1. Spirit Fanfics >
  2. Soulmate- A marca >
  3. 4- Cara, ela tá tão na sua.

História Soulmate- A marca - Capítulo 4


Escrita por:


Notas do Autor


Pipipipopopo bebam água

Capítulo 4 - 4- Cara, ela tá tão na sua.


Ao saírem da loja de conveniência as duas deram as mão novamente e continuaram conversando enquanto caminhavam em direção à casa de Hyunjin.

- Só por curiosidade, qual é a sua marca? - perguntou Jiwwo.

- Err... me diz a sua primeiro.

- Tudo bem- disse levantando a manga da blusa e revelando o escrito.

- Singularity? Interessante.

- É, também acho. A minha soulmate deve ser muito única e especial para carregar o significado dessa palavra. Agora me fala a sua.

- Então...- por sorte da acastanhada, seu celular começou a tocar.

- Alô?

- Cadê vocês? A loja nem é tão longe assim e a gente tá morrendo de fome- perguntou Olívia.

- Estamos quase chegando, dá uma segurada aí. 

- Ok, mas não demora- disse Olívia que logo em seguida desligou a chamada.

- Melhor apressarmos o passo ou elas vão acabar se mantando lá - brincou a mais alta.

Ao chegarem no destino, já não mais de mãos dadas, foram recebidas pelas garotas famintas.

- Se perderam no caminho? Demoraram tanto- reclamou Haseul. 

- Nem foi tanto tempo assim- disse Chuu olhando no relógio- foram só...40 minutos???

- Tudo isso? Pareceu bem menos- dessa vez quem se pronunciou foi Yves. 


Depois de mais alguma reclamações todas se sentaram novamente distribuindo os aperitivos no centro e voltaram a conversar normalmente. Os diálogos eram mais em dupla ou no máximo em quarteto. Ao ver que todas estavam distraídas, Jiwoo se vira para Sooyoung e pergunta mais uma vez:

- Você ainda não me disse qual é a sua marca. 

- É porque... ahn...- sem saber o que responder procura com os olhos a ajuda de alguém e por pura sorte Vivi estava olhando em sua direção. Ao perceber o quase explícito pedido de ajuda da amiga, ela se pronuncia.

- Yves! Vem cá rapidinho! 

- Ah, tenho que ir- se levanta e senta ao lado da mais velha, deixando a ruiva frustrada. 

- Aconteceu alguma coisa?- perguntou Vivi.

- Ela me perguntou qual era a minha marca- respondeu olhando para o chão.

- Entendi. E o que você disse?

- Não disse nada. O que eu poderia dizer? Ah não tem nem a mínima chance da gente da certo porque eu nem marca tenho.

- Amiga, relaxa. Ela pode nem se importar com isso. Ela te mostrou a dela?

- Sim. Singularity.

- Sooyoung. Você é burra ou se finge? Você é a ÚNICA pessoa na face da Terra que não tem marca. Você é a personificação do significado dela.

- Viajou. Eu teria que ser muito iludida para acreditar nisso.

- Você que não enxerga.

- Tanto faz. 

A festa foi chegando ao fim e as garotas começaram a se despedir e ir para seus respectivas casas. Yves se despediu de Jiwoo com um beijo na bochecha deixando a face da garota levemente ruborizada.

No caminho de casa sentiu uma leve coceira no ombro mas não fez muito alarde. Provavelmente era só uma alergia.


Ao entrar em sua residência avisou em voz alta:

- Cheguei!!! 

Esperando alguma resposta se lembrou que de sua mãe estava no trabalho e só voltaria no dia seguinte. Foi em direção ao seu quarto e se jogou na cama. Após alguns longos minutos imóvel e em silêncio se levantou, pegou o celular, abriu a conversa com Jiwoo. Ficou mais alguns minutos olhando para a tela pensando se deveria mandar algo ou não e logo depois mais alguns escrevendo e apagando suas tentativas. Desiste e apenas admira a foto de perfil da garota. Até que se assusta ao receber uma ligação da mesma:

- Você vai mandar alguma coisa eu só vai ficar apagando e reescrevendo? - a garota gelou. 

- Meu teclado estava com problemas- mentiu.

- Hmmmm. Já resolveu?

- Uhum. Gostou do dia de hoje?

- Gostei. Sem você não teria sido a mesma coisa.

- Ah- disse Yves e recebeu uma leve risada envergonhada que mais uma vez a fez se derreter toda- digo o mesmo. Você é muito fofa- imediatamente a garota do outro lado da linha virou um tomate. 

- Para com isso!- disse em um tom envergonhado e brincalhão. Ela não queria que parasse- assim você me deixa sem graça!

- Impossível você perder a sua graça- até mesmo Yves estava se surpreendendo com a própria coragem e confiança.

- Ahhh!- mais uma vez a acastanhada pôde ouvir as risadinhas envergonhadas da garota, que já não sabia mais o que fazer.

- Está ficando tarde- mentiu novamente- melhor eu desligar. Não quero atrapalhar o seu sono.

- Tem certeza que quer desligar? Digo, não está tão tarde assim. Gosto de ouvir a sua voz- e dessa vez a mais alta foi ao céu e voltou de tanta felicidade ao ouvir aquelas doces palavras. Tão doces quanto o hidratante de Jiwoo.


E assim se seguiram mais algumas horas de ligação, repleta de flertes mas também cheia de doçura. Até que realmente ficou  tarde e tiveram que desligar.


                                                     


Na manhã do dia seguinte acordou com uma bela mensagem de bom dia, que infelizmente não era de Jiwoo porém não fez desfeita. Melhor uma de Heejin do que nenhuma. Respondeu a garota e disse que  a encontraria numa cafeteria parte de sua casa em meia hora. Levantou-se e foi em direção à cozinha encontrando sua mãe com a roupa do hospital ainda tomando um café. A garota podia ver o cansaço no rosto da mais velha, o que era de lhe cortar o coração. 

- Bom dia, meu amor!- disse num tom de suave e até mesmo animado mas que não foi o suficiente para esconder o cansaço.

- Bom dia, mãe. Plantão difícil?- se aproximou dando-lhe beijo na bochecha.

- Não muito- mentiu e a mais nova percebeu.

- Por que não se deita um pouco? 

- Tenho relatórios para preencher. Não se preocupe, um cafézinho já vai ser o suficiente.

- Está com fome? Posso fazer um sanduíche se quiser.

- Já disse que está tudo bem, meu amor. Me conte como foi a festa.


Yves contou sem muitos detalhes. Queria poupar a mais velha. Depois disse que sairía para tomar um café com Heejin. Após o diálogo voltou para seu quarto, se arrumou e saiu em direção à cafeteria. Encontrando a garota encostada na parede perto da entrada. As duas entraram, pediram suas bebidas e sentaram-se.

- Por que não tomou café com a sua mãe? Ela está de plantão? 

- Não. Na verdade ela voltou hoje de manhã. Estava muito cansada e ainda precisava preencher uns relatórios. Eu só fico com o coartação apertado ao vê-la assim. Queria guardá-la num potinho.

- Imagino. Tia Sumni é perfeita. Ícone que cura as pessoas.

- Você tem passado muito tempo no tweeter- brincou.

- E você é chata- disse dando língua- em falar nisso, rolou alguma coisa entre você e Jiwoo? 

- Então, foi por isso que eu te trouxe aqui. 


Sooyoung contou tudo o que havia acontecido, só que diferentemente do jeito que contara para sua mãe, com todos os detalhes.

- Cara! Ela tá tão na sua!

- Né! Não quero nem saber o que ela vai pensar quando souber que eu não tenho marca.

 Nesse momento Heejin pôs as duas mãos na mesa com força e se pronunciou:

- Olha aqui pra mim! Não me venha com essa de que ela vai te largar depois que vc disser sobre a sua não existente marca! Ela já te ama, cara! Se toca, irmão! e se ela te largar depois que descobrir é porque é uma grande idiota e se quiser eu dou um jeito nela. Mas você tem que mandar a real. 

- Você é coach?- brincou.

- Só se for coach comigo, irmão. Entendeu? Conte comigo? Coach comigo? - explicou enquanto ria do próprio trocadilho.

- Parece que estamos no circo agora.

E assim se seguiu à manhã de Yves, com o "bônus" de Heejin contando um pouco mais sobre como Hyunjin é uma grande gostosa e sua manias.



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...