História Sonhos (Im)Possíveis (Imagine Hoseok - BTS) - Capítulo 2


Escrita por:

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS)
Personagens J-hope, Personagens Originais
Tags Bailarina, Bts, Colegial, Dança, Hoseok, Imagine Hoseok, Jung Hoseok, Pockyx, Você
Visualizações 1.250
Palavras 2.225
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 16 ANOS
Gêneros: Aventura, Comédia, Drama (Tragédia), Ficção, Ficção Adolescente, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Universo Alternativo, Violência
Avisos: Heterossexualidade, Linguagem Imprópria, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


AAAAAAAAAAAAAAH MEUS AMORES, MEU DEUS
DEIXA EU TENTAR NÃO SURTAR, O QUE NÃO ESTÁ DANDO CERTO
JESUS ME SEGURA!!!!!!!!!

MAIS DE 200 FAVORITOS
30 COMENTÁRIOS NO PRIMEIRO CAPÍTULOS
VOCÊS QUEREM ME MATAR, SÓ PODE SER ISSO!!!!!

AAAAAAH EU AMO VOCÊS S2

mores, separei uma música para vocês ouvirem enquanto leem o capítulo, se quiserem, coloquem no modo repetitivo, eu fiz isso hehe

explicação da minha demora nas notas finais!!!!

Música do capítulo: Fleurie - Hurricane
Boa leitura s2

Capítulo 2 - Chapter II


Fanfic / Fanfiction Sonhos (Im)Possíveis (Imagine Hoseok - BTS) - Capítulo 2 - Chapter II

Uma semana havia se passado, eu não estava me sentindo bem, deixar minha mãe, não era uma opção que eu queria. Eu estava cansada dessa droga de vida que levávamos, estava cansada das pessoas apontarem os dedos e nos julgarem, estava cansada... do mundo.

Quando fechei a porta do carro, minha mãe havia tocado a mão dela no vidro, fechei meus olhos e toquei minha mão também. Minha tia entrou no carro logo em seguida, abri o vidro e dei um último beijo na testa de minha mãe.

- Tem certeza que não virá conosco? - Minha mãe apenas assentiu, com lágrimas silenciosas, com a dor estampada em sua face. Ela apenas sorriu e pediu que eu tivesse coragem.

Respirei fundo, me aconcheguei mais ao banco, deixando que meus pensamentos se tornassem fumaças. Meu peito se fechava e eu apenas queria mandar todos se foder.

Quando chegamos na casa de minha tia, ela me ajudou a arrumar o quarto, eu ficaria sozinha, a meu pedido, porque eu realmente não queria ter que aturar a companhia de alguém e ter de dar sorrisos falsos. Principalmente para Jungkook, meu primo, eu amo ele, muito mesmo, mas ele sabe ser insuportável em momentos desagradáveis.

- Sua mãe me contou que você não vai para a escola, isso tem uma semana. O que está acontecendo? - Respirei fundo, me sentando na cama e escutando ela ranger conforme me aconchegava.

- Eu apenas não quero ir, simples. - Olhei para a janela.

- Você precisa terminar seus estudos, _________. - Cruzando os braços e me olhando seriamente, minha tia foi firme com a palavra dela.

- Me deem um tempo, tá legal? - Me levantei, chutando meus tênis de meus pés e me enfiando embaixo dos edredons.

- Vou fazer algo para comermos. - Minha tia se sentou na ponta da cama e acariciou meu ombro. - Eu já volto, ok? - Assenti, escondendo meu rosto no travesseiro e deixando o cabelo cair em minha bochecha.

A porta abriu, e depois se fechou, então, eu deixei que todas as minhas lágrimas saíssem, toda a dor em meu peito se esvairassem e um soluço cortante saísse, ardeu minha garganta. Machucou meu coração. Não ia ser fácil, mas eu faria de tudo por minha mãe.

[...]

Tinha diversas coisas sobre a mesa, mas a única coisa que descia por minha garganta, era a água. Minha tia até tentou empurrar as batatas cozidas cortadas em cubo e com um leve toque de orégano, mas... Eu não sentia fome, não queria comer, só queria ir pro quarto e chorar a noite toda.

Na mesa, ela conversava com seu marido e falava que meu quarto precisava de algumas coisas, como, cortina, um armário para minhas roupas, penteadeira, diversas outras coisas que eu achei desnecessário. Minha tia é professora de balé, dá aula no instituto de crianças carentes. É algo legal, a admiro por diversas coisas que ela faz sem ao menos cobrar.

- Tia. - Ela me olhou, minha voz saiu baixa e entrecortada. - Posso ir deitar, eu... Não estou com fome. - Olhei para meu prato e depois para ela.

- ________. - Jeon, o marido dela, me chamou e me olhou. - Por que não vai com sua tia ao instituto? Pode ser uma boa. - Respirei fundo. - Se não gostar, não precisa ir mais e não iremos mais insistir, é só para você se distrair, não queremos você mal. - Meus olhos marejaram instantaneamente.

- Eu sei... É só... - Um soluço saiu e meus lábios tremeram. - Eu… Me sinto… fraca. - Solucei e me encolhi na cadeira.

- Seu primo vai estar lá meu amor, Jungkook adora você, se dão tão bem, hum? O que me diz? - Minha tia apertou minha mão sobre a mesa.

- Tudo bem… - Dei de ombros, tentando parar de chorar.

- Pode ir se deitar meu amor, de manhã eu te acordo, tomaremos café e eu levarei você para a escola. - A olhei surpresa. - Você precisa terminar o ensino médio, e depois da escola, levarei você ao instituto de dança. - Sorriu, levando a mão ao meu rosto e acarciando levemente.

- Tudo bem, acho que… vou ir dormir. - Me levantei, deixando o prato sobre a mesa e indo direto para a escada, onde subi, caminhei pelo corredor, até encontrar meu quarto.

Assim que entrei, fechei a porta e encostei minhas costas à ela, deslizando lentamente, até me sentar no chão e sentir que tudo estava gelado. Meus olhos transbordaram e eu deixei que as lágrimas escorressem. Isso tudo estava sendo sufocante, eu não conseguia diferenciar essa dor, era cortante demais, e o modo que tudo estava ao redor, eu tinha raiva de mim mesma por não ter coragem suficiente.

Abaixei minha cabeça entre meus joelhos e continuei chorando, meu corpo tremia a cada soluço que eu soltava, a cada segundo que passava, isso tudo doía. Olhei para a janela que ficava ao lado da cama. A lua estava brilhando ao lado de fora, reluzindo contra meus olhos e deixando que eu vislumbrasse não só seu brilho, mas sim a devasta escuridão ao seu redor, porque em meio à escuridão, sempre pode existir uma luz.

[...]

Me sentei sobre a cama, sentindo todo meu corpo doer e me perguntando como havia chegado ali. Apoiei minhas mãos sobre o colchão e pisquei algumas vezes, sentindo dores por minhas costas, fiz uma careta quando meu pescoço estralou. Respirei fundo e olhei ao redor, me assustei ao ver Jungkook deitado em um colchão que estava estendido pelo chão.

- Jungkook. - Sussurrei, ele abriu os olhos e se sentou no colchão. Eu vi em seus olhos que ele estava sentindo minha dor, estendendo seus braços pra mim, eu fui até ele e me sentei em seu colo, o abraçando com força. Minhas lágrimas desceram com força, solucei mais uma vez, sentindo minha garganta doer por tal ação.

- Está tudo bem. - Fechei meus olhos ao sentir a mão dele em minha nuca, fazendo uma leve carícia e me deixando aliviada. - Eu estou aqui. - Beijou minha bochecha lentamente, meu corpo inteiro tremeu e eu solucei de novo.

- Ele vai machucar ela, Jungkook. Ele vai descontar raiva nela. - Apertei a camisa que ele usava entre meus dedos.

- Isso não vai acontecer, não pensa negativo, por favor. - Ele segurou meu rosto e passou os dedos por baixo de meus olhos.

- Não tem como não pensar negativo, ele é um monstro. - Meus lábios tremeram enquanto as palavras saiam lentamente. - Quem me colocou na cama? - Ele respirou fundo e ajeitou meu cabelo atrás de minha orelha.

- Eu coloquei, cheguei de madrugada, Hoseok acabou indo para o hospital, ele tropeçou na escada e eu tive de voltar pra casa. - Deu de ombros. - Minha mãe falou que você estava aqui, então, eu vim ver você, só que eu não imaginava encontrar você deitada no chão. - Sussurrou, ele segurou minha mão e entrelaçou com a dele.

- Eu me sinto fraca, uma covarde. - Falei entre dentes, apertando os dedos dele.

- Você não é. Olha pra mim. - Segurou meu queixo com força, respirei fundo. - Você é a garota mais corajosa que eu conheço, qual é noona, quem me defendia daqueles moleques na escola, e até mesmo quebrou o braço de um? Cadê minha noona forte? - Revirei meus olhos.

- Pare de me chamar de noona, moleque abusado. - Dei um peteleco na testa dele e o mesmo sorriu.

- Você é corajosa noona, não sabe o quanto, esse é o problema, não deixe que esse monstro consuma seus pensamentos, se reerga e mostre quem manda. - Assenti, passando a língua por meus lábios e sentindo um gosto salgado. - Agora… sorri, vai. - Ele puxou minhas bochechas.

- Eu vou dar um soco na sua cara. - Jungkook riu e me abraçou, puxando-me de encontro ao seu peito e me fazendo sentir o quão forte ele estava.

Fazia tanto tempo que eu e ele não nos víamos, eu sentia tanta saudades desse idiota, do jeitinho todo moleque dele e o modo que ele me alegra. Não gosto de que ele me chame de noona, mas eu sei que ele faz isso para que eu fique brava e logo sorria.

Alguém bateu na porta e depois a abriu, minha tia nos chamou e nós dois nos levantamos, fui tomar café, enquanto Jungkook ia para o banheiro para tomar banho. Desci a escada, encontrando tio Jeon olhando para a televisão.

- Vai nevar, querida, não esqueça de usar as botas para não congelar os pés. - Minha tia assentiu, se acomodando na cadeira e bebendo de seu chá.

Terminei de tomar meu café e fui para meu quarto, peguei meu uniforme e o estendi sobre a cama, não daria tempo de tomar um banho, mas eu poderia arrumar meu cabelo. Me coloquei a frente do espelho e até mesmo me assustei com minha imagem, meu rosto estava acabado, minha pele parecia que eu havia ficado muito tempo sem comer, estava degradante. Olheiras que poderiam ser percebidas ao longe e eu não podia nem dizer que usaria meu cabelo preso, como costumo usar, teria de deixar solto para ninguém perceber que eu estava tão na merda.

Sai do quarto e encontrei Jungkook arrumando a gravata do uniforme, passei por ele e entrei no banheiro, fechei a porta e andei até a pia. Puxei meu cabelo pra trás de minhas orelhas e olhei para o espelho, ok, minha imagem estava péssima, eu estava.

Girei o registro e fiz uma concha com minhas mãos, pegando um pouco de água, me inclinei e joguei em meu rosto, respirei fundo, a água estava muito gelada e eu tremi pelo frio que ela me proporcionou. Peguei a toalha e passei por meu rosto levemente. Maquiagem eu não ia passar, odeio esses produtos.

- ______, você tem que se arrumar. - Jungkook bateu na porta, a abri lentamente, ele jogou meu uniforme em minha cara e depois saiu correndo.

- Filho da… - Respirei fundo, reprimindo meu palavrão. Fechei a porta e me troquei rapidamente, assim que terminei, corri para meu quarto, vesti minhas meias que iam até metade de minhas panturrilhas e em seguida coloquei meus sapatos pretos. Me olhei no espelho mais uma vez e peguei a mochila azul escura sobre minha cama.

O dia seria tão cansativo, principalmente por conta dos professores, eu sei que estou com todas as matérias atrasadas, mas espero que os professores não caiam matando em cima de mim.

Sai do quarto, passei pelo corredor e desci a escada, encontrando Jungkook tomar seu suco as pressas, ele limpou a boca e me olhou.

- Vem, antes que a mamãe arranque meus testículos. - Soltei um riso e ele me puxou pelo pulso. Saímos de casa ouvindo minha tia buzinar, fui para o banco de trás e Jungkook no da frente, arrumei meu cabelo e relaxei no banco. - Animada? - Olhei para Jungkook, o qual estava me olhando sobre seu ombro.

- Não. - Murmurei.

Eu realmente não estava, eu não conseguia nem mesmo prestar atenção na paisagem ao lado de fora, só queria poder sentir  os braços de minha mãe ao redor de meu corpo, me encorajando e dizendo que tudo ficaria bem, e mesmo que eu soubesse que era uma mentira, eu ficaria ao lado dela, protegeria ela. Mas não, eu estou aqui, sendo ridiculamente covarde.

O tempo havia passado e eu só percebi quando ouvi uma gritaria, pessoas rindo e Jungkook abrindo a porta de trás para que eu saísse. Me despedi de minha tia e desci, arrumei a alça da mochila em meu ombro e olhei ao redor.

Duas semanas que eu não havia aparecido na escola, tudo parecia um pouco diferente, ou nem tanto, apenas eu que havia mudado. Respirei fundo e senti Jungkook segurar minha mão.

- Alguns amigos meu estão no portão, quer ir comigo? - Assenti, engoli em seco, vendo alguns meninos brincarem em frente ao portão.

Nos aproximamos dos garotos, Jungkook passou o braço por meu ombro, impedindo que alguém esbarrasse em mim e me machucasse, com a fraqueza que eu tinha no corpo, era capaz que eu caísse apenas com um empurrão. Paramos em frente aos garotos, eles olharam para meu primo e em seguida para mim.

- Quem é essa? - O garoto me avaliou. - Noona? - Jimin me puxou de encontro ao seu corpo, me abraçando com força. - Meu Deus… - Ele segurou meus ombros. - Você está péssima. - Revirei meus olhos.

- Também estava com saudades, babaca. - Ele sorriu e beijou minha testa, me abraçando de novo.

- Quase não te vejo de cabelo solto, não te reconheci, desculpa. - Se afastou. - Ah, vem, esse é Taehyung. - O garoto de cabelo platinado acenou, ajudando um garoto de cabelo castanho a se sentar na mureta. - E esse acidentado, é o Hoseok. - Ele acenou com um sorriso, apenas assenti e voltei meus olhos para Jungkook.

- Te vejo no intervalo. - Me estiquei, dando um selar na bochecha dele e depois em Jimin, dei as costas aos outros dois que eu não conhecia e rumei em direção ao bloco, onde ficava minha sala.


Notas Finais


E AÍ, O QUE ACHARAM DO CAPÍTULO????
Primeira aparição do Hoseok foi curta kkkkkk sorry por isso, mas as coisas irão acontecer lentamente nessa fanfic, não esperem um hot no quinto ou no décimo capítulo :/
Jungkook e Jimin serão mais novo que a ________ kkkkkk
Hoseok e Tae da idade de __________.

E então meus amores, a explicação para minha demora é simplesmente por conta desses vestibulares que estavam acabando comigo, ENEM foi uma porr*, eu queria era tacar a prova na cara da pessoa que escolheu o tema da redação, EU SIMPLESMENTE NÃO SABIA O QUE ESCREVER ~ÓDIO~
enfim, acho que é isso minha demora, fora que eu... não sei, tenho andado meio na bad, mas ok, eu supero, como já superei muitas coisas e nunca deixei vocês de lado e nunca vou deixar, amo vocês, e independente de tudo, continuarei escrevendo, por vocês s2

Enfim, o capítulo de hoje foi isso, a explicação é essa hehe
Amo vocês, obrigada pelos mais de 200 favoritos só com o primeiro capítulo e obrigada pelos comentários s2
Sigam meu perfil para não perderem projetos futuros: @pockyx


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...