História Stark's Daugther - Capítulo 111


Escrita por:

Postado
Categorias Os Vingadores (The Avengers)
Personagens Anthony "Tony" Stark, Bucky, Carol Danvers (Miss Marvel / Capitã Marvel), Clint Barton (Gavião Arqueiro), Dr. Bruce Banner (Hulk), Dra. Helen Cho, Edwin Jarvis, Feiticeira Escarlate (Wanda Maximoff), Heimdall, James Rupert "Rhodey" Rhodes, Jane Foster, Janet Van Dyne (Vespa), Jessica Jones (Safira), Laura Barton, Luke Cage, Marc Spector (Cavaleiro da Lua), Maria Hill, Miss Marvel, Natasha Romanoff, Nick Fury, Pantera Negra (T'Challa), Personagens Originais, Pietro Maximoff (Mercúrio), Safira (Jessica Jones), Sam Wilson (Falcão), Scott Lang (Homem-Formiga), Steve Rogers, Thomas "Tommy" Shepherd / "Célere", Thor, Tigresa (Greer Grant Nelson), Visão, Wade Willson (Deadpool)
Tags Avengers, Capitão América, Chris Evans, Homem De Ferro, Imagine Marvel, Interativa, Marvel, Robert Downey Jr, Tony Stark, Vingadores
Visualizações 22
Palavras 2.179
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Ficção Adolescente, Romance e Novela, Universo Alternativo
Avisos: Álcool, Linguagem Imprópria, Sadomasoquismo, Sexo, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Capítulo 111 - Phoenix Force


Fanfic / Fanfiction Stark's Daugther - Capítulo 111 - Phoenix Force

Entrei no quarto da Sarah e a olhei, eu preciso da calma que só ela me dá. Ela estava dormindo e fazendo beicinho, simplesmente a coisa mais fofa. Eu sei que tenho a deixado algumas vezes, mas eu a amo e, mesmo longe, não paro de pensar nela e que devo voltar para ela. E talvez é por isso que estou aqui olhando para ela; para gravar cada pequeno detalhe seu, para lembrar e ganhar mais forças para voltar para ela. 

- Por quê o Scott está aqui? - ouvi aquela voz e continuei olhando para a Sarah. - Você vai para o Instituto Xavier? 

- Isso é uma questão minha. - respondi me virando para o Steve, o vendo cruzar os braços. - E eu não tenho tempo. 

- O que vai fazer? Seus pais sabem disso? 

- Vou fazer isso pelo meu pai. Pode ficar aqui com a Morgan e a Sarah? - perguntei, ele assentiu. - Ótimo, agora se dá licença-

- Você não me falou por que está indo lá. 

- Isso é um problema meu. Agora pode sair da minha frente? Eu realmente não quero perder mais tempo. 

- (Seu nome), eu só me preocupo. Eu não quero que algo aconteça com você. - me puxou pela cintura, abaixei o olhar para as minhas mãos em seu peitoral. - Eu sei que não mereço sequer falar com você, mas eu me preocupo. 

- Não precisa se preocupar. - ergui o olhar, encontrando o seu. - Eu tenho que ir, mas não se preocupe. Não vai acontecer nada. 

- Não há nada que eu possa fazer para impedir você? 

- Não. - o afastei, passando por ele. - Eu faço o que eu quero, Steve. - desci rápida, encontrando a Morgan no sofá. - Eu vou precisar sair com um amigo, está bem? Eu volto com o pai. 

- Onde você vai? 

- Vou encontrar com o pai. - respondi batendo a porta e descendo os degraus da varanda, encontrando o Scott encostado no capô do carro. - Scott. 

- (Seu nome). Eu vim buscar você, mas antes preciso que seja sincera comigo. 

- O que quer saber? 

- Você realmente acha que está pronta para isso? Lá não é algo a que está acostumada e você ainda está se recuperando do confronto. 

- Eu estou. Eu quero ajudar. 

- Tudo bem, mas você deve estar preparada para o que quer que venha a acontecer. - abriu a porta para mim, agradeci entrando e colocando o cinto. Ele entrou e fez o mesmo, ganhando mais velocidade. 

Depois de um longo caminho, com algumas palavras trocadas e sobre como Scott demonstra concordar com parte do Registro de Mutantes, finalmente entramos na propriedade do professor Xavier. E, enquanto caminhavamos em direção ao castelo, os olhares que recebi me deixaram incomodada e receosa. Eu simplesmente estou em um lugar onde há mutantes em todos os cantos que me odeiam. Mas ao entrar em uma parte diferente das anteriores, passamos por um corredor e eu vi uma porta se fechar, mas pude ver uma mulher lá dentro, como se estivesse desacordada e recebendo cuidados de dois mutantes. 

- Quem é ela? - perguntei. 

- Jean. 

- E o que aconteceu com ela? 

- Em uma missão ela acabou se esforçando demais, mas está se recuperando. - respondeu e a nossa frente portas se abriram, revelando um grupo de mutantes que pararam de conversar em si e se viraram para mim. Pude ver em seus rostos o descontentamento da maioria, execeto do professor Xavier, que veio até mim em sua cadeira. 

- Muito bem, Scott. Senhorita, seja bem vinda à bordo. Eu quero lhe apresentar a equipe. - tomou a frente, o acompanhei até o grupo com uniformes pretos e um x amarelo. - Mística, Noturno e Fera. Você vai com eles, as outras equipes estão dando suporte a vocês. 

- A missão é simples: ajudamos a Capitã Marvel com o ataque, resgatamos os perdidos e voltamos para casa com o Stark e sua equipe. 

- Tem notícias deles? - perguntei. 

- O seu pai está fora dos radares da Capitã Marvel, mas eu sei que iremos encontrar eles. Não se preocupe. Agora, todos sabem os seus lugares, preparar para a decolagem. - ordenou, vi Mística assentir e se reunir, Scott voltou para perto de mim com um uniforme em mãos. 

- Seu uniforme. 

- Bem vinda aos X-Men, (Seu nome). 

Depois de pronta, me juntei a equipe e minhas mãos apertavam os braços da minha cadeira. O frio na minha barriga aumentava a medida que decolavamos e a quadra de basquete literalmente se abria, abrindo espaço para as espaçonaves. Quando alinhadas vi as outras entrarem em formação atrás da nossa, então o baque. A força exercida é impressionante, nos faz chacoalhar todos de forma até engraçada, mas enjoativa. 

- Isso não é tão bom quanto eu pensei que fosse. - Noturno comentou, acabei rindo junto dele. Então chegamos ao espaço, o baque passou e é como se estivéssemos flutuando, mas logo olhamos para o lado e vimos a base sendo atacada por pequenas espaçonaves que deduzimos ser dos Skrulls. Então Fera e Mística mudaram a rota, nos levando para a base, já disparando lasers na direção das espaçonaves atacando a base. 

- Preparem-se, vai ser um pouso difícil. - Mística alertou, respirei fundo e a nossa espaçonave fez manobras brucas para desviar dos disparos, enquanto as outras se dividiam e iam em direção as várias dos Skrulls. A nossa espaçonave entrou na base por uma abertura e Noturno pegou o Pietro, os dois desapareceram, surgindo logo do lado de fora, ajudando agentes a enfrentar os seres assustadores que invadiam a base. - Vocês sabem o que fazer, peguem essas coisas. Os outros, mantenham as outras espaçonaves Skrulls longe. 

- Agora! - Fera abriu as portas, tirei o cinto e saí rápida, já criando um escudo com meus poderes, me protegendo dos disparos. Aproveitei a pequena pausa deles para disparar raios neles com uma mão, enquanto com a outra fiz um escudo para proteger os agentes mais a frente. - O oxigênio tá acabando nesse comportamento. 

- Eu vou atrás do meu pai. - falei desfazendo o escudo quando os agentes se reergueram, usando as mãos e os poderes que saiam delas abri caminho, correndo e usando uma mão para criar um escudo, enquanto com a outra jogava para longe os Skrulls. Segui por uma rampa suspensa e disparei várias vezes pequenas mas poderosas concentrações de meus poderes em forma arredondada, como bolas de energia e fumaça avermelhada, até que finalmente cheguei na central e encontrei agentes correndo de um lado para o outro. - Capitã, está me ouvindo? 

- (Seu nome) Stark? Como você veio? 

- X-Men. Qual a última localização que teve das espaçonaves perdidas? - perguntei, no painel surgiu imagens 3D da localização. - O meu pai tá em uma dessas espaçonaves? 

- Infelizmente. Com as coordenadas deve chegar e resgatar eles antes que encontrem uma explosão solar ou algo do tipo. 

- Explosão solar? 

- Eu não sei ao certo, pode ser algo maior. Há uma grande concentração de energia, preciso que ajude os Guardiões da Galáxia. 

- Tudo bem, estou indo. - voltei a correr, acabei parando no caminho para pegar uma dupla de agentes que estavam sendo fortemente atacados. Acabei atraindo a atenção de um grupo de Skrulls e por isso corri e dei um salto, fazendo uma fumaça vermelha sair por minhas mãos e os jogarem para longe. Peguei mais impulso e passei pela abertura com as mãos formando um escudo. Segundo os exames que o meu pai fez eu posso me adaptar a qualquer ambiente, então, não tive dificuldades em respirar no espaço. Ao deixar a base precisei pegar mais impulso e desviar das espaçonaves e disparos. Uma delas me seguiu e eu me virei, usando a magia das minhas mãos para a segurar e jogar contra outra, voltando a seguir para as coordenadas, que me mandaram seguir a esquerda. Passei peko que pareceu a espaçonave do Peter Quill e, avistei uma espaçonave girando desgovernada. Usei meus poderes para tentar a parar, precisei colocar mais força mas consegui a parar e me aproximar, vendo a equipe ser resgatada pelo Noturno. Estava pronta para dar meia volta mas então vi meu pai surgir de outro comportamento, provável estava tentando resolver o problema dos propulsores. Bati no vidro da espaçonave e ele se virou, desfazendo o capacete da armadura surpreso. Fiz um gesto para se afastar e ele o fez, reativando o capacete do escudo e eu coloquei as mãos na minha frente, acumulando o poder que saiam delas e em seguida acertando da espaçonave, quebrando a vidraça e entrando nela, o abracei. - Pai! 

- Você está bem? Eu não falei para ficar?! 

- Eu estava acompanhando e vi que estavam precisando de ajuda. - agarrei sua mão, pegamos impulso e saltamos para fora do destroço da espaçonave, mas então demos de cara com a explosão solar e senti algo né puxar, meu pai tentou me puxar para o lado contrário mas a força me puxava mais e mais, até que vi sua imagem cada vez mais longe, sentindo um calor percorrer meu corpo, aumentando mais e mais, deixando meu corpo em chamas. Soltei um grito com a dor, apertando os olhos e depois os abrindo, vendo tudo a minha volta turvo, em chamas. Então minha respiração foi acelerando, meu corpo adormecendo e meus olhos pesando. E imediatamente pensei na Sarah, a medida que minhas forças estavam indo. 

...

Bruce Barner, Aeroporta-aviões da SHIELD

- O que aconteceu com ela é mais que uma explosão solar. É muita energia, de acordo com o que descobri com os exames está mexendo com a mente dela. - respondi, Tony caminhava de um lado para o outro e eu entendo sua preocupação. 

- Ela vai ficar bem? O que podemos fazer? 

- Eu não sei, o certo é esperar ela acordar mas eu não posso te dizer ao certo o que foi que aconteceu, mas é demais para uma explosão solar e está mexendo com a mente dela, ela está instável. 

- Eu sei exatamente o que está acontecendo. - Stephen entrou na sala, parando perto do vidro e a olhando desacordada. - Bruce está certo em dizer que não foi uma explosão solar. 

- E o que foi? - Tony o perguntou. - Alguém pode me dizer o que-

A Força Fênix é uma das mais antigas conhecidas entidades cósmicas. É uma manifestação imortal, indestrutível e mutável da principal força do universo, a vida. É o nexo de toda a energia psiônica que faz, tem e sempre vai existir em todas as realidades do Omniverso, o guardião da Criação, e um guarda de facto da Cristal M'Kraan. Fênix é um dos seres mais temidos em todo o universo, que tem o poder de cortar e regenerar qualquer parte do universo, bem como destruí-la inteiramente. - explicou, Tony e eu nos entreolhamos. 

- Isso é loucura! - comentei. - Por quê ela escolheria a (Seu nome)? Magia do caos é-

- Ela normalmente escolhe hospedeiros com poderes como os da Jean Grey, mas isso não quer dizer que ela não tenha se interessado pelos poderes dela. A (Seu nome) tem a magia do caos e poderia apagar ela da existência, ou algo do tipo, não sei ao certo, não se sabe muito detalhadamente sobre ela, mas de alguma forma, a magia do caos é uma fraqueza da Fênix, então ela viu a (Seu nome) e seu poder e se instalou. 

- Ela resolveu se unir a sua fraqueza, ficando mais forte. - concluí. - Isso é incrível! 

- E como podemos tirar isso dela? 

- Ela pode sair por conta, mas não tenho certeza de como a tirar. Ela é imortal, é a força fênix! - Stephen exclamou. - Ela precisa ficar em custódia nível três, é instável demais e até conseguir uma forma de a tirar todo esse poder, vai ser melhor a manter por aqui. 

- Ela está acordando. - Tony passou por nós entrando no quarto, o acompanhei e vi Stephen vim mais atrás. - Filha, você está bem? - a ajudou a sentar na cama, ela piscava os olhos confusa, atordoada. 

- Do que você se lembra? - perguntei, ela ficou em silêncio, com as mais na cabeça, fazendo uma careta. - Você está sentindo alguma coisa? 

- Sai da minha cabeça, sai da minha cabeça! - vi os poderes saírem de suas mãos, puxei Tony para trás e Stephen entrou em nossa frente, fazendo um gesto com as mãos e ativando seu escudo mandala. - Sai da minha cabeça, sai da- 

- Filha, calma. - Tony a pediu, ela ergueu a cabeça nos olhando e seus olhos estavam em chamas. Não tivemos tempo de agir e ela levantou, caminhando em nossa direção. 

- Nós somos seus amigos, ele é o seu pai. - apontei para o Tony, ela parou. - Nós só estamos querendo ajudar você. 

- Me ajudar? - riu. - Eu estou ótima!


Notas Finais


Eita! Kkk
Aaaaa eu tinha que fazer isso! Kkkk
Espero que tenham gostado e estejam preparados para muita treta e... E de tudo um pouco!
Muito obrigada e até breve ❤️


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...