História Star Heart ll TaeKook - Capítulo 2


Escrita por:

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS)
Personagens Jeon Jungkook (Jungkook), Kim Taehyung (V)
Tags Amor, Detetive, Estrelas, Flex!taekook, Homossexualidade, Jimin, Jungkook, Kookv, Namjin, Namjoon, Policial, Romance, Seokjin, Taehyung, Taekook, Vkook, Yoongi, Yoonmin
Visualizações 20
Palavras 3.571
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Comédia, Drama (Tragédia), Fantasia, Ficção, Fluffy, Lemon, LGBT, Magia, Policial, Romance e Novela, Suspense, Violência, Yaoi (Gay)
Avisos: Bissexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Demorei? Pra um santo caralho
Mas finge que não e que eu não sumi

Bem vindos ao coração de uma estrela, tenha uma excelente viagem e volte sempre

Capítulo 2 - Chapter II


Fanfic / Fanfiction Star Heart ll TaeKook - Capítulo 2 - Chapter II

99% - " A partir de hoje eu serei seu segredo cósmico "

[ Uma hora antecido, 10:24 ]

O dia havia sido completamente corrido fazendo com que Min não parasse nem por um segundo. Se não estava na frente do computador, estava em meio a sua papelada, ou ajudando Park no primeiro caso do loiro, ou então estava patrulhando e analisando cenas de crime e assassinato.

Mas nesse momento o azulado recolhia sua maleta marrom, num quase preto, e ajeitava o paletó. Iria terminar de resolucionar o caso de um assassino em série em casa - coisa que odiava fazer já que seu chefe olhava-o feio toda as três vezes que fizera isso.

Já estava em frente ao elevador, havia apertado o botão e esperava o mesmo, porém ouviu seu nome ser chamado no final do corredor e poucos segundos depois uma mão segurar seu ombro, era Jimin ofegante pela corrida. O loiro era realmente sedentário

 Yoon, digo, Agente Min o chefe Nam 'tá, digo, o senhor Namjoon está te chamado na sala dele — disse atrapalhado, era seu segundo dia e ainda não havia se acostumado com tantas formalidades e burocracias de dentro da agência

 Me chamando? Tem certeza Park? É que sabe — coçou a nuca rindo levemente  Já esta em meu horário de ir para casa e como fiz hora extra ontem, acho que não preciso ficar mais que o necessário

 Ele apenas me mandou te chamar hyung — levantou as mãos em forma de rendimento  E pela cara dele não é muito bom o que vem por aí

 Agente Min — Jin, que escutava tudo escondido, encostou perto de onde o elevador estava abrindo as portas — Olha seu elevador chegou, deixa que eu vejo o que o Nam precisa — sorriu sínico, ele provavelmente sabia do que se tratava

Esse era o Agente Seokjin. Min sabia que ele o odiava por "tomar" seu lugar na agência e "roubar" a atenção de todos para si próprio

 Obrigada Seokjin mas não será necessário — arrumou a parte da gola de seu paletó sem ao menos se importar de ser educado com "seu hyung" — Eu mesmo irei

Sem esperar por respostas Min apenas voltou indo para sala de seu superior e Park lhe acompanhava, e ao chegar ao local apenas bateu na porta

 Entre — a voz irritada de Namjoon soou por trás da madeira bruta da porta

Os dois entraram, fizeram reverência e sentaram a frente do chefe

 Mandou me chamar senhor? — Min perguntou vendo que o mais velho não proferia palavra alguma

 Certamente que sim Agente Min — organizava papéis sem olhar para os dois a sua frente  Você precisará abandonar o caso do senhora Mitch e deixa-lo para o Agente Hee, acabei de ser solicitado de uma ocorrência que precisará do meu agente de ouro — Namjoon o olhou pela primeira vez

 Mas senhor, eu já estou na finalização do caso da senhora Mitch, só preciso de mais algumas provas para prender o sobrinho dela e o senhor sabe que não gosto de deixar meus casos pela metade para outros por que sempre virão atrás me questionando e querendo saber os detalhes do caso por pegarem na metade —

 Agente Min isso não é um assunto discutível. Está tomada minha decisão, preciso que deixe com o agente Hee o que ele precisar sobre o caso da senhora Mitch, sei que não está habituado a isso e que não gosta, mas não posso colocar outro agente nesse caso e... — Namjoon foi interrompido pela porta que foi aberta por Jin  Agente Seokjin não lhe dei permissão de entrar, por favor se retire, preciso terminar minha conversa com o agente Min em particular

 Desculpe a intromissão e a invasão senhor mas eu estou aqui para ajuda-lo com seu problema — sorriu debochado olhando a cara enfezada de Min — Eu sei que o meu grande amigo e dongsaeng Yoongi não gosta de deixar um caso sem finalizar e eu já terminei meu trabalho na mansão dos Wang. Então porque não deixa esse novo caso comigo? Assim Min termina o dele e eu inicio esse, sem problemas e sem dor de cabeça

 Agente Seokjin, eu quero que por favor se retire. Já disse que minha conversa é com o agente Min Yoongi — Namjoon começou a ficar levemente irritado pela audácia de Seokjin

— Mas senhor... — mais uma vez ele tentou mas foi interrompido pelo outro que bateu as mãos na mesa fortemente

— Se retire imediatamente Seokjin — esbravejou contra o castanho totalmente vermelho — E não me faça repetir por favor

Kim sem saber onde enfiar a cara diante do chefe - o qual com certeza mancharia seu nome com o mesmo pela atitude um tanto quanto intrometida - e seu rival que o via daquela forma apenas abaixou a cabeça num aceno e murmurando desculpas saiu. Namjoon arrumou seu uniforme no corpo e sentou novamente

 Sinto muito meninos, sentem por gentileza — sorriu  Bem, onde paramos? Ah sim, bom Min eu realmente preciso de você nesse caso e o Agente Park irá acompanha-lo para que tome alguma experiência com seu excelente trabalho — antes que o seu saeng teimoso abrisse a boca para reclamar, pois o que mais odiava era trabalhar com outras pessoas que o "atrapalhavam" segundo ele mesmo, lhe lançou um olhar torto  Posso contar que cooperara comigo, certo?

 Certo — depois de um tempo e com uma careta, a resposta finalmente saiu — Mas não irei abandonar o caso da senhora Mitch, consigo lidar com os dois — Namjoon iria protestar porem Min não o deixou sequer começar, erguendo um dedo — Não aceitarei se não for assim, sinto muito mas nunca abandonei um caso em dezoito anos e não será hoje que farei isso

 Apesar de achar que isso irá o sobrecarregar, não irei me opor. Sei o quanto Min Yoongi pode ser  teimoso. Tudo resolvido, vamos ao que o trouxe aqui — Namjoon puxou uma pasta da pilha que havia organizado e entregou ao Min e à Park, que até então só observava tudo

Min passou os olhos pelas palavras dos vários papéis que diziam a mesma coisa. Casos ignorados por serem absurdamente sem sentido algum de outras cidades próximas

— Senhor, o que exatamente é isso? — Park levou seus olhos do papel até o mencionado — Isso é no minimo ridículo, me desculpe o modo de fala mas né

 Eu realmente concordo agente Park, mas tem acontecido com certa freqüência em cidades que dão a volta na linha de fronteira da nossa cidade e hoje aconteceu aqui também — Namjoon puxou da gaveta ao lado mais fichas  Não foram somente aqui mas também em cidades estrangeiras. Eu não quero alarde aqui mas isso é estranhamente bizarro. Como temos na nossa agência um, senão o, melhor da Coréia, pensei que poderíamos dar um basta nisso e descobrir o que realmente vem acontecendo. Os superiores de praticamente o mundo te querem nesse caso. Recebi hoje de manhã um e-mail do dono de agências da CIA dos EUA e me disponibilizarem alguns agentes, mas eu recusei pois sei como é com parcerias. Apenas coloquei o Park contigo por saber que se dão bem

O caso se tratava de uma pessoa que morreu no ano de 1987 aos 18 anos de idade. Mas reapareceu misteriosamente, quatro anos depois de sua morte, após um forte clarão. A causa da morte ainda era, assim como seu súbito surgimento, um mistério pois os médicos deixaram em sigilo absoluto a pedido do "morto-vivo"

 Então temos aqui provavelmente um caso de falsa morte? Certo? — perguntou Park

 Se sim qual será a motivação dessas voltas repentinas? — Min indagou  Se ele queria se passar por morto por que não saiu do país? Por que se manteve? — o agente falava mais para si do que para os outros que estavam ali, como se estivesse pensando alto

 Exatamente isso que eu quero que descubram. Na ficha número 19 tem o endereço do novo clarão então suspeito que ele irá magicamente aparecer — falou ironicamente — Espero que obtenham algum progresso maior. Podem começar

Min se retirou da sala do mais velho juntamente com seu novo parceiro no caso. Os dois andaram junto até o elevador em silêncio absoluto. Min divagava sobre o intrigante garoto enquanto observava a ficha do mesmo e Park observava ao lado. O garoto era realmente bonito e parecia ter um futuro promissor pela faculdade que cursava e altas notas que tirava

 Por onde começaremos? — indagou Jimin quebrando o silêncio — Eu pensei na possibilidade de perguntar aos colegas de turma dele

— Seria uma boa idéia se não estivessem enterrados, num manicômio para malucos ou num asilo de idosos — Min observou as feições indignadas de seu companheiro que se fechavam

 Olha, o garoto tinha 18 anos quando morreu. Seus colegas de classe deviam ter a mesma idade na época ou no máximo uns dois anos a mais. Estamos em 2018 e pelas minha contas eles devem ter agora no máximo uns... — Park parou alguns segundos para pensar em suas contas  No máximo uns 30 ou 34 anos — bufou de braços cruzados

— Eu sei — novamente Min observou as feições de Park mudar para um tom vermelho e rugas acima dos olhos, havia ficava irritado  Estava apenas lhe testando — deu uma risadinha quando as portas do elevador se abriram, e os doinervosismo E realmente é uma ótima ideia para começarmos mas antes devemos ir ao local do clarão para investigarmos as pistas fresquinhas que teremos certo?

Yoongi olhou sugestivo para seu companheiro enquanto entravam no estacionamento vendo o mesmo com um leve rubor nas bochechas gordinhas que levava na face e achou aquilo fofo percebendo que Park não era habituado à elogios. O que usaria mais vezes por achar aquela cena um tanto linda de se ver

— Acho que... sim n-né? — Park ria de nervoso naquele momento sem saber o que fazer

O agente loiro foi em direção ao seu próprio carro para retornar ao seu lar mas foi parado pela voz de Min

— Não seria melhor irmos juntos? — questionou ao ver que o outro tomava um rumo diferente de onde seu carro se localizava

— J-juntos??? Co-mo assim??? — era nítido o nervosismo na voz do loiro o que fez Yoongi rir levemente

— O caso — o olhou — Estamos indo ao endereço do caso lembra?

— Aah si-sim —

Ainda rindo do loiro, Min entrou em seu carro esperando que o outro fizesse o mesmo, coisa que não tardou em fazer. E em poucos segundos os dois já estavam na estrada à caminho do primeiro caso juntos num silêncio confortável enquanto cada um pensava numa teoria diferente para o misterioso homem que renascia

•••

Não demorou tanto tempo para estarem em frente ao prédio que parecia ser um hotel. Min com sua memória que nunca falha reconheceu de imediato como o lar de seu irmão de outro pai, Jeon Jungkook. O menino era excelente dançando e cantando, coisas que ele amava fazer. Porém seu pai o via um futuro mais "preparado" - assim como fazia com o próprio Min -, um futuro que envolvia papeladas, mesa de escritórios, reuniões importantes, contratos com empresas internacionais. (In)Felizmente o pequeno queria apenas seu violão e o silêncio do quarto, coisa que não agradava o homem que o acolhera em casa, fazendo assim Jungkook sair de casa com sua namorada para morarem juntos. Mas a mulher veio a falecer algum tempo depois deixando o irmão sozinho

Min nem foi ao enterro por estar atolado na agência com o caso da senhora Mitch, mas ligou para o saeng para ver como o mesmo estava afirmando largar tudo pelo mais novo como sempre fizera, mas o pequeno negou dizendo estar tudo bem o que Min sabia ser mentira. O conhecia bem para saber que queria apenas aparentar ser forte e que já era grande para lidar com sua vida, ser um homem. Mas mesmo assim Yoongi passou por lá no final de seu turno encontrando um Jungkook encolhido chorando num canto do apartamento enquanto abraçava a foto tirada no seu casamento, quando os dois estavam no altar. Yoongi sabia o que fazer, já havia cuidado do caçula. Preparava um chá de maçã bem docinho, um banho morno e ajeitou a cama para menor dormir com direito a cafuné

Voltando das suas divagações sobre o irmão que a um tempo não via, se dirigiu a recepção onde uma senhorita estava e lhe mostrou seu distintivo para a moça que sorria

— Eu gostaria de saber à quem pertence o apartamento 249 por favor. Temos assuntos de investigações por lá —

 Irei avisar ao nosso hóspede e liberarei sua subida senhor. Aguarde um instante —

[ No capítulo passado ]

— Oi... - ele ia colocar a mão em meu rosto mas eu automaticamente dei um passo para trás e ele a recolheu de imediato diante da minha reação, ele ganhou um olhar triste mas logo disfarçou com um breve sorriso

Jungkook se mateve olhando para o jovem a sua frente, ainda tentando entender de onde conhecia "alguém" que literalmente caiu do céu diretamente para sua varanda e o observava esperando alguma reação que não vinha Jeon não sabia como reagir a algo assim. O moreno se movimentou somente quando seu telefone tocou quebrando o silêncio perturbador no ambiente que agora parecia comprimido apenas numa caixa

— Fique aqui. E-eu preciso atender — respirando fundo tentou alguma fala

O loiro apenas acentiu sorrindo. Um sorriso bem peculiar por se dizer. Um sorriso diferente, quadrado

Ao chegar até a sala Jeon pode soltar todo ar que nem percebera prender e atendeu a chamada

 Senhor? Preciso que autorize a entrada de dois agentes até seu apartamento para conduzirem uma investigação neste andar — a moça do outro lado da linha disse calmamente diferente de si

Jeon apenas limitou-se a murmurar alguma confirmação para a mulher e desligou. Ao retornar ao quarto o menino que deixara ali não estava mais em lugar algum daquele quarto

Por algum motivo seu coração se desesperou a procura doa batimentos do coração alheio

Onde aquele "ser humano" havia se enfiado?

•••

 Podem subir pelo elevador, o senhor Jeon autorizou a subida de vocês — disse sorrindo para os dois que se curvaram em reverência e saíram e dentro da cabine do elevador Min refletiu

Justamente o apartamento do Jungguk? Onde será que esse menino está se enfiando?

Jeon analisou o quarto mais uma vez, e outra, e uma última vez pra ter certeza de que não estava louco. Ele realmente conversou com alguém, isso tinha certeza. Não era possível uma pessoa sumir no ar, não é? Se bem que esse garoto apareceu da mesma forma que evaporou

A campainha toca mais duas vezes tirando o tempo de Jeon conferir mais uma vez se estava normal das suas faculdades mentais e se não estava tão solitário a ponto de criar um amigo imaginário do nada. Mais um toque da campainha fez com que se recordasse que ao menos perguntou especificamente quem era ou do que se tratava, apenas autorizou a entrada de dois agentes - se é que realmente eram. Jeon precisava marcar uma consulta e ver se está bem da cabeça mesmo

 Já estou indo — gritou sem paciência a quem, agora, tocava consecutivamente a droga da campainha, como se fosse surdo. Lembraria de jogar aquela coisa fora

Ao abrir a porta teve um certo delei ao reconhecer um dos dois homens à sua porta. Permitiu-se sorrir para ele e seu acompanhante

 Não acha que — olhou o para a parede atrás de si onde continha um relógio  Quatro da manhã não é um horário muito adequado para visitas — soltou um leve riso ao que Min também ria — Está atrasado hein, o horário dos demônios passou faz uma hora

 Sei disso capeta, se não fosse por você eu estaria no meu décimo sono agora — Min tirou da cintura uma algema e Jeon congelou   Coopere comigo e vire para eu lhe por isso, você esta sendo peso

Os olhos de Jungkook dobraram de tamanho, ele estava em completo choque, assustado. Rapidamente colocou as mãos na cabeça - mesmo sem ter sido mandado - em sinal de rendição

 Mas qual acusação? Eu não fiz nada, eu juro. Isso com certeza seria o que um culpado diria mas eu estou dizendo a verdade. Nem sei manusear um revólver como poderia assaltar alguém? Eu não vou dizer nada, não respoderei a nada sem a presença de um advogado que eu ainda não tenho. Meu deus onde eu vou arrumar um? Eu sei meus direitos ok? Quero minha ligação... —

Park segurava ao máximo o riso. Sentiu dó da brincadeira que deixou o outro em completo pânico e desespero. Ele nem sabia qual crime estava sendo acusado e estava se justificando de tudo, mesmo tendo dito que não diria nada

 Se acalme, nós estamos aqui 'pra uma investigação ok? Você não sera preso por nada  Jimin disse vendo a expressão do garoto mudar para uma confusão interna. Ele era alguém fácil de se ler

Min deu um peteleco na cabeça de Park por estragar a diversão da sua brincadeira e então o puxou para dentro e só depois de algum tempo Jeon lembrou de tirar as mãos da cabeça, fechando a porta e os seguindo para sala, sentando no sofá que ficava à frente do que ocupavam os dois agentes

 Mas se não você não veio pra me apresentar seu namorado numa visita casual e nem me prender, sem grosseria, mas o que diabos tu veio fazer aqui? —

Jimin todo corado esperou que Yoongi desmentisse sobre o namoro mas ele nem pareceu se importar

 Estamos em investigação pequeno energúmeno —

— Sério que tu não perdeu essa mania idiota de me chamar assim Yoongi? Eu já cresci e estou mais alto que você então tecnicamente eu que deveria lhe chamar assim — sorriu sapeca

 Primeiramente — Min levantou para dar um tapa em sua nuca o fazendo resmungar  Eu ainda sou sou mais velho que você criança, me trate como tal, não estou aqui como Yoongi mas como Agente Min que está no meio da investigação de um caso na casa de um suspeito. Segundamente, Jimin faça sua parte interrogando o cidadão, quero saber como você trabalha. Enquanto isso vou procurar se esse "garoto do passado-presente" deixou alguma pista que possamos usar para localiza-lo. —

O loiro concordou e virou-se para Jungkook identificando sua confusão. Era realmente muito simples ler suas ações então saberia facilmente se mentisse

Pegou um bloco de notas que sempre carregava consigo e uma caneta enquanto seu parceiro - poderia o chamar assim tendo em vista que ele odiava companhia em seus casos? - ia em direção a uma varanda

 Então eu sou novo nisso, se puder me contar tudo devagar para mim associar e anotar eu agradeceria. Começarei com perguntas simples ok? —

 E eu tenho alguma outra escolha? — revirou os olhos odiando esse mistério todo. Depois desse dia ele com certeza começara a repudiar mistérios  Ok comece.

 Nome completo e idade —

 Jeon Jungkook, 21 anos — ao que o loiro anotava Jeon conseguiu visualizar o que escrevia suspeito número 1

 Onde estava à exatamente 6 horas atrás? — indagou fixando o olhar a qualquer movimento de hesitação ou precipitação

 Se não me engano no parque. Eu tenho insônia e hoje é um dia... comemorativo? Não sei se posso usar essa palavra. Bom o que importa é que não pude dormir então eu fui ao parque andar e pensar —

 Tem algo mais para me relatar — Jimin identificou no olhar do garoto à frente duvida  Algo que queria acrescentar que foi estranho ou incomum? Ou algo que não é rotineiro? Algum detalhe ou ponto relevante? Qualquer coisa assim —

Min apareceu observando o andamento dos dois enquanto fazia suas próprias anotações mentais. Em suas mãos havia um saquinho translúcido com alguma poeira dentro

 Bem na verdade sim mas você me acharia um louco chapado — riu um pouco porém Jimin lhe fez um gesto pedindo que prosseguisse sua fala, fazendo Jungkook suspirar alto  Quando eu estava lá fora observando as estrelas, uma delas pareceu cair do céu. Não sei explicar como, eu nem acredito em religião ou essas coisas, mas ela pareceu cair do céu, indo na direção da minha varanda então eu corri aqui pra casa e... —

 E... ? —

Jungkook moveu seu olhar para o corredor que tinha direção ao seu quarto e ali o viu. O garoto misterioso acenando quase que de modo desesperado em sinal de negação, um pedido mudo que não o revelasse, quase suplicava com o olhar e Jungkook não conseguiu pensar em contrariar o que lhe pedia

 Jeon e o que? — Min indagou e Jungguk soube que ele desconfiara de si

Park e Min moveram o olhar até onde Jungkook olhava, mas nada havia ali a não ser o corredor que levava à outro cômodo. Naquele momento o garoto havia sumido novamente e somente nesse momento Jeon pode retornar aos visitantes, quase como se despertasse de um transe

 E só... não houve mais nada — disse finalmente  Quanisi-sim —e ——ei em casa me deitei para tentar dormir

Passou algum tempo num silêncio completo no qual Min observava os olhos de Jungkook quase ultrapassando sua alma

 Acha mesmo que pode mentir para mim Jeon? — Min semiserrou os olhos para o rapaz à frente

Park também sentiu o desconforto da mentira de Jeon


Notas Finais


Se você chegou até aqui
Muito obrigada
Gostou? Me diga por favor 💓

O capítulo foi bem mais focado em Yoongi e Jimin, no que trabalhavam e essas coisas por que é necessário para um propósito que vocês logo saberão

Eu peço desculpas pela demora mas um bloqueio me pegou e eu passei um tempo sem celular
( e é horrível ok? Num momento ta tudo lindo maravilhoso e quando o ser volta a saber o que é tecnologia Jeon Jungkook me inventa de postar uma selca depois de 6 fucking meses com aquele cabelo COLORIDO )

Bom, relevem os erros se tiver
Eu tentei revisar mas to com preguiça

Fiquem bem
Se hidratem e comam bem

Até a próxima amores


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...