1. Spirit Fanfics >
  2. SPEED (Jeon Jungkook) >
  3. Im good

História SPEED (Jeon Jungkook) - Capítulo 8


Escrita por:


Notas do Autor


Perdoem a demora pessoal!!
Espero que 2020 de vocês seja incrível✨

Capítulo 8 - Im good


Fanfic / Fanfiction SPEED (Jeon Jungkook) - Capítulo 8 - Im good

— Você precisa me levar para um hospital. - Minha respiração estava se tornando lenta. Minha mão estava sobre a lateral de minha barriga, onde fora o local atingido, as cessantes balas ali atingidas no mesmo lugar fez com que um buraco abrisse e me atingisse, eu só me dei conta quando toda a confusão havia cessado. 

— Hospital? Tá louca? - Jungkook se alterou. — E vai explicar o que para os médicos? - Me olhava encabulado pela minha ideia. 

— Que levei um tiro oras. - Falei óbvio, naquele momento eu já não estava raciocinando direito, só queria que aquela queimação parasse o mais rápido. 

— Ah claro! E você acha que depois a polícia não vai parar lá atrás de explicações. - Revirou seus olhos.

— Cara eu levei um tiro e você tá aí dando xilique, me economiza. - Respondi com meus lumes quase se fechando por completo. — Apesar de que eu morrer não faria nenhuma diferença para você mesmo. - ri levemente — AAAAH! - Acabei por gritar quando senti algo pressionando minha ferida, era sua regata ali, restando apenas sua jaqueta como veste deixando exposto seu abdômen, que se fosse em outros momentos eu estaria totalmente hipnotizada por essa cena. 

Jungkook me colocou no banco do passageiro agora assumindo o volante.

— Tente ficar acordada. - Falou e senti o forte vento no rosto quando o moreno pisou o pé no acelerador sem pudor. 

[...]

— Puta que pariu, isso dói muito! - Reclamei quando acordei e percebi estar em um quarto, que provavelmente deve ser de visita da mansão de Jungkook. 

— Você tá bem? - Jimin entrou no quarto com aquele seu olhar solidário e bondoso, porém, não me encontrava em melhores condições.

— Quem levou um tiro foi você ou eu? - Me levantei levemente sobre o colchão com a mão sobre o curativo. 

— Você? - Respondeu inocentemente perdido.

— Então você esta bem, porque eu não to. - Bufei.

— Ham... compreendo. - Jimin coçou a nuca obviamente constrangido pela pergunta imbecil. — Quer algo para comer? 

— Não. Eu quero ir embora. - Tentei ficar em pé, me apoiando em uma coisa ou outra, deu certo no final.

— Você não vai embora. - Jungkook apareceu de repente com seu semblante sério e duro. 

— Eu quero vê você mandar em mim. - O enfrentei sem ter medo algum, mas no fundo eu sentia um pouco de medo sim. 

— Vamos ver quem manda aqui. - Falou e fechou a porta me trancando ali no quarto. Pasma, morrendo de dor, sentei na cama sem acreditar que estaria sendo a própria rapunzel em pleno século vinte um. 

— Sorte dele que estou machucada, se não daria um belo soco naquele rostinho. - Resmungava enquanto ia em direção a janela do quarto, que com aquela cortina escura não dava muita claridade ao local. 

Dei uma bisbilhotada no andar, realmente alto demais. — Bem pensado Jungkook, mas eu vou sair daqui. - Falei pra mim mesma observando a vista da comunidade criada pelo mesmo, estava tudo muito calmo.

[...]

— Trouxe sua janta. - Yoongi brotou no quarto enquanto eu estava super ocupada observando o teto, com sua habitual cara de bunda praticamente deixou a bandeja de qualquer jeito sobre o pequeno criado mudo ao lado.

Me virei lentamente o olhando com cara de poucos amigos. — Tem veneno? 

Ele riu soprado, desacreditado. — Se fosse pra te matar eu metia uma bala na sua testa sem rodeios. - Respondeu áspero.

— Vai que né ... - Dei de ombros, não custava tentar. 

— Vai que nada! Come logo isso garota. - Agora fora um pouco mais grosso. 

Me ajeitei calmamente sobre a cama para ficar sentada. — Você poderia ter a compaixão de vê se tem algo melhor que eu possa vestir ali naquele closet? - Apontei em direção ao ambiente, observando que meu pijama com manchas de sangue e sujeira estava um trapo. 

— Aish. - Resmungou e andou até o local, foi a hora perfeita que mesmo com tamanha dor, quase saltei da cama e tranquei a porta por fora. — ABRE ESSA PORRA! - Yoongi berrava enquanto batia na mesma. 

Senti uma enorme fisgada no meu ferimento, levantei minha blusa e tamanha fora a força que fiz ali que meus pontos haviam abertos e o curativo, uma vez branco, agora se encontrava cheio de sangue. Com a mão sobre o local, andava apressada até um local onde pudesse ficar longe das gritarias de Yoongi e fugir. 

Ouvi um barulho de alguém correndo, com isso me escondi no primeiro corredor que vi, sendo assim vi lá no final um Jimin tentando abrir a porta para tirar o amigo de lá. Respirando ofegante entrei na primeira porta que vi ali.

— Noona, o que aconteceu? - Me assustei quando vi a pequena Jinhyo em uma mesinha ao canto do quarto, pintando um desenho. 

Tomei um susto quando a porta bateu rudemente. — Como você conseguiu sair? - Jungkook estava bem atrás de mim, falava rente ao meu ouvido, provavelmente para que a curiosa a nossa frente não ouvisse. 

— Você deveria ter vergonha de prender alguém na sua casa com sua filha aqui, belo exemplo. - ri fraco do belo exemplo de pai. — Não aconteceu nada meu amor. - Sorri torto para a garotinha.

Sua cabeça tomba levemente pro lado, me analisando completamente. — Porque está sangrando? - Piscou seus olhinhos inocentemente.

— Pergunte ao seu pai, querida. - Respondi com um sorriso grandioso nos lábios. Me afastei do moreno que estava parado atrás de mim, tamanha era a tensão que esse homem exalava. 

Me sentei no pequeno banquinho ficando a sua frente. 

A pequena olhou para a figura do pai, que continuava calado e sério, então tomou iniciativa ela mesma. — Papai me ex... 

— Jinhyo desça e fique lá com o tio Hope. - Jungkook não desgrudava o olhar em mim, já eu estava com a feição no próprio deboche, ao mesmo tempo que rabiscava uma coisa qualquer ali com o giz de cera. 

A pequena o olhou confusa pela ordem repentina dado pelo mais velho, ela só queria respostas.  — Mas papa.. 

— DESÇA! - Acabou se alterando e a pequena saiu pisando duro e com os olhos brilhando, preste a derramar em lágrimas. 

— Não deveria falar assim com sua filha. Afinal, acho que irei descer também e conversar com ela sobre algumas coisinhas. - Fiz uma leve carreta quando me levantei do banquinho feito especificamente para crianças. 

Antes mesmo que eu atravessa-se a porta, Jungkook agarrou meu braço me virando brutalmente de frente pra si e minhas costas bateram com força sobre a madeira. Gemi de dor, queria me encolher quando aquela queimação na barriga me atingiu em cheio, mas o moreno não permitiu isso prendendo minhas mãos sobre minha cabeça o forçando a olhá-lo nos olhos.

— Eu deveria acabar com você agora por toda essa confusão que está fazendo. - Praticamente rosnou pra mim.

— Então mata, acaba comigo, faz o que você quiser. - Falei com raiva. — AAAAAAAH! - Gritei quando o mesmo pressionou seu joelho sobre minha ferida. 

— É melhor não querer me testar. - Uma palma sua estava sobre minha nuca e sua fala soou sobre meu ouvido, calma e bem objetiva. Minha boca estava aberta, em choque, meus olhos escoriam lágrimas e nada saia de minha boca para respondê-lo. Ele colocou minha cabeça sobre seu ombro, meu corpo ficou fraco e tudo se apagou de repente.

[...]

— Toma aqui sua roupa e a merda da compaixão. - Acordei com a doce voz de Yoongi e uma muda de roupa limpa jogada sobre meu rosto. 

Torci o nariz recordando das memórias anteriores. Levei um pequeno susto quando a porta fora trancada, sem escolha e tarde da noite, rumei até o banheiro para tomar um bom banho. 

Quando sai o vento gelado me atingiu em cheio, com os pelos arrepiados rumei até a janela a fechando em seguida. Estava vestida com uma calça folgada, bege, e uma blusa de alcinha rosa clara. 

Sentei na beira da cama, respirei fundo e me joguei sobre o edredom macio e fofinho.

*Já estava de madrugada e Kyle já estava agarrando os travesseiros, agoniada, seu corpo se mexia de um lado para o outro, algo estava acontecendo em seus sonhos, sua irmã mais uma vez invadindo sua mente e lhe fazendo ter os piores pesadelos. 

Uma figura adentra o quarto da garota, a observando ainda de pé seu rosto agoniado, seus olhos fechados e os sons estranhos que saiam de sua boca, sem deixar de apreciar a beleza dela, que mesmo nesse momentos, não deixava de ser bela. 

Deitou-se ao seu lado, com sua mão agarrou sua cintura a trazendo para mais perto de si. Kyle posou sua cabeça no pescoço da pessoa que estava ali consigo, e toda agonia havia evaporado num instante, lhe fazendo agarra-lhe na mesma intensidade. *

***

Abri meus olhos lentamente, o quarto estava escuro então meus lumes não arderam pela claridade que exalava lá fora. 

Senti uma leve pontada na minha ferida e quando tirei o cobertor para observar melhor seu estado, me deparo com uma mão masculina agarrando bem minha cintura.

Minha respiração falhou. 

O susto de ter alguém desconhecido ali, dormindo ao meu lado, me deixou apavorada. Me movi levemente para tentar sair de seu aperto, não funcionou em nada, ele me agarrou mais forte ainda e minha bunda sentiu algo estranho nas regiões íntimas daquele ser. 

Agora o desespero era real mesmo.

Tirei sua mão de mim o mais rápido possível, rolei para o lado, mas sem noção da distância até o chão, cai com tudo. 

— Puta que pariu! - Exclamei deitando no chão, aceitando a dor do tombo e de ser tão tapada. Me apoiando na cama consegui me erguer e ficar de joelhos, assim, espremendo um pouco os olhos para saber o militante que havia invadido meu espaço. — YOONGI?

[...]

— Tá legal... isso daqui tá bem estranho. - Jimin se pronunciou quando estávamos na mesa tomando café e eu encarava Suga sem nenhum pudor e o mesmo me olhava firmemente. 

Os meninos resolveram me deixar ao menos descer para as refeições e comer igual gente, não igual uma criminosa como era antes. 

— É só fogo no rabo dos dois, não liga. - Jin respondeu Park, visto que nenhum de nós iríamos fazer tal ato, voltando a atacar a mesa se deliciando com os salgados fartos dali. 

Yoongi sorriu ladinho em minha direção parando com aquela brincadeira idiota e deu atenção para seu café. 

— Aconteceu algo? - Tomei um susto com a presença de Jungkook sobre o cômodo, que rapidamente percebeu que algo havia acontecido comigo e o pálido à frente. 

— Aconteceu sim ... - Minha fala meio que morreu quando senti um chute sobre minha canela, já sabia de quem teria vindo, me fazendo recordar da leve ameaçada que fez a mim poucos minutos atrás. — Quando estava vindo pra cá, Suga colocou o pé para eu tropeçar. - Respondi o moreno que ocupou o lugar ao meu lado, enrugando seu nariz por esse ser o motivo da minha cara fechada.

— Viu, eu disse que era algo bobo. - Jin falou de boca aberta e logo levou um peteleco de Namjoom pela falta de modos. 

Mas, algo me dizia que Jungkook não havia acreditado muito na minha desculpa, eu espero mesmo que minha intuição esteja certa.

[...]

— Vai virar cão de guarda agora? - Virei minha cabeça na direção do indivíduo que acabara de destrancar a porta. 

Estava deitada com uma mão debaixo da cabeça e a outra apertava o botão do controle remoto diversas vezes procurando algo bom para assistir. 

— Só pra ter certeza que você não abriu a boca sobre o pequeno acidente de hoje cedo. - Coçou levemente o nariz enquanto observava o quarto, que não tinha nada de interessante.

— Eu deveria colocar na porta que você é um tarado durante a madrugada, no entanto, eu posso levar um tiro no meio da testa como você mesmo disse né?! - Sorri falsamente pro branquelo ao meu lado, que só me fitava seriamente.

— Você deveria tomar cuidado com seus sarcasmos, não sei se ouviu falar, mas, eu sou o que menos têm paciência por aqui. - Respondeu rude arrumando seu relógio de ouro no pulso direito. 

— Pouco me importo com isso. - Levantei, iria em direção ao banheiro quando meu braço fora agarrado com força e me virei bruscamente de frente pro mesmo, tentava me desvencilhar, porém eram tudo em vão. 

— Eu gosto desse seu jeito toda garantida de si, agressiva. - Passou a mão sobre meu cabelo, colocando uma mecha atrás de minha orelha, virei o rosto com tudo para não ter contato com aquela mão. — Você é tão linda. - Parecia sussurrar pra si mesmo enquanto descia seu dedo calmamente pela minha bochecha, passando em seguida sobre meus lábios. 

Finalmente me soltou e desapareceu de minha vista, sobrando uma Kyle totalmente confusa com o ato repentino de Suga.

— Kyle? - Espantei pensamentos ruins quando me deparei com Jungkook na porta. — Desça. 

[...]

Estavam todos reunidos na sala, onde Jungkook faria um comunicado.

— Boo Hanguk, nosso ex fornecedor de anfetaminas, está na cidade com o panaca do seu filho. - Todos o ouviam com atenção, inclusive eu, que estava doida pra saber no final o motivo de estar aqui. — Os idiotas estão se achando o rei do pedaço aqui, e consequentemente resolveram pegar algo que é meu; meu carregamento de drogas que estava sendo contrabandeado para Tokyo. 

— Eu estou doido pra arrebentar a cara daquele idiota e do velho nojento. - NamJoon falou pocesso, no mínimo se recordando de desavenças do passado. 

— Precisamos então achar o local em que eles esconderam, para depois ir acabar com eles. - Jimin falou e todos concordaram. 

— O melhor jeito é começar com o panaca do filho. - J-hope disse. 

— Já até sabemos onde ele deve estar. - TaeHyung da um sorriso maroto para o amigo, que sorri cúmplice também. 

— Kyle você vem conosco. - Jungkook falou ajeitando sua jaqueta sobre o corpo.

— Pra fazer? - Ergui minha sobrancelha, no que uma garota com um recém ferimento de bala poderia ser útil nessa missão. 

Me olhou com um pequeno sorriso pairando sobre os lábios.

— Você é a isca. 

***

— Todos estão escutando? - NamJoon fora o primeiro a testar as escutas nos ouvidos de todos, tendo o consentimento de cada um de que estávamos ouvindo tudo. 

Pelo que eu entendi meu objetivo é o seguinte: chamar atenção do idiota, depois correr com o mesmo, pois descobrir que ele tem um fetiche por garotas perigosas, ganhar a corrida para impressiona-lo e depois o levar para algum hotel e de resto os meninos cuidariam. 

Só que, tinha uma pequena parte que Jeon resolverá ocultar de mim e que acabei de descobrir.

— Eu deveria ter captado quando me pediu pra vestir essa roupa. - Falei diretamente para Jungkook, mesmo com os outros escutando ele saberia que era pra si. 

Olhava para o redor, disfarçadamente, enquanto Jungkook se mantida camuflado na multidão com o resto do grupo. 

— Você ficou bem vestida assim. - Riu soprado, no mínimo deve ter visto minha cara feia diante do 'grande elogio'.

Eu vestia uma blusa branca justa, juntamente com uma jaqueta de couro azul, uma calça jeans da mesma cor e justa, digna de uma perfeita motoqueira que serei hoje. 

Sim meus caros, hoje a corrida será sobre duas rodas. 

— Você é nova por aqui? - Me virei diante da voz dirigida a mim.

— Sou sim. - Sorri marota puxando meus longos fios pretos para trás, em seguida colocando meu capacete. 

O garoto era do jeito que Jungkook, rapidamente, me descreveu; médio, cabelos castanhos, tailandês, pose de bad boy e um tarado alheio, visto que não tirou os olhos do meu decote a mostra um segundo sequer. 

Babaca. 

Me virei sentando na moto, uma Suzuki GSX 750, com minha coluna levemente curvada meu bumbum criou um volume maior, não deixando de ser seguido por aqueles olhos maliciosos e um sorriso tarado no canto da boca. — Você que irá correr conosco hoje. - Chegou um pouco perto de mim passando seu dedo levemente sobre o contraste lateral da moto e acidentalmente, ou para um trouxa que acredite que foi um acidente, tocou em minha coxa. 

— Sempre soube que era um tarado, mete porrada nele Kyle. - J-hope pronunciou sobre a escuta, tive que me controlar para não rir ali.

— Sou eu sim, farei todos vocês comerem poeira. - Sorri, mesmo que ele não pudesse vê por causa do capacete, eu sorria por ser verdade, correr sobre duas rodas não deve ser tão difícil, né?! 

[...]

— Porra eu não consigo enxergar direito. - Falava tentando ao máximo me concentrar na corrida. 

O capacete era pesado demais, o vento estava muito forte e quase não me equilibrava direito, eu prefiro mil vezes sobre quatro rodas. 

— Se concentra, você precisa ganhar essa corrida. - Jungkook disse, me fazendo respirar fundo e acelerar mais ainda. 

Tinha o total de cinco corredores, eu precisava me concentrar e eliminar todos para sobrar somente eu e o cabeça de vento.

Concentração.

O bom de estar em uma pista longa e lisa, sem ninguém no meio, ajudava para que eu conclua o plano. 

— O que eu devo fazer basicamente para eliminar uma moto da jogada? - Perguntei realmente confusa com essa nova aérea em que estava. 

— Bate na moto do oponente. - Yoongi respondeu.

Tomei coragem, acelerei e o da moto amarela fora o primeiro que eu joguei a moto em cima, mas o desgraçado se esquivou a tempo, e ainda fui surpreendida quando o mesmo me deu um belo chute na coxa, para que eu caísse.

— EU VOU CAIR. - Berrei quando o agressivo da moto ao lado ficou querendo me marcar toda hora, com medo eu ficava acelerando cada vez mais rápido. 

— Merda Kyle, se concentra. - Jungkook esbravejou. 

— Mais concentrada do que eu to, daqui a pouco saio voando. - Respondi nervosa. — Eu quero eliminar esse bundão logo. - Bufei.

Eliminação consentida. - O dispositivo, estranhamente, fora escutado por todos na orelha.

Olho rapidamente para o lado e a moto que estava me atormentando freou bruscamente, tendo um piloto totalmente confuso com a ação de sua máquina, o mesmo tombou diversas vezes e saiu da jogada.

Meu dispositivo havia se conectado com minha moto automaticamente, me fazendo ficar mais confiante sobre a pista agora. 

— Agora vai ficar mais divertido. - Virei para frente com um sorriso travesso e acelerei o mais rápido para alcançar os outros. 

Joguei minha moto em direção ao oponente de vestes laranjas. — Perca o equilíbrio. - Dei um leve chute no mesmo e caiu com sua moto dando várias voltas pelo chão, do jeito que havia mandado, mas com um toque sem deixar suspeitas que havia uma pequena trapaça ali. 

Fiz com que meu pneu bate-se na travesseira do de cor vermelha, que após meus comandos, fora outro que parou no chão rodopiando. Só faltava o de cor verde para estar eu e o filho do mafioso. 

— Kyle, melhor tomar cuidado. - Senti a preocupação de Jimin quando á frente estava o cabeça de vento tentando derrubar o da máquina verde, eles batiam suas motos como se brigassem de dar socos um no outro. Até que o panaca resolve tirar uma pistola que estava presa em sua calça, na parte de trás, apontar para o oponente e lhe meter vários tiros pelo corpo até que finalmente, caísse morto no chão e sua moto ser totalmente destruída com o impacto.

O mesmo virou para mim e pelo visor do capacete eu vi sua piscadela em minha direção. 

Engoli em seco.

— Talvez eu tenha ocultado que ele não gosta de perder. - Jungkook falou observando a tensão que pairou sobre mim.

— Coisa boba né. - ri de nervoso.

— Achei que fosse uma garota mais durona. - Pude ouvir o desaforado do Jungkook falar.

— Eu vou matar esse idiota agora. - Esbravejei.

— O pai dele vai ficar uma fera. - Namjoon comentou, mas não foi em um tom desapontado e sim, parecia estar contente com a hipótese. 

— Se você o matar não teremos o que usar contra o pai dele. - Jungkook falou bravo por obviamente, estar querendo anular o seu plano inicial que fora dado.

— Leva só a cabeça então! - respondi brava 

— Kylie! - Jungkook me reprende e seguro um gritinho de frustração.

Respirei fundo e acelerei mais ainda, assim ficando ao seu lado. 

Faltava apenas um quilômetro para a linha de chegada, quando o vi apontar sua pistola em minha direção.

— Desculpa querida, não é pessoal, mas só pode ter apenas um vencedor, e serei eu. - Falou com um sorriso sádico.

— Jogando baixo desse jeito tem que ser confiante assim mesmo. - Sorri debochada.

— Pois é, cada um usa as artimanhas que conhece. 

— Você tem toda certeza. 

O mesmo apertou a pequena trava para que seu gatilho esteja pronto para o segundo disparo da noite.

— Você sabia que eu sou ótima na cama? Eu faço coisas incríveis, você não tem ideia. - Falei pro mesmo como se fosse um desabafo cotidiano feito pra sua melhor amiga.

É como ele mesmo disse "cada um usa as artimanhas que conhece" 

E minhas artimanhas iriam funcionar, afinal, homem é tudo igual. 

— Seria um desperdício tão grande me matar sem antes provar do que sou boa.


Notas Finais


até o próximo 😘


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...