História SPACE LOVE - Um amor de outro mundo IMAGINE KIM TAEHYUNG - Capítulo 34


Escrita por: e Scheyers

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS), Star Wars
Personagens Jeon Jeongguk (Jungkook), Jung Hoseok (J-Hope), Kim Namjoon (RM), Kim Seokjin (Jin), Kim Taehyung (V), Min Yoongi (Suga), Park Jimin (Jimin), Personagens Originais
Tags Bts ( Imagine Taehyung)
Visualizações 41
Palavras 2.412
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Comédia, Crossover, Drama (Tragédia), Fantasia, Ficção, Ficção Adolescente, Ficção Científica, Luta, Magia, Romance e Novela, Universo Alternativo, Violência
Avisos: Álcool, Insinuação de sexo, Sexo, Suicídio, Tortura, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Capítulo 34 - Mais aliens?


Fanfic / Fanfiction SPACE LOVE - Um amor de outro mundo IMAGINE KIM TAEHYUNG - Capítulo 34 - Mais aliens?

Jimin

Minhas pernas estavam cansadas de tanto andar mas não havia outro lugar a seguir a não ser por aquele corredor. Olhei para Hobi que estava ao meu lado carregando em mãos um balde e uma vassoura, assim como eu. Nós havíamos entrado ali com estas coisas mesmo que nossa intenção não fosse usá-las. O carrinho de limpeza havia ficado fora da sala de Hansol.

O corredor que parecia não ter fim foi tomado por uma luz baixa de cor clara, dessa vez não era azul e sim branco. Suspirei fundo ainda meio receoso e olhei para o garoto ai meu lado. Ele me olhou de volta e um pouco preocupado perguntou.

- Vamos seguir? - eu assenti.

- Pode ser uma saída, temos que ir! - falei engolindo seco. Eu tinha um mal pressentimento com aquele lugar todo.

Da onde vinha a luz branca não tinha porta e era como uma luz no fim do túnel, mesmo que pudesse não ser a nossa salvação dali, mas era a única metáfora que eu consegui usar no momento. Continuamos caminhando em passo lentos e quando adentramos aquele lugar iluminado por luzes fracas o nosso corpo foi tomado por calafrios e a tensão e o medo se tornaram ainda mais visíveis em nosso semblantes.

- O que é tudo isso? - perguntei abismado com o que via e todo o meu ser chorava por dentro.

- Eles são como a gente! - disse Hobi com lágrimas nos olhos e eu podia escutar o seu coração batendo rapidamente.

Olhei novamente para aquelas cápsula grandes na minha frente e com muita dor no coração reconheci cada raça alienígena que ali se encontrava. A sala era escura com luzes baixas, e ali haviam cápsulas grandes com algum líquido estranho que conservava o alienígenas que estavam ali dentro, e os mesmo tinham fios ligados em seus corpos que passavam algumas substâncias para eles. Eu sabia quem eram.

Greys, Yahyel, Híbrido Siriano e Reptilianos. Eram essas raças que estavam encapsuladas. E me doía muito vê-los ali desta forma pois poderia ser Jungkook, se já não estavam fazendo isso com ele e eu não sabia.

Os greys eram baixos, suas narinas e bocas eram pequenas e seus olhos grandes e pretos. Sua cabeça era desproporcional ao corpo e suas mãos eram como garras com apenas três ou quatro dedos. Havia ali também um Yahyel. Ah, eu já havia me apaixonado por um, e não era nada difícil de isso acontecer pois eles eram lindos e graciosos e irradiavam a energia solar dourada muito chamativa e contagiante.

Olhei para a terceira cápsula e vi ali um Siriano, eles tem uma estatura normal, um pouco altos, pele azulada como a nossa, os Zant's. Os olhos deles eram ovais e de cores quentes, seus dedos longos, corpos esbeltos e musculosos. Eu inveja um corpo de um Híbrido Siriano.

Por fim, olhei para a última cápsula e ali tinha o mais temoroso e amedrontador dos alienígena. Os Reptilianos. Eles eram grandes, com escamas de animais como o jacaré que eram provenientes do planeta Terra. Tinham uma calda também escamosa e grossa. Eram carrancudos e com casco duro. Me estremeci só de olhá-lo, pois me lembrei da última guerra que tivemos contra o seu povo e por pouco os Zant's não perderam.

"Eu espero que você esteja bem Jungkook! Eu não quero que sofra." - pensei e em uma supresa, obtive resposta.

"Hyung...pouco a pouco eles me matam. Por quê ainda não me salvaram?" - escutei ele falar.

"Estamos tentando Jungkook! Nos perdoe!" - pedi um pouco atordoado com essa descoberta.

- Jungkook está por perto! - falei com Hobi que estava ao meu lado com os olhos arregalados olhando para todos aqueles alienígenas ali.

- Como sabe? - perguntou-me.

Eu ia respondê-lo porém algo, ou melhor, alguém houvera chegado ali.

- Ora ora, veja se não são meus espiões! - falou Hansol chegando perto de nós. Ele ficou entre eu e Hobi e colocou os braços sobre nossos ombros - O que fazem aqui? Estão espionando? - sorriu cínico intercalando seu olhar entre eu e Hobi.

- Não senhor! - respondi mesmo não o entendendo muito bem com esse papo de "espião" - Estamos limpando! - falei mostrando as coisas na minha mão, que se encontrava um pouco trêmula.

- Limpando aqui? Vocês não vem aqui e além do mais, ninguém entra aqui se não eu pois é secreto e aí eu lhes pergunto. O que estão fazendo aqui? -nos olhou sério dessa vez e eu engoli seco.

- Eu juro, viemos limpar, vimos que tinha essa passagem e quisemos limpar aqui também, afinal é nosso trabalho limpar a STELLAR! - disse Hobi um pouco desnorteado, porém salvando nossas peles.

- Tudo bem! Agora vamos, vou levar vocês para fora daqui e nunca mais entrem onde não forem chamados. - disse um pouco ameaçador é assentimos rapidamente.

Hansol nos levou para fora daquele lugar horroroso o qual havíamos entrado e a breve conversa com Jungkook não saía de mina cabeça. Ele estava tão perto e nada podíamos fazer agora para salvá-lo. Após Hansol nos enxotar de sua sala após fechar a porta, eu e Hobi concordamos em ir falar tudo o que vimos para Jin. Ele poderia pensar algo diferente de nós dois e poder ter uma ideia mais concreta.

Paramos em frente a janela de sua sala e o chamamos sem alarmar nada. Ele nos olhou e discretamente veio até nós.

- Digam! - falou apressado e olhando para os lados.

- Encontramos algo muito estranho! - falei baixo também olhando para os lados.

- O quê? - ele perguntou rápido.

- Alienígenas em uma espécie de cápsula e eles estavam, mortos e eu tenho certeza que foram usados e torturados para estudos antes. - disse Hobi com os olhos marejados e com uma expressão triste. - Receio fazerem isso com o Jungkook! - encerrou olhando Jin.

- Eles estão usando Jungkook para estudos, isso é fato. Eu vi. - disse Jin com lágrimas nos olhos. - Mas vamos salvá-lo! - falou por fim.

- Eu falei com Jungkook por telepatia, ele que me contatou na verdade! - comecei a falar - Ele me disse que pouco a pouco estão matando ele Hyung, vamos ajudá-lo logo! - pedi com toda a dor no coração.

- E onde vocês estavam? - perguntou ele aflito.

- Na sala de Hansol, foi ele que nos tirou de lá. - Hobi disse.

- Ah, agora mesmo que vai demorar pra salvarmos o Jungkook! - Jin falou passando as mãos por entre os cabelos cheio de preocupação.

- Por quê? - eu e Hobi quase gritamos em uníssono.

- Hansol está muito desconfiado de nós, principalmente agora que ele viu vocês lá dentro! Ah, isso está ficando muito demorado! - bufou Jin e uma lágrima percorreu seu rosto. - Vamos arrumar um jeito mas vamos ter que esperar mais um pouco! - disse olhando pro lado e colocando as mãos na cintura.

O medo me percorria o corpo e a preocupação também, nós devíamos nos apressar e conseguir salvar logo o nosso amigo mas eu sei que seria muito mais difícil pois havia alguém na nossa cola e esse alguém era o que nos impedia de seguir adiante com o plano. Se Hansol nos pegasse não seria apenas o fim de Jungkook, mas o fim de todos. Tudo poderia ir por água abaixo. Tudo se transformaria em nada e seria o fim daquilo que nem tão pouco passou a existir.

S/N

O dia havia sido muito bom para mim. A loja estava com uma clientela gigantesca, comparada aos dias anteriores. Coisa que eu gostava muito, pois não ficava parada sem fazer nada. No tédio.

Hoje eu saí um pouco mais cedo, alguns minutos apenas. Nada de mais. Então resolvi ir na sede onde Taehyung trabalha para poder voltar para casa com ele, ou até sair, quem sabe. Peguei um táxi e, para ser sincera com toda a minha ansiosedade o caminho se fazia extenso e cansativo. Sai do carro às pressas, paguei o moço que me trouxe e desejei-lhe uma ótima noite de trabalho. Virei-me para esperar Taehyung, quando meu corpo se congelou por completo ao ver aquela cena que me doía o coração.

Uma garota estava em cima do mesmo  tentando beijá-lo, mas eu via que ele não queria isso. Ele tentava se esquivar dela, porém ela era mais rápida e conseguia beijar apenas seu pescoço ou algo parecido. Meus olhos se recusavam a olhar aquilo, por mais algum segundo.

Virei-me de costas, pois não era obrigada a ver aquilo. Quando eu escutei apenas a voz de Taehyung me chamando, sua voz era de preocupava.

- S/N!- senti sua mão tocar em meu ombro, me fazendo não querer olhá-lo por um breve instante. - Me desculpa, não queria ter feito você ver isso.

- Por quê está se desculpando? - falei sem olhá-lo nos olhos. Meu coração doía por ver aquilo e, eu sabia que ele não tinha culpa. E além do mais, nós não éramos nada para eu estar sentindo ciúmes. Nós somos apenas amigos que se gostam, não temos nenhuma coisa instável. Nada sério.

- Mesmo assim S/N, não quero que você pense em mim desta forma. A Lany que tentou me beijar, desculpa por isso. - Taehyung implorava por meu perdão.

- Tudo bem, Taehyung. Eu te entendo. - sorri sem graça, fungando um pouco e, tentando esconder as poucas lágrimas que desciam por meu rosto.

- Não quero que diga que me entenda, quero que diga que me perdoa. - agora o mesmo se encontrava segurando meus ombros, me olhando nos olhos. Seu semblante era de preocupação.

- Eu te perdoou! - assenti olhando para baixo, ainda com ele segurando meus ombros.

- Obrigada, obrigada! - seus braços se entrelaçam em mim. Me puxando para um abraço quente e necessitado, talvez fosse isso que eu precisasse. Retribui seu abraço, o apertando mais ainda. Após longos minutos nos soltamos um do outro, pois Jin e os outros meninos haviam chegado.

- Oi S/N. - acenaram para mim, e também falaram em uníssono.

- Oi. - sorri saindo do aconchego do abraço de Taehyung. - Tae, vamos tomar um sorvete comigo?

- À essa hora não faz mal? - indagou com um sorriso um tanto estranho. Talvez estivesse ainda preocupado com a situação.

- Não importa, podemos tomar sim.

- Então vamos?

Assenti para ele, quando eu ia pegar o meu celular Jin se pronunciou.

- Não precisa ligar para o táxi, eu já liguei.

- Ah.. obrigada. - sorri para ele que apenas sorriu e virou o rosto.

Depois de longos minutos de espera, o táxi chegou. Eu me encontrava encostada no corpo de Taehyung. Como eu poderia explicar a situação? Ele estava encostado na parede e eu estava de costas para e, ele com seus braços em volta de meu corpo. Quando o táxi chegou, foi como se tivesse cortado uma grande conexão. Parecia até que iriamos ficar daquela forma para todo o sempre, essa ideia de todo o sempre, me assustava porém quando se tratava do Taehyung não me assustava tanto, eu tinha quase certa disso.

- Vamos! - fiz biquinho para Taehyung, que sorriu e apertou meu nariz de forma fofa.

Deixei que todos entrassem no carro primeiro, eu ia entrar também, mas o taxista me impediu com uma simples fase.

- Moça não tem mais lugar para você!

- Não tem problema, a S/N senta no colo do Taehyung. - Jin falou do banco da frente com um sorriso nos lábios, eu e Taehyung coramos imediatamente.

- Tudo bem para você Taehyung? - hesitei um pouco em pronunciar as palavras, porém todas saíram.

- Tudo.. pode sentar. - deu duas batidinhas em seu colo, como se me chamasse. Aquilo era muito embaraçoso! 🌚

Sorri amarelo com essa situação, com cautela me sentei em seu colo e fechei a porta do táxi. O mesmo deu partida no carro com certo impacto, me fazendo bater um pouco em Taehyung que me segurou. No meio do caminho eu já não me importava mais com a situação, os braços de Taehyung aos poucos foram colocados em volta de minha cintura. Estava bem com isso. Algumas vezes no caminho o carro passava por lugares que me faziam mexer o corpo sem querer. Estava destraida olhando pela janela, quando senti algo crescer em baixo de mim. Arregalei os olhos, olhei para Taehyung que estava corado, tentando disfarçar a situação. Cada vez mais que o carro se mexia, mais em sentia sua ereção repentina.

- Taehyung, o que significa isso!? - sussurrei baixo para que ninguém escutasse.

- Desculpa, foi sem querer. Desculpa mesmo! -  Taehyung sussurrou perto de meu pescoço com uma voz rouca e grossa me fazendo arrepiar, ele não precisava fazer isso só para me dizer tal coisa.

- Você não existe mesmo, não é? Que vergonha! - deixei um sorriso escapar com a situação e tentei disfarçar o máximo para todos que se encontravam no carro.

- Desculpa, isso não vai acontecer. Quer dizer, não prometo nada! - ouvi uma pequena risada de sua parte, me fazendo corar mais ainda.

- Está tudo bem com vocês dois? - Hobi nos olhos sem entender o motivo de nossos rostos corados.

- Sim, está. Moço.. pode parar aqui! - falei com o taxista que parou imediatamente o carro, eu e Taehyung saímos do carro e fomos embora. Obviamente, nos despedimos de todos.

Eu e Taehyung estávamos com bolsas de lado, a dele era como uma pasta gigante e a minha era pequena e insignificante perto da dele.

- Acho melhor você por a bolsa aí em cima. - sem querer deixei que uma gargalhada alta saísse, o fazendo ficar envergonhado. - Desculpa, não queria rir. É que é tão embaraçoso.

- Vou colocar! - imediatamente ele colocou a bolsa na parte da frente da calça, escondendo sua ereção.

- Vamos tomar nosso sorvete. - segurei em sua mão e o mesmo hesitou em andar, olhei para ele com uma interrogação no rosto e ele me encarou. Em uma fração de segundos, ele roubou-me um selinho, me fazendo rir baixinho e dá-lhe dois tapinhas.

Ainda segurando sua mão, o levei para uma sorveteria não muito famosa. Ela era calma, coisa que precisávamos no momento. Entramos no sorveteria, essa era a sorveteria em que você colocava tudo que queria. Você mesmo fazia sua porção, coisa que eu gostava muito. Colocamos tudo que queríamos e fomos pagar, nos sentamos em uma mesa longe das demais e ficamos ali por alguns minutos ou até horas conversando mais sobre nós dois e tudo mais.


Notas Finais


no dia 18 desse mês, é meu aniversário, então farei uma sessão de capítulos. postarei mtos no caso


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...