1. Spirit Fanfics >
  2. Stars >
  3. Stars

História Stars - Capítulo 1


Escrita por:


Capítulo 1 - Stars


Caminhava por um belo bosque ensolarado, a luz tocando sua pele alva e o vento soprando seus cabelos esverdeados sob seu chapéu e suas vestes brancas, observando tudo a sua volta, as flores com cores diversificadas, as árvores com suas copas quase inalcançáveis, os animais correndo livres cheios de vida, sim, era isso que ele adimirava, a vida correndo por sua volta, tudo aquilo que ele mesmo havia criado e tudo que ele era, pois sim, Min Yoongi era a própria vida, e havia doado de si mesmo para tudo aquilo que estava ao seu redor. Estava feliz, até notar algo encantador bem próximo de onde estava, uma corça prestes a dar a luz, e era isso que mais o encantava, o fato de a vida que ele oferecia poder gerar ainda mais vida. Observava a cena um pouco afastado mesmo que os animais não se sentissem ameaçados por si ainda preferia manter-se longe. Sentiu-se em extase quando aquele pequeno ser finalmente veio ao mundo, logo sendo seguido por outro, dois filhotinhos nasceram, Yoongi mantinha seus olhos brilhantes atentos a cada movimento dos pequenos filhotes ativos, porém um deles não havia levantado ainda e estava com certa dificuldade para tal ato, decidindo intervir ele se aproxima mais dos animais, ajoelha-se perto do rescem nascido, o impulsionando e encorajando a levantar, mas de nada adianta, não possuia força em suas pernas, o que entristece Yoongi, porém ao notar uma aproximação sua tristeza desaparece, se transformando em ódio, pois um ser tomado de uma aura obscura adentrou na pequena clareira.

Yoongi detestava aquele ser, pois para ele aquela criatura não trazia nada de bom a ninguém, sempre caminhando por ai com suas vestimentas negras contrastando com o cabelo e olhos vermelhos como fogo,a pele levemente acobreada e é claro, a indispensável foice, aquilo para o Min tinha apenas um único significado: Destruição. Eram opostos totalmente, e o mais velho apenas odiava aquilo, ele só queria ver a beleza do mundo crescer, por que o outro não dispunha da mesma vontade? Por que destruia tudo o que ele criava? Era fato, Yoongi odiava a morte que Jung Hoseok trazia consigo.

Viu o ruivo abaixar-se próximo ao pequeno cervo que acabara de nascer, como se não o notasse ali, iria pôr uma das mãos por sobre a cabeça do animalzinho, mas num impulso rápido o Min reagiu, o impedindo de ralizar o ato.

-Por favor, não vamos repetir esta cena novamente, sim? Estou apenas fazendo meu trabalho. - Disse o Jung sem qualquer emoção em sua face.

-Mas não pode leva-lo, ele acabou de nascer, isto não é certo! - gritava o Min, incrédulo, não podia aceitar tamanha barbárie.

-Não é questão de certo ou errado, veja, ele não pode se levantar, irá morrer de qualquer forma, estou apenas evitando que seu sofrimento se estenda. - respondeu o ruivo.

-Como pode fazer algo tão terrível? Por que sempre destrói tudo que mais amo? - Yoongi lhe gritou, lágrimas escorrendo por suas bochechas coradas pela raiva, afastando-se dali as pressas.

Hoseok apenas suspirou, cansado, era sempre a mesma história, sempre a mesma conversa, Yoongi não entendia como realmente funcionavam as coisas, apesar de ser algumas décadas mais velho que si, ainda era um tanto ingênuo, algo que o Jung adimirava de certa forma. Focou-se em terminar seu trabalho, tocou a cabeça do pequeno animal, acariciando-a, logo vendo seus olhos se fecharem e a vida esvair-se de seu corpo, não era algo que apreciasse de fato, mas era algo necessário, um papel que alguém deveria cumprir, e esse alguém era ele. Logo pode ver a alma do cervo deixar o corpo físico, tratou de ceifa-la com sua “arma”, onde esta ficaria até que seu próximo destino fosse decidido, e assim seguiu, ainda teria muito mais trabalho a fazer.

Yoongi, após sair apressadamente da clareira, agora observava o mundo humano, era um tanto bagunçado mas aquilo indicava a presença de vida ali, e qual o melhor local para Yoongi estar que não ali, decidiu ir a um hospital próximo, mais precisamente a ala da maternidade, ouvir os choros dos bebês lhe trazia alegria, afinal era um sinal de que estavam bem e saudáveis, Hoseok não teria motivos para ir aquele local, o que o animou, ou era o que pensava ate notar a presença do ser sombrio numa sala de parto, ‘Oh não, ele ira matar outro bebê!’, foi o que Yoongi pensou, logo correndo para tentar impedi-lo.

-Você gosta mesmo de acabar com a vida não é mesmo? - chegou esbravejando

-Como?- Hoseok o questiona, desentendido

-Sempre que um novo ser nasce você esta lá com uma desculpa para mata-lo, não se cansa de acabar com tudo o que crio? O que eu te fiz afinal? -questionava sem dar tempo ao mais novo para responde-lo adequadamente .

-Você realmente não sabe do que acontece a sua volta ou só é burro mesmo? - disse Hoseok já sem paciência para aturar outro sermão sem sentido de Yoongi.

-O que disse?!- perguntou Yoongi sentindo-se ofendido.

-Não tenho tempo a perder com suas infantilidades, tenho trabalho a fazer. - Disse-lhe, empurrando o menor para que este saisse de seu caminho, para poder enfim terminar seu trabalho naquele local

Yoongi, determinado a continuar aquela discussão o seguiu, e após entrar naquela sala tudo o que viu foi a mão de Hoseok repousando sobre a cabeça da mulher cujas cores do corpo ja haviam se esvaido, logo seguido por um movimento calculado da foice recolhendo a alma.

-Não acredito que fez isso. Aquela criança crescerá sem mãe. Como pôde? - Yoongi estava em choque, nunca havia ficado o bastante para presenciar Hoseok ceifando uma alma.

-Quantas vezes terei de lhe dizer que apenas sigo as regras? - disse Hoseok simplório, passando por Yoongi que se encontrava estático, deixando o local.

Yoongi chorava pesadamente, era isto afinal? Passaria o resto da eternidade criando suas “artes” para alguém vir e simplesmente destrui-las? Não! As coisas não poderiam ser assim, tiraria tudo a limpo de uma vez por todas.

Andou apressadamente em busca de Hoseok, não podia deixar as coisas como estavam, seu coração não aguentava mais tanta dor. Quando finalmente o encontrou já era noite, o mesmo estava em um campo aberto, olhando para o céu, aproximou-se já formando um bico emburrado em seus lábios, mas parou não muito longe do ruivo, pois notou que o mesmo sorria, era algo completamente novo para o esverdeado, jamais havia o visto sorrir daquela forma, até acreditava ser impossível. Ficou analizando a cena por um tempo, o que o fez notar o quão belas as feições do mais novo eram, ou o quanto seu sorriso era contagiante, pois já se pegava sorrindo também, ao constatar isso balançou a cabeça para espantar tais pensamentos e seguiu com seu objetivo.

-Enfim te achei.- disse num tom ríspido.

-Oh não. Por que não me deixa em paz Yoongi? Será que não posso ter sossego?- disse num tom cansado.

-Pensasse nisso antes de sair por ai destruindo minhas obras, que tive tanto trabalho para eternizar. - disse o menor, revoltado.

-Esta é uma bela mentira que está contando não acha?-disse Hoseok num tom piadista.

-O que disse?- disse Yoongi chocado com a pergunta.

-Você realmente não sabe de nada Yoongi? Do ciclo que o próprio universo criou para te entreter? - perguntou Hoseok realmente intrigado, notando a face surpresa de Yoongi.- Oh, agora eu vejo, realmente não tem conhecimento não é verdade.- disse de forma mais amigavél.

-O que há para saber? Me conte. - disse Yoongi curioso, já sentando-se ao lado do maior, o olhando com dúvida.

-Não acredito que depois de eras estamos aqui tendo essa conversa. - riu Hoseok sem ânimo. - Yoongi, eu não destruo suas criações, eu não tiro a vida delas, eu não mato.

Aquilo foi um tanto chocante para Yoongi, afinal era claramente ele que levava suas criações daquele plano.

-Como pode dizer que não? Eu acabei de ver você o fazer. - disse-lhe.

-Yoongi, você diz que suas obras são eternas, porém elas não são. O universo viu sua capacidade de criação e viu o quão longe você estava indo, e isso era ótimo, era lindo, porém não havia espaço para tudo aquilo que você criava, então ele estipulou um tempo para toda a vida que você dava, onde depois de termino daquele tempo, as suas obras deixariam de existir, e a mim foi entrege o dever de recolher a vida restante que havia se tornado alma para que esta não ficasse perdida por ai, eu nunca matei, jamais gostei de ver o resto de vida escorrer por meus dedos, porém é necessário.

Aquela notícia atingiu o menor como um raio, Yoongi estava perplexo com tanta informação importante que lhe foi escondida, o universo sempre elogiou suas criações, jamais mostrou algum indício de que as mesmas eram um problema, portanto nunca imaginou que este estaria envolvido diretamente com o que acontecia com elas. Logo notou o quão injusto foi com o Jung, em quantas vezes o xingou e o desprezou, sendo que o mesmo estava apenas o ajudando a ter mais espaço para criar, sentiu-se culpado por tudo, e em meio a estes pensamentos começou a rir, ria de forma alta o que deixou o Jung confuso, porém logo as lágrimas se fizeram presente, o levando a um choro desenfreado e sofrido. Hoseok, não suportando a cena, o trouxe para seu peito, o abraçando, como se tentasse eliminar o peso da culpa de seus ombros.

-Perdão, por favor me perdoa. - pedia em meio ao choro.

-Não ha nada para perdoar, você não sabia a verdade, é de certa forma normal que tenha buscado alguém para descontar sua ira.-disse o ruivo soltando um pequeno sorriso.

-Nesse caso eu só tenho a agradecer, afinal você só esta me ajudando. - disse o Min mais calmo, mas ainda abraçado a Hoseok.

-Não é necessário, de qualquer forma eu ainda estarei levando suas criações embora, você esta bem com isso? - abaixou levemente o olhar para observar o menor aconchegado em seu peito.

-Eu não diria bem, mas é uma triste verdade que terei de aceitar, obrigado por me contar, queria ter tido conhecimento disso desde o princípio, assim não teria reclamado tanto com você. - disse formando um bico triste em seus lábios rosados, com uma lágrima teimosa rolando por seu rosto, que logo foi capturada pelos dedos de Hoseok.

-Não era um problema no príncipio de tudo, mas quando viu-se que o que você criava era capaz de se multiplicar, esta foi a única solução cabível. Mas agora que tudo já está esclarecido podemos ser amigos não é?-Disse Hoseok, tranquilizando Yoongi.

-Sim, podemos. - disse o menor com um enorme sorriso em seu rosto e abraçando mais Hoseok, dessa vez de forma alegre, sendo igualmente retribuido.

Os dois ficaram ali por um tempo, apenas apreciando a companhia um do outro e as sensações que aquele contato trazia a ambos. Yoongi logo notou que Hoseok olhava alegremente para o céu, não podendo deixar de apreciar o lindo sorriso que se instalou em seu rosto novamente.

-Por que olha tanto para o céu? - perguntou o menor.

-Não o céu exatamente, mas sim as estrelas. Eu gosto de admira-las, sua luz é algo belo, você não acha? - disse o Jung, devolvendo a pergunta ao menor em seus braços.

-Acho que estive focado demais em minhas criações e em te manter longe delas. - disse em tom divertindo, fazendo o maior rir. - Nunca parei para olha-las com tamanha atenção, elas apenas estão lá.

-Espere um segundo, também não sabe como nascem as estrelas? - disse o Jung em tom de espanto.

-Não. - disse o menor, com o rosto corado pelo constrangimento de sua resposta.

-E o que acha que acontece com as almas que eu ceifo? - disse o ruivo, divertindo-se ao ver a face rosada de Yoongi. - Todas as almas são resquicios de vida, a vida que você proporciona a todos os seres, minha foice é como uma caixa que as mantém sempre fortes e brilhantes e quando é chegado o momento certo, o próprio universo se encarrega de busca-las, as transformando em estrelas no céu. Antes ele mesmo as ceifava, mas depois que nasci ele apenas as busca para molda-las.

-Oh, eu não fazia ideia. Sempre negligênciei seu trabalho e até sua existência, nunca reparei que o que fazia era tão belo assim. - disse Yoongi um tanto triste.

-Esta tudo bem, você não tinha como saber afinal, apesar de ser mais velho que eu você não aparenta ter mais que alguns séculos de tão inocente. - Disse o ceifador, gargalhando logo em seguida.

-Ei, me respeite. - disse o menor, dando leves tapas no outro.

Ficaram ali apenas rindo e observando a beleza do céu noturno, vez ou outra trocavam algumas carícias.

-Sabe, eu me lembro quando o universo me disse que criaria outro como eu, eu fiquei extremamente feliz, teria alguém para conversar e compartilhar minhas artes, eu só tinha alguns séculos de existência, e ai você apareceu, era fofa a forma como parecia perdido, tentando entender seu propósito. - disse o esverdeado, rindo de forma nostálgica. - mas antes que pudessemos conversar verdadeiramente, você já estava em posse da foice, de cara não entendia o que era aquele objeto, apesar de já ter visto o universo a carregando, mas ao vê-lo fiquei temeroso do motivo, afinal nunca vi o universo a usar, mas quando descobri sua real utilidade enquanto você a empunhava, só consegui sentir tristeza e raiva então me afastei, agora me arrependo muito daquela decisão, eu o julguei mal.

-Não há necessidade de arrependimentos, somos amigos agora não é? -perguntou o ruivo sorridente.

-Sim, somos. - respondeu o esverdeado, que animado não resitiu de beijar a bochecha do outro, fazendo ambos ruborizarem.

-E-eu não esperava por isso. - admitiu o maior.

-É minha forma de agradeçer, por ter aceitado minhas desculpas, me ensinado mais sobre tudo, e por aceitar ser meu amigo. - disse o mais velho.

E enquanto Yoongi falava, a mente de Hoseok vagava pelas feições do mais baixo, tão delicadas e belas, a pele pálida aparentando maciez, os olhos sepre exibindo um enorme brilho, seu sorriso gengival esbanjando alegria, seus lábios rosados onde o ruivo fixou o olhar, lembrando dos momentos onde imaginou beija-los, coisa que acontecia constantemente, já que estava sempre adimirando o mais baixo, assim não resistindo ao impulso de sanar sua curiosidade de saber o quão macios os lábios de Yoongi eram, assim o beijando.

Yoongi foi pego de surpresa, tendo os lábios de Hoseok junto aos seus, de início não soube o que fazer, mas logo decidindo retribuir, o que começou como um selinho agora se tornava um beijo intenso, repleto de sentimentos, ambos estavam satisfeitos assim, tanto que ao se separarem não resistiram em sorrir um para o outro.

-Por que? - perguntou o esverdeado, ainda sorrindo.

-Apenas, achei certo. - respondeu o ruivo.

Dessa forma a vida voltou a se aconchegar nos braços da morte, enquanto ambos olhavam para o céu e as estrelas, estas que eram testemunha daquele amor que estava surgindo, junto ao tão vasto universo, que assistia a tudo com grande alegria.


Notas Finais


Espero que gostem.
Beijos queijinhos, ate a proxima.


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...