História Start of Time - Capítulo 13


Escrita por:

Postado
Categorias Supergirl
Personagens Alex Danvers, Eliza Danvers, Kara Zor-El (Supergirl), Lena Luthor, Winslow "Winn" Schott Jr.
Tags Karlena, Supercorp, Supergirl
Visualizações 99
Palavras 2.539
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Drama (Tragédia), FemmeSlash, Fluffy, Romance e Novela, Universo Alternativo, Yuri (Lésbica)
Avisos: Álcool, Homossexualidade, Nudez, Sexo, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Capítulo 13 - Capítulo 13


Seu aniversário havia chegado. E diferente das outras vezes, não ficou agonizando dia após dia. Não sentiu a angústia incômoda que todo ano assolava seu coração. Sim, lembrou-se de seus pais biológicos. Sentiu falta deles. Na verdade, sentia falta deles sempre, mas o sentimento estava diferente. Era saudade. Sentir falta de algo bom que se teve e que infelizmente não poderá mais se ter. Sentir saudade entendendo que nada dura para sempre e que a morte é um ciclo da vida.

Kara estava se sentindo feliz. Era a primeira vez que se sentia feliz em seu aniversário. Quando acordou pela manhã e viu o berço no canto do quarto e a morena que dormia enroscada ao seu corpo, sentiu-se feliz e sortuda.

Não havia dito a Lena sobre seu aniversário apesar de ter contado sobre seus pais. Preferiu continuar com seu sigilo, deixar que aquele dia fosse igual a outro qualquer ao lado de Lena: doce.

Sem saber o que a esperava, Kara foi trabalhar normalmente. Recebeu um simples “feliz aniversário” do melhor amigo e James fingiu que não se lembrou da data, o que a deixou um tantinho incomodada, mas preferiu não dizer nada.

Ao longo do dia a loirinha ficou pensativa e se sentiu arrependida por não ter dito nada a Lena sobre seu aniversário. Seria bom receber um abraço de parabéns da morena. Com o humor que estava, poderia até mesmo fazer uma pequena comemoração na companhia de seus amigos e Alex. Mas agora já era tarde...

Trabalhou normalmente até o fim do dia. Trocou-se no vestiário e quando estava saindo foi abordada por sua irmã que ainda não havia lhe telefonado. Alex a abraçou, cumprimentando-a e inventou uma desculpa para ir com Kara até em casa. Disse que queria ver Benjamin e a loirinha nem desconfiou dos planos da irmã.

Quando chegaram, Kara achou que o apartamento estava silencioso demais, pois geralmente ainda do corredor podia ouvir Lena “conversando” com Benjamin, que respondia com grunhidos e risadas. Quando abriu a porta a luz que estava até então apagada se acendeu e num coro todas as pessoas gritaram:

— Surpresa!!!

O queixo da policial caiu. Girou seus olhos ao redor e lá estava James, Winn, Maggie, sua mãe de criação Eliza, Lena, o pequeno Benjamin em seu carrinho. A mesa estava lotada de salgadinhos e docinhos, havia balões vermelhos e azuis espalhados pelo apartamento e um cartas enorme escrito: “feliz aniversário, minha super-heroína” que a loira concluiu ter sido confeccionado por Lena.

Olhou para cada uma daquelas pessoas que amava e sorriu largamente, sentindo uma alegria inenarrável. Mas seus olhos se fixaram na figura da morena de olhos verdes, que olhava daquela maneira única para Kara.

— O que é isso? — Kara perguntou meio bestificada, olhando para a irmã ao seu lado.

— Achou mesmo que deixaríamos em branco seu aniversário novamente? — a ruiva disse.

— Não é todo dia que se fazem trinta anos, meu amor — Eliza se aproximou e abraçou Kara carinhosamente. — Parabéns!

— Obrigada, mãe! — a loirinha a abraçou de volta e depois que a soltou, foi Barry quem se aproximou. — Como você chegou aqui antes do que eu? — perguntou meio confusa e o amigo riu.

— Eu sou o cara mais rápido dessa cidade — brincou antes de abraça-la e cumprimenta-la novamente. — Parabéns, Kara.

Um a um, todos a cumprimentaram, Lena ficando por último, observando de canto com um sorriso doce a alegria da policial ao compartilhar aquele momento especial com seus amigos e familiares.

— Foi ideia dela — Alex dedurou, apontando com o queixo para Lena.

Kara sorriu ainda mais, se aproximando devagar de Lena.

— Foi ideia sua mesmo? — perguntou bestificada.

— Alex me contou do seu aniversário semana passada e mesmo com medo que você não gostasse, eu quis fazer uma surpresa — disse baixinho com um sorriso.

— Eu adorei! Obrigada, Lena! — inesperadamente a loira puxou Lena para um abraço tenro, não se importando que estivessem em público.

Lena pôs os braços ao redor da policial e a apertou.

— Feliz aniversário, minha super-heroína — sussurrou em seu ouvido, fazendo Kara sorrir.

A festa saiu melhor que a encomenda. Kara simplesmente atacou tudo o que tinha para comer e se divertiu ao lado de seus amigos. Todos conversavam animadamente e riam. Em um dado momento, Kara ficou de canto com Alex para pegar mais bebida na geladeira e observou que Eliza estava conversando toda entrosada com Lena Luthor.

— Será que mamãe vai gostar de Lena? — Kara falou sussurrando para a irmã.

— E tem alguém que não gosta? — a ruiva perguntou, dando de ombros e pegando outra cerveja. — É impossível não gostar.

— Eu bem sei disso... — seu olhar estava fixado na morena que de vez em quando também lhe olhava, mas disfarçadamente para que Eliza não percebesse, o que era inútil, pois mãe sempre percebiam essas coisas.

— E em que pé está à relação de vocês? — a irmã quis saber, toda curiosa.

— Hm... Num pé maravilhoso... — não encontrava definição melhor e Alex gargalhou.

— Ok. Vou perguntar isso de novo daqui alguns meses, pois vocês duas são lerdas demais.

***

Quando chegou na hora de cantar os parabéns, Kara parecia uma criança de tão empolgada. Ela se posicionou atrás da mesa para assoprar as velinhas do enorme bolo de chocolate. Assoprou com força e fez um pedido de olhos fechados: que Lena e Benjamin nunca saíssem de sua vida.

— E para quem vai ser o primeiro pedaço? — Winn perguntou, praticamente babando em cima do bolo delicioso que Lena havia encomendado na padaria da esquina.

— O primeiro pedaço... — Kara sorriu enquanto cortava o bolo e servia um pedaço em um pratinho. — Vai para uma pessoa muito especial — disse, deixando todos em expectativa, pois de certa forma todos que estavam ali eram especiais para a policial. — Uma pessoa muito querida, amorosa, divertida, cheia de luz... Uma pessoa que me alcançou com sua luz — Kara ficava desviando o olhar para pessoas diferentes, não querendo dar muito na cara, mas era impossível, pois quando olhava para Lena, seus olhos azuis brilhavam. — O primeiro pedaço vai para você, Lena, que me presenteou com sua amizade, com sua confiança e com Benjamin. Vocês são os meus grandes presentes esse ano! — seus olhos estavam umedecidos de emoção e os de Lena também.

A morena não esperava ganhar o primeiro pedaço. Ficou extremamente emocionada com o gesto. Ela se aproximou da mesa e quando foi pegar o bolo, suas mãos tocaram as de Kara.

— Obrigada — os lábios da morena se moveram lentamente para dizer aquela palavra.

Alex e Maggie se entreolharam e entrelaçaram seus dedos, contagiadas pela demonstração de amor de Kara para com Lena.

Eliza apenas observava tudo atentamente, já pescando o que acontecia.

Ben grunhiu alto de seu carrinho, chamando a atenção de todos. Kara depressa correu até ele, erguendo-o no alto.

— Você quer participar da festa também, Ben? Está se sentindo sozinho aí, não é? Vem cá...

Ela o ajeitou de um lado do quadril e todos ficaram em cima dela querendo contemplar a beleza do pequenino, que encantava a todos com seu sorriso.

— Ele é uma gracinha — Winn disse.

— Tão bonitinho! Dá vontade de morder! — Maggie imitou voz de criança.

— Quanto tempo ele tem? — Eliza perguntou. — É tão grande.

— Vai completar quatro meses daqui dois dias — Lena disse, pegando em uma das mãozinhas dele e trocando sorrisos com Kara. — Ele mama muito, logo vai virar uma bolinha...

— A bolinha mais linda desse mundo! — Kara desse com orgulho, dando um beijinho na testa do garoto que sorriu sem dentes e deixou um pouco de sua baba cair nela. — Meu babão... — ela não se importou e encheu o rostinho dele de beijos.

***

Já era um pouco tarde quando a festa encerrou. Um a um, todos foram indo embora. Eliza se despediu de Lena com um abraço caloroso que as irmãs Danvers repararam com expectativa.

— Foi um prazer conhecê-la, Lena. Espero que nos vejamos em breve! — a Dra disse.

— O prazer foi todo meu, senhora Danvers.

— Eliza — a corrigiu com um sorriso.

— Eliza!

— Acho que a sua pergunta foi respondida — Alex sussurrou para a irmã antes de abraça-la para se despedir. — Parabéns de novo, maninha. Boa noite e juízo, hein — brincou, fazendo a loira sorrir.

— Obrigada e boa noite. Tchau, mãe! Tchau, Maggie! — beijou a cunhada e deu um abraço curto na mãe e fechou a porta após elas saírem.

— Sua mãe é uma mulher incrível — Lena comentou imediatamente, andando com Benjamin nos braços. O bebezinho estava elétrico aquela noite. — Eu gostei muito dela.

— A recíproca é verdadeira e olha que Dra. Eliza não é de gostar de qualquer pessoa, viu — comentou com um sorriso, aproximando-se de Lena. — Obrigada mais uma vez por essa festa. Eu não esperava.

— Você gostou? — a morena quis saber.

— Muito! Eu amei, principalmente as comidas!

Lena riu do comentário e Ben balançou a mãozinha na direção de Kara enquanto grunhia.

— Uh, uh, uh.

— O que foi, meu amor? — Kara esticou as mãos para ele, pegando-o delicadamente.

— Ele está com ciúme porque essa noite você foi muito paparicada — a morena falou em tom brincalhão, observando os dois.

— Tá com ciúmes de mim, rapazinho? Pois você não precisa ter — falava com uma voz infantil, roçando o nariz na barriga dele, mantendo-o no alto. — Não tem ninguém que eu goste tanto nesse mundo quanto você, pequenino — o menino sorriu do alto para ela, balançando as mãozinhas com empolgação.

Os olhos verdes brilhavam diante a cena. Lena não conseguia deixar de se derreter toda vez que via a forma como Kara tratava Benjamin. Ela realmente parecia ser a outra mãe dele. Estava sendo. E Lena esperava que ela continuasse, pois a cada dia sentia como se eles fossem uma família. A família que Luthor nunca havia tido.

— Tive uma ideia! — Kara falou de repente, abaixando Benjamin e segurando-o com um braço enquanto ia em direção ao carrinho e pegava a chupeta dele.

— Que ideia? — Lena a seguiu curiosa e com certo receio, pois sabia que às vezes a loirinha tinha ideias extravagantes.

Kara pegou a chupeta do pequeno e a passou pela cobertura do bolo, melecando-a e depois colocou na boca de Benjamin, que chupou com vontade, se deliciando pela primeira vez com o gosto do chocolate.

— É gostoso, né Ben? O coitado não deve aguentar mais só tomar leite...

— Mas o meu leite tem tudo que ele precisa — argumentou. — Outros alimentos tem que ser introduzidos aos poucos a partir mais ou menos dos quatro meses, Kara — explicou carinhosamente. — Mas eu acho que Ben gostou do chocolate... — falou com um sorriso ao ver como o filho sugava a chupeta e logo a tirava da boca, mostrando que não havia mais nada do chocolate.

— Vamos dormir com ele essa noite? — Kara sugeriu com empolgação.

— Você diz com ele na cama no meio da gente? — a loirinha assentiu toda empolgada. — Vamos! — Lena também se animou com a ideia. — Ele está tão gostosinho... Olha essas dobrinhas nos bracinhos — comentou, pegando um bracinho e dando uma leve mordida que fez o menino resmungar. — Tá tão gostosinho o meu neném!

Naquela noite os três dormiram na mesma cama.

***

Na manhã seguinte Lena acordou cedo e cuidadosamente ajeitou os travesseiros do seu lado da cama para que Ben não corresse o risco de rolar e cair. Deixou o filho e Kara dormindo e foi até a sala onde trocou mensagens com Alex. Poucos minutos depois, a ruiva apareceu na porta do apartamento.

— Você trouxe o que nós combinamos? — a morena perguntou baixinho ao abrir a porta e Alex não respondeu com palavras, apenas trouxe as mãos para frente entregando a Lena o “pacote”.

— Agora eu tenho que ir para o hospital... Depois eu ligo pra saber da reação da Kara — falou, dando um rápido beijo de comadre em Lena antes de sair.

Lena sorriu e colocou o presente que havia escolhido para Kara no chão. Minutos depois, ouviu a voz da loira lhe chamando.

— Estou aqui na sala — respondeu Lena.

Uma Kara sonolenta se levantou, pegou Benjamin e o colocou em seu berço antes de ir para a sala.

— Lena, você já lev-

Não terminou de falar, sendo surpreendida por um cachorrinho peludo em seus pés. Sentiu as lambidas e olhou para baixo, arregalando os olhos de surpresa ao ver o filhotinho de labrador com um lacinho vermelho no pescoço.

— Oh meu Deus! Lena! O que é isso?

A morena estava sentada no sofá apenas observando.

Kara se abaixou depressa e o cãozinho pulava nela, lhe enchendo de lambidas e balançando o rabinho.

— É o seu presente — Lena disse.

— Ah! Que coisinha mais linda! — Kara pegou o cãozinho nos braços e o apertou totalmente feliz com aquele presente. Olhou para Lena com os olhos brilhando. — Que presente mais lindo, Lena! Eu amo cachorros!

— Fico feliz que você tenha gostado, meu bem.

Kara soltou o cãozinho no chão e o deixou ir conhecer a casa.

Olhando fixamente para os olhos verdes, Kara se aproximou e parou na frente do sofá, estendendo as mãos para ela, que a olhou sem entender, mas pegou nas mãos da loira e se levantou.

— Me deixa agradecer como você merece.

Lena não teve tempo de pensar. Kara pegou em sua nuca e em sua cintura, acertando em cheio os lábios da morena com os seus, beijando-a com bastante vontade.

A cada dia o desejo entre elas aumentava junto com outros sentimentos. Lena não conseguia tirar Kara da cabeça. Enquanto a loira estava fora trabalhando, Lena só conseguia pensar em olhos azuis e um sorriso de bebê que não era do Benjamin. A mesma coisa acontecia com Danvers. Kara passava o dia suspirando enquanto pensava nos olhos verdes...

O beijo era voraz. As línguas se enroscavam com vontade. Lena puxou a blusa flanelada do pijama, tocando o corpo forte da loira, que suspirou dentro da boca dela, arrepiando-se toda.

Kara se surpreendeu quando Lena a empurrou no sofá e caiu sobre ela, mas não ousou contestar ou interromper, só se deixou levar, pois também estava cheia de vontade de se pegar gostoso com sua morena.

Com os corpos colados, as duas sentiam seus corpos esquentarem por baixo dos tecidos. Kara segurava nos cabelos escuros enquanto chupava bem gostoso a língua da mãe de Benjamin, que agora deslizava as mãos livremente pelo corpo da loira, apertando cada canto que conseguia alcançar como se estivesse faminta.

— Vou começar a te presentear sempre — Lena disse ofegante, em tom brincalhão.

A loira sorriu abertamente, exibindo seus dentes. Seus braços envoltos ao pescoço de Luthor. Kara enrugou o nariz e o esfregou no de Lena.

— Você e Ben são meus maiores presentes — sussurrou. — Eu não preciso de mais nada.

— Você fala essas coisas só pra me seduzir, não é? — mordeu levemente o queixo de Kara, olhando-a como se estivesse diante de uma verdadeira tentação. — Vai ter uma hora que vou acabar não te resistindo, Danvers — ameaçou com malícia, fazendo a loira rir.

— É essa a intenção — devolveu a brincadeira, beijando de novo e de novo os lábios de Lena, apertando-a em seus braços contra seu corpo. — Te seduzir ao ponto de você não resistir e também de nunca ir embora.

Lena parou de beijá-la apenas para encarar seus olhos azuis antes de prometer:

— Eu nunca vou embora da sua vida, Kara Danvers. A menos que você queira.

A loira sorriu abertamente.

— Você nunca irá embora, então.



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...