História Soulmate - Capítulo 36


Escrita por:

Postado
Categorias Francisco "Isco" Suárez, Marco Asensio
Personagens Francisco Román Alarcón Suárez, Marco Asensio
Visualizações 201
Palavras 1.310
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 16 ANOS
Gêneros: Aventura, Drama (Tragédia), Romance e Novela
Avisos: Álcool, Insinuação de sexo, Nudez, Sexo
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Olá! Eu deveria ter postado ontem mas ocorreram uns imprevistos e estou aqui agora!
Sim, Melisco vai ter um bebê e pela cara dos dois já dá pra imaginar a beleza que vem por aí né? Porém o casamento vai rolar daqui a pouco e ainda há algumas coisas para serem finalizadas.
Espero que gosteeem!

Capítulo 36 - Nós vamos ter um bebê.


Faz alguns dias que Melina anda passando mal direto e ela diz que é a correria no trabalho mas eu sinto que tem algo errado, conversei com Helena e Manuela que são mais próximas para ver se elas conseguem arrancar alguma informação da minha noiva. Hoje eu tenho um dia livre e decidi preparar um jantar pra ela, uma coisa leve porque talvez eu esteja enganado e isso seja só um problema no estômago dela já que as vezes ela passa da hora de comer e tudo mais.

Eu até cogitei a possibilidade dela estar grávida, mas eu sei que ela toma as pílulas e tudo mais então eu meio que me desanimei e comecei a pensar nas possibilidades reais de agora.  Estava cozinhando baseado numa receita brasileira que ela adora e pelas recomendações do meu sogro, via mensagens, eu talvez esteja fazendo tudo certo. Ela prometeu chegar mais cedo hoje e eu precisava terminar tudo antes da hora, organizei a mesa com rosas vermelhas e velas me achando o último dos apaixonados e desejando que ela gostasse de tudo, arrumei a zona que eu sozinho consegui fazer com a casa e quando tudo estava pronto eu esperei ela chegar.

 

As cinco eu escutei as chaves dela na porta e me aproximei do hall de entrada e assim que ela me viu deu um largo sorriso, se aproximou selando meus lábios e eu a puxei pela mão pra subir comigo antes que ela visse toda a surpresa.

- Como foi o seu dia? – perguntei.

- Foi bem, foram uns clientes importantíssimos lá no restaurante e o Sérgio me deu crédito sem limite quando eles elogiaram os pratos que eu fiz, acho que nunca me valorizaram tanto num trabalho com hoje. – ela disse animada enquanto eu a guiava para o quarto.

- Isso é bom! E eu dei muitas estrelinhas então ele tinha que reconhecer o seu trabalho. – eu disse rindo.

- Amor, a gente precisa conversar. – ela disse me encarando seriamente.

- Primeiro você vai tomar um banho, relaxar e descer pra comer comigo. – eu disse abraçando sua cintura de lado.

- Ok, eu me rendo. – sorriu beijando meus lábios.

Desci garantindo que estava tudo certo e fiquei vendo tv, uma hora depois ela desceu em um micro pijama que não me ajudava em nada porque eu começava a sentir outro tipo de fome, os cabelos molhados e um sorriso travesso no rosto.

- Porque está me olhando assim? – perguntou.

- Você fica irresistível de toda forma. – eu disse levantando e ela veio em minha direção.

- Eu preparei um jantarzinho pra nós dois, aproveitei meu dia de folga. – eu disse abraçando-a por trás para leva-la até a cozinha comigo.

- Nossa, que capricho! Acho que o gastrônomo dessa casa é você! – ela disse rindo ao ver a mesa toda arrumada e os pratos na mesma.

- Você merece...- lhe roubei um beijo. Ela sentou-se à mesa enquanto eu pegava as taças

- Vinho tinto ou seco? – perguntei.

- Prefiro água. – ela disse e eu a encarei.

- A amante de vinhos não vai beber comigo até ficarmos completamente bêbados e transar na piscina até a madrugada? – perguntei fazendo ela gargalhar.

- O que eu tenho pra te falar é sobre isso. – ela disse e eu sentei ao lado dela.

- O que houve, amor? – perguntei preocupado.

- Fui ao médico hoje, por isso saí mais cedo do trabalho. Por conta de ter passado mal todos esses dias. Ele me fez cortar algumas coisas, incluindo bebidas. – ela explicou.

- Mas ele disse o que você tem? Pode ser um problema de estômago, ás vezes o Marcelo lá do time fica assim quando come certos tipos de coisa...- lembrei e ela riu.

- Eu já comi de tudo e nunca tive nada, é mais delicado amor. – ela disse e eu dei uma garfada no meu prato.

- Conte-me o que é, está me deixando meio preocupado...- confessei.

- As vezes quando duas pessoas se amam muito, o que elas fazem? – perguntou.

- Se casam. – eu disse.

- Antes e após o casamento, o que elas fazem? – perguntou, parecia um tipo de charada.

- Sexo. – eu disse rindo, era óbvio.

- E o que o sexo pode fazer? – perguntou rindo também.

- Prazer, não é? – perguntei, não estava entendendo onde ela queria chegar.

- O que você tem de lindo, tem de lerdo. – ela revirou os olhos.

- Eu não tô entendendo, Mel. – eu comecei a rir e ela também. Beberiquei meu vinho.

- Bebês, Isco! Eu estou grávida. – ela disse colocando um papel sobre a mesa.

 - O que? – quase gritei.

Abri o papel super nervoso e comecei a ler o que eu entendia daquele exame, ela estava com dois meses de gravidez e aquela possibilidade que eu estava cogitando no começo voltou a se acender dentro de mim. Ela estava me encarando com o lábio inferior preso entre os dentes esperando por uma resposta minha mas eu sequer sabia o que dizer, era o que eu queria mas eu tinha me desanimado achando que a ideia era só uma coisa da minha cabeça, percebi que meu sonho estava pra se realizar antes do que eu imaginava e antes mesmo do casamento que havíamos planejado. Larguei o exame na mesa levantando da mesma no mesmo instante e ela levantou me acompanhando como olhar, eu sentia os meus olhos marejando e a puxei para um abraço forte despejando todas as minhas lágrimas no seu cabelo úmido. Eu iria ser pai de novo e da mesma forma que me senti imensamente abençoado e emocionado quando descobri do Junior, eu estou agora; tudo o que eu queria estava acontecendo. Quando me acalmei olhei pra ela que também chorava porém com um dos sorrisos mais lindos que já me deu nos lábios, ela não teve medo de me contar e isso significa que ela sabe o quanto eu queria isso e o quanto estou feliz agora.

- A gente vai ter um filho! – eu disse, finalmente.

- Sim, amor, a gente vai ter um filho. – ela disse, parecia que a sua ficha só havia caído agora.

- Era por isso que estava passando tão mal, eu estava tão atolada de trabalho que esqueci completamente que minhas pílulas haviam acabado. Eu não estava tomando diariamente e também não estava sentindo falta delas. – ela explicou levando as mãos à cabeça.

- Nunca fiquei tão feliz por você ter esquecido de algo. – eu disse rindo e ela riu também.

- O que a gente faz agora? – perguntei.

- O médico disse que eu preciso de repouso e calma, os três primeiros meses são arriscados demais e eu não posso me estressar ou fazer esforços. – ela pausou. – Como eu vou planejar meu casamento? – perguntou rindo.

- As pessoas que contratamos vão nos ajudar bastante, você fará tudo de casa. Sem ficar se mexendo pra lá e pra cá. – eu disse e ela assentiu.

- E o restaurante? – perguntou.

- Iremos conversar com o Sérgio, você não pode carregar os pesos da cozinha e ficar em pé toda aquela quantidade de horas. – eu disse, ela voltou a se sentar.

- Eu ainda não sei se acredito, a gente vai ter um bebê. – ela disse olhando pra mim.

- É um fruto do nosso amor, o primeiro de muitos. – eu disse agachando na sua frente.

- Muitos? Quantos você quer? – perguntou com a sobrancelha arqueada.

- Um time de futebol. – eu disse e ela arregalou os olhos.

- Se você der a luz aos outros eu topo. – ela disse tendo uma crise de riso.

- Eu te amo, muito obrigada por esse presente. – eu disse quando nossas risadas cessaram.

- Foi você quem me presenteou, falávamos tanto nisso...- acariciou o meu rosto.

- Eu te amo muito. – sussurrou antes de selar nossos lábios.

Tem como ser mais perfeito do que isso?



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...