1. Spirit Fanfics >
  2. Star Boy >
  3. Three stars

História Star Boy - Capítulo 3


Escrita por:


Capítulo 3 - Three stars


Hoseok tinha sua mente distante daquele universo, os pensamentos vagavam por possibilidades infinitas enquanto tinha os cotovelos apoiados ao balcão para as mãos sustentavam suas duas bochechas, alguns veriam aquilo como um gesto apaixonado, mas os pensamentos do rapaz estavam longe de serem algo puxado ao tópico meloso romântico, ao invés disso sua mente processava coisas diversas sobre um único garoto de fios brancos que estava hospedado em sua humilde residência próxima ao bosque onde coincidentemente o encontrou.

O garoto ainda sem nome estava sozinho em sua casa e várias coisas eram possíveis com essa sentença, tinha a possibilidade dele se machucar, de não saber cozinhar ou se virar sozinho visto suas reações a tudo na noite anterior, ele não parecia ter conhecimento de nada no mundo, talvez vivendo isolado de tudo. E assim como haviam as preocupações de mãe, também havuam as mais problemáticas que também era mais pertinentes em aparecer. Entretanto Hoseok tentava com todas as suas forças não ser tão negativo ao menos dessa vez, tinha certeza absoluta que chegaria em casa com tudo em seu devido lugar, nada iria sumir e o garoto não seria enquadrado como um esperto ladrão em potencial, ao menos Hoseok queria pensar nisto. Porém o grisalho era tão misterioso que não surpreenderia o Lee caso sua absurda paranoia na verdade estivesse certa, e caso realmente fosse isto, iria se xingar eternamente por ser tão burro, nunca mais cometeria um ato de bondade em sua miserável vida.

Suspirou pesado, assustando-se quando virou o rosto e se deparou com Hyungwon perto demais de si, estalando os dedos repetidamente para ganhar a atenção de um Lee que certamente estaria encarando algum cliente com cara de idiota ao ponto deste sentir-se desconfortável e reclamar a gerência, não lhe seria surpresa pois já ocorrera um fato assim em sua carreira.

ㅡ Lee Hoseok! O que está fazendo aí parado? Sei que es uma obra de arte bela que deve ser bem observada, mas agora temos clientes aguardando e não posso fazer tudo sozinho.

O mais novo reclamou enquanto arrumava uma bandeja com alguns copos contendo variedades de bebidas que chegavam a fumaçar ainda quentinhas. Hoseok olhou para o espaço do café meio atônito, demorando poucos segundos mais para sair do transe em que se instalou por conta do garoto sem nome. Seus pés se moveram quase que automaticamente quando caminhou até as mesas com novos clientes para anotar seus devidos pedidos no pequeno bloquinho de papel.

Hoseok trabalhava no café já haviam anos, e em todos esses anos Hyungwon nunca o viu tão aéreo como no dia em questão, ele parecia preocupado e totalmente perdido logo no dia em que o local estava cheio, acarretando em pedidos trocados e mais críticas que em todos seus anos de experiências juntos. Se desculpava a todo momento, alegando não saber o que havia acontecido com sua mente para estar tão fora de si, mas prometendo não errar novamente. O garoto se sentia culpado por inconscientemente juntar as peças de trabalho e preocupações de casa, coisa que não deveria de modo algum pois eram coisas diferentes, e trazer preocupações de casa para o ambiente de trabalho resultava nas fatídicas situações presenciadas, erros contínuos de trabalho e desculpas infinitas aos tão prezados clientes. Mas infelizmente Hoseok não conseguia tirar da cabeça o que tanto lhe afligia, e provavelmente só conseguiria ao chegar em seu lar e ver com os próprios olhos como tudo estava, inclusive o garoto grisalho, isso se ele ou suas coisas ainda estivessem lá.

Suspirou frustrado com milhões de coisas na cabeça, se esforçando para não derrubar os pequenos talheres no que não fosse fora de sua destinada bandeja. Hoseok então virou o corpo e bagunçou os próprios fios castanhos, pegou novamente seu bloquinho de papel e sua fiel caneta de tinta preta, os pondo no bolso para então pegar o pedido já feito, entretanto não pôde sair do lugar, pois uma voz foi direcionada a si, e no mesmo momento o rapaz parou.

ㅡ Hoseok, preciso falar com você.

Fora chamado por seu chefe após tentar voltar com alguns pedidos realizados, o rapaz levantou a atenção para o mar negro de seu olhar e assentiu mais devagar do que gostaria, entregando todos os pedidos pendentes a Hyungwon que lhe olhava com o que poderia classificar como pena, para então seguir até a sala de Son Hyunwoo.

Já tinha em mente que seria chamada sua atenção para os problemas e que receberia uma advertência para que tantos erros não se repetissem novamente, entretanto estava inegavelmente nervoso por juntamente nunca ter errado tanto em seu trabalho como fizera no presente dia. Era um tanto assustador, como se ainda estivesse no colégio, sendo levado até a diretoria por ter feito algo que não deveria, com direito as mesmas sensações de frio na barriga e nervosismo intenso. Mas ainda assim tentaria ficar calmo e não parecer tão nervoso na frente de seu superior, mesmo que fosse uma visita ao seu chefe, não seria demitido por erros de um único dia após anos de trabalho duro e bom serviço, ao menos assim esperava.

Com estes pensamentos em mente, o Lee seguiu Hyunwoo até a sala do último citado, esta que era totalmente escura, misturando tons de marrom e preto assim como era no restante do café. Havia um bebedouro no canto da parede, uma pequena mesa no centro e um gabinete repleto de plantinhas ao redor, que também era encostado na parede marrom. Em ambas as superfícies não haviam tantos objetos mais que um notebook, alguns papéis organizados, um porta lápis repleto de canetas diversas, uma caneca que antes deveria ter café puro até seu limite e um porta retrato com uma fotografia da familia Son. Hoseok inspirou o cheiro de perfume caro misturando com o aroma doce de café característico dali e sentou-se quando lhe fora indicado, sentido o nervosismo voltar a surgir em seu íntimo, a expressão séria do Son não lhe ajudava em nada na hora da calma vir, ele lhe observava como se houvesse cometido um assassinato e não erros de pedidos.

O homem de fios castanhos escuros era tão alto e forte quanto si, seu rosto era marcante, sério e embora escondesse um sorriso fofo e e personalidade doce, Hyunwoo era restritamente profissional no horário do trabalho, tratando Hoseok e Hyungwon unicamente como empregados enquanto o expediente ainda não chegava ao fim, então o Lee sabia, se houvesse um problema ele não iria pensar antes de apontar juntamente com uma punição a altura, aquilo assustava o castanho levemente.

ㅡ Você sempre foi um bom funcionário e nunca nos deu trabalho, o que aconteceu hoje, Hoseok?

O rapaz engoliu um seco, como explicaria que estava distraído por conta de um garoto que achou na floresta, que havia acolhido em casa e possivelmente era um golpista? Pensar em todos os detalhes fazia o Lee sentir-se completamente idiota, decidiu assim ocultar alguns fatores ao desculpar-se.

ㅡ Me desculpe, Senhor.. estive com muitas coisas na cabeça, prometo que não irá se repetir.

Curvou o corpo respeitosamente após a explicação, torcendo para ser o suficiente a salvar sua pele com uma desculpa tão fajuta, a expressão de Hyunwoo era indescritível, não conseguia sequer imaginar o que se passava na mente do homem, isto de certo modo apavorava todo o ser do Lee.

ㅡ Eu sou seu chefe mas também sou seu amigo, Hoseok. Se estiver passando por algo, pode nos pedir ajuda.

Foi surpreendido com a reposta, seus pensamentos foram todos inteiramente refutados apenas com duas frases vindas de seu chefe, ele pareceu perceber seu choque, pois logo emendou:

ㅡ O que vocês acham que eu sou? Você e Hyungwon parecem ter medo de mim, pareço tão ruim assim? Não queria passar essa visão, mas preciso ser duro como um chefe. Bom, Você pode voltar ao trabalho, mas se não estiver se sentindo bem me contate, poderá ir embora.

Hoseok assentiu meio atordoado e se ergueu, fez uma reverência respeitosa como de costume e rumou para fora da sala de seu chefe.

Aquele curto diálogo lhe serviu como uma lição de pré julgamento, um soco no rosto sobre a impressão antecipada que lhe fez passar medo a toa, pois no final o mais velho estava preocupado consigo acima do serviço, aquilo de certa forma aqueceu o coração do Lee, que definitivamente não esperava tal reação. Talvez devesse tirar de sua cabeça o estereótipo de chefe horrível que tanto via em filmes americanos.


O restante do dia passou deveras rápido, poucos clientes foram até o café no período da manhã e a tarde o movimento aumentou minimamente, fazendo aquele dia um tanto fraco para o comércio e dando a Hoseok mais tempo livre para recuperar-se dos próprios pensamentos bagunçados, que foram reformulados aos poucos até que o Lee estivesse mais calmo e concentrado no que fazia, sem parecer tão aéreo como antes, sem cometer mais estragos acidentais por estar com a mente longe demais da devida realidade.

Estavam arrumando tudo para fechar o local, já passavam das seis horas da noite e Hyungwon juntamente a si estavam limpando algumas mesas e o balcão, a reposição dos doces seria feita apenas no início do dia seguinte e os demais cantos já estavam devidamente arrumados, chão varrido e louças limpas, terminando suas devidas tarefas, os rapazes poderiam ir para casa.

Hoseok Umedeceu os lábios enquanto terminava de limpar uma das últimas mesas, o pano húmido fora deixado de lado e os resquícios de sujeira jogados no lixo, Hyungwon avisou a si que já iria, era sua vez de fechar naquela noite e abrir na manhã seguinte, o Lee apenas assentiu, terminando de arrumar tudo devidamente para também ir para casa.

Não demorou muito tempo mais para que finalmente houvesse encerrado o trabalho, fora aliviante para si poder fechar as portas do café e caminhar noite a dentro em direção a própria casa. As ruas eram pouco iluminadas pelos postes de luz amarelada, mas mantinham o movimento de pessoas que voltavam para casa assim como o próprio Hoseok, que caminhava tranquilo com as mãos nos bolsos da calça, cantarolando baixinho como se pudesse fazer seus passos aumentarem e o tempo correr mais rápido com sua habilidade de assobio, sabia que não funcionava, entretanto lhe fazia esquecer um pouco das coisas e distrair de tudo, parecendo que realmente chegara em casa mais rapidamente que o normal.

De fato chegou ao seu lar rápido demais, pareceu que as paisagens passaram voando como se estivesse andando de carro, logo as pracinhas cheias, os carros em movimento, as pessoas na calçada, as crianças brincando e os comerciantes pareciam sumir, dando lugar a porta fechada de sua casa. Sim, sabia que estava aumentando demais as próprias impressões, mas nunca imaginou que uma simples música faria tanto.

Hoseok olhou para o céu recém anoitecido, as estrelas começavam a aparecer aos poucos e as nuvens também pouco se faziam presentes, estava deveras bonito, como todos os dias.

Tirou a chave do bolso e destrancou a porta, adentrando no recinto logo após bater os pés no tapete esverdeado de boas vindas. A primeira coisa que notou fora o breu do local, estava tudo totalmente escuro, a não ser por alguns fios brancos que claramente poderiam ser visto, como se de fato brilhassem em meio a um breu intenso.

Hoseok assustou-se, rapidamente acendendo a luz, para então notar um certo rapaz grisalho, acomodado no sofá com seus olhinhos fechados e boca entreaberta. Ele ressoava baixinho, indicando que dormia tranquilamente apesar da posição de aparência não tão confortável assim, ele parecia inocente e inofensivo daquele modo, talvez até fofo com as bochechas amassadas e cenho franzido talvez de algum sonho, mesmo que ainda mantesse a expressão tranquila, Hoseok só estava surpreso em vê-lo ali e com tudo em seu devido lugar.

O Lee recebia seu segundo tapa na cara do dia por má interpretação antecipada, primeiro com seu chefe e agora com o garoto apelidado de grisalho, este não era nenhum ladrão como imaginou, na verdade continuava a aparentar ingenuidade, e isto despertava muitas perguntas no moreno.

Hoseok engoliu a saliva acumulada junto com seus demais pensamentos e adentrou devidamente na própria casa, fechando a porta e assim deixando os sapados no hall, sentindo com gosto o piso gélido que não recebeu muito movimento durante o dia, e ao andar pelo resto da casa percebeu que quase tudo estava intacto, o que o garoto havia feito o dia todo? Sequer na cozinha tinham coisas mexidas, ele passou o dia inteiro sem comer? Hoseok se assustou ao pensar nesta possibilidade, mas era o que tudo indicava.

Balançou a cabeça de modo confuso, aquele garoto era deveras estranho e misterioso, fora de fato uma boa ideia resgata-lo? Deveria espalhar cartazes de desaparecimento para achar algum familiar? Aquelas perguntas martelavam continuamente na cabeça confusa do rapaz, Hoseok ficava cada vez mais confuso e duvidava das próprias capacidades como adulto para resolver os problemas.

Rumou até o próprio quarto intacto e impediu a si mesmo de se jogar contra a cama macia, estava precisando de um longo banho após um dia de trabalho. Fez questão de trancar a porta do quarto, afinal não queria uma visita indesejada ali enquanto estivesse desprovido de vestimentas, estas que foram rapidamente retiradas e Hoseok teve o prazer de passar muito tempo sentindo o corpo lavado.

Já no outro cômodo da casa, um par de olhos pequenos eram abertos lentamente, seu dono se erguia tão devagar quanto, processando aos poucos as coisas ao seu redor, incrivelmente não sentindo dor alguma ao endireitar o corpo da estranha posição antes adotada. O garoto grisalho bocejava ainda sentindo os efeitos do sono, mas seu olhar vagava inquieto capturando as claras mudanças no ambiente em que se encontrava. Se ergueu do pequeno sofá pouco tempo depois e caminhou pela casa, podendo ouvir o som claro de água corrente e alguns barulhos dentro de um cômodo fechado, afastou-se por precaução, ainda não estava habituado com aquelas coisas tão estranhas.

Algo dentro de si fez barulho, fazendo com que o garoto mantesse os olhos arregalados em surpresa, tateou o próprio corpo um tanto desesperado, tendo um sobressalto automático ao escutar a porta abrir-se e aquela figura tão estranha quanto si surgir do aparente nada.

Hoseok se surpreendeu, mas se manteve relaxado ao ver o grisalho aparentemente assustado a sua frente, sorriu para tentar o tranquilizar.

ㅡ Boa noite.. você dormiu bastante hein? Já pedi comida, está com fome?

Novamente o som provido da barriga do garoto se fez presente, o fazendo voltar a arregalar os olhos e arrancando em seguida um risinho vindo do Lee. Hoseok apesar de ainda inseguro e tímido, sentia-se leve falando com o garoto pelo simples fato deste não lhe lançar olhares julgadores por ter falado alguma besteira ou então algo desnecessário.

ㅡ Espero que goste de Jajangmyeon.. foi o que pedi.

Ele não esboçou reação em momento algum, o que fez Hoseok sorrir envergonhado e coçar a própria nuca, toda sua timidez fora embora ao lembrar de um detalhe considerado importante.

ㅡ Você ainda não tomou um banho decente, não é? Me perdoe por isso.. fique aqui, eu já volto!

O Lee não esperou para ver a carinha confusa feita pelo grisalho, apenas correu de volta para o quarto, indo diretamente até o próprio guarda roupas. Tirou de lá uma toalha limpa e roupas suas que precisava supor que se encaixavam no corpo maior e mais magro que o seu, pôs arrumado um por cima do outro e voltou onde estava antes, como previsto, o garoto não saira dali.

ㅡ Aqui, acho que vai servir.. Tem um banheiro no corredor mas está em reforma, use o do meu quarto.

Sorriu tentando não parecer tão idiota e guiou o grisalho para dentro, indicando com as mãos a porta aberta.

ㅡ Fique a vontade, vou arrumar algumas coisas enquanto a comida não chega.

Balançou a mão brevemente e saiu do recinto para dar privacidade ao garoto quieto demais. Hoseok não notou o quão atento ele parecia com qualquer coisa ao seu redor ou o quanto ele parecia confuso em certos momentos. Desatenção do Lee.

Hoseok caminhou com calma até a cozinha, separando dois pratos, talheres e copos para quando a comida chegasse. Os arrumou devidamente na mesa ao tempo de ouvir alguém batendo na porta, rapidamente correu para pegar o dinheiro e atender. Voltou para dentro com uma embalagem quentinha que lhe dava água na boca apenas com o cheiro delicioso que emanava do pacote, sua fome se fazia presente naquele momento, apenas queria satisfaze-la.

Pôs sobre a mesa e abriu para deixar esfriar devidamente, então fora até o próprio quarto por estranhar a demora do grisalho. O quarto estava vazio, entrando a porta do banheiro estava entreaberta e de lá vinham alguns barulhos e resmungos baixos, como reclamações ou protesto por algo. Hoseok franziu o cenho e bateu levemente na superfície de madeira, estranhando ainda mais quando tudo parou repentinamente.

ㅡ Oi? Está tudo bem aí dentro? A comida já chegou, pensei que quisesse..

Murmurou timidamente a última parte, e se afastou ao ouvir passos, a porta terminou de ser aberta e Hoseok não sabia se ria ou cavava um buraco para se esconder eternamente.

O grisalho estava completamente molhado como se acabasse de sair do chuveiro, seus fios húmidos caíam em sua face completamente confusa enquanto ele tentava lidar com as roupas em suas mãos e as mal colocadas em seu magro corpo, era uma cena deveras embaraçosa, mas também engraçada e até fofa dependendo do olhar, ele parecia uma criança que não sabia se cuidar e isto fazia Hoseok questionar cada vez mais suas vivências, ele era inocente demais para um adulto que aparentava ser.

ㅡ Oh.. me.. me deixe te ajudar.

Hoseok sentiu o rosto queimar, entretanto não poderia deixar o pobre garoto do modo que estava. Se aproximou timidamente e pegou a toalha que antes havia lhe entregue, usou esta para enxaguar o que poderia no corpo alvo. Estava de certo modo receoso ao toca-lo, ele também parecia embaraçado com o decorrer da cena mas nada fazia, sua face constrangida também estava levemente vermelha e ele se encolhia, fazendo Hoseok se afastar temeroso.

ㅡ Não vou te machucar, tudo bem? Só me deixe arrumar isto..

Sussurrou virando a blusa mal posta, a arrumou devidamente e fora encaixando a peça devidamente até esta ser devidamente posta no corpo do garoto. Sorriu ainda tímido e pegou novamente a toalha, desta vez se ergueu e começou a secar cuidadosamente os fios grisalhos. Pôde ver os olhos do garoto se fecharem, como se aprovasse o toque que não durou muito, para sua infelicidade.

ㅡ Pronto.. vamos comer?

Soltou um risinho claramente constrangido e caminhou para fora do banheiro e respectivamente do quarto, imaginou que a comida já deveria estar fria com o tempo que passou, mas isto apenas para espantar outros pensamentos presentes. Sabia que havia apenas ajudado o grisalho com uma coisa simples, entretanto se sentia idiota por possivelmente também tê-lo constrangido. Será se ele tinha de fato permitido? Se sentiu invadido? Estava com vergonha? Hoseok geunhiu irritado consigo mesmo e pôs as mãos no rosto.

Sentia que iria ter um ataque se continuasse a se perguntar tanto sobre o garoto grisalho, mas era impossível não se questionar a todo momento com tudo que acontecia, com os sinais que ele apresentava e com sua falta de palavras concretas.

Hoseok estava surtando e seus choramingos por respostas provavam isso.



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...