História Sorte pra nós - Capítulo 44


Escrita por:

Postado
Categorias Depois das Onze
Personagens Gabie Fernandes, Thalita Meneghim
Tags Dd11, Depoisdas11, Depoisdasonze, Gabie, Thalita
Visualizações 238
Palavras 995
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Drama (Tragédia), Romance e Novela
Avisos: Heterossexualidade, Homossexualidade, Sexo
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Capítulo 44 - Sinto saudade dos meus dias normais.


Fanfic / Fanfiction Sorte pra nós - Capítulo 44 - Sinto saudade dos meus dias normais.

P.O.V (André)

Ainda estava sentado do lado de fora do apartamento junto com o Rafael, quando a Gabie passou por nós, feito uma bala e desceu as escadas. O Rafa imediatamente levantou e eu percebi que ele iria atrás dela.

- Epa, tem alguém lá dentro que precisa muito mais de você nesse momento. – falei o repreendendo.

- A Gabie também ta mal! – ele disse.

- Eu sei disso, por isso eu vou falar com ela. A Thali precisa muito mais de você... – falei.

Não era por maldade, mas eu sabia que a dor da Thalita era maior. Ela estava perdendo o amor da sua vida, estava recebendo um filho que ela não planejava ter, estava tendo um filho com uma pessoa que ela não amava. Eu sei que a Gabie também esta sofrendo, por isso fui atrás dela. Cheguei na porta do prédio e a vi sentada no passeio, me aproximei e sentei ao lado dela.

- Achei que você tinha corrido bem mais. – falei.

- É a asma, amigo. Parei aqui porque não quero voltar para o hospital. – ela me disse secando as lágrimas.

- Fez bem, eu não sou muito bom em correr! Mas dizem por aí que eu tenho um bom abraço. – falei e abri os meus braços.

- É tudo tão difícil né? – ela disse e me abraçou.

- Você quer conversar sobre isso. – perguntei para ela.

- Não tenho o que falar! Eu não posso culpar ela e também não tenho culpa. Talvez o destino realmente não nos queira juntas. – ela dizia com lágrimas nos olhos.

- E se vocês tentassem ir contra ele? Se você fosse lá e falasse que estará com ela em todos os momentos? – perguntei.

- Nós duas já lutamos muito contra o destino, acho que já deu a hora da gente aceitar ele! Eu estou tão cansada, André. Desde que eu me apaixonei pela Thalita só vivo ou dias muito felizes ou dias muito tristes. Eu sinto saudade dos meus dias normais. – ela me explicava.

Eu conseguia entender tudo o que ela queria me falar. Eu sei que não posso julgá-la por desistir de uma história que vem dando errado desde o principio. Ela ligou para o Emmanuel ir buscá-la, nós continuamos sentados sem trocar nenhuma palavra até que o irmão dela chegou.

- Obrigada pela companhia, cuida bem dela! – ela me disse entrando no carro.

- Pode deixar, eu espero que você pense direitinho no que conversamos. – falei e pisquei pra ela.

P.O.V (Rafa)

Assim que o André saiu para falar com a Gabie, eu entrei para ajudar a Thali. Cheguei no quarto e ela estava deitada na minha cama, virou para mim e começou a chorar.

- Droga, Rafinha! Eu já tinha parado de chorar. – ela disse.

- Desculpa, meu anjo. Você quer que eu volte mais tarde? – perguntei.

- Não, por favor! Fica aqui comigo. – ela implorou.

Me aproximei e nos abraçamos. Nunca tinha visto a Thali tão triste como agora, a dor dela era tanta que eu sabia que nenhuma palavra dita por mim iria conseguir acalma-la e por isso escolhi ficar em silêncio. Então ela parou de chorar, saiu dos meus braços e me encarou.

- Eu não quero esse filho. – ela disse com raiva.

- Calma. Primeiro vamos esperar até segunda para saber se você realmente ta grávida. Pode ser? – perguntei.

- Eu quero a Gabie! Não tivemos uma chance de viver nosso amor, não dividimos nossa alegria com os bacanas. Eles iam gostar tanto, Rafinha! – ela disse chorando.

- Thalitinha, às vezes tem coisas que são feitas para não darem certo, mas aí a gente é teimoso e insiste até conseguir fazer dar certo. Você precisa se acalmar, eu tenho certeza que vocês ainda vão conversar e se acertar. – falei tentando ser positivo.

- Rafael? Você conhece muito bem a Gabriela! Isso foi o nosso fim. – ela disse.

Eu não sabia o que responder, pois eu realmente conhecia a Gabie e era impossível que ela quisesse se aproximar da Thali depois dessa noticia. Eu fiquei calado até o momento em que o André entrou no quarto, graças a Deus ele voltou para me ajudar a tranquilizar ela.

- A Gabie foi pra casa. – ele disse nos encarando.

- Eu vou lá! – Thali disse e levantou.

- Nada disso, amanhã você vai. – falei e a puxei para cama.

- Ela ta muito magoada, ela não te culpa por nada! Deixa a Gabie pensar um pouco... Hoje você dorme aqui com a gente. Amanhã eu prometo que levo você lá. – o André disse.

Então ela aceitou o conselho do André e decidiu respeitar o tempo da Gabie. Eu tentei fazê-la comer, mas ela não queria nada. A Thali acabou dormindo chorando, ainda bem que ela conseguiu dormir. Minha cabeça estava explodindo, tomei um remédio e fui deitar no sofá. O André me seguiu e sentou na poltrona.

- O canal acabou. – falei pra ele.

- Elas vão se ajeitar. – ele me respondeu.

- Claro que não! Você ta louco? A Thalita ta grávida de um cara que a Gabriela detesta. Quais são as chances disso funcionar? – falei com raiva.

- As chances são infinitas, porque elas se amam. – ele me disse.

- É por isso que eu não queria que a Gabie tivesse feito algo no noivado da Thali. Eu sabia que terminaria desse jeito. As duas estão destruídas, e eu não sei como fazer as coisas. Eu me sinto um amigo horrível por não poder encontrar uma solução pra elas! Se eu pudesse fazer algo... – falei chorando.

- Você não tem culpa de nada! Eu vou te ajudar a encontrar uma solução pra tudo. – ele disse.

Pedi pro André ir dormir no quarto com Thali, caso ela precisasse de algo ele estaria lá. Eu fiquei deitado no sofá torcendo para amanhecer, ainda seria domingo, mas estaria muito perto da segunda. Nós iríamos ter certeza da gravidez da Thalita e aí sim poderíamos pensar em como resolver a situação. 



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...