História Special needs ;; jaydick - Capítulo 1


Escrita por:

Visualizações 430
Palavras 2.347
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Crossover, Drama (Tragédia), Famí­lia, Romance e Novela, Slash, Universo Alternativo, Yaoi (Gay)
Avisos: Gravidez Masculina (MPreg), Homossexualidade, Insinuação de sexo
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Olá pessoal, antes de mais nada gostaria de me explicar.
Esta one faz parte de um (possível) projeto que eu irei iniciar. Há algum tempo, postei no tumblr uma prompt que gostaria muito que alguma alma escrevesse sobre (pois eu sou uma pessoa um tanto sem inspiração, acho que ela sumiu depois dos meus dezesseis anos, enfim, isso não vem ao caso). Só que ninguém escreveu :/ então eu decidi fazer.
(Colocarei nas notas finais o link da prompt que postei no tumblr, pois nestes iniciais o site não permite :/)

Resumindo um pouco a longfic (que eu gostaria muito de escrever): é uma omegaverse, onde Dick é filho se sangue do Bruce e Tim também, Jason é só um cara. Dick é um ômega não reclamado e com um filhote que foram abandonados pelo alfa que estava com Dick (Slade, é), mas que se casa com Jason alguns anos depois e ele assume a paternidade do bebê. Nesta história, o narrador retrata os sentimentos de Dick para com Jason, falando para os outros o quão bom ele é para Dick e sua filha (tem um pouco de angst também).

Capítulo 1 - Capítulo Único


Fanfic / Fanfiction Special needs ;; jaydick - Capítulo 1 - Capítulo Único

 

 

“Ele é bom para nós” disse Dick com uma caneca de café nas mãos sorrindo para Alfred. Era sábado de manhã e Mar’i havia insistido que queria ver o avô e os tios, ela estava com Damian na outra sala assistindo algum desenho que ele provavelmente acharia bobo, mas acabaria se entretendo mais do que a pequena sobrinha. Tim havia entrado no calor na tarde de ontem e estava no ninho com Conner desde então. O calor... Dick nem lembrava mais como era.

“Suponho que a ausência do patrão Jason seja relacionada ao seu trabalho, então” comentou Alfred, sentado na frente de Dick, com mãos de dedos entrelaçados e olhar neutro, inglês como sempre “Patrão Bruce voltará para o almoço e então a senhorita Mar’i poderá o ver”.

Dick sorriu com a tamanha formalidade de Alfred, ele olhou para a entrada da cozinha e baixou o olhar para sua caneca de café. Ele suspirou e deu um curto sorriso, Dick se sentia cansado, exausto tanto físico quanto mentalmente. Desde o nascimento de Mar’i até os seus recém sete anos, Dick tem interrompido seu ciclo para poder cuidar da filha, seu corpo doída, seus cabelos sempre sedosos cheios de brilho agora estavam mal cuidados, a pele seca juntamente com os lábios, o olhar cansado e a saúde um pouco frágil. Tudo por conta da negação de seu ciclo.

Ele não queria jogar Mar’i na casa do pai e passar três longos dias trancado no ninho copulando com seu alfa. Não, Bruce já tem trabalho demais com a empresa e Damian tem sua própria vida, ele não ia deixar a filha com o irmão mais novo, enquanto a Tim, bom, Tim tinha seus afazeres. Ele estava completando seu doutorado e tinha que ficar concentrado nisso, então não. Dick não poderia deixar Mar’i com ele também.

E Jason entendia isso.

Deus, Jason era incrível. O melhor alfa que havia conhecido em sua vida, ele era bom, realmente bom para Dick e sua filha. Jason era protetor e cuidadoso, nunca deixava nada faltar na casa, sempre cuidando tão bem de Mar’i e Dick, a colocando para dormir toda a noite com uma história, deixando um beijo no topo da testa junto com um “Bons sonhos, minha querida” para no final a cobrir com o lençol. Aquilo deixava o coração de Dick quente, depois Jason iria para o quarto dos dois e se sentaria na cama passando sua mão no rosto de Dick sempre dizendo que o amava e perguntando como foi seu dia. Eles dormiriam abraçados, com Dick sentindo o cheiro do sabão que Jason usava, sendo protegido pelos braços fortes do alfa a noite toda.

Jason era incrível, ele amava Dick e a filha de uma forma inexplicável. Dick poderia dizer que Jason era seu alfa, que ele era completa e inquestionavelmente seu. Jason o beijava, abraçava, tocava em seu corpo carinhosamente, o respeitava acima de tudo e se preocupava com Dick e sua saúde.

Ele não insistia com Dick sobre seus ciclos, não, Jason nunca se aproveitou, nunca questionou, nunca o forçou a nada. Jason o respeitava e o amava, ele era bom com Dick e Mar’i.

E Dick agradecia toda a noite por Jason ser tão bom para eles.

“Como se sente, patrão Dick?” Alfred, que o viu crescer, se preocupava, e muito. Dick não parecia o mesmo de antes, o garoto alegre e cheio de vida e sonhos, ele agora era um pai atarefado e um ômega doente.

“Estou bem, Alfie, não se preocupe” ele tinha um sorriso nos lábios rachados. Dick colocou uma mexa de seu cabelo atrás da orelha e se concentrou no em olhar o café, sendo a coisa mais interessante ali “Jason é bom para nós”.

“Você não deveria interromper seus ciclos, patrão Dick, eles existem por uma razão. Isto está afetando sua saúde” Alfred falou num tom de preocupação “Patrão Bruce e eu não achamos que ter Mar’i conosco é trabalhoso, pelo o contrário, gostaríamos de passar mais tempo juntos”.

Ele sorriu para Alfred.

“O que patrão Jason diz sobre isso?”.

“Oh” Dick sorriu “Ele se preocupada comigo, diz que estou me forçando muito, mas respeita minha decisão e não insiste em fazer com que eu entre no calor ou não”.

“Ele está certo” disse Damian, entrando na cozinha com o balde de pipoca vazio “Dick, você está fraco e precisa fazer algo. Olhe pra você, está horrível”.

“Obrigado Damian” Dick respondeu rolando os olhos “É bom saber que você está se dando bem com meu marido, depois de tanto tempo”.

Era verdade, ultimamente Damian tem passado bastante tempo com Jason e Dick não sabia o porquê. O fato era que Jason estava dando-o dicas de cortejo e ajudando-o em sua futura relação amorosa com Jon Kent, o filho mais novo de Clark, um ômega de dezoito anos e recém calouro da faculdade de jornalismo. De brilhantes olhos azuis, cabelos negros, nariz perfeito como o da mãe Lois e personalidade completamente doce, um amor de menino.

Mais Dick não precisava saber disso, não agora.

“Eu resolvi fazer um trégua, curta” disse “Pennyworth, Mar’i quer mais pipoca” e deu o balde vazio para Alfred “Com pouca manteiga e mais sal”.

Alfred o olhou e girou os olhos, ele sabia que a pipoca era para Damian e não Mar’i. Damian tirou o maço de cigarros do bolso e colocou um nos lábios, Dick o deu um olhar de desaprovação e ele apenas rolou os olhos acendendo o cigarro de qualquer forma.

“Jason está sendo um mau exemplo” observou.

“Ele sempre foi” respondeu Damian, tragando fundo o cigarro e soltando a fumaça logo depois “Você que só percebeu isso agora”.

Dick sorriu, eles poderiam estar em trégua como Damian disse, só que o irmão mostrava que ele ainda não simpatizava com Todd, não da forma como Dick esperava. Dick suspirou e se levantou indo em direção ao irmão deixando um beijo na bochecha dele – apesar de ser o mais velho, Damian era mais alto que si – e foi em direção à sala onde encontrou a filha sentada ao lado de suas bonecas enquanto um desenho passava na tv.

Ele sorriu se sentando no sofá a observando, suas pernas doíam um pouco e ele colocou a mão na boca quanto tossiu, Dick viu alguns poucos filetes de sangue na palma de sua mão, ele limpou com o lenço do bolso e o guardou de volta. A aliança dourada brilhava em seu dedo, ele sorriu e a beijou esfregando depois a mão no rosto, Dick sussurrou um eu te amo pra ela. Dick era feliz e amado, acima de tudo.

“Mamãe!” Mar’i gritou se jogando no colo de Dick, “Tio Damian disse que ia fazer mais pipoca pra gente terminar de ver o filme”.

“Alfred está fazendo a pipoca, amor” ele beijou a cabeça da filha enquanto ela corria para a cozinha. Ele respirou pesado e sorriu sem dentes, Mar’i estava crescendo. E rápido.

Ele olhou pra aliança mais uma vez, Jason estava a trabalho fazia dois dias, ele tinha prometido que voltaria no sábado a tarde e que não se atrasaria. Bobagem, ele nunca decepcionava Dick, de forma alguma, só que ele insistia em provar a Dick que ele nunca faltaria.

Jason não era pai biológico de Mar’i. Ele assumiu a paternidade da filha de Dick antes mesmo deles se casarem, ela tinha dois anos e Dick era um ômega de vinte e um anos, solteiro com um filhote não reclamado. Bruce havia ficado horrorizado, ver seu filho mais velho da forma como ele estava, Bruce tinha enlouquecido, o que seria de Dick e o pior, o que seria da sua neta? Dick havia ficado sem chão, seus olhos sem foco e seu sorriso tinha desaparecido completamente de seu rosto.

Ele estava horrível.

Seus irmãos, Alfred, amigos, todos estavam preocupados com a segurança de Dick e sua filha. Até o dia em que Jason apareceu num almoço de negócios ao lado de Bruce.

Jason estava perfeito, Deus, como ele estava perfeito. A calça jeans escuro e uma camisa social branca com os quatro botões da gola desabotoados, um blazer azul escuro com um papo convincente sobre como as empresas Wayne iriam ganhar mais se fechassem contratos com o seu chefe. Ele tinha ganhado muito mais que o sim de Bruce naquele almoço. A atenção de Dick.

Poderia ser porque Dick estava frágil na época, a depressão pós-parto ainda o assombrava, ver seu filhote e lembrar de seu antigo companheiro, aquilo o matava aos poucos. Damian não gostava de ver o irmão daquela forma em um canto qualquer, sem vida e sem o sorriso que ele tanto amava. Na infância, Dick era seu tudo. O homem que ele amava e que havia jurado proteger com todas as suas forças, não deixaria ninguém o maltratar pois ele não merecia isso.

Ele merecia ser amado.

E nesse quesito Damian e Jason concordavam. Eles amavam Dick, incondicionalmente. Todas as manhãs ele acordava com um eu te amo sendo sussurrado no ouvido seguido de um beijo doce no meio de seus cabelos, aquilo era tão bom pra ele…

Dick sorria olhando pra aliança no dedo, a saudade aumentando em seu peito a cada segundo que ouvia o antigo relógio do avô de Bruce fazer seu tic-tac, estava contando os segundos para ver Jason entrar pela a porta da cozinha da mansão Wayne com o blazer na mão, um sorriso nos lábios e seu perfume de alfa que acalmava todas as células agitadas do corpo de Dick. Era um vício, mas esta foi sua única forma de fugir do passado e seguir em frente com a família que tinha.

Aquela tinha se tornado a única saída que Dick havia de conhecer, ele abraçaria Jason enterrando seu nariz no pescoço dele, com os braços ao redor do corpo querendo o trazer mais para si numa forma de unir seus corpo num só, levantaria o olhar e se derreteria com os azuis esverdeados de Jason, enquanto a chama ainda ardia em seu peito eles se beijariam e no fim Jason iria dizer que o amava e sentia falta de Dick e seus olhos brilhantes.

Dick ainda sorria.

Toda essa excessiva necessidade eram efeitos da negação de seu ciclo. O calor é algo natural para todos em sua casta, mas ao contrário dos outros Dick tinha um marca e uma necessidade imensa de seu alfa para suprir seus próprios instintos. Um ômega copula no cio  porque ele precisa dos hormônios alfa para estabilizar seu sistema, tanto hormonal quanto natural, para seu bom funcionamento. Coisas como deixar a pele mais macia e o cabelo mais brilhante devidos aos hormônios do parceiro, assim também para a sua saúde, fortalecendo seu corpo e mantendo-o estável.

Esses hormônios eram passados pelo esperma do parceiro, pela saliva durante a mordida e durante os beijos intensos. Ômegas tem mais facilidade de absorver hormônios do quê alfas, ele só conseguem adquirir durante a mordida no pescoço bem em cima da glândula do ômega. Jason não mordia Dick com frequência, e a falta de hormônios ômega em seu organismo também era vista nos poucos fios brancos que tinha.

Em ocasiões extremas e em outras onde tudo depende somente de Dick, ele trocavam carícias intensas. Dick o beijava com voracidade estimulando o instinto de Jason para que as glândulas em seus caninos começassem a liberar a saliva cheia de hormônios que ele tanto precisava, seus mãos trabalhando depressa na virilha fazendo o pau do alfa ganhar forma pra depois ele o colocar em sua boca. Dick o chuparia até conseguir que o alfa gozasse e assim liberasse aquilo que ele precisava: os hormônios.

O galo de Jason iria inchar e Dick deitaria em cima do peito dele se sentindo mal ao usá-lo para seu próprio bem.

Jason iria rir e o asseguraria que estaria bem, tudo ficaria bem, porque Dick precisava daquilo pra poder continuar. Jason realmente não se importava, ele só queria o bem para Dick, se esforçava para que ele ficasse e se sentisse bem.

Era egoísmo. Os dois eram, um querendo confortar o outro enquanto é usado. Era errado e a sua maneira doloroso e Dick sabia disso, pois ele chorava quase toda a noite enquanto via Jason dormir ao seu lado com uma expressão serena no rosto e respiração amena.

Jason era bom, em todos os aspectos.

Desde o dia em que se casaram até hoje, Dick não havia compartilhado nenhum de seus cios com Jason. Ele nunca tinha sentindo o cheiro de Dick durante essa fase, nunca, e também não forçava ele para tal pois Jason respeitava Dick acima de tudo. Durante o curto período em que ainda estavam se conhecendo ele transaram poucas vezes, quase todas sendo investidas de Dick. A primeira vez foi no carro, Dick estava num desespero hormonal e acabou acontecendo no estacionamento da mansão quando Jason o havia deixado depois do jantar que tiveram naquela noite.

Um anos mais tarde eles estavam casados e Jason era pai de Mar’i. Ele se apaixonou na mesma hora em que viu o bebê de olhos azuis pequenos e poucos fios de cabelos negros, ela era igualzinha a Dick, doce e completamente inocente.

Ele a amou em cada descoberta e se sentiu imensamente feliz quando ouviu um papai vindo dela, Jason estava tão feliz. Ele era feliz ao lado do esposo e da filha, Dick sabia disso. E se esforçava para ser bom para Jason tanto quanto ele era bom para si, Dick o abraçava e beijava docemente sempre que ele saía de casa desejando um bom dia e que a noite ele faria seu prato predileto no jantar.

Dick ouviu a risada de Mar’i no outro cômodo, ela conversava alegremente com Damian e Alfred, estava feliz com sua recente descoberta como artista depois de fazer uma caricatura de Damian. Ele suspirou e sorriu deitando as costas no sofá para depois deitar o corpo e agarrar umas das almofadas entre os braços enquanto fechava os olhos, desejando sentir o cheiro e o calor do corpo de Jason junto do doce boa noite que sempre recebia antes de dormir.

 

 


Notas Finais


Link da prompt (aqui tá tudo bem explicadinho): http://rors-chach.tumblr.com/post/165818912601/au-jaydick-dick-wayne-has-a-daughter-named-mari
Eu me tive como base o universo a/b/o de uma fanfic que eu li no AO3, vou deixar o link da fanfic (superbat) pra vocês
Fanfic: https://archiveofourown.org/series/70301
Glossário do a/b/o criado: https://archiveofourown.org/works/2738015/chapters/6136352

Eu adicionei algumas coisas nesse omegaverse, adicionei algumas características que valessem para a história, tive também como inspiração a música "Special Needs" da banda Placebo.

Obrigada pela a leitura :)


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...