História Sonhos Estranhos - Capítulo 3


Escrita por:

Postado
Categorias Histórias Originais
Personagens Personagens Originais
Tags Sonhos
Visualizações 9
Palavras 3.502
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 16 ANOS
Gêneros: Aventura, Fantasia, LGBT, Magia, Mistério, Misticismo, Romance e Novela
Avisos: Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo
Aviso legal
Todos os personagens desta história são de minha propriedade intelectual.

Capítulo 3 - Outras Visões


Fanfic / Fanfiction Sonhos Estranhos - Capítulo 3 - Outras Visões

Bárbara 

A luz rosada vinha de cima e inundava todo aquele lugar noturno, deixando a vegetação arroxeada magenta . Eu apenas sentia felicidade antes de olhar para cima , mas depois de ver o portal de espirais cor de rosa a euforia me tomou . Uma passagem para o bem-estar infinito , a minha frente,  apenas esperando que eu a agarrasse com todas as minhas forças. Eu tinha tremedeira, ansiosa.


Mirelle 

Quase tive um desmaio , a sensação de realização me arrebatou. Meu coração estava apertado de ansiedade quando fui  pega pelas mãos e levada da direção da imensidão rosa que me aguardava .


-Vai primeiro você Mille - disse Anna gentilmente , suas mãos eram macias e lisas, características inumanas como sempre e , pela maciez de sua pele pensei ter caído nos lençóis de uma cama feita de nuvens e tirada de lá quando a fada me jogou em direção ao portal .


Mas em vez de ser levada para um paraíso cheio de magia , fui levada apenas para o escuro quando a inconsciência foi iminente .


Bárbara 

Depois de Mirelle passar pelo portal foi a minha vez . Anna nada disse e apenas fez cara irritada quando me levantou também.


- Não quero que viva na mesma dimensão da minha filha , mas temos um acordo - declarou com rancor .


-Mãe, ela tem muitos e diversos motivos para ser assim hoje em dia e você sabe -enfatizou em voz calma,  após as muitas explicações Yoki parecia saber mais sobre a situação do que a própria Anna e a chamava pelo nome correto sem problemas. 


-Hum! - de repente, colocou as mãos na cabeça enquanto me segurava , quase fazendo-me virar panqueca se Yoki não me tivesse pego- Ai! Esqueci de avisar a Mille ! A troca de dimensões acaba deixando vocês inconscientes por algum tempo . Tomara que ela não estranhe muito... - pareceu demonstrar preocupação .


- É... Posso ir agora ? - perguntei.


A fada se irritou e me jogou na direção do portal sem delicadeza alguma.


Yoki 

- Mãe! Precisava mesmo tratar ela daquele jeito ?! - bronqueei .


- Não quero que você fique perto dela , Bárbara é do tipo "marcada pela vida" - justificou .


- E isso não é culpa dela , sei disso mais do que ninguém.  Frequentei os sonhos dela dos 7 aos 11 anos, depois dos 8 ela já sabia o que o pai pretendia para ela , tudo, o que ele pretendia - disse , com pena da antiga situação de Barbie - Ela é realmente uma torturada pela vida .


- E é exatamente por isso que eu não quero você perto dela , não quero que ela compartilhe suas mágoas com você . Não quero que você se torne como ela... - admitiu,  temerosa .


- Eu passei a vida toda praticamente sozinha nesse lugar , vivendo a própria sorte , não acha que já tenho minhas mágoas? - argumentei - Engraçado que você não tem esse comportamento com a Mirelle - percebi, desconfiada .


- Ela também é um tanto torturada, mas consegui salvá-la do pior , salvá-la de seu destino . Bárbara já vivia sabendo o que aconteceria , para a Mille isso seria uma surpresa , o que a deixou ter o mínimo de esperança. Eu aprecio a esperança, foi o que eu perdi quando você foi levada.


- Deixe ver se eu entendi , você gosta da esperança de Mirelle? - perguntei, levemente confusa , como a esperança que alguém poderia ser tão especial ?


- Eu... Gosto de mais do que a esperança dela - confessou .


- Não me diga quê...? - não consegui terminar a frase, pois sua resposta foi imediata.


- Sim - disse simplesmente.


- Mãe ! Só me responda uma coisa, quantos anos você tem ?


- Seiscentos e setenta e dois.


- E quantos anos a Mirelle tem ? - tentei conduzi-la ao pensamento que eu tinha .


- Treze... - suspirou , parece que finalmente tínhamos o mesmo pensamento em mente - Tem razão, ela é nova até da dimensão humana , uma criança- a decepção era visível em sua voz.


- Ei - me arrependi de desanimá-la - Você pode tentar quando ela fizer dezoito - sugeri .


- Até lá ela com certeza vai ter se afeiçoado a uma das fadas ou das sereias dos reinos - pelo visto , agora minha mãe era a sem esperança.


Eu não devia ter dito isso , ela perdeu o primeiro amor e , pelas horas de explicações que deu , está sozinha desde então. E quando ela sente algo diferente por alguém, você joga os fatos na cara ! Parabéns Yoki! 



-Há algumas coisas que eu ainda não entendi sobre os reinos - tentei distraí-la - Se minha mãe era a governante da parte de sereias , depois que ela... - escolhi cuidadosamente as palavras para não colocá-la mais para baixo - Desapareceu , quem ficou no poder?


- Sua tia , Mayim - respondeu, contendo uma raiva que se percebia ser imensa .


- Espera aí... Maya... Mayim... Me diz mais uma coisa , criatividade não é uma qualidade das sereias certo? - perguntei segurando o riso .


- Não- riu - Não mesmo.


- Agora entendo tudo ! Menos o motivo de você dizer o nome dela com tanta raiva .


- Na época em que eu e sua mãe nos conhecemos Maya estava iniciando seu governo , e minhas irmãs ainda não haviam saído em exploração... - fez uma pausa - Melhor te contar desde o início. Eu tinha duas irmãs, foi decretado tradição uma família ter três filhos , nas duas partes , foi a primeira decisão tomada em conjunto e o objetivo era povoar a dimensão.  Maya tinha Mayim e Dylan, eu tinha Anelise e Jade . Também era tradição que , se quisessem, apenas dois dos irmãos poderiam se tornar exploradores e irem a procura de outras dimensões capazes de armazenar magia, o povoamento já não era o principal , nosso objetivo era encontrar um local para armazenar algumas criaturas. A governante das sereias da época presenteou Maya com seu governo por ela ser a melhor soldada do exército montado para casos de guerra , fosse a ameaça externa ou interna . Minha mãe era a governante e o reino foi passado a mim.  Foi no meu primeiro Encontro de Nações que conheci a futura nova governante e seus irmãos e vice e versa. Dylan e Anelise tiveram algo muito especial, e, acima de tudo, escondido . Jade teve um forte amor por Mayim , coisa que ela nunca retribuiu. Por tristeza e coração partido minha irmã mais nova saiu do reino , se alistou junto com Anelise para as explorações. A mais velha, pelo menos, foi por vontade própria e complô com Dylan, para que pudessem ser felizes longe daqui , em uma nação criada por eles , onde o romance entre seres de espécies diferentes não seria proibido .


- Mas... Como você pode culpar alguém por não corresponder um sentimento ?


- Pelo simples motivo que levou Jade a ser morta - engoli em seco , os reinos não eram tão perfeitos assim , afinal - Ela e Ane encontraram as últimas dimensões conhecidas capazes de armazenar magia, mantínhamos contato por meio de pequenos aparelhos mágicos que tinham a função de mostrar , em tempo real , o que o outro fazia em terceira pessoa , além de que a voz era escutada. O contato com Anelise é mantido até hoje , mas o com Jade... Ela ficou muito tempo sem transmitir e , quando pôde se comunicar me contou que a dimensão entrava em colapso , novas criaturas chamadas videntes que tinham o governo superior estavam sabendo de um romance que tivera com uma sereia , Serena , se não me engano , a "líder", como chamavam na dimensão , era uma das sereias que saíram daqui . Ela contou que as duas tiveram uma filha que chamaram de Alice , uma híbrida como você. A menina fugiu , mas as duas não. Ela dizia que seria executada em breve e que os outros líderes estavam sabendo e tramando um modo de derrotar as videntes . Ela desabava em lágrimas ao admitir que quando encontrassem uma maneira seria tarde demais e que , com aquilo a dimensão poderia ser completamente destruída - eu via que ela lutava para manter as lágrimas longe de seus olhos , mas mesmo assim elas insistiram e conseguiram cair dos olhos daquela mulher tão torturada - E é por isso que eu culpo Mayim, se ela tivesse correspondido os sentimentos de minha irmã, mesmo que em fingimento, Jade não teria ido e consequentemente não teria sido... Morta.


- Espera, espera!  - a primeira tentativa de distração foi um fracasso então a solução era tentar novamente - "Outros líderes "? Mais de um para a mesma espécie? - perguntei, era uma tentativa de distração, mas a confusão era real.


- Longa história , e não temos muito tempo .


-Por favor - pedi de maneira infantil , prolongando o "o" de "favor" .


-Ok, ok - finalmente eu via alguma animação em seu rosto - Bem ,isso já faz um bom tempo, antes de meu nascimento, no meio do governo de minha mãe, neste mesmo local começaram a surgir criaturas estranhas,elas foram aprisionadas em bolhas mágicas que precisaram da união de sereias e fadas para serem criadas. As criaturas estranhas eram diferentes umas das outras. Algumas pareciam fadas , mas tinham penas em suas asas . Outras duas eram humanóides; algumas tinham os cabelos vermelhos sangue e as outras não pareciam ter nada de especial . As criaturas surgiam aos montes e em certo momento foi preciso encolhê-las para que coubessem no espaço reservado - aquilo pareceu soar como uma piada para ela - Então as expedições começaram,  em busca de um local onde as criaturas pudessem ser integradas a sociedade , afinal , as tentativas anteriores acarretaram em muitos mortos e feridos. Todos que saíam em exploração levavam em torno de trezentos seres que eram escolhidos pelo grupo explorador . Jade escolheu levar cento e cinquenta dos apelidados de anjos  e cento e cinquenta dos apelidados de demônios , seu erro foi levar três das criaturas desconhecidas que ela logo chamou de videntes . Ane também levou esta mesma quantidade de criaturas inclusive as não identificadas, mas não conseguiu intregrá-las.


- E essas criaturas deixaram de aparecer ou... - não pude terminar a pergunta , mais uma vez ela foi mais rápida.


- Não, continuam aparecendo até hoje , e cada vez mais elas têm de ser encolhidas , em algum momento vão ficar do tamanho de um átomo! - mais uma vez senti que aquilo era uma piada e que minha mãe se recuperava - Brincadeira , depois de algum tempo, uns pouquíssimos anos após seu nascimento eles pararam de aparecer,  nunca conseguimos entender essa ocasião.


- Minha curiosidade está satisfeita- disse , lambendo os lábios para causar algum humor .


Percebi que minha tentativa não foi falha quando vi minha mãe cair em gargalhadas que enchiam meu coração de alegria .


- Acho que... - ela tentava recobrar o fôlego e ria um pouco enquanto tentava -Podemos ir então, certo ?


- Certíssimo - foi minha vez de rir- Ah, mais uma dúvida - me lembrei.


-Ah , não! - fingiu reclamar - Desse jeito prefiro não ter descendentes .


- Adeus, tô voltando pra sonhos alheios - brinquei fingindo voltar para a floresta - Ok , ok , chega de brincadeira , minha pergunta é sobre mestiçagem.


- Prossiga.


- Eu... Tenho asas ? - revisei mentalmente o que tinha dito - D-Digo, não deveria ter ?


- Boa pergunta... - ficou pensativa - Alice não tinha asas ou cauda, ainda assim podia voar e nadar muito bem.


Me desanimei , afinal , uma fada não é uma fada se não tem asas . Eu queria poder me tornar uma fada normal , ter uma eternidade normal  .


- Se está preocupada com a interação social nem precisa , as fadinhas são super compreensivas,  um dos ensinamentos passados é aceitar diferenças,  por maiores que sejam . Deve ser esse o motivo pelo qual elas são tão mais inocentes do que os humanos ...


- Hum ? - me interessei pelo assunto - Inocentes a que ponto ?


- A um ponto extremo -admitiu normalmente. 


Tive uma sensação ruim ao saber daquilo, como se meu subconsciente tentasse me avisar algo . Ignorei a sensação,  buscando passar logo elo portal ,ansiosa para os acontecimentos seguintes e , principalmente , para daqui alguns dias , quando Barbie despertará e poderei enfim dizê-la o que acabei desenvolvendo por ela depois de tantos anos de convivência, algo que em um conto de fadas não seria julgado como amor .


- Com certeza! Poderia ser julgado, inclusive, como pedofilia - comentou minha mãe, praticamente lendo meus pensamentos - E antes que pergunte , sim , essa é uma habilidade.

Me impressionei , porém as dúvidas eram incessantes e aquela afirmação não ajudava .

- Eu não sou tão velha assim - surgiu a dúvida - Ou sou ?

- Cento e cinquenta e dois anos, precisamente.

- Eu sou- pensei mais sobre o resto de sua frase - Espera aí... Se eu tenho essa idade , não deveria ser uma velhinha?

- Eu tenho seiscentos e setenta e dois anos , e olha pra mim ! - observei-a atentamente - Uma flor em plena juventude! - deduziu por mim - Criaturas mágicas param de envelhecer aos vinte e dois anos - explicou afinal.

- Tantos números dois... - percebi .

- Pois é - entendeu - Eu não tinha notado isso... - deu uma pausa - Não importa, vamos ?- perguntou ao fim .

- Vamos - respondi,  animada .

Ela me ergueu no ar , como fizera com Mirelle , gentilmente , e passamos juntas pelo portal .

/***/

O reino era lindo , eu constatava a cada vez que o observava em sua magnitude aérea. Os pequenos pedaços de terra cheios de narureza flutuavam e , abaixo deles , um mar transparente e sem fim.  Em um desses pedaços de terra flutuantes estava o castelo,  uma construção de quartzo rosa e mármore.
As formosas colunas eram meu principal ponto de admiração , presentes em cada extremidade do castelo eram feitas de quartzo e levemente transparentes ,me pareciam ter sido construídas em estilo grego , como vi em uma aula de história em sonhos de um professor frustrado pela idiotice de seus alunos .
É, fazia aproximadamente uma semana que eu estava lá, dormindo no quarto de uma das torres como a princesa que era . Minha mãe estava no quarto logo ao lado e Mirelle e Barbie na torre oposta (suspeito de um complô) .
Desde que cheguei visito Bárbara em seu quarto e minha mãe a Mirelle , nós duas notamos as mudanças físicas em nossas amadas , mudanças decorrentes da mudança de dimensões. Posso explicar com uma simples frase : " Neste lugar , o que está dentro vem para fora e os desejos se realizam " .
E era no quarto da Jones que eu estava quando recebi uma notícia.

- Afinal quando você vai despertar ...? - perguntei para a desacordada Barbie, como em esperança que ela despertasse .

Lilian entrou ofegante , algo compreensível sendo que o castelo era enorme e eu geralmente não avisava aonde ía.

- Diga Lilian - ordenei friamente , como andava desde cinco dias atrás.

- Desculpe incomodá-la senhorita Yo , mas Anna me pediu para contá-la que em breve as senhoritas Bárbara e Mirelle acordarão do longo período de adaptação que seus organismos sofreram - contou alegre e inocentemente a fadinha, sem se importar com o modo como a tratei .

Aquela notícia me encheu da alegria que eu não sentia desde o último sonho de Bárbara que acompanhei , o último antes de eu perceber que estava me envolvendo demais com aquela garota de apenas onze anos .

- E- E quando será?!- perguntei de imediato após alguns segundos para processar o que escutara .

- Em algumas horas... - começou - Anna me pediu que preparasse a sala de aula para elas ... -  a interrompi.

- Ah , a aula sobre a história da dimensão, foi o que eu tive depois de chegar.

- Ela também me pediu que eu avisasse Kaila para que levasse a senhorita Bárbara depois do despertar - terminou.

- E por que não posso levá-la eu mesma ? - perguntei com uma sobrancelha arqueada.

- Não sei senhorita Yo - respondeu prontamente - Apenas recebi o recado de Anna .

Já suspeito dos motivos, apesar da diversas justificativas para o jeito de ser de Barbie, minha mãe insiste que ela é uma má influência.

- Pode se retirar Lilian - mandei ao final de meu raciocínio.

- Te vejo depois senhorita Yo!  - ela saiu correndo , fazendo suas marias chiquinhas esvoaçarem, coisa que deixava seu cabelo loiro claro muito mais mágico .

A ansiedade me tomava a cada segundo que eu novamente olhava o rosto de Barbie,  sua boca fina entreaberta,  seus olhos serenamente fechados , seus cabelos negros agora longos e cacheados repousando no travesseiro marfim.
E quando ouvi a voz doce de Lilian me chamando após uma conversa com Kaila, avisando sobre seu papel, percebi que deveriam fazer longos minutos que eu observava a garota de traços orientais.

- Encontrei Anna enquanto voltava para cá, ela me pediu para avisar que a senhorita deve ficar em seu quarto - transmitiu a informação.

Sem muita escolha me dirigi a torre oposta , rumando tristemente para meu quarto .

Anna

Meu ponto de vista era com certeza diferente do de qualquer outro ser envolvido na situação. Eu me via perdida diante de um amor não correspondido e impróprio; um passado tenebroso; um instinto protetor que me obrigava a não permitir relação alguma entre Bárbara e minha filha ; e outro instinto ,quase maternal,  de proteger meus súditos. Mesmo que este último me parecesse sem motivo eu sabia que o dom dado aos governantes estava envolvido . Dom este que me permitia prever destinos , pensamentos, falas ; abrir portais interdimencionais e , inclusive , saber sobre coisas futuras que ameaçarão meu reino . Pedir para Kaila e Lilian , fadas que , como muitas outras,  se ofereceram para ajudar na adaptação de Mille e de Bárbara conviverem com elas parecia errado , mas eu não conseguia descobrir o porquê .
Eu poderia ser facilmente aparentada a uma casca se deixasse que tudo o que sinto fosse visível, mas isso não seria bom para ninguém, não seria bom para meus súditos, minha filha, a Smith e a Jones .
Quem sabe um dia eu volte a ser como antes era ? Antes do fatídico dia em que deixei as sombras tomarem o corpo ferido de Maya , que deixei a sombra matá-la sem poder interferir.
Foi em mais um dos momentos que eu me culpava incessantemente que vi Yoki voltando do quarto de Bárbara, visivelmente abalada pela demora e pelo fato de eu não deixar que levasse e antiga humana até a sala de aula.

- Não fique tão triste assim - recomendei surpreendendo-a- Agradeça que desisti da ideia de dizer para Bárbara que você estava incomodada pelo o que ela sente- admiti.

- Você não faria isso...- começou - Faria? - surgiu a famosa dúvida que a perseguia desde que saíra do mundo dos sonhos.

- Faria sim -afirmei.

-Mãe!  - exclamou fazendo cara feia .

- Mas não fiz - me defendi .

Yoki respirou fundo para tentar se acalmar , depois disso continuou o seu caminho.
Eram momentos como esse que me diziam que estava tudo bem , o perigo havia passado e não havia mais motivo para desespero e tristeza .
Mas os motivos ainda existiam, que tipo de pessoa conseguiria continuar a viver depois de ter a irmã morta, não ter a mais velha para fazer companhia, ter tido a mãe assassinada , a amada morta e a filha perdida ?
Mas você não é uma pessoa , dizia o otimismo que ainda me restava . Sua irmã mais velha está viva e feliz ;você teve uma sobrinha e deve ter sobrinhas e sobrinhos em um nível absurdo de netos por todo lugar de alguma dimensão; sua mãe pode ter morrido extremamente desapontada com você, mas se estivesse aqui agora estaria orgulhosa de como está e sua filha não se encontra mais perdida , foi encontrada , é bonita , sadia e forte de mente e corpo , além disso ela está amando , o sentimento mais lindo que você já teve . E ,por uma vez , decidi acreditar da vozinha.


Leiam as notas finais 


Notas Finais


É.... Eu não tenho paciência então... Vamos considerar que agora essa história não tem limite de capítulos. É... Se alguém aqui lê minha fanfic de Gravity Falls e presta atenção nos detalhes vai ficar doido .


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...