1. Spirit Fanfics >
  2. Spotlight - (NaruHina) >
  3. A Recaída

História Spotlight - (NaruHina) - Capítulo 5


Escrita por:


Notas do Autor


Ok, eu sei que disse pra alguém aí que ia atualizar em uma semana mas acabou se passando um mês. Desculpa, mas eu realmente sou um caso perdido com prazos :")
Mas finalmente saiu mais um cap, pulem felizes comigo, porque nem eu acreditava que iria ter att dessa fic tão cedo. Esperava atualizar Platônico antes. Olha só, quem diria.
A partir de agora minha pessoa não trabalha mais com datas <3

Capítulo 5 - A Recaída


"O passado não reconhece o seu lugar: está  sempre  presente... " 

Mario Quintana  


Um mês se passou desde que Hinata recebeu a mais inesperada proposta até aquele ponto de sua vida, que ainda era muito curta, é claro. Acreditava que Naruto, certamente, ainda teria muito a lhe surpreender naquele período em que os dois passariam um bom tempo na companhia um do outro. E não demorou para que isso ocorresse e fosse obrigada a fechar a cara pela primeira vez àquela pessoa que aos poucos arranjava espaço em sua vida. Uma das diferentes coisas que aprendeu sobre o loiro no pequeno período de trinta dias, fora a sua incrível habilidade de ser extremamente teimoso e insistir sempre naquilo que acredita e deseja. De certa forma, ela admirava seu jeito obstinado e sua determinação, mas só que, naquele momento, Hinata considerava ser seu mais irritante defeito.

— São dois dias — Repetiu sério outra vez. Essa deveria ser a quarta. — E você não precisa interagir com eles. Eu nem faço questão disso.

Hinata não queria iniciar uma discussão com ele sobre o assunto, até porque, ela não tinha que pensar em uma resposta para o que lhe estava pedindo. Estava decidida e não importava o que aquele loiro cabeça-dura dissesse, nada iria lhe convencer do contrário.

— Não.

— Mas por que não?!

— Naruto, eu já disse quinze vezes que não quero ir, por que você é tão insistente? E por que quer tanto ir? Sua convivência com os outros jogadores não é a de melhores amigos pra que você esteja tão animado com essa viagem.

Ele entortou a boca, contrariado, e Hinata sorriu de canto, mas tratou logo de recuperar a postura. Naruto martelava na ideia absurda dos dois se aventurarem num fim de semana no litoral com todo o time, um tipo de descanso antes de entrarem para a fase final do torneio entre escolas. Konoha já havia disputado por inúmeros cantos do estado e saíra vitoriosa em todos eles. Por mais que alguns dos seus companheiros de equipe se recusassem a admitir, o Uzumaki era peça fundamental na sequência de êxito. Logo após essa fase, um evento de dois dias decidiria a melhor escola do país. Konoha nunca chegara tão longe e, obviamente, todos estavam muito entusiasmados pela conquista do grupo de atletas. E Naruto não mostrava-se diferente. Ele queria sentir ainda mais que fazia parte de tudo aquilo que construíam e há tempos não possuía uma sensação como essa. Gostaria que Hinata compartilhasse cada momento junto a si pois, de uma certa forma, os dois jogavam em parceria.

— Hinata... — Naruto não tinha um bom argumento que a fizesse lhe responder positivamente, porém, isso não o faria desistir — Sério, eu quero muito que você vá junto.

— Sim, eu te entendo. Por causa do namoro e todo o resto. Você pode dizer que eu não gosto de praia, o que não deixa de ser uma verdade.

— Não gosta de praia.

— Não gosto. — Reforçou ela, tomando um gole de seu suco.

— Há alguma maneira de te convencer a ir? — Tentou, mais uma vez, inutilmente. A Hyuuga novamente negou.

Naruto franziu o nariz, fazendo com que Hinata deixasse escapar uma pequena e curta risada. Ele a olhou de canto e freou o carro abruptamente em frente a casa da garota. Ela tossiu ao engasgar-se com a bebida e ele puxou o freio de mão, satisfeito.

— Você fez de propósito. — Acusou.

— Fiz.

Ela estreitou os olhos em sua direção e antes que ele engajasse com ela em uma discussão saudável sobre o que acabara de fazer — com direito a talvez um leve tapa no antebraço — algo adentrou a mente de Naruto, o deixando zonzo por alguns segundos. Estranhando o comportamento do rapaz, a Hyuuga deixou de lado o semblante aborrecido e arrastou-se no banco do passageiro para mais próximo, tocando-lhe o braço levemente.

— Naruto? Está tudo bem?

— Eu só... Fiquei meio tonto de repente... — Murmurou, apoiando-se no volante. Hinata o analisou com cuidado, antes de sugerir.

— Não quer entrar e tomar um pouco de água? Talvez seja o calor. Se não me engano, você também não almoçou direito. — Ele iria agradecer e dizer que não seria necessário e alegar já estar bem, porém, Hinata logo estava saindo do veículo e dando a volta para abrir a porta do motorista. — Vamos.

Ao entrarem, o Uzumaki sentiu uma estranha familiaridade com o local, o que não fazia o menor sentido já que nunca estivera ali. A Hyuuga o fez sentar no sofá da sala e se retirou para a cozinha deixando sua mochila para trás. Naruto inclinou sua cabeça, apoiando-a no estofado, fechando os olhos enquanto a aguardava voltar. Talvez fosse mesmo o calor. Aquele dia estava incrivelmente quente.

— Olá. — Uma voz estranha soou em seus ouvidos. 

Ele abriu os olhos e encarou a figura semelhante à Hinata sentada ao seu lado.

— Oi. — Respondeu, vendo que ela o observava com nítida curiosidade.

— Minha irmã nunca te trouxe aqui... É você o namorado dela?

Por algum motivo aparente Naruto percebeu uma leve quentura em suas bochechas, que logo começaram a coçar. Ele limpou a garganta, olhando para trás a procura da Hyuuga mais velha.

— Acho que sim... Quero dizer, sim. É, eu sou sim. — Percebeu então que a pequena espertinha suprimia um sorriso travesso.

— Ah! Então você precisa ficar e conhecer o papai. Ele com certeza quer saber quem é o namorado da Hina.

— Hanabi! — Hinata chega a sala alarmada ao escutar a conversa segurando um copo d’água na mão. Ela entrega para o loiro que toma o conteúdo quieto.

— O que foi? Não vai me dizer que estão de encontro escondidos? — E então Naruto se engasga, começando uma crise de tosse. Hinata o olha rapidamente e ao se dar conta, cutuca-lhe a cabeça com ar de riso, esquecendo sua irmã atrevida por um segundo.

— Agora estamos quites.

(...)

Estava chegando o fim de semana e a namorada do novo ídolo de Konoha permanecia irredutível em sua decisão.

— Sugira dinheiro.

— Pelo amor de Deus, Shikamaru. — Gaara lamentou, ouvindo em seguida risada do moreno.

— Eu também não sou o melhor para pôr alguma coisa na cabeça da Temari. Você tem sorte, Hinata é muito paciente, eu já teria levado um soco para parar logo de insistir.

Os outros dois caçoram do relato do amigo, então Naruto suspirou, coçando a cabeça. 

— Tive um mal-estar hoje a tarde quando levava Hinata pra casa. Fiquei meio tonto.

— Meio? — Shikamaru provocou.

— Eu estou começando a me irritar com vocês. — O loiro anunciou, revoltando Gaara que protestou ao ser colocado no meio da afirmação.

— Tá, foi mal. — O Nara desculpou-se sem muita vontade.

— O que aconteceu? — Indagou o ruivo.

Os três faziam partidas de videogame no quarto do moreno desde o início da noite. Naruto estava jogado sobre a cama, encarando o teto.

— Nada demais. De repente olhei para a Hinata e minha mente saiu fora do ar e fiquei zonzo.

— Uau, a Hinata já tem todo esse poder sobre você? — Naruto lançou um travesseiro na direção de Shikamaru pelo comentário, que reclamou, jogando de volta e tornando a pegar o controle.

— Idiota. — Ele então mirou Gaara, que se mantinha em silêncio. — E aí?

— Ah? Ahn... Pode ter sido só a temperatura... — Murmurou, concentrando-se no jogo contra o outro.

— É, eu também acho que tenha sido isso. Enfim, ela e a irmã são incrivelmente parecidas! E depois começou com uma história de me apresentar pro pai das duas...

— Isso é normal, não é? Você é o namorado da Hinata.

— Sob algumas circunstâncias! — Replicou, corado.

Os demais riram e Naruto não cessou de matutar. Aquele dia havia sido particularmente estranho. Em primeiro lugar, seu corpo lidava muito bem com o clima quente, não havia sentido em seu mal-estar repentino. E em segundo, a sensação incomum ao entrar na casa de Hinata, quase como se já tivesse estado ali antes. Algumas imagens que não lhe atormentavam mais os pensamentos há muitos anos retornaram naquele momento, e os olhos do Uzumaki marejaram em consequência.

Aquele tipo de reação deixara de ser presente em sua vida desde que entrou na adolescência, só que naquele instante, os sentimentos acumulados pareciam quase transbordar e Naruto sentia com intensidade as investidas de todos eles.

Ele levantou e calçou novamente seus sapatos, fazendo com que Shikamaru o olhasse de relance, estranhando sua atitude. O loiro apenas murmurou uma rápida despedida e bateu a porta do quarto. Na sala, cumprimentou vagamente os Nara e saiu para a rua, respirando profundamente o ar da noite.

— Fica calmo... — Murmurou para si mesmo, expirando devagar.

No dia seguinte sairia cedo juntamente com o time para o litoral, precisava descansar e arrumar uma mochila para o curto período que passaria fora de casa. Deveria voltar para seu quarto e dormir, talvez assim sua mente aquietasse e lhe desse um pouco de paz. Uma terrível dor de cabeça o incomodava enquanto caminhava pela calçada e ao coçar os olhos, notou seu rosto úmido. Finalmente, se deu conta de que também chorava. Aquilo era ridículo, que diabos estava acontecendo com ele? Secou os rastros molhados com a manga do casaco freneticamente, negando-se a acreditar.

Ele cessou seus passos, no entanto, quando encarou a fachada da residência, não se tratava da sua. Naruto prendeu a respiração, suas pupilas oscilavam ao mirar aquela casa. Como havia ido parar naquele lugar? Os batimentos cardíacos acelerados e agressivos deixavam também a respiração ofegante, era como se corresse uma maratona estando estancado no concreto.

Balançou a cabeça e foi embora apressado, parecia estar sendo perseguido por alguém. Era quase a mesma coisa. Seu passado retornava para lhe lembrar dos erros irreparáveis cometidos e agora, aparentemente, não tinha intenção de deixá-lo em paz novamente.

O dia amanheceu e Naruto não dormira mais que três horas. Carregava fracas olheiras abaixo dos olhos vermelhos e uma face cansada. Quando o alarme das cinco e meia tocou, ele encarou a bolsa que havia preparado na noite anterior e cobriu o rosto com as mãos, suspirando.

(...)

— Você deveria ter deixado o Naruto conhecer o papai. — Hanabi comentou indiferente na mesa do café da manhã, chamando a atenção de sua irmã mais velha que lhe lançou um olhar intenso de completo pavor e desespero, que foi correspondido na mesma proporção pela menina de sorriso discreto.

Hiashi intercalou entre as duas, parando para fitar diretamente Hinata, que logo estava com o rosto vermelho, deixando o pai ainda mais interessado no assunto. Ele mastigou a panqueca e, após engolir, perguntou, cortando mais um pedaço.

— Quem é Naruto?

— Ele é jogador de basquete! O melhor da escola. — A Hyuuga mais nova tomou a frente.

— É mesmo? Por que não me deixaram vê-lo? Eu gosto de esportes — Seu olhar novamente caiu sobre Hinata que já abria a boca para responder, contudo, foi novamente cortada pela irmã.

— É que a Hina ainda não quer lhe dizer que ele é o namorado dela.

Um longo silêncio tomou a cozinha.

Hanabi, satisfeita por ter conseguido o que queria, enfiou uma generosa garfada de seu café da manhã na boca, mastigando com tranquilidade enquanto assistia Hinata quase escorregar para debaixo da mesa, ostentando sua nova cor de pele, quase uma pimenta.

Hiashi engoliu com dificuldade a panqueca e tomou um pequeno gole de suco antes de limpar a garganta.

— Você está namorando? — Ele tentava mesmo soar calmo.

— Não! Bem... Eu quero dizer... — Como ela explicaria que não se tratava de um relacionamento realmente?

— Está. Há um mês. — E após esta fala, Hanabi deixou a cozinha levando consigo seu prato e sentou-se no sofá da sala, ligando a televisão num desenho animado.

Hinata mordeu os lábios e ao reunir coragem, levantou os olhos, encontrando a face aborrecida de seu pai. O que era pior, ele jurava que transparecia estar tranquilo.

— Um mês — Repetiu vagamente — E você pretendia me contar logo, não é?

— Papai, me deixe explicar por que...

— Você vai trazer esse garoto aqui pra que eu o conheça — Determinou, voltando a cortar um pedaço da comida, com a força que impunha no talher, o rangido da faca no prato a fez fazer uma careta.

— Mas é que ele e eu não...

— Não pretendiam me contar agora? Já deixo claro que não aprovo. Só irei conhecê-lo por mera formalidade — Resmungou, irritado.

Hinata soltou o ar e sorriu, sem vontade de continuar a tentar lhe explicar. Talvez fosse melhor ele não saber sobre a farsa, de qualquer maneira. Com certeza não estaria de acordo, e ela seria obrigada a deixar Naruto sozinho. Faltava muito pouco para que tudo terminasse. Só mais algumas semanas e chegariam ao fim de seu plano. Ao fim... Era acalentador saber que, com todas as circunstâncias, Naruto e ela construíam uma boa amizade. Porque agora que pensou um pouco sobre o assunto, do contrário, Hinata certamente sentiria sua falta quando tivessem de se separar. Fazia sentido e era de se esperar, ela passava grande parte de seu tempo com o loiro. Naruto a buscava em casa e lhe trazia de volta todos os dias. Mesmo que não precisassem fazer isso, os dois costumeiramente saíam às vezes para passear em algum fliperama ou para comer alguma coisa na Amanhecer, o Uzumaki brincava que aquilo era uma parte do pagamento de Hinata por o ajudar.

Era um grande alívio se dar conta de que não precisaria sofrer por sua ausência e partida, eles permaneceriam juntos mesmo depois que a temporada acabasse. Continuariam amigos, ela não iria perde-lo.

A Hyuuga levantou da mesa e tocou o ombro do pai ao passar por ele, que apenas afastou-lhe a mão com certo desgosto, o que fez com que a garota segurasse a risada para não aborrece-lo ainda mais. Quando chegou na sala, pegou o controle da Tv e o acertou na cabeça de Hanabi que reclamou sonoramente, olhando assustada para a irmã.

— Você tem um bom repertório de manhã, não é?

— Eu tinha mais quando lia seu diário. — rezingou, esfregando o local onde recebera a pancada.

Hinata crispou os olhos, concluindo que a melhor decisão que tomara foi parar de escrever sobre sua vida num livro que tinha a chave do cadeado clonada pela sua irmã. Descobriu isso duas semanas atrás quando Hanabi deixou a informação escapar sem querer.

— Deus do céu, Hanabi. Faz ideia da situação que estou por sua causa? — Sussurrou, vendo se seu pai não aparecia. Ela acomodou-se também no estofado e então mirou seriamente a menina.

— Muito feliz por ser a principal envolvida. — Sorriu, mexendo nos cabelos compridos.

— Você é a única envolvida. — Hinata apertou a têmpora, pensando de que maneira escaparia daquele cenário armado pela irmã mais nova.

— Não tem do que se preocupar tanto, Hina! Traga ele aqui, apresente ao papai e pronto. Não é muito diferente do que vocês fazem todos os dias no colégio.

Não deveria ser, realmente. Mas, apenas pelo fato de ser seu pai a quem está enganando... Já lhe trazia um arrepio à espinha. Era horrível mentir para a escola toda, porém agora para Hiashi se tratava de outra história. Seria terrivelmente pior. Céus, o que ela faria?

Aquele sábado estava mais carregado que nuvens de tempestade. Hinata era uma verdadeira pilha de nervos em seu quarto. Pensava que não devia ser tão difícil, afinal. Traria Naruto e os dois agiriam da mesma forma que o faziam no colégio, com a diferença de que seria na frente de seu pai.

— Não, não... — Murmurou chorosa, apertando o travesseiro contra o rosto, abafando sua voz.

Hanabi um dia receberia o troco.

Enquanto pensava e rolava na cama, ouviu batidas. Hanabi não esperou uma resposta e abriu de vez a porta, colocando apenas a cabeça para dentro. Um sorriso largo pintava em seu rosto.

— Olha, eu tenho duas notícias. Uma boa e uma ruim. — Anunciou antes de qualquer coisa. Hinata respirou fundo e a mais nova acrescentou após uma curta reflexão — Mas depende bastante do ponto de vista.

— Hanabi, pelo amor de Deus.

— Tá bom! Vou começar pela boa pra que você se tranquilize antes de achar que alguma tragédia aconteceu. — Fez um pequeno suspense, causando impaciência por parte da outra — Naruto está lá embaixo.  

— Ele o que? Mas ele não havia ido para o lit...

— A ruim é que papai também está. — E bateu a porta.

Pela primeira vez em toda sua vida, Hinata pareceu deixar o próprio corpo. Ela sentiu ver a si própria do alto, como se sua alma flutuasse pelo quarto.

A Hyuuga hiperventilou e levantou num sobressalto, colocando os calçados e descendo rapidamente a escada. Encontrou Naruto no sofá e seu pai na poltrona. O loiro olhava timidamente para baixo e a cada três segundos passava a mão no pulso onde estava seu relógio. Hiashi assistia algum programa de Tv em silêncio e era somente este o barulho ambiente.

Ao ver Hinata ao pé da escada, automaticamente os olhos do Uzumaki brilharam de alívio pela tensão. A jovem aproximou-se e sentou ao seu lado, trazendo a atenção do pai para si, que aguardou em silêncio.

Naruto não fazia ideia do que raios estava acontecendo. Apenas percebia que o clima naquela sala não era dos melhores.

— Papai — A voz dela soou meio falha e esganiçada e o rapaz imediatamente comprimiu os lábios para não rir. Hinata ouviu o leve suspiro pelo esforço que ele disfarçava e isso a fez exprimir um pequeno riso involuntário.

Aquilo seria um tremendo desastre.

E Hanabi assistia a tudo no penúltimo degrau, às costas do pai.

— Papai — Tentou novamente, Naruto limpou a garganta, levando a mão até a boca — Esse é o Naruto, o meu... Namorado...

— É... um prazer, Sr. Hyuuga. — Apesar de estar mais descontraído, ele evitava mirar diretamente os olhos do homem. Permanecia incrivelmente desconfortável e isso não se devia apenas à situação inusitada em quem se encontrava. Aquela casa, aquela pessoa o fazia sentir como se fosse novamente um menino.

E novamente, Naruto sentiu-se mal.

— Hinata — Sussurrou quase inaudível, tocando sutilmente seus dedos espalmados ao lado do corpo. Ela sentiu o toque leve e o olhou de relance.

— Eu tinha um bom discurso para fazer, mas vendo vocês dois agora, prefiro começar isso quando estiver menos aborrecido. — Disse, notando a mão atrevida do garoto segurar a de sua filha. — Esqueça. Me respondam logo por que eu fui o último a saber dessa história.

— Pai, nós...

— Desculpe, Sr. Hyuuga. A culpa é minha. Eu deveria ter vindo conversar com o senhor assim que começamos a sair, mas acabei adiando por causa dos jogos. — Hinata se surpreendeu e ficou sem muitas palavras para complementar. Não deixava de ser verdade, mas, ele realmente pretendia falar com seu pai sobre isso?

— Ah, sim. Me disseram que você joga basquete e que é o melhor da equipe. — As palavras não queriam realmente sair, Hiashi estava empenhado em não perder a paciência e tratar o assunto da maneira mais natural possível. Claro que um dia assim chegaria.

— Ah... Bom, eu me esforço bastante. — Sorriu e encarou Hinata que já apresentava uma coloração rosada na pele pálida.

Não imaginava que passar por isso, mesmo quando tudo não passava de uma grande mentira, fosse ainda assim tão constrangedor.

— Claro, isso é muito bom... Se esforçar, muito bom...

— Papai, então... Nós combinamos de sair... — Ela mais uma vez observou o loiro pelo canto dos olhos.

— Mas já? Ele acabou de chegar e nem conversamos direito.

— Haverão mais oportunidades, pai. Ele virá novamente e vocês conversam, certo? — Segurou o braço do Uzumaki e o conduziu para fora da casa antes de Hiashi protestar.

Hinata se pôs em frente a ele, analisando cuidadosamente seu semblante.

— Você não dormiu direito? — Naruto apenas suspirou e sorriu fracamente.

— Isso.

Ambos passaram a caminhar lado a lado, sem um destino certo.

— Por que não foi viajar? Estava tão animado.

— Ah, bom, a animação passou quando o alarme tocou às cinco e meia da manhã.

Ela riu em resposta, o empurrando levemente pelo ombro, murmurando um “preguiçoso” na ação.

— Mas é claro que se tivesse aceitado ir comigo eu teria feito o esforço. — Comentou, dando uma piscadela.

Ele enfiou as mãos nos bolsos, reparando depois de alguns minutos de conversa que já estavam chegando na quadra de basquete do bairro. Naruto não lembrava a última vez que havia pisado naquele lugar.

Pra falar a verdade, sim, ele lembrava.

Estava preparado para seguir reto, quando a voz de Hinata o trouxe novamente para a realidade.

— Se você tivesse trazido a bola, poderia me ensinar a jogar, né? — Comentou despreocupadamente, segurando no alambrado enquanto observava a quadra vazia. Normalmente, haviam jogos no domingo com times de um centro comunitário.

Ele fitou o seu rosto distraído por um instante, em silêncio.

— Eu ensino você.

— Sério? — Perguntou com entusiasmo.

Naruto escondeu o sorriso, bagunçando-lhe os cabelos lisos, recebendo uma pequena reclamação.

— Prometo que até o final dessa temporada, você vai jogar melhor que qualquer jogador do time de Konoha.

— Quanta confiança...

— Bem, o que você esperava? Eu sou o melhor jogador do time, não é? — Replicou risonho, recordando-a das palavras de seu pai.

É, ela certamente havia reforçado depois para Hiashi que Naruto era ótimo. Com o rosto em chamas, seguiu o loiro alto que retomava a caminhada tranquilamente.

Naruto carregava a esperança de que as coisas agora poderiam ocorrer diferentes do passado. Não se repetiria o mesmo com Hinata. Ele continuava a ignorar com imensa teimosia o fato de que os dois eram incrivelmente parecidos. Não somente pelo interesse no esporte e empolgação demonstrada quando ofereceu-se para lhes ensinar.

Os olhos também eram exatamente os mesmos. 



Notas Finais


Mais uma nota final e acho que já dá pra especular o que pode estar acontecendo com o Naruto. Um drama, pra variar um pouco das minhas fanfics, né...
Foram 28 comentários no último capítulo! Caramba, eu fiquei até emocionada. Qual foi o motivo dessa comoção toda? Eu realmente fico bem contente quando vcs comentam!
Também chegamos aos 130 favoritos💜(ノ゚0゚)ノ Obrigada pra toda a galera que interage aí nos comentários e favorita. E fantasminhas da biblioteca e do silêncio, tô de olho em vocês também →_→

Só lembrando: NÃO SAIAM DE CASA. Vá ler uma fanfic abraçado no álcool em gel. Lave as mãos. SE INFORME. O momento tá tenso, mas a gente tem que sair dessa também pq eu ainda quero viver.

See ya! (O quanto antes, espero)♥️


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...