1. Spirit Fanfics >
  2. Soprattutto 'adaptação' >
  3. Capítulo 3

História Soprattutto 'adaptação' - Capítulo 3


Escrita por: Cherry_yKim

Capítulo 3 - Capítulo 3


Mark abriu os olhos, percebeu que estava deitado em um lugar macio, ficou um pouco confuso olhando para o teto até se lembrar de tudo, sentou na cama e deu de cara do Donghyuck que estava perto de si, se assustou um pouco.


— Oi — o alfa sorriu e Mark se afastou se encostando na cabeceira da cama —  Não fica com medo. 


— Chama meus irmãos ou meus pais, por favor.


—  Você está com medo de mim? – Donghyuck perguntou um pouco triste, odiava quando ômegas se afastavam com medo, ele não tinha nem cara de malvado, pior era Jeno. 


— N-não, eu estou apenas confuso – Mark disse olhando para o alfa — Não estou com medo de você, Donghyuck-ah. 


—  Vem cá – Donghyuck chamou e Mark e aproximou devagar, o alfa puxou a mão do ômega e beijou. — Não tenha medo de mim e nem do Jeno, não somos malvados ou alfas que tratam mal os ômegas.


— Eu sei, apenas estou confuso, Donghyuck. - Mark admitiu.


— Vou chamar seus pais. – Donghyuck disse e beijou a testa do ômega antes de se afastar e sair do quarto. 


Mark suspirou alto, estava confuso e seria uma grande mentira se dissesse que era pouco, sua cabeça estava para explodir, como assim se casar? Iria entrar em uma faculdade ainda nesse ano, teria que jogar tudo ao vento por causa desse casamento? viver em função dos alfas? Teria Teria que que ser um ômega casado aos 18 anos?! 


— Licença. – Mark se assustou quando a porta foi aberta e um menino entrou. — Eu só vim pegar esse cesto de roupas. – ele disse e Mark assentiu. — Quer alguma coisa? 


— Não, obrigado. – Mark respondeu e o menino sorriu pegando o cesto. — Espere, de quem é esse quarto? 


— Do Jeno, ele te pôs aqui quando desmaiou na sala. 


— Você viu? 


— Sim. – ele riu. — Acho que seria minha reação também, ao saber que vou casar. 


— Ah você também escutou? — o menino assentiu. — Então eu não seria o único a desmaiar com essa notícia.


— Não, quando me pediram em casamento eu caí duro. — ele disse e KyungSoo riu. — Sou San e não pergunte meu nome porque você não ia saber pronunciar. – ele sorriu. — Trabalho aqui. 


— Sou Mark, acho que agora o noivo dos Lee.


— Os meninos são legais, cuidaram de mim aqui e são bons alfas, não fique com medo deles. — San sorriu. — Se você me der licença eu preciso ir, até mais tarde Mark.


—  Até mais, e obrigado. – Mark sorriu para BamBam e antes de se jogar na cama de novo, BaekHyun entrou no quarto. — Dodo! 


— Você quer fugir? podemos pular a janela, liguei para o Jaehyun e ele está vindo pra cá. — Doyoung disse assim que fechou a porta. — Taeyong não sabe então vai ser fácil você fugir, Jaehyun também não sabe, mas ele vai aceitar quando chegar. 


— Hyung você fez o Jaehyun sair da casa dos pais para vir aqui? Hyung! — Mark brigou enquanto Doyoung abria a janela. — É uma casa de dois andares, se eu pular eu morro ali.


— Ai caralho, e eu não tirei ele de lá, só o livrei de ficar escutando sua Omma falar o quando odeia o Taeyong e eu. — Doyoung foi se sentar perto do irmão. — Não quer fugir? 


— Não dá para fugir. — Mark suspirou.


— Você sabe não se pode fugir. Você está bem com isso? Taeyong estava conversando com os alfas. — Doyoung acariciou a mão do irmão. 


— Não sei, eu queria conversar com a Omma e o Appa. — Doyoung assentiu. — como vai ser tudo agora? Os meus amigo? O Jisung e o Chenle? Eu não quero ficar longe deles. 


—  Vou ligar para o Jisung, tenho certeza que ele vai querer vir morar perto de você. — Doyoung sorriu. — Seungmin e Bang Chan também podem dar a louca e se mudar, sabe o quanto eles gostam de você e o quanto Bang Chan odeia o nosso bairro, se mudando para cá quem sabe ele fica mais feliz.


— É feio eu ficar feliz em fazer todos ficarem perto de mim?


— Meu amor você vai casar com dois alfas, quanto mais gente aqui para te ajudar, melhor. 


[...]


— Qual o problema de vocês? – Minho gritou com os filhos e Donghyuck tentou se esgueirar para fora da sala. — Donghyuck! 


— Oi. – ele sorriu. — Escutei alguém me chamar Appa, o senhor não escutou? 


— Você quer escutar a minha mão bater na sua bunda? 


— Credo Appa, que violento. – Donghyuck foi se sentar perto de Jeno. 


— De quem foi a ideia de falar?! Eu não mandei esperar? 


— Olha Appa, por mais que tenha sido errado o Donghyuck falar... — Jeno começou e Donghyuck encarou o irmão e murmurou um "traidor". — Mark já estava achando estranho essa aproximação e atenção toda que estavam dando a ele, Donghyuck apenas contou o que minutos depois ele iria saber. 


—  E fez o menino desmaiar! – Minho se sentou encarando os filhos. 


— Ele iria desmaiar do mesmo jeito. — JongIn suspirou. — Mark ia tomar um susto do mesmo jeito, ninguém ia agir com calma ao saber que vai se casar com dois alfas que nem tem contato, pelo amor Appa, podemos desistir disso?


— Se você não quiser, eu quero. — Donghyuck disse e Jeno o encarou incrédulo. — O que foi? Mark é legal, fofo também. 


— E isso resume muita coisa. — Jeno se levantou e revirou os olhos. — Não o conhecemos direito assim como ele não nos conhece, eu sinceramente queria que tudo isso fosse uma brincadeira e que nossa mãe não fosse uma louca que tivesse nos prometido a um ômega, se não tem como fugir disso vamos arcar com as consequências e tentar, sei lá, fazer dar certo. 


Jeno saiu do quarto e foi em direção a seu quarto, não tinha nada contra Mark, mas aquilo tudo era uma loucura sem tamanho, mexeria com a sua vida, a de Donghyuck e a desse ômega, seria tudo estranho e bagunçado, o alfa só pensava que isso não daria certo. Sem prestar atenção e por estar com a cabeça baixa o alfa apenas se jogou na sua cama e apertou o travesseiro. 


Mark estava no canto da cama, graças a deus que a cama era grande e que Jeno não o percebeu, ficou um pouco sem graça ao escutar Jeno murmurando sobre o casamento. 


— Sabe, é estranho, mas como você disse naquela hora, podemos tentar não é? — Mark disse e Jeno arregalou os olhos se virando e quase caindo da cama ao perceber o ômega. — Desculpa?


— Não, tudo bem, eu não lembrei ainda estava aqui. – Jeno se ajeitou na cama. — Mas sim, podemos tentar. que você


— Posso te dizer uma coisa? – Jeno assentiu. — Eu quero gritar um palavrão. 


— Você não é o único. – Jeno riu. — Vamos tentar direito, meu nome é Lee Jeno, eu tenho 23 anos e sou quase seu noivo. 


— 23 anos? Quantos anos o Donghyuck tem?


—  20 anos. 


— E eu 18, é... Quando eu acho que não pode ficar mais estranho, a vida vem e mostra o contrário. — Mark suspirou. — Sou Park Mark, 18 anos como eu já disse, e acho que sou seu futuro ômega, seu e do seu irmão na verdade. 


— Prazer. - Jeno estendeu a mão e Mark a tocou. – Como mais velho eu acho que tenho esse direito. 


— Que direito? – Mark perguntou depois de largar a mão do alfa. 


— Sair com você primeiro.


[...]


— Você ligou para o Jaehyun? – Taeyong perguntou e Doyoung assentiu sem graça. — Droga, agora é que os pais dele vão nos odiar.


— Que se fodam.– Doyoung deu de ombros sorrindo para o rapaz que estava na cozinha. — Você poderia me dar um copo de água? 


—  Claro. – O rapaz disse indo buscar. 


— Omma e Appa estão com os Lee no escritório, isso é tão estranho Dodo. – Luhan suspirou. — Eu estou com medo pelo Mark. 


— Nenhum dos dois alfas parece ser um idiota total. – Doyoung disse e o rapaz voltou com o copo de água. — Obrigado. 


— Podem não ser, mas e esse casamento? Nunca dá certo casamentos sem amor. 


— Assim como muitos casamentos que dizem ter amor, e no fim não dão certo. – o rapaz disse e os ômegas o encararam. — Desculpa. 


— Concordo com ele. – Doyoung disse. — Qual o seu nome? 


— Wooyoung, trabalho aqui as vezes. – ele disse. — Olha, Donghyuck e Jeno são bons alfas, acho que não precisa desse medo todo. 


— Você é alfa? – Taeyong perguntou e Wooyoung assentiu. — Não é medo.. Ok, é medo sim. 


— Donghyuck é quase uma criança grande, Jeno é o adulto responsável, não vão ter problemas, eu acho. — Wooyoung sorriu para os ômegas. — Dêem um voto de confiança.


—  Você é casado? – Doyoung apontou para o anel no dedo do alfa e Taeyong o bateu. — Ai Tae, eu só perguntei. 


— Estou noivo. - Wooyoung sorriu. — Ele trabalha aqui também, na verdade só as vezes, ele foi meio que adotado pelos Lee quando era pequeno, Jeno e Donghyuck pediram para os pais cuidarem dele, e hoje ele acha que para retribuir tudo isso tem que trabalhar aqui alguns dias na semana, mesmo que os Lee achem desnecessário. 


— Bonito da parte deles. – Taeyong comentou. — Vamos Dodo, temos que esperar o Jaehy lá fora. 


— Obrigado. – Doyoung agradeceu novamente pela água e deixou o copo na mesa antes de sair com Taeyong. 


— Dá próxima vez que entrar no meu quarto para pegar a roupa suja, eu vou te jogar na máquina de lavar. – Donghyuck disse entrando na cozinha abraçado a San. — Segure seu noivo Wooyoung, ele deveria parar de fazer coisas. 


— Donghyuck posso te fazer uma pergunta? — Wooyoung disse e abraçou o noivo quando ele se aproximou. 


— Diga. 


— Como vai ser agora com o Mark? 


— Vou chamar ele pra sair, o primeiro encontro vai ser comigo. — Donghyuck disse com um sorriso no rosto. 





Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...