one-shot já faz algum tempo, mas não sabia como continuá-lo, não queria publicar assim e também não queria excluir.
Fiquei bem indecisa haha, mas após o anúncio de que Bleach vai voltar a ser animado em 2021 (SIM, ISSO NÃO É FAKE❤️), decidi publicar.
Espero que gostem, eu dedico esta para os fãs de GinRan.

Capítulo 1 - Capítulo Único - Doce Tarde


  "A música é o doce da alma. Ela é a brasa ardente que transmite os sentimentos humanos de forma lírica, do modo que qualquer ser humano que a ouça sinta os sentimentos do compositor e os seus próprios"

  Momo não se lembrava de ter lido nada tão complexo e puro durante um bom tempo. Desde que se entendia por gente, Momo Hinamori era uma ávida leitora. Parte deste hábito ela creditava a Aizen (que era uma das poquíssimas coisas de bom que ele havia lhe proporcionado) e outra parte creditava a Toushirou, que sempre havia lhe incentivado a ler sobre vários temas. 

  Este é um dos poucos dias onde Momo está livre de suas tarefas habituais, e, como sempre, ela preferiu passar seu dia de folga na Divisão 10, junto com Toushirou. A 10° Divisão tinha uma grande coletânea de livros em sua biblioteca particular, e era lá onde Momo havia pegado este livro sobre música alguns minutos antes. Somente aquela parte de prólogo já havia sido interessante, Momo já criava espectativas para o livro em si.

  Ela estava deitada no sofá do escritório de Toushirou, com um prato de bolinhos ao seu lado, enquanto Toushirou se prostrava resolvendo sua costumeira pilha de documentos (a metade pertencendo a Rangiku, que havia sido dispensada por estar com uma belíssima ressaca naquele dia).

  — Já leu este livro, Shiro-chan? — Momo pergunta, levantando o braço para que Toushirou possa enxergar o título do livro.

  — Não me chame de Shiro. — Ele responde, tomando um gole de seu chá. — E sim, já li esse livro. Pelo que sei, Isshin ganhou de alguém quando ainda era capitão.

  — Interessante. Na contra capa tem uma dedicação, você já viu? — Momo se senta no sofá, espiando por um dos braços.

  — Me deixe dar uma olhada. — Toushirou caminha até Momo, as sobrancelhas arqueadas.

 Observou as letras floreadas na página amarelada. Nela, estava escrito:

 

  “ Talvez se meu grande amor vivo estiver, 

     Meu sonho doce irá se realizar,

     Um pequeno beijo de solstício ter,

     E saber para sempre irei o amar ”

 

  — É uma pena que não tenha pelo menos as iniciais de quem escreveu...— Momo diz, fazendo um muxoxo, enquanto pegava o livro.

  — Às vezes os autores preferem ficar anônimos. No anonimato qualquer um pode tomar a frase de uma forma própria, mas quando há o nome de quem escreveu, se torna uma propriedade privada, digamos assim. — Toushirou comenta, pegando um dos bolinhos e se sentando ao lado de Momo. Ela pergunta:

  — Como assim? 

  — Meu capitão quer dizer que quando você sabe quem escreveu algo, você passa a pensar no porquê de aquilo ter sido escrito. — Uma voz feminina surge, atrás dos dois. — E quando você não sabe, você tende a pensar mais no que aquilo significa para você como leitor. São poucas as pessoas que realmente param para pensar em quem é o autor anônimo. Pode ser uma pessoa que você conhece bem, quanto um completo estranho. 

  Toushirou faz uma carranca.

 — Bom dia para você também, Rangiku. Não estava de ressaca? 

 — Oh! É mesmo! — Rangiku faz uma carinha inocente, enquanto diz, com tristeza fingida: — Bem, eu estou de ressaca, mas acontece que lembrei que se eu faltasse mais uma vez neste mês, o senhor ia cortar metade do meu salário! 

  Momo dá um sorriso constrangida com a declaração, enquanto Toushirou resmunga um "que comovente".  

— Mas de qualquer forma, eu sei quem escreveu isto. — Rangiku declara, com o semblante sério.

 — Quem foi?! — Momo pergunta, os olhos brilhando de excitação.

 — Fui eu. — Rangiku diz simplesmente, sentando ao lado de Momo.

  Momo arregala os olhos, enquanto Toushirou fica imóvel.

 — Eu escrevi isto quando Gin morreu. Estava na biblioteca quando tive um acesso de raiva e choro, então isto veio na minha cabeça e escrevi neste livro. — Explicou, com um semblante triste.

 Momo apertou a mão da amiga na sua, perguntando:

 — Sinto muito, Rangiku-san. Teve algum motivo especial para escrever neste livro?

 — Este livro está cheio de partituras de músicas. Tem a partitura de piano de um soneto de Bethoven. Gin era apaixonado por ela. — A resposta veio, carregada de amargura.

Após alguns instantes de silêncio, Toushirou declarou:

 — Estas coisas são mais complicadas do que parecem. 

  Rangiku fez um sinal positivo.

 — Sim, senhor, elas são.

 

 


 

                                      

     

                                  




 

 


Notas Finais


É one-shot realmente curto e não é um dos meu melhores trabalhos, mas ainda sim, é leve e espero que vocês gostem ❤️
Por fim, tenham cuidado com o Covid-19 e aproveitem o tempo em casa para escrever fics! :3
Revisem, por favor!

Beijos de cereja ❤️


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...