História Srta. Jauregui (Camren) - Capítulo 22


Escrita por:

Postado
Categorias Camila Cabello, Lauren Jauregui
Personagens Camila Cabello, Lauren Jauregui, Personagens Originais
Tags Camila Cabello, Lauren Jauregui, Shawn Mendes
Visualizações 91
Palavras 4.540
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Comédia, Drama (Tragédia), Famí­lia, Fantasia, Ficção Adolescente, LGBT, Yuri (Lésbica)
Avisos: Adultério, Álcool, Drogas, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Sexo, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Capítulo 22 - Batendo uma part.1


Camila povs.
__-___-___-___-__

Hoje seria o dia que a deixaria ir. Estava doendo com toda certeza, mas eu tinha entendimento que aquela decisão seria a melhor pra ela e o pequeno ser em sua barriga.

Haviam duas vidas em jogo, e por isso mesmo, lhe apoiva nisso. Eu só queria a sua felicidade, assim eu também estaria feliz. Vê-la sorrir era toda a recompensa pelo esforço e sacrifício feito.

Para tudo á um preço.

Nesta altura do campeonato, eu segurava todo o choro que ameaça inudar meu corpo. Minha mente formigava com a quantidade de pensamentos embraralhados, mas não deixei visível. Eu não queria deixa-la preocupada comigo.

- Eu te amo muito, está bem? Promete que vai se cuidar e se comportar no Centro por nós?- Lauren segurava meu rosto uma última vez antes de entrar no avião.

- Si-sim, eu prometo. - falava baixinho com a voz embargada.- Eu te amo, Lolo.- abracei o seu corpo com força.

- Eu te amo, Camz! - selou nossos lábios e pegou sua mala pequena no chão do aeroporto.

Ela se despediu das meninas que estavam aos prantos bem atrás de nós, e então a vi sumir de minha vista. Eu não pude ser forte ao vê-la partir para tão longe de mim assim. Foi uma dor que jamais pensei que sentiria, e mesmo sabendo que daqui alguns meses estaríamos juntas, não havia como controlar esse sentimento ruim.

Eu odeio despedidas.

- Vai passar, Chancho! - Dinah tomou minha atenção, me chamando com o apelido que ela havia me dado quando éramos crianças.- Vamos para casa, am? Vai chover daqui a pouco. - Ela estava certa.

Então todas nós seguimos de volta. Foi um caminho silencioso até lá. As meninas não tentaram puxar qualquer assunto comigo e sinceramente, agradeci por isso. Eu não me sentia confortável ou simplesmente com vontade de conversar.

Ficar quietinha seria uma boa.

Assim que chegamos em casa, tratei de pegar as coisas que Lauren havia me dado. Estavam no porta-malas pois eram bastantes. Tive a ajuda de Normani e Ally com as coisa mais pesadas, e Dinah estava a preparar algo para comermos.

- Ela deixou esses moletons com você? - Ally colocava no guarda-roupa.

- Sim.- Sorri leve ao lembrar que ela os perfumou antes de me entregar, apenas para que eu não esquecesse o seu cheiro.

Mas isso não seria necessário. Eu jamais esqueceria o quão cheirosa ela é.

- Eu acho lindo o amor que uma sente pela outra. Dava para fazer um filme com a história de vocês duas. -falou de forma divertida.

- É... Eu a amo muito.- sorri de canto.- E sabe o que eu não entendi quando ela me entrou essas roupas; é que a mesma disse que daqui à alguns meses não serviria mais nela.- disse dobrando algumas peças.

- Ela está certa! Lauren aumentará o seu tamanho pela gravidez, Mila.- me olhou.

Seria estranho se eu esquecesse as vezes que ela estava mesmo grávida?!

- Eu não tinha pensado nisso. Raramente me vem à mente que ela está esperando um bebê.- sorrimos.

- Camila, você já imaginou como Lauren ficará fofinha de barrigão? - fez uma cara de derretida, e o meu coração ficou acelerado com suas palavras.

- Na verdade eu nunca havia pensado nisso também, mas eu estou fazendo agora. E confesso que quero chorar, Ally.- pisquei várias vezes tentando evitar que as lágrimas caíssem.- Ela ficará realmente a mulher mais linda do mundo. Mesmo já sendo nos dias atuais.- limpei meu rosto.

- É... Eu realmente não vou aceitar menos que alguém que chore de amores por mim ao me imaginar futuramente. Eu mereço um amor assim também!.- Me fez rir.

- Na verdade, você merece todo o amor do mundo, Ally, eu já lhe disse.- puxei-a para um abraço.

- Vocês já me dão o suficiente para me afogar. Deve ser por isso que eu não me importo em estar ou não em um relacionamento. Vocês estão me amando demais!

- Ally! Para de euforia! - não consegui conter as risadas com aquela cena.

- Você já notou que eu sou a única de nós que não namora? Eu nem fico com ninguém, Camila! Isso já vão fazer meses! - continuava eufórica.

- Somos cinco, Ally alguém sempre vai ficar sobrando.- brinquei.

- E por quê teria que ser eu? Não é justo! - cruzou os braços se jogando na cama.

- Você acabou de falar que não se importava com isso. São apenas paranoias, com certeza a pessoa certa pra você chegará logo.- me sentei ao seu lado.

- Tá bem, eu não vou ficar esperando ele chegar num passe de mágica. Preciso ir atrás! Mas eu preciso sair pra isso, né? eu volto daqui a pouco.- ela levantou meio que perdidinha.

- sério?! Não vá fazer nada que eu não faria.- tapei o rosto com as mãos e rodeei meus pensamentos.

Aquele pequeno momento de alegria acabou rapidamente e sim. Eu mesmo que estivesse conversando com Ally a poucos minutos, ainda estava pensando na minha Lolo, e se ela estava bem.

Fechei meus olhos ao sentir fortemente o perfume de Lauren pelo quarto. Eu respirava fundo e pesado, e acabei dormindo com aquilo sem perceber.

......

Acordei horas depois: com dores, frio e fome, muito fome.

Levantei devagar e esperei alguns minutos até que eu fosse tomar um banho quente. Não demorei muito lá, era apenas para que eu desperta-se melhor. Coloquei uma roupa quietinha e minhas pantufas de coelhos.

Peguei meu celular para ver se Lauren já havia dado noticias, mas não haviam notificações dela.

Desci as estadas e pude ouvir risadas. Normani e Dinah estavam assistindo um filme, as risadas divertidas vinham delas duas.

- Olha só quem finalmente acordou.- sorri sem graça.- senta aqui, vamos assistir.- Dinah abriu seus braços para mim.

- Eu preciso comer alguma coisa antes, eu estou faminta! - Fiz um carinho na minha barriga.

- Claro né, você não veio almoçar com a gente.- fez cara feia. Eu apenas ri com Normani.

Caminhei até a cozinha e coloquei o meu almoço. Eu estava realmente faminta, era como se não tivesse comido durante meses. E para ser sincera, a comida de Dinah era como um manjar dos deuses! Então fique bastante tempo ali degustando aquela maravilha.

Assim que acabei, fui lavar a louça e gaurda-las. Logo depois disso fui me juntar as meninas para ver o tal filme. Mas ao chegar lá, me deparei com um casal muito do fofo dormindo no sofá. Desliguei a TV e voltei ao quarto. Não queria atrapalhar a soneca delas, e precisa organizar alguns assuntos pro trabalho que faria amanhã.

[...]

- Mila? - Deu duas batidas na porta antes de entrar.

- Oi.- sorri lhe dando espaço na cama.

- O que você está fazendo à essa hora?

- É um resumo do trabalho que farei amanhã.-joguei meu corpo para trás.

- É sobre o quê? - me pareceu realmente interessada.

- Poluição do ar.

- Legal. Você está conseguindo fazer alguma coisa? Se concentrar no seu trabalho?- me olhou firme.

- Na verdade não.- confessei.

- E o que está se passando pela sua cabeça? Deve ter alguma coisa, certo? - franziu o cenho.

- Lauren. Lauren está se passando na minha cabeça.- levantei um pouco meu corpo para olhar pra ela.- eu preciso de notícias dela.

- Você sabe que ainda é cedo para que ela possa lhe dar notícias, Camila. Pelo meus cálculos, ela chegará lá pela madrugada.- acho que tentou me tranquilizar?- Eu acho melhor você tentar descansar! A sua cara é de cansada e meio atordoada.

- Eu..Eu vou fazer isso daqui a pouco. - disse por fim.

Ela assentiu e saiu silenciosa.

As minhas conversas com Normani ainda não eram tão soltas. Nós tínhamos pouca intimidade ainda, e sempre ficava um clima meio tenso ao fim de qualquer assunto.

Lauren povs.
__-___-___-___-__

03:23 AM.

Finalmente!

Respirei fundo e aliviada por sentir que estávamos pousando.

O vôo foi tranquilo e nada anormal aconteceu durante ele. Mas confesso ter ficado com muito medo como em todas as vezes que pego esse meio de transporte.

Aviões me dão medo.

Assim que peguei minhas malas, segui caminho para o lugar qual marquei com minhas duas amigas. Eu seguia as instruções dadas por elas antes de embarcar, e não me surpreendi ao ve-las segurar uma plaquinha escrita: bem vinda, futura mamãe! . So consegui rir com aquilo.

- Finalmente, Jauregui! Vem cá.- Vero me abraçou forte.

- Tá tão gostosa a minha menina.- Lucy veio me abraçar logo em seguida.

Eu estava me segurando para não gaitar.

- Senti falta de vocês, suas malucas! - Elas sorriram.

- A gente também sentiu a sua.- Lucy fez um bico.

- Você trouxe 5 malas, Jauregui? Cinco! - Vero reclamou pegando duas.

- Seriam mais, só que deixei algumas de minhas roupas com a Camz.- elas sorriram assim que ouviram o nome de Camila.

- Camz?! Você a chama assim? - Se olharam.

- Sim! - pegamos as malas e caminhamos até o carro.

- Quem poderia imaginar, não é?! Lauren até fica radiante ao falar da amada.- Lucy não perdeu oportunidade.

- Eu adoro essa Camila por te deixar assim, sabia?- Veronica tocou nossos ombros.- Quando ela vem?

- Daqui a cinco meses talvez. - suspirei.-

- Ui. Vai demorar um pouquinho, mas o importante é que ela vem! - assenti com um sorriso.

- E falando nela... precioso carregar isso para lhe avisar que já cheguei. - balancei o celular descarregado em minha mão.

- Nossa casa não é tão longe, lá você coloca.- disse dando partida.

E ela não exagerava quando disse que sua casa não era longe. Nós chegamos em 3 minutos lá. E meus amigos, não era um simples 'casa'. Quando Vero estacionou o carro, paramos em frente à uma mansão com um jardim espetacular.

- Então é aqui a sua 'humilde residência' ? - brinquei ao sair do veículo.

- Não tive haver com esse exagero de moradia, Laur.- Lucy tentou se defender.

Nós rimos e seguimos para dentro do lugar. Era tudo magnífico! Estava arrumada e com um cheiro dos céus. Havia uma pequena bola de pelos deitado no canto da sala em sua casinha. Foi a primeira coisa em que bati os olhos.

Imagino que esse seja o amendoim.

- É bem mais fofo que nas fotos.- fiz um carinho em suas orelhas.

- Não se engane pela fofura dele, esse aí é um inimigo poderoso.- Vero brincou. Eu acho.

- Ele me parece inofensivo. - fiquei pensativa.

- Vem, vou te mostrar o seu quarto.- Vero me puxou, enquanto Lucy desapareceu de onde estávamos.- Bem vinda ao seu novo lugar de lazer.- se encostou na porta.

- É muito bonito, e ridiculamente a minha cara.- Olhei-na que sorriu.- Vocês organizaram assim por minha causa? - concordou com a cabeça.

- Tem uma tomada aqui perto da sua cama, o banheiro é naquela porta cinza ali, e todo esse gurda-roupas é seu. Espero que gosta de camas fofinhas, pois essa é super!.- piscou antes de sair e fechar a porta.

Preciso admitir que o tamanho do quarto que me deixaram era equivalente ao de duas salas de aula. Extremamente exagerado, mas bem confortável.

Joguei minhas coisas no canto da cama, pus meu celular para carregar e fui tomar um banho. Meu corpo estava acabado e precisava disso, além de algumas boas horas de sono.

Assim que acabei tudo, liguei meu aparelho indo me vestir em seguida. Camila havia me mandado mensagens a poucas horas atrás, talvez eu ainda à encontrasse acordada. Animei-me.

WhatsApp on.

Eu :- Camz, eu cheguei agora pouco com as meninas em casa, okay? Deu tudo certo e não precisa se preocupar tanto comigo. Obrigada por todos os áudios e mensagens fofinhas. Eu te amo demais! Durma bem, pequena. [Emoji de coração] ⁰³-⁵⁹

WhatsApp off.

Coloquei o celular de volta no carregador e me aconcheguei na cama dormindo rapidamente. Eu estava realmente cansada daquela viagem toda.

...Segunda-feira de manhã.

- Bom diaaa, Laur! É hora de acordar.-pulou na cama.

- Que horas são? - Reclamei. - Bom dia.

- Dez e meia. - me mostrou seu relógio.

- Ainda está cedo, Veronica! Sai daqui.- a empurrei da cama.

- Qual é, Lauren! Nós trouxemos um presente pra vocês. Não vai querer saber o que é?- cruzou os braços, e me parecia birrenta.

- Não podemos ver isso daqui à uma hora?- mostrei meus dentes a ela tentando lhe convencer de me deixar dormir mais.

- Sério ? Eu quase morri com a Lucy para colocar aquele troço pra dentro de casa e você não quer ir ver ? Beleza, Jauregui.- levantou da cama.

Deus, tenha pidedade de mim!

- Tá, tá. Eu vou! - vi a mesma dar pulinhos.

Nós saímos do quarto e fomos até a sala. Havia um embrulho grande no meio da sala, como enfeite um laço enorme da cor verde.

- Tan dan! - as duas disseram juntas.

- Abri, Laur! - Lucy parecia ansiosa, e para ser sincera, eu também estava.

Caminhei devagar até o presente, toquei por cima deslizando as mãos, e era algo duro. Puxei o embrulho lentamente apenas para o suspense.

Oh my God.

- Eu nao acredito, meninas! - disse totalmente supresa e feliz.- Muito obrigada! - abri os braços para que elas viessem me abraçar.

Automaticamente as lágrimas caíram dos meus olhos. Eu estava sensível a qualquer coisinha, e aquilo era lindo.

- Vocês não precisavam se preocupar com isso.

Era um berço fabulosamente magnífico.

- Você gostou? É isso que queremos saber.- Veronica disse.

- Com certeza! - falei animada. - olhem todos esse detalhes azuis. É muito bonito. - olhava apaixonada ao objeto em minha frente.

- Nós procuramos em quase todas as lojas um bercinho que houvesse azul. Encontramos esse que tem várias gotinhas de chuva. - me explicavam entusiasmadas.- nós lembramos que você irá fazer o quarto do bebê azul como o céu e várias nuvens, e logo pensamos... será ele!

- sim, sim... está perfeito para como eu quero fazer! Preciso mostrar a Camila, ela vai surtar completamente!.- ia até o quarto buscar o meu celular, mas Lucy me interrompeu.

- Epa, epa! Ainda não acabou! Dê uma olhadinha dentro dele.

- Vocês estão querendo me fazer infartar?.- apenas sorriram da minha cara no momento.

Ao chegar perto e mexer por ali, senti meu coração derretido com as miniaturas de roupas, sapatinhos, meias e toucas para bebê. Haviam de todas as cores e tamanhos também. Eram bastante coisa, o berço estava praticamente cheio delas.

- Como não sabemos se é menina ou menino, compramos de todas as cores e estilos.- Vero disse meio receosa.

- Não importa, o meu bebê não vai ter frescura não, usará de tudo.- lhe tranquilizei.- eu estou maravilhada. Não sei nem como agradecer vocês duas.

- Deixa de besteira, Jauregui! é o mínimo que podemos fazer por você que já fez tanto por nós. - se olharam carinhosamente antes de voltarem seus olhares a mim.

- Vocês são incríveis! Eu e o meu bebê estamos muito gratos.- Sorri para elas.

- Vai lá aonde sua amada agora, vai.

E foi exatamente o que fiz. Peguei meu celular e voltei a sala para tirar as fotos. Foram quase trinta fotos de todas as coisas, e Camila adorava isso. Ela me disse que se sentia fazendo parte dos meus dias.

[...]

Eram onze da manhã apenas e eu já estava com fome de dez mendigos.

As meninas disseram que talvez seja pela gravidez, e eu quero acreditar que fosse mesmo, mas me conheço bem antes de estar grávida. Sei da minha fome de pedreiro as vezes.

- Falou com a Camila? - Caminhávamos até a cozinha para almoçarmos.

- Sim! Mandei todas as fotos a ela. Camila ficou animada e maravilhada como eu.

- Eu já estou vendo uma criança mimada antes mesmo de vir ao mundo.- Veronica disse atrás do balcão.

- Cala a boca! Você será a que mais vai fazer as vontades do bebê, Vero.- Lucy cruzou os braços.- Não liga pra essa ultrapassada, Laur.

- Tá tudo bem, eu já conheço os botes dessa naja.- sorrimos

- Mas então, como Camila está ?

- Está um tanto desanimada, mas bem. Ela se animou um pouco mais as fotos.- lhe mostrava as mensagens.

- Normal não é? Ela está com saudades de vocês.- Passou a mão levemente pela minha barriga.

- Eu sinto muito a falta dela também, apesar de fazer apenas um dia e meio que não nos vemos.- suspirei guardando meu celular.

- É assim mesmo quando se está amando.- tocou a ponta do meu nariz.

Eu estava amando perdidamente.

- É... é isso mesmo.

Camila povs.
__-__-___-___-___

- Dinah, da pra você devolver o meu celular? Eu preciso ir pro Centro. - já falava irritada.

- Eu tô mostrando as fotos pra Mani! Você não pode esperar dois minutos?- gritou da cozinha.

- Eu já estou esperando à quase duas horas, Milika.

- Iiih! Chamou de Milika?! Acho melhor você trazer o celular dela, Dih.- Ally falou aos berros.

- Pega aqui. Obrigada.- jogou o celular no sofá.

- Tá vendo? Ela quase morou com o meu celular na cozinha e ainda quer ficar chateada? - neguei com a cabeça.- se fosse uma de nós com celular dela, aposto que já estaríamos no hospital.

- Né?! - Ally sussurrou.

- Olha, eu já vou indo antes de me estressar mais.- Beijei o rosto da baixinha.

- Cuidado Mila.

- Obrigada, Allyzinha.- sorri fraco a ela.

Peguei minha mochila e os papéis em cima do sofá e logo saí de casa.

Caminhei devagar já que não estava atrasada e nem nada. Estava com tanto tempo que resolvi ir pela rua mais longa até o Centro. A rua 1666.

Eu nunca andava por ali, fiz apenas uma vez essa bobagem, e cá estou novamente a fazer.

Muitas pessoas falavam que aqui era perigosa para vir sozinha e talvez até má assombrada.

Mas eu não acredito em assombrações.

Bom... talvez um pouquinho quase nada.

- Ca-camila? Camila, você de novo por aqui?!

Ouvi uma voz grossa e masculina atrás de mim. E pelos pensamentos estúpidos de mais cedo, confesso querer correr como o papaleguas, mas eu estou fora de forma.

Virei meu corpo devagar calculando um plano de fuga.

'Se for qualquer coisa ou pessoa fora do comum, eu corro gritando'

- Ah... oi.- disse ao me virar por inteiro.

- Lembra de mim? Eu trabalho ali ó.- apontou para uma lanchonete. A lanchonete de joaninhas.

Eu na verdade não me lembrava o nome dele, mas me recordava de já termos conversado neste mesmo lugar.

- ...bom, eu me lembro que já conversamos. - fui sincera.

- Eu sou o Heitor! - entendeu a mão que segurei em um cumprimento rápido.

- Heitor?! - busquei com todas as forças este nome em minhas memórias, mas foram tentativas falhas.- Eu não consigo me lembrar de você. Me desculpe! - disse sem graça.

- Eu imaginei que não lembraria. Nós estudamos juntos no 9° ano. Você me beijou e vomitou no meu pé depois.- ele cruzou os braços com um sorriso largo.

Ah não.

- Minha nossa! Eu pedi desculpa a você pelo menos? - Ele concordou ainda sorrindo.- Eu me lembro bem desse dia, mas não me lembrava seu nome apenas.

- Tudo bem. Era exigir de mais de você.- tocou nossos ombros.

- Dinah ainda tira sarro disso. Você se lembra dela?

- Como eu poderia esquecer? Ela me bateu do 7° ano ao 9°, Camila.

- Ela ainda é agressiva.- fiz cara feia.

- Vocês têm contato? Isso é legal eu acho.- coçou os cabelos da nuca.

- Moramos juntas desde o 1° ano.

- Mas como voc...- foi interrompido por um homem barbudo e de uma cara não muito boa na frente da lanchonete. Ele gritava pelo rapaz que endureceu a espinha ao vê-lo lhe chamando certa com raiva.- eu preciso ir, Camila, falamos depois.- Ele beijou minha bochecha em surpresa e saiu.

Dinah não vai acreditar nisso.

Pensei e logo segui caminho até o Centro.

..........


Community Center for Minors.



Hora de enfrentar a minha preguiça interior.


Caminhei pelos corredores praticamente vazios por ainda estar cedo, e me surpreendia com as cenas em cada sala sem professores. Eu nunca havia chegado a esse horário, mas eu poderia me acostumar com a ideia.


Não iria morrer por mais algumas horinhas.


Entrei na minha sala me deparando com dois meninos ao fundo e uma garota na primeira fileira. Bufei.


O que será que esse povo vem fazer tão cedo aqui? Nem Wi-Fi esse lugar tem, gente! É tudo escuro e sem nada para se aproveitar. Não podemos usar a biblioteca, a sala de computadores e nem a quadra. Então vivemos praticamente presos nas salas de aula, que é quente e havia cheiro de maconha em alguns banheiro também.


Eles estão nos dando uma amostra razoável do inferno?


- Camila. Psiu! - Eu já sabia quem eram. Não estava afim de olhar apenas.


Eles são os maiores compradores e vendedores de droga desse lugar medíocre. Mas talvez eles usem mais as coisas do quê vendem.


- O que é?! - revirei os olhos ao ver que eram mesmo; Lana e Zayn.


- Você troca? - eram dez dólares.


- Sério? Mesmo se tivesse não trocaria. Vocês estão péssimos, sabia? Ainda estão usando as roupas de sexta-feira. Não foram pra casa esses dois dias?


- Eu tô fedendo? - Ela pergunta cheirando as axilas.


- Vocês dois estão.


- Teve uma festa e a gente foi, sabe? Aí ficamos lá até agora. Não posso ir pra casa hoje, a minha mãe vai me matar.- Lana se sentou no chão.


- E você Zayn... algum problema em voltar pra casa também? - Ele negou. - então vocês vão pra lá, tomem um banho e depois venham rápido. Ainda da tempo para fazerem isso. Dê uma roupa da sua irmã pra Lana.


- Vem com a gente! - Ela se levantou meio grogue.


- Não, eu vou ficar aqui mesmo, tá bem? Não posso me atrasar em nada esses últimos dias.- expliquei e ela entendeu.


Eu não ia correr o risco de aumentar meus dias neste lugar. O que mais quero é sair e não faria nada para adiar isso.


[...]


...Segunda-feira à noite.
19:14 PM


WhatsApp on.


Lolo :- você está ocupada? ¹⁹-¹⁵


Me :- Desculpa, lolo. Eu estava no banho.¹⁹-¹⁵


Lolo :- A água estava boa?¹⁹-¹⁶


Me :- bastante! Você já tomou banho?¹⁹-²⁰


Lolo :- Tomei um agora pouco. Tem certeza que não está ocupada? Está a demorar muito a me responder, Camila.¹⁹-²⁰


Me :- Eu estou me arrumando, lolo. Espera um pouco!¹⁹-⁵⁶


Lolo :- Eu espero sim. Mas você está se arrumando? Vai sair?¹⁹-⁵⁶


Me :- Vou fazer trabalho na casa de um amigo as 20:00, e eu já estou atrasada ksjsj. ²⁰-⁰⁴


Lolo :- E quando você pretendia me falar isso?²⁰-⁰⁴


Me :- agora mesmo. :3 ²⁰-¹¹


Lolo :- Okay, Camila. Tome cuidado ao menos. Eu te amo.²⁰-¹¹


Me :- Eu te amo! Não fica brava. Não vou demorar.
²⁰-¹²


WhatsApp off.


Desci as escadas praticamente correndo. Eu estava atrasada. Havíamos marcado as 20:30 Mas o folgado do Zayn não aceitou a essa hora.


Mereço isso.


- Já vai sair, Mila? - Dinah questionou.


- Vou fazer trabalho. - fiz um bico.


- É longe? A Mani pode te dar uma carona.- sugeriu.


- Não é não, mas obrigada! Preciso ir de verdade.- Mandei beijos a todas e saí.


Claro que a casa do Zayn era longe da minha, eu só não estava afim de atrapalhar a pegação delas. E aliás, eu precisava me exercitar um pouco. Meu corpo não era como antes, me sentia muito sedentária demais. Só em pensar na possibilidade de caminhar, meus músculos doíam.


Mas enfim, cheguei!


Toquei a campainha e logo depois chequei para ver se era mesmo esse endereço. A casa estava muito chique pra ser dele.


- Finalmente! - reclamou ele ao me dar passagem.


- Pelo menos eu vim! Cadê a Lana? - me sentei por vontade própria, já que ele não me perguntou.


- Tá na cozinha matando a broca dela.- Sorriu estranho.


- Então vamos começar logo. Eu tenho hora pra voltar pra casa.- Bati no braço como se houvesse um relógio ali.


- Hora de quê? - Lana apareceu na sala.


- Calma que eu vou tomar um banho rapidinho e já começamos. - tirou a camisa.


- Okay. Você estava reclamando da minha demora e nem sequer tomou banho ainda?! Não me aluga, menino.- disse incrédula.


- Eu fumei umas pesadinhas e esqueci desse detalhe, gatinha. Não vou demorar nada, e enquanto isso vocês podem dar uma olhada na casa, falow? Ah, só não quero ninguém no meu quarto.- avisou antes de sair.


- Será por quê ele não quer a gente no quartinho dele? - Lana levantou com uma cara sapeca.


- Ah, ninguém gosta né. É óbvio que lá deve estar uma bagunça e ele não quer que a gente veja.


- Tanto faz, mas eu vou! La foi o único lugar que não entrei mesmo.- deu de ombros.


- Ele disse pra não irmos, Lana! - tentei evitar que ela subisse as escadas.


- E você vai obedecer, Camila? Esperava mais de você.- continuou.


Eu também.


Okay. Isso é invasão de privacidade, mas conheço bem aquele ridículo, duvido se também não faria isso com ela.


Então eu vou.


Subi as escadas atrás da maluquinha que já havia entrado.


- Lana, nós n... - Ela tapou minha boca rapidamente, e apontou para o computador ligado.


- Tá gravando, não fala alto!.- Sussurrou.


- Ele deve ter esquecido, ou não... porquê ele não queria que víessemos aqui, não é? - Ela concordou.


- O filha da mãe ganha dinheiro se gravando! - deu risada.- batendo uma talvez? - fez movimentos rápidos entre as pernas, como se tivesse masturbando seu pau invisível.


- É bem provável. Veja como estão doando dinheiro a ele só por verem sua parede! É bizarro.


- Completamente! Mas eu quero dar uma olhada mais de perto.- piscou.- Quero saber quando ele já ganhou, porquê se for uma boa grana, vou entrar no ramo.


- Não brinca com essas coisas, Del Rey.- revirei os olhos.- e é melhor a gente voltar, não acho que ele demore tanto no banho.- disse preocupada.


- Relaxa, Camila! - sorriu tranquila se aproximando do computador.


Eu relaxei. Mas não deveria ter feito isso.


me fodo!


Continua...


[...]


^-^



Notas Finais


Pontinhu!!! ♡


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...