1. Spirit Fanfics >
  2. Sonhos de uma noite de verão(Tododeku e Kiribaku) >
  3. Capítulo treze

História Sonhos de uma noite de verão(Tododeku e Kiribaku) - Capítulo 13


Escrita por:


Notas do Autor


Olha só um capitulo novo! Gente não sei se vocês vão gostar dele, foi muito difícil escrever esse cap, nas notas finais conto com mais detalhes o porque. Boa leitura e desculpem os erros

Capítulo 13 - Capítulo treze


 – Momo, isso já esta passando dos limites!

– Concordo plenamente Fumikage, então querido esposo pare de me importunar, o garoto vai ficar com as fadas, sobre meus cuidados.

Kota e um  garoto muito especial, um ser muito raro na natureza, um duende. Esses seres nascem da união entre fadas e elfos. Fadas não costumam se reproduzir, nascem da própria natureza, das arvores, flores entre outros e sempre nascem mulheres. Elfos geralmente se acham superiores aos outros seres e não é comum se relacionarem com outro indivíduos que não seja outro elfo, diferente das fadas eles existem de ambos os generos, tantos masculino quanto feminino.

Embora todos cuidem da natureza não costumavam se relacionarem entre as duas especies, fazendo um duende ser extremamente incomum de nascer. Essa falta de convivência obviamente mudou desde que Momo Yayorozu rainha das fadas e Fumikage Tokoyami rei dos elfos se casaram( algo que chocou ambos os reinos). Mas o garoto Kota não é filho deles, seus pais morreram ao proteger a floresta, sua mãe era a principal dama de companhia de Momo, enquanto seu pai era o general mais importante de Tokoyami. A fada reivindicou o menino para o reino das fadas, não porque duendes traziam boa sorte aqueles em que se afeiçoavam( o que realmente acontecia), mas sim porque prometeu isso a mãe do menino.

– Momo não seja...

– Não, eu dei a minha palavra a mãe dele no leito de morte dela que cuidaria de seu filho, não vou abrir mão dele porque você quer ter boa sorte.

Eles discutiram mais um tempo, então cheio de raiva o elfo foi embora. Mesmo casados os dois tinham seus palácios e reinos para tomar conta.

Tokoyami estava a caminho do território dos elfos quando avistou dois meninos humanos andando pela floresta, ficou cuidando para ver se estavam ali para fazer algum mal para a natureza, percebeu que não, ao que pareceu estavam se escondendo do restante dos humanos, um deles tinha o cabelo e os olhos verdes, falava sobre os habitantes da floresta, parecia que entendia do assunto, Fumikage notou que muitas das coisas que ele citava chegava bem próximo da realidade, o outro garoto possuia algo incomum metade do seu cabelo era vermelho enquanto a outra metade era branco, seus olhos tambem eram um de cada cor, azul e cinza, e possuía tambem uma cicatriz de queimadura no olho esquedo, o azul, esse porem não parecia acreditar nos seres da floresta. Tokoyami observou mais um pouco os dois percebeu que eram um casal, e eles eram apaixonados um pelo outro, sabia que isso não era mais tão frequente entre os humanos, eles apenas queriam dinheiro e poder. Como era nítido que não forneciam nada do que se preocupar deixou o casal seguir seu caminho

No entanto momentos depois chegou um terceiro menino humano, este loiro com o olhos vermelhos, este exalava raiva, talvez fosse um perigo o que faria com ele? Antes de resolver chegou para a surpresa do elfo o quarto garoto, de olhos e cabelos vermelhos este estava gritando.

***

Kirishima viu quando Bakugo entrou no meio das árvores, foi atraz dele correndo dessesperado mas a escuridão fez ele perder o outro, ligou a lanterna de seu celular agradecido de ter carregado ele antes de sair de casa, contudo mesmo assim não conseguia encontrar o loiro

– BAKUGO... BAKUGO - chamava desesperado, o mais alto que conseguia - ONDE VOCÊ ESTÁ?

O garoto não sabia por onde ir, como iria conseguir voltar? E se ficasse perdido? Ele mesmo perdido ficava pensando " Droga tomara que ele não encontre os outros, que eles consigam fugir"

– BAKUGO... MIDORIYA... TODOROKI... ALGUEM POR FAVOR...

– Então eu estava certo né Kirishima eles estão por aqui - Eijiro ouviu a voz de loiro um pouco antes dele sair de traz de uma árvore.

– O que? Por que você esta ai pensei que ja estava bem na frente.

– Você não parava de gritar, assim vai alertar aqueles dois e não conseguirei encontrae eles nunca.

– Ba...Bakugo por que...?

– Por que o que? - Kirishima não terminou a pergunta - fala de uma vez.

– Por que não deixa eles em paz Bakugo? - falou cheio de coragem - Izuku não quer nem saber de você, deixe ele ser feliz. Acha que vocês vão ter uma vida boa juntos? Não vão, ele não te quer

– Então devo ficar com você que me quer? É isso Kirishima, você quer que eu volte por esse caminho e viva resto de minha vida com você?

– Não é isso.

Kirishima respondeu firmemente ao loiro, algo no fundo de Katsuki ficou incomodado com a resposta, imaginou que seria outra coisa que ouviria do ruivo.

– Tcs.. não tenho tempo pra perder vou atraz deles, se você andar rapido deixo vir comigo para não ficar perdido na mata.

Então eles sairam andando em silêncio, " porra por que disse para ele vir comigo? Devia ter mandado ele voltar para a cidade" pensava Katsuki. Ele nunca entendeu o porque começou a sair com o ruivo, e muitos menos o por que continuou, ele dizia a si mesmo muitas vezes que era porque o ruivo era excepcional na hora do sexo, o corpo de Kirishima era incrivel, seus músculos bem definidos, pois ele adorava malhar. Bakugo nunca admitiria para ninguem, na verdade gosta de enganar ele mesmo, porém passou noites pensando em Eijiro, no corpo no rosto lindo do garoto, na pequena cicatriz que ele possui a cima do olho direito que deixava ainda atraente, mas não era so na aparencia que ele pensava, varias vezes depois que eles se encontravam, quando ia dormir o loiro ficava repassando os momentos com o ruivo, o que ele dizia, ninguem nunca falou com Bakugo da forma que Kirishima falava, era algo tão diferente, ele nunca demonstrou medo de falar o que quisese, geralmente as pessoas que cercavam Katsuki tinham medo do que ele pensava ou achava das coisas, seus amigos( talvez não era assim que deia chamar os garotos que sempre andavam com ele) sempre faziam tudo que Bakugo falava, era como se gostassem de agradar o garoto, ou não quisessem desagrada-lo.

Kirishima era diferente, por mais que tivesse pedido na ultima vez que transaram que Bakugo fosse menos agressivo e mandão, o loiro nunca tinha feito nada que não fosse trazer prazer para os dois, e sempre fez tudo o que o outro garoto pedia ou sugeria, e isso nunca aconteceu com nenhuma outra pessoa, com nem um outro com quem Katsuki tivesse feito sexo.

Ele sentiu algo muito estranho no dia anterior quando brigava com Todoroki, quando Kirishima o socou algo dentro dele doeu ainda mais que o soco que levou, e o soco tinha cido bem forte. Quando olhou no rosto do outro, quando os dois pares de olhos vermelhos se encontraram por alguns segundos ele viu a dor que causou no ruivo. Tinha falado um monte de coisa no dia em que Kirishima foi a sua casa, coisas qie sábia que iria afastar o garoto, não queria que o outro continuasse apaixonado por ele depois que se casasse. Porém fez muito mais que afastar o garoto, nunca pensou que Eijiro ficaria tão triste, ele reparou que os olhos do garato estavam inchados de tanto chorar, pensou que talvez aquilo pudesse acontecer, contudo quando viu que realmente causou dor nele não gostou. Não sabia o que fazer e muito mesmos o por que queria fazer algo, só sabia que não devia deixar Kirishima sofrendo mais.

– Bakugo - chamou Eijiro depois de um tempo andando - posso te fazer uma pergunta?

– Tcs... essas suas perguntas sempre me deixam com raiva.

– Tudo de deixa com raiva. - disse o ruivo rindo.

Realmente Kirishima era diferente de qualquer pessoa, niguem ria da cara de Bakugo na frente dele assim.

– O que você quer saber?

– O que você acha que vai acontecer depois de se casarem?

– O que? Como assim? Que porra de pergunta é essa?

– Izuku não quer saber de você, ele não te quer e o que você vai fazer a respeito disso?

– O Deku vai se acostumar, ja disse depois que ele transar comigo vai esquecer aquele meio-a-meio de merda.

Kirishima parou de andar, Bakugo notou e parou também virando para ver o que aconteceu.

– Então você vai forçar ele? - disse Eijiro aterrorizado

– Que porra Kirishima, é claro que não, jamais fiz isso. É tão dificil para você me imaginar com outro? Eu ja disse que nunca tivemos nada serio - enquanto dizia isso ele pensava "droga não devia tar brigando com ele de novo" - eu não sei mais o fazer nunca devia ter ficado tanto tempo com você, agora ta ai um imbecil apaixonado achando que vai dizer algo que me faça desistir do casamento - por mais que não quisesse tinha que afastar o ruivo.

– Não é isso, estou apenas preocupado com meu amigo porque Bakugo é isso que significa amizade verdadeira, você se preocupa com a vida do amigo, se ele esta bem fisica e mentalmente, se esta feliz, mas acho que você não sabe disso né, não tem um amigo de verdade, você não tem niguem pra se importar, ninguem que goste e valorize, ninguem que você ama.

– Tcs... mas você tem não é Kirishima, você tem alguém que ama. Fala de uma vez porra, fala que me ama.

Bakugo se aproximou, seus olhos eram puro odio, enquanto os de Kirishima eram medo, pela primeira vez Katsuki viu o medo naqueles olhos, então o medo se transformou, o garoto ruivo abaixou o olhar respirou fundo e disse:

– Sim, eu te amo. Amo a muito tempo, e queria é óbvio que esse sentimento fosse mútuo, sabe você tem razão quando diz que eu não te conheço, por um tempo eu achei que estava gostando de mim. Achei que logo sua marra iria passar e que diria que éramos namorados, mas isso é impossível.

Eijiro voltou a erguer os olhos ae encaram por um momento então ele avançou, segurou o braço do outro quando chegou perto para beijar Bakugo disse

– Tire suas mãos de mim.  - deu um passo para traz - eu não te amo, nunca te amei e nunca, nunca vou te amar, nunca cheguei nem perto de gostar de você, eu so quero o Deku o unico que terei um relacionamento será ele. Quer saber não me importa se você se perca sai agora daqui vai embora Kirishima, não quero mais saber de você. 

Bakugo saiu dali com pressa, deixou Kirishima aos prantos, sozinho e com muita dor no coração, Eijiro pensava que talvez fosse realmente muito burro mas algo dentro dele dizia que tudo o que Katsuki falou era mentira, então saiu a sua procura afinal tambem não podia deixar o loiro estragar a fuga do amigo.

– Bakugo me espera, não me deixe aqui sozinho, Bakugo onde você esta?

O que nem Bakugo e nem Kirishima sabiam era que toda sua caminhada e sua conversa foi observada por alguem. E esse alguem via algo nos humanos que eles próprios conseguiam ver, Tokoyami conseguia ver a alma das pessoas. Conseguia ver ate mesmo quando um humano escondia um sentimento dele próprio. 


Notas Finais


Gostaram? Espero que sim. Vocês já leram Sonhos de uma noite de verão, de Shakespeare?

Bom, na obra original a Titania ( que é a Momo) e o Olberon (Tokoyami) brigam por causa de um garoto, mas não diz o por que da briga, a Titania fala que ele é filho de uma amiga dela e só, mas nunca fala por que o Oberon que quer a criança. Porém eu nunca gostei disso então achei que nessa história deveria ter a explicação do porque eles querem o menino. Ficou boa?

Outra coisa muito dificil é que Helena ( Kirishima) é uma boca, fica apenas seguindo cegamente Demétrio ( Bakugou ), ela ate conta para ele sobre a fuga para que assim ele se apaixone por ela. Eu não queria o Kiri assim, queria que ele fosse apaixonado por Bakugo mas não fosse um bobo, e não fosse um péssimo amigo. Demétrio passa a obra inteira rejeitando Helena é muito grosso com ela e no final sem mais nem mesnos tá amando ela. Estou tentando fazer um pouco diferente, mas tenho receio que não fique bom o que estão achando? A opinião de vocês é muito importante para mim.
Bjos ate o próximo.


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...