História Sou do Supremo Alfa Jeon Jungkook - Capítulo 9


Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS)
Personagens Jeon Jungkook (Jungkook)
Tags Cantinho Dos Oppa, Shin Park Min
Visualizações 49
Palavras 1.718
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Comédia, Crossover, Drama (Tragédia), Ecchi, Famí­lia, Fantasia, Festa, Luta, Magia, Mistério, Misticismo, Policial, Romance e Novela, Saga, Shoujo (Romântico), Sobrenatural, Suspense, Terror e Horror, Universo Alternativo, Violência, Yaoi (Gay)
Avisos: Álcool, Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Mutilação, Nudez, Sexo, Tortura, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Capítulo 9 - Conhecendo um pouco mais da Família?


Kook on

Estou gostando desse lugar,e tudo que meu irmão se tornou,ele e um juiz de Mao cheia,antes ele era um ótimo rastreador junto com o killer,eles não são gêmeos mas se parecem muito,eu estou adorando aqui.

Entrei no Box tomei um banho,  me arrumei com uma camiseta e uma bermuda,esta calor  demais a tarde toda de sol quente,mesmo com a casa climatizada,eu não ia por uma roupa mas formal,estou na casa de parentes, não preciso ficar todo engomadinho.

Sair do quarto dando de cara com todos os meninos juntos,fomos para a cozinha lanchar. Depois fomos ate o quintal olhei a casa toda por fora,era linda,tudo bem decorado,fui na quadra ,as crianças brincavam correndo,jogando bola,umas crianças pequenas sentadas no parquinho, em balanços,gangorras,e escorregas.

Um dia quem sabe terei filhos de novo,mas agora não,não quero por crianças no mundo e ficar preso a alguém,isso não se passa na minha cabeça, nem tao cedo vou me casar outra vez,adoro minha vida livre,regada de boas bebidas e boas mulheres.

Entrei seguido dos meninos,e fomos para a sala,já ganhando um abraço do Richard, da minha omma,e do marido novo dela,um senhor ate bem simpático,ficamos conversando,a família se tornou tudo que eu queria,a casa cheia,todo mundo feliz,bem simpático.

Conheci todos os filhos do choy,quer dizer tinha uma que não tinha visto ainda,foi servido lanche,os adolescentes saíram,so ficou os adultos,ou melhor  mais velhos.

-- Que bom todos aqui, que jaja minha filha mais nova vem, precisamos conversa algo serio- eu olhei para o Richard,e ele estava  nervoso.

Sei que estava, porque, eu oh  conheço muito bem, para saber que tinha algo de errado,e não gostei nada do tom de voz que ele estava.

Em meio a conversa,veio em nossa direção vindo do corredor, um ser pequeno parecia uma criança,a diferença que tinha um corpo,Deus,estou olhado errado para minha sobrinha,se aquieta jeon, se comporta cara, isso é errado, isso é feio.

Ela veio devagarinho na nossa direção como se estivesse desfilando,e eu fiquei analisado ela,e disfarçando,ela deu boa tarde,e ficamos conversando,todos em conversa aleatória,e o Richard apresentou ela.

--Bom,para quem não há  conhecia  como o Jeon,essa é a minha filha Ana beatriz,ela é a única que não é hibrida,bom até agora não deu sinal nenhum sobre isso.-Sorrir.ela é uma fofa,e não era hibrida?Ou não deu sinal desse lado.

Fui ate a frente dela,e voltei analisar aquele pingo de gente,o Richard estava rindo,porque sabe que curto zoar com os sobrinhos,do mesmo modo que zoava ele quando ele era magrelo, parecia um esqueleto.

-Então você é a famosa Ana,baixinha encrenqueira,todos já me alertaram, que você nem parece ter quase 19 anos, por ser muito brigona igual ao Richard- Começo a rir e ela ficou emburrada,olho para o Richard  que caiu na gargalhada.

-É NE a gente não escolhe pais,nem ao menos o tamanho,e outra tamanho não é documento,ao contrario de você, consigo viver muito bem em espaços pequenos, já você,para passar na porta-ela aponto para a porta da sala- tem que abaixar a cabeça não é mesmo?-da um sorriso vitorioso.

-Alem de pequena e respondona- O tae fala,e ela  reviro os olhos.

-Já aviso de anti-Mao,se vieram tentar fazer minha vida um inferno perderam seu tempo, tem gente que chegou primeiro- Ela se pronuncia e da o celular na Mao do Richard.

Todos zoando ela ate o killer chegar e tornar a zoeira pior,ele não vale nada,nao sabia que ele ia vir aqui.

-Pequenina, respondona, bem filha do Richard mesmo, bicha encrenqueiro.

-Cala a boca Killer ela não falava de mim não cara -ele rir- ela falava da mensagem que ela recebeu de ameaça- ele arregala os olhos,ou melhor todos arregalam os olhos, todos se levantam e vem na frente dela.

-Como assim ela esta sendo ameaçada?-Todos falamos juntos.

Assim que ligaram o celular o killer logo pegou da Mao do Richard,fomos juntos para o lado dele,o celular abriu a tela,ele foi ver a mensagem.

Mensagem on.

-Estou de olho em você,então não tente fazer nada,estou a poucos metros de distancia,se você ligar para alguém eu saberei,e se mudar seu caminho,vou fazer algo que você não vai gostar,você vai ser minha princesa,será totalmente minha,pode ter certeza quando eu por a Mao em você,você não vai passar de hoje.

Todos olhamos para ela que já estava em lagrimas,como alguém pode ameaçar alguém tao pequeno e inocente?Porque não vem num homem para ameaçar, tinha que ser uma criança?

Criança que eu digo, porque somos muito velhos, passamos de cem anos, então ela e a criança no meio de todos.

A olhava,e ela estava com os olhos marejados,aquilo me deixou estranho,não so eu mas todos os meninos,porque a gente viu que ela se sentia indefesa,ela segurava o braço do Richard,e apertava como se ela não estivesse bem,ele olhou para baixo,e a pegou no colo,e a pois no lado da cintura,e ela se sentou nos quadris dele.

--Oh,minha menina ninguém vai te machucar- o Richard a beijou no rosto-Que mãe eu seria se deixasse alguém machucar o meu pinguinho de gente- aquilo foi engraçado.

Ela parecia um bebê de colo mesmo,todos estávamos com os instintos a flor da pele,como se algo de ruim fosse realmente acontecer a ela.

Outro pingo de gente entrou na sala correndo e gritando,e puxou a Mao do Choy,e ele a pegou no colo,aquilo estava no excesso estremo de fofura.

-Vovô a Bianca pegou a minha filha nao quer me devolver.-ela cochichava no ouvido do choy.-oxi porque a mamãe esta chorando?-eu olho para ela,mãe?

-Quem é sua mãe coisa linda.-ela sorrir

-A bia é minha mãe- eu arregalei os olhos-ela esta chorando porque?

A Ana beatriz e mãe sozinha?Mãe solteira?Alguém fez algo de ruim com ela? O Richard não fez nada?Porra o que aconteceu aqui? Deve ser por isso que ela esta com medo?Muitas perguntar para uma tarde só.

A Ana pegou a bebezinha no colo e deu um beijo ela deitou a cabeça no ombro dela,e fechou os olhos,santo Deus ela já era mãe mesmo.

Cheguei atrás do killer ele estava rastreando o numero que mandou mensagem,para saber quem era,outro ser fofa entra correndo,e agarra a minha perna,e eu abaixo há pegando no colo,e abracei ela.

-Quem é você coisa fofa-ela sorrir-

-Sou a Bianca,e você quem é-ela me olha.

--Sou o jeon,sou seu tio avô-ela me abraça.

--Fofoqueira você veio contra para a  vovó e para mamãe que eu peguei a Lucy,eu te devolvo ela,eu não quero mais brincar,ela e muito chata,não sei fazer ela falar mesmo -Terminantemente ela é mãe já.

--Bianca e Melissa as duas no cantinho do pensamento,porque estão aqui e não era para esta,aqui e conversa de adultos,então pode ir agora -A voz estrondosa do Richard sai parece que vai estremecer o mundo.

Ele coloca a Ana no chão,a melissa desce do colo dela,a Bianca também desce,as três vão ate um canto,a bia e a mel senta numa cadeirinha de criança e ficam sacudindo as perninhas,já disse que são fofas?

A Ana veio na minha direção,e me olha,e para ao meu lado e suspira pesado,e fica mexendo nos dedos, ela estava nervosa,isso estava me deixando incomodado,meu supremo estava inquieto perto dela.,sem notar eu coloco a Mao nas mãos dela e a puxo para os meus  braços,e a aperto forte,e ela chora silenciosamente de novo.

Ela se afastou e eu limpei suas bochechas com a ponta do dedo,e beijei sua testa e ela fechou os olhos,e respirou aliviada.

--Amor,não chora,assim não posso ficar tranquilo vendo você chorando assim- uma voz surge ,me tirando do transe.

--Ela foi ameaçada,por isso esta chorando assim,mas jaja eu resolvo isso- O killer falava,em quanto mexia no Notbook.

Um rapaz veio e parou na frente da Ana,e ela sorriu para ele,ele pegou ela no colo e a beijou no rosto,e ela deitou a cabeça no ombro dela,Quem era ele,e será realmente que as crianças são dela?

--Marcelo,eu estou nervosa,isso não vale,vocês são híbridos,e eu não sou porra nenhuma,e controla suas filhas que estao dando a louca por causa de uma boneca,elas não era para esta assim, já que as duas ganham presente iguais.

Ele saiu deixando ela ali do meu lado e eu fui acompanhando ele com os olho,ele foi ate as cadeira abaixou e ficou conversando com as crianças,e a Ana foi corredor a dentro,eu me virei e a segui,ela entrou na cozinha e foi pegar água,parou na minha frente com a garrafa na Mao,eu a peguei e abrir,e devolvi a ela.

-Obrigada-ela sorrir

--Por nada,uma pergunta-ela me olha--as meninas são suas- ela rir do que eu acabei de falar.

-Não,ela são minhas sobrinhas,aquele e o Marcelo meu irmao,elas me chamam de mae,porque eu ajudei ele criar elas,quando minha cunhada abandonou os três ,ela deu surto pois parto,mas depois de um longo tratamento ela ficou melhor,só que elas ainda me chamam de mae,entendeu?-Eu sorri para ela.

-Entao quer dizer que você não tem namorado? É sozinha, porque não me surpreendi com isso,bem a cara do Richard,controlar a vida dos filhos,ele não é fácil,deve fazer sua vida um inferno.-Ela cai na gargalhada.

--Eu que faço a vida dela, um inferno,disse se ela não deixar eu namorar vou tarar ela,então ela fica puta com raiva,vai por mim eu sou o pior pesadelo da minha mãe -eu me surpreendo com o que ela disse e gargalho junto.

-Então você é a rebelde da casa?-ela me olha.

-não sou rebelde, so sei me impor nessa família,eu também tenho voz ativa aqui,não vou deixar ninguém me controlar,bom eu tento ne,eu sou muito dramática,brigona,mas, nada diferente.

-Ela esta te criando como os antigos criavam as meninas,para um casamento,ela quer que você ache seu companheiro,ou um marido que cuide de você e não seja um monstro rude e arrogante,ela meio que tem medo que você vá sofrer em um relacionamento ruim.

-Ela disse que não sou hibrida,mas tenho a marca do meu companheiro hibrido, então, ela passou a ser mas cuidadosa comigo.

-Entao você tem um companheiro?-ela concorda com a cabeça-Ele já apareceu?-ela fica triste.

-Acho que sou a única que nunca vai saber quem e o companheiro,tirando a harumi,eu ate hoje não achei ninguem -Ela suspira.

-Calma sua hora não chegou mas vai chegar-ela sorrir forçada.

-Acho quem não viu,quem vai casar com uma não hibrida,isso é impossível.—ela abaixa a cabeça.

-Ja ja você acha seu companheiro,e vai ter vários lobinhos correndo pela casa-lobinho?Eu falei isso mesmo?Meu Deus o supremo deve esta acordando.



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...