História Spoby- Before Leaving - Capítulo 8


Escrita por: ~

Postado
Categorias Grey's Anatomy, Pretty Little Liars
Personagens Alexander "Alex" Karev, Aria Montgomery, Arizona Robbins, Calliope "Callie" Torres, Cristina Yang, Derek Shepherd, George O'Malley, Isobel "Izzie" Stevens, Jason Dilaurentis, Mark Sloan, Meredith Grey, Miranda Bailey, Personagens Originais, Richard Webber, Spencer Hastings, Toby Cavanaugh, Wren Kingston, Yvonne Phillips
Tags Alex Karev, Alison Dilaurentis, Aria Montgomery, Ashley Marin, Byron Montgomery, Caleb Rivers, Cristina Yang, Derek Shepherd, Ella Montgomery, Emily Fields, Emison, Ezra Flitzgerald, Ezria, George O'malley, Grey's Anatomy, Haleb, Hanna Marin, Izzie Stevens, Jason Dilaurentis, Jenna Marshall, Jessica Dilaurentis, Lucas Gottesman, Mark Sloan, Maya St Germain, Melissa Hastings, Meredith Grey, Mike Montgomery, Miranda Bailey, Mona Vanderwaal, Noel Kahn, Paige Mccullers, Pam Fields, Personagens Originais, Peter Hastings, Pretty Little Liars, Richard Webber, Spencer Hastings, Spoby, Toby Cvanaugh, Verônica Hastings, Wren Kingston, Yvone Philips
Visualizações 105
Palavras 2.215
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Crossover, Drama (Tragédia), Famí­lia, Romance e Novela
Avisos: Heterossexualidade, Nudez
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Eu ia postar amanhã, mas, eu nao aguentei!

Antes de começar a leitura, queria dizer que eu escrevi pelo celular (desculpe qualquer coisa), não sei com quantas palavras ficou, mas deu 8 páginas do Word (ai meu pai)

Antes de começar a leitura, precisam saber:
DEIXEM DESFIBRILADORES E TAIS OBJETOS PARA RESSUSCITAR A SI MESMO, AO LADO (ke)
O que vão ler, é forte, ou, nem tanto.

Desde já; sinto muito.

(Parabéns aos que acertaram, e eu buguei a mente de quem tinha acertado kkkk)

EDIÇÃO 1: Gente, esqueci de avisar kkkkk depois desse cap, tem o próximo (cap 9) e depois, no 10, é o final! Não quero acabar

Capítulo 8 - Revelations


Fanfic / Fanfiction Spoby- Before Leaving - Capítulo 8 - Revelations

A claridade de tom cinza entrava pela janela do quarto que possuía suas cortinas abertas, e pairavam sobre os olhos de Spencer, causando desconforto. A morena, incomodada com tal situação abriu seus olhos em meio a piscadelas intensas.

 

Quando acostumada, pôde observar perfeitamente o que acontecia...

Sua cabeça estava dolorida, a dor que sentia se tornava insuportável.

O que aconteceu comigo noite passada? – Perguntava-se.

Então, notou que estava em um local estranho, mas que reconheceu instantes depois. Ao seu lado, Toby dormia tranquilamente.

Spencer o analisou. Sua mão estava junto ao peito nu do rapaz e um de seus braços por cima dos da morena.

Vagarosamente, começou o procedimento de retirada. Ação sutil teve resultado sutil.

Colocou-se de pé.

Sua cabeça rodava, a dor era persistente e forte, tinha certeza de que vomitaria, mas não o fez.

O calcanhar dolorido a fez cair.

- Droga! – Exclamou quando seu corpo se encontrou ao chão do apartamento.

Toby despertou no mesmo instante que ouviu o barulho. Virou-se para o lado que a morena estava e não a encontrou. Sentou-se na cama olhando a sua volta.

- Spence? – Chamou ele.

A morena levantou a cabeça, com um sorriso fraco.

- Bom Dia – Disse em meio a gemidos de dor – Acho que torci meu tornozelo, e nem sei como. – Fez uma pausa – Na verdade, não faço ideia do que estou fazendo aqui, e como cheguei – Terminou ela com a mão na cabeça dolorida.

Toby riu. O suficiente para deixar Spencer em alerta.

- Não! – Resmungou – Me diz que o álcool não tem nada a ver.

- Sinto muito.

- Como aconteceu? – Perguntou enquanto se sentava dificultosamente na cama, no lugar que dormiu durante a noite. – O que aconteceu?

Toby endireitou sua postura e continuou o diálogo. Contou cada detalhe daquela noite, cada frase pronunciada por Spencer.

Ao final de tudo, a morena estava deitada, com o rosto no travesseiro.

- Não acredito que fiz isso – Disse com a voz abafada, Toby não entendeu.

- Como?

- Eu não acredito que fiz isso – Repetiu em alto e bom som, sentando-se – Mas, o que estava fazendo lá?

Toby suspirou e respondeu:

- Queria falar com você.

- Sobre? – Perguntou Spencer.

- Depois que saiu do hospital, contei a Yvonne tudo que aconteceu – Respondeu visivelmente envergonhado.

- Se arrepende?

- Não. – Ele a olhou, um olhar doce e verdadeiro – Eu não conheço você, mas eu gosto de você, Spence. – Fez uma pausa, como se estivesse prestes a fazer uma grande revelação – O que tinha com Yvonne, pensei ser real e verdadeiro, eu a conheço desde o ensino médio, sei tudo sobre ela. Mas quando eu conheci você, descobri que não precisava conhecer uma pessoa tão bem para nutrir sentimentos verdadeiros.

- Toby, eu não posso...

- Só me escuta, certo? – Pediu colocando as mãos sobre as de Spencer, que afastou-se bruscamente.

Preciso ficar longe – Pensava ela. – Preciso ficar longe.

Só tinha um jeito de não machuca-lo ao final de tudo, partindo seu coração agora.

- Não, Toby. – Disse, levantando-se da cama – Você não entende, eu não posso ter nada agora e nem em tempo algum.

- Porque?

Não estava pronta. Aquele segredo estava matando-a. Literalmente.

- Devia ficar com Yvonne – Respondeu enquanto vestia sua calça e saia do quarto, em direção a porta – Fique com alguém que você conheça, alguém que você ame.

Não esperando por respostas, passou pela porta e a fechou em um estrondo. Encostou suas costas na madeira, e deixou as lágrimas saírem. Ela realmente o amava e se lembrava disso.

{...}

Seattle Grace Hospital

O dia estava calmo, controlado, e estranhamente livre.

George, Bailey e Alex estavam na emergência, quando ela entrou...

- Por favor, me ajude – Disse em meio ao choro. Seus amigos procuraram a fonte do pedido, e pousaram seu olhar em Spencer, que chorava com as mãos apertando sua barriga – Por favor.

Os três se aproximaram rapidamente.

- O que você está sentindo? – Perguntou Alex a segurando.

- Eu acho que vou... – Antes que terminasse sua fala, um líquido vermelho saiu de sua boca, como vômito.

- Tragam uma maca – George pediu, e logo uma enfermeira chegou com o pedido.

- Está doendo muito – Reclamou. Outra onda nauseante a atingiu, e liberou o mesmo líquido.

- Está vomitando sangue – Bailey constatou – Vamos leva-la pra cirurgia.

- Não – Disse Spencer fracamente, tendo o corpo sustentado por Alex que a ajudava a deitar.

- Vai ficar tudo bem, Spence – George segurou em sua mão trêmula e os quatro saíram.

...

- Spence, vamos anestesiar você – George estava preparado para a cirurgia.

- Estou com medo – Disse ela fechando os olhos quando a náusea a atingiu.

- O O’Malley não vai sair do seu lado – Alex a tranquilizou. – Nem mesmo quando você acordar.

- Isso mesmo – Concordou ele – Estarei sempre ao seu lado. Assim como diamantes, sou eterno para você.

Spencer demonstrou um sorriso fraco. Quando estava para ser anestesiada, levantou a mão impedindo a ação.

- Não deixem o Toby saber que estou aqui – Pediu falhadamente.

- Mas...

- Bailey, por favor. Me prometa que ele não saberá de nada. – Voltou a pedir.

Bailey olhou para seus amigos e todos assentiram.

- Tudo bem, ele não vai saber – Respondeu a médica.

- Ótimo.

Colocaram a anestesia.

- Conte até 10 – Pediu Alex.

- 1, 2, 3, 4...

Então, Spencer adormeceu.

- Vamos começar – Disse Bailey. Todos estavam preparados, já conheciam a paciente – Lâmina 10.

O instrumentador passou o objeto pedido pela médica e a mesma começou o procedimento cirúrgico.

Fez o corte na parte superior torácica, descendo na vertical até seu umbigo. Quando o corte estava totalmente traçado, Bailey viu o problema de imediato, assim como Alex e George.

- Isso não é bom – Comentou Karev com pesar.

- Não mesmo – Miranda concordou – A metástase espalhada por todo o trato intestinal, não há muito que fazer. A situação vai se deteriorar mais rápido do que o esperado.

- Vamos desistir? – O’Malley perguntou com os olhos úmidos.

- George, eu sinto muito – Pediu Miranda tristemente.

Estavam se preparando para fechá-la, quando o monitor que era responsável pelo monitoramento cardíaco emitiu um som conhecido, e preocupante.

- Ela está fibrilando – Alegou George.

- Desfibrilador – Pediu Karev, passando-o para Miranda quando estava em suas mãos.

- Carrega em 50 – Pediu – Afasta.

Nada.

-Carrega em 100. Afasta.

Nada.

- Carrega em 150. Afasta.

Pequeno batimento cardíaco detectado.

- Temos pulso – George exclamou aliviado, como todos os outros. – É fraco, mas temos.

- Vamos fechar – Miranda começou o processo de sutura rapidamente.

{...}

A anestesia estava passando. Os olhos de Spencer abriam-se com dificuldade e grande pesar.

Primeiramente encarou o teto de cor gelo, em seguida; examinou cada detalhe das paredes, descendo o olhar até a porta.

- Oi! – A voz familiar e acolhedora de George ecoou em seus ouvidos, a fazendo fixar sua visão nele que estava ao seu lado direito.

- Oi – Respondeu ela com dificuldade. – Como foi?

O rapaz suspirou.

- Doutora Bailey disse que viria aqui. – Respondeu ele levantando-se.

Spencer notou que seus olhos estavam inchados e a ponta de seu nariz vermelha.

No momento que seu amigo passou pela porta, Miranda apareceu, com os mesmos traços; Olhos inchados e Ponta do nariz vermelha.

- Oi – Disse enquanto fechava a porta á suas costas.

- O que está acontecendo?

Miranda suspirou e sentou na poltrona que O’Malley estava anteriormente.

- Eu sinto muito – Disse, permitindo que ad lágrimas saíssem novamente. – Não há nada que possa ser feito, não mais.

Spencer estava acostumada, havia demorado um certo tempo para aceitar seu quadro; mas agora que conhecera uma razão pela qual lutar, deveria dizer adeus, e não estava preparada para a despedida.

- Quanto tempo? – Perguntou tentando controlar as lágrimas, sem sucesso.

- Algumas semanas – Respondeu Bailey com dificuldade.

Spencer emitiu um riso irônico.

- Ele não sabe, não é?

- Não.

- Ótimo, ainda posso ser normal por algum tempo – Voltou a dizer Spencer.

- Se precisar de algo...

- Apenas quero ir para casa – A interrompeu olhando-a – Por favor, não quero ficar aqui até que o momento chegue. – Suspirou e terminou – Quando o momento chegar, não quero que me ressuscite, ou tome qualquer medida extrema.

- Certo, daqui a algumas horas, poderá ir – Miranda se levantou rapidamente, com a mão sobre a boca, abafando o choro.

Permitiu que a morena ficasse sozinha.

Ao sair do quarto, todos os seus amigos estavam aguardando por notícias.

- Então? – Richard perguntou esperançoso.

Miranda apenas balançou a cabeça negativamente e o sorriso dos esperançosos, se desfez.

Mark passou as mãos freneticamente pelos cabelos, totalmente desolado.

- Droga! – Exclamou ele, batendo contra o balcão das enfermeiras e liberando um estrondo sonoro.

{...}

Spencer estava saindo do Hospital, cuidadosamente para que Toby não a encontrasse.

Olivia, a enfermeira, estava sentada em seu posto, próximo da saída, quando viu a morena passar, não teve a oportunidade de falar o que queria, portanto, voltou ao seus afazeres.

- Olivia, pode cuidar disso para mim? – Toby perguntou, entregando prontuários.

- Claro, doutor Cavanaugh – Respondeu ela educadamente – De saída?

- Estou sim, dia cheio – Respondeu virando-se – Boa Noite.

- Obrigada doutor – Agradeceu.

Antes que Toby pudesse cruzar a porta, Olivia se levantou e foi até ele.

- Spencer passou aqui – Começou, prendendo a atenção do rapaz desde a primeira palavra pronunciada – Eu só queria dizer, que o que ela precisar fico contente em ajudar.

- Desculpe?

- Spencer esteve em cirurgia aqui no hospital – Respondeu, como se fosse óbvio.

Bailey que estava próxima, ouvia atentamente.

- Ela está enganada – Se colocou entre ambos.

- Não doutora Bailey – Olivia se voltou a ela – A senhora mesmo operou-a. Não se lembra?

Toby olhava para Miranda completamente curioso. A doutora olhava para a enfermeira furiosa.

- Olivia, porque não vai ver se alguém está morrendo por aí – Mandou Bailey – Agora.

Após a partida da ruiva, Toby a olhava, esperando por uma explicação. E Bailey dificilmente o olhava nos olhos.

- Eu não contei, porque ela me pediu – Se defendeu – Ela era paciente, desejo dela.

- O que está acontecendo? – Perguntou ele – Ela não me conta nada.

- Ela não contou para nós, só descobrimos porque estava usando recursos do hospital – Defendeu Spencer – Mas se precisa saber, ela é a pessoa certa para contar.

- Como faço Isso? Todas as vezes que pergunto, ela sai.

- Você consegue. Vá.

Toby saiu apressado, andando a ponto de correr. Sabia o caminho que a morena fazia, e o fez, mesmo sendo contrário ao seu apartamento.

- Spence – Ele gritou para a morena que estava a sua frente.

A chuva estava começando a cair. Os fios castanhos de Spencer estava pelo rosto, devido ao intenso vento que batia contra ela. Tinha as mãos no bolso, para amenizar o frio que estava sentindo. Andava com dificuldade, seu corpo estava dolorido.

Então, ela se virou.

- Toby? – Perguntou confusa.

- Você precisa me ouvir – Intimou, se aproximando.

- Não preciso, não preciso fazer nada – Rebateu.

- Você foge de mim – Continuou, colocando-se totalmente em sua frente. – Eu não sei nada sobre você – Fez uma pausa dando de ombros – Mas, você roubou mais do que minha carteira, ou meu dinheiro... você roubou meu coração, e eu te amo por isso.

Seu miocárdio estava acelerado, parecia querer pular da caixa torácica. Uma forte náusea a atingiu, fazendo-a fechar seus olhos fortemente. Spencer estava de frente para o garoto de seus sonhos, e ele acabara de dizer ama-la.

- Toby...

- Isso mesmo, eu te amo – Repetiu em som alto – Eu não me importo com quem você foi, ou o que você fez no passado, eu amo você de qualquer maneira. Eu quero você comigo todos os dias, até o fim da minha vida.

- Eu não posso – Forçou a ideia, não para o rapaz, mas pra ela mesma. – Não posso amar alguém e não posso deixar que alguém me ame.

“Um soco no estômago” – Era o sentimento do momento, para o rapaz.

Spencer começou a chorar, com as mãos sendo passadas freneticamente por seus braços. O choro apenas ficava mais intenso e preocupante a medida que o tempo passava, pois com ele, se tornava impossível respirar.

- Eu amo você de uma maneira que jamais amei alguém – Toby repetiu.

A chuva começou a se intensificar.

- O que espera? Que fujamos juntos e apenas mantermos nosso caso? – Perguntou ela, afastando os fios úmidos de sua face.

- Ou... nos casamos – Sugeriu o rapaz.

- Eu não posso – Gritou ela, gesticulando – Não posso fazer isso com você, ou comigo.

- Uma razão, apenas uma – Pediu – Me diga, porque não confiar em mim, porque não podemos ser uma família?

Seu coração parou, o mundo a sua volta parou. As gotas que caíam, foram congeladas no ar. Estavam apenas Toby e ela, frente-a-frente.

Spencer parou de pensar, parou de respirar, seu coração teve os batimentos cardíacos cassados. Estava em um dilema; Permitir ser feliz por boas semanas, ou infeliz durante todo esse tempo.

O mundo voltou ao seu estado normal. As gotas voltaram a cair com mais intensidade.

- Spencer, porque não podemos ser felizes juntos? – Ele voltou a questionar – Porque não pode nos dar uma chance?

Então, chorando, ela deixou escapar o grande segredo que guardava.

- Eu tenho câncer!

 

 

 

Parada cardíaca era o que Toby sentia ao ouvir tais palavras.


Notas Finais


O grande segredo foi revelado, e agora? O que vai acontecer?

AMO VCS

KISSES
-B


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...