1. Spirit Fanfics >
  2. Stay Now >
  3. Alguém, né?

História Stay Now - Capítulo 20


Escrita por:


Notas do Autor


Alguém voltou, né? Hehe. Saaaaaaaaaudaaaaaaaadeeeeeee
To muito, muuuuuuito feliz quando soube dos CEM, *100* A HUNDRED FAVORITOS. ah, e 20 capítulos, CHEGAMOS NOS 20. Muito obrigada a TODOS que favoritam, comentam, até aos fantasminhas. Amo muito todo mundo <3 <3 <3 <3
Boa leitura, meus babys. Let's go farm!!

Capítulo 20 - Alguém, né?


Hoje eu tô soltando glíter, muito glíter! Glíter rosa, verde, azul, vermelho, dourado! Ai, dourado é lindo, eu amo dourado, super combina comigo.

Ah, sim, eu estou muito feliz! Ficamos de férias há alguns dias, decidimos todos os detalhes do projeto, temos a parceria do pet shop e também a licença bacana diretamente da prefeitura, e Castiel tem contatos, encontramos uma casa pra alugar com um tamanho razoável aqui no bairro. Como os bonitos tem dinheiro, fizeram uma vaquinha e alugamos o lugar, depois vamos fazer uma limpeza e tals. E por último, nesse fim de semana vamos pra fazenda.

Agora as meninas, Alexy e eu estamos no meu quarto. Eles mexendo nas minhas coisas e eu dobrando e guardando roupas na mochila que irei levar. Nós tínhamos ido mais cedo numas lojas e no supermercado comprar algumas coisas e viemos pra cá. Novidade? Nenhuma.

- Ainda bem que compramos calcinhas pra você hoje. – Rosa disse jogando um short em mim, que eu dobrei e guardei também. – Você tem umas roupas legais, porque não usa?

- Zero vontade.

Raparei que meu celular vibrou, peguei vendo pela barra de notificação que era uma mensagem do Nathaniel, sorri involuntariamente, respondendo o meme que ele havia mandado. Deixei o aparelho em cima da cama e me virei pro pessoal com uma blusa na mão.

- Gente, o... – Franzi o cenho, interrompendo minha pergunta – Que foi? – eles tinham umas carinhas maliciosas.

- Preciso inventar um shipp pra esse casal. – Alexy diz, as outras duas concordam.

- Que chip? Vocês compraram chips e não deram um pacote pra mim?

Alexy revira os olhos.

- Amiga, você é burra ou se faz? – fiz bico – Eu disse shipp. Casal. I'm shipper.

- Desde quando?

- Desde quando eu shippo os casais certos.

- Ari e Castiel, Rosa e Leigh? Também shippo. – Sorri.

- Muito trouxa mesmo. – Rosa balança a cabeça. Ariana começa a rir.

- Gabe, você e o Nathaniel.

- Ah... Nada a ver. – virei novamente pra fingir arrumar minhas coisas, mas na verdade foi pra eles não verem que fiquei sem graça.

- Nathiella é legal?

- Eu gostei! – Mamãe gritou passando no corredor.

- Se a tia gostou, pronto. É esse. – Alexy bateu palmas, dando pulinhos.

- Tá, mas por que isso do nada?

- Porque você tava falando com ele agorinha mesmo. – Ari fala vindo se sentar na minha cama, me olhando e sorrindo fofa.

- Como vocês sabem?

- Você sorriu igual idiota.

Faz sentido.

- Pensei que vocês tinham vindo me ajudar, não ficar falando do Nath.

- Assim, a nível de informação, não viemos te ajudar, viemos perturbar sua vida mesmo. – Rosalya diz como se fosse óbvio.

- E comer a comida da sua mãe. – Alexy completa.

- Também amo vocês. – Bufei deixando minhas roupas lado e me jogando em cima de Ari. – Me helpa, Ari.

- Que? – ela pergunta, sussurrando.

- Hein?

- Ajudar com que?

- Com as roupas. – Ela estreita os olhos, desconfiada.

- Só se alguém me ajudar com as minhas. – Me ajeito na cama, com a cabeça apoiada em seu colo.

- Alguém, né?

- É, alguém. – Ela riu. – Depois conversamos.

É maravilhoso e ao mesmo tempo um cu ter uma melhor amiga que sabe ler as suas entrelinhas.

Meus amigos foram embora pela tarde, depois de almoçarem e me ajudarem em nada. Mais tarde, umas sete da noite, Ariana ligou pra mim, digo, foi uma chamada de vídeo em grupo, pra dar uma nova notícia. Ela e Castiel pararam com o cu doce e estão namorando, depois dos surtos da Rosalya e do Alexy, ela nos explicou como foi: ele a chamou pra sair, eles andaram por aí e ele fez o pedido de namoro no parque, debaixo de uma árvore e depois eles foram se juntar ao Dragon – cachorro do Castiel – que estava perturbando Ari pra brincar com ele. Bem, alguém duvidava desses dois? Eu nunca.

Logo depois a chamada de vídeo foi apenas comigo, onde Ariana me intimou a contar o que estava acontecendo comigo e tinha que ser por vídeo porque ela queira ver minhas expressões. Mereço? Claro que sim.

 

[...]

 

Não acredito que tô pensando nisso de novo. Numa hora dessas. Totalmente nada a ver. Acho que tô começando a entender aquilo que eu tinha que perceber que a minha mãe me falou uma vez, sabe? E puta, puta, puta, puta merda! Eu gosto de Nathaniel McCullen. Pasmem com minha descoberta.

Cheguei a essa conclusão quando eu tava rindo feito idiota conversando com ele por mensagem, e claro, essa não foi a primeira vez. E contando as vezes que, de repente, ele toma conta dos meus pensamentos bugados, aquele tempo que eu passei com ele, vendo que ele não era tão idiota e muito mais do que um rosto, corpo, olhos e sorriso bonito, ah, o cabelo também, foram o bastante – até mais que o bastante – para eu perceber que estou me apaixonando por Nathaniel. Ah, que droga, McCullen, você me irrita, crush! Crush? Já posso chamar de crush? Olha a merda que ele me fez pensar. E tem dedo da Ariana nisso. Eu contei muitas coisinhas bizarras que eu sentia quando estava com Nathaniel, e ela? Falou nada, só ouviu e também disse que eu tinha que prestar mais atenção no que sentia. E deu nisso. Prestei atenção, realmente, e em um minuto confirmei muita coisa. Como eu disse, nada a ver. Sim, eu me iludo sozinha, porque eu digo que não tem nada a ver, ao mesmo tempo que tem tudo a ver.

Agora... Eu devo contar a ele? Ou eu deveria primeiro tentar entender o que ele sente por mim? Nossa, que complicado. Enfim, sei que alguém deve contar algum dia. E esse alguém ainda tem que fazer muita coisa antes de sair em uma bela viagem hoje.

Bonito, Gabriella, bonito! Agora vai se arrumar!

Levantei saltitando, tomei um banho digno, porque vou passar umas quatro horas numa estrada. Ao sair do banho, vesti uma roupa que havia separado, uma calça moletom e uma blusa grande e muito diva, de cor rosa, calcei sapatilhas, porque facilita se eu quiser tirar elas no meio do caminho e essas coisas. Penteio meu cabelo e o amarro em um rabo de cavalo, no rosto passei apenas uma base e pronto.

Fui para a cozinha e lá estavam meus pais. Papai lia alguns papéis e minha mãe procurava alguma coisa no armário.

- Já se arrumou?

- Já. Tô legal? – aponto pra minha roupa.

- Tá ótimo.

Meu pai ergueu o olhar pra mim.

- Qualquer coisa liga pra casa, viu?

- Pode deixar. – Digo me sentando a mesa e ponto café na minha caneca do Naruto.

- Que horas eles vêm?

- Sei não. Acho que umas dez. – dou de ombros.

- Guardou as coisas na sacola? – fiz cara de paisagem pra mamãe, tomando um gole do café.

- Guardei.

Minha mãe sempre teve essa de fazer eu levar de um quase tudo pra seja lá onde eu for: leite em pó, açúcar, arroz, que é pra não chegar de mãos vazias nos lugares.

Eu nem reclamo, se vou ficar na casa de alguma pessoa, não custa nada ajudar.

Eu terminei de tomar café enquanto conversava com os dois, depois fui escovar meus dentinhos, foi quando meu celular tocou. Corri pro meu quarto, atender. Era Rosalya.

- Fala.

- Bibi. – Reviro os olhos.

- De onde tu tirou isso?

- Do Gabe. Ga...be. Bibi. – Bati a mão em minha testa – Enfim, amiga, nós vamos buscar você por último, ok?

- Aham. Que horas?

- Dez e alguma coisa.

- Tá bom.

- Até mais, Bibi.

- Enfia esse Bibi no cu.

- Muito amorzinho. Tcha...

Desliguei no meio do "tchau", fazendo cara de bunda e voltando ao banheiro. Lavei a escova de dentes colocando-a no lugar, busquei minha mochila cheia de coisa no quarto e levei pra sala, junto com minha bolsinha menor onde eu guardei o celular, fone de ouvido, carregador, money, documentos, chicletes e uma mini lixa de unha.

Eram exatamente dez e sete quando ouvi uma buzina lá fora, eu estava assistindo algum programa aleatório na televisão onde a moça ensinava uma receita legal.

- Gabe, tem uma mini van lá fora. – Mamãe disse e foi abrir a porta.

Recebo mensagem da Rosa avisando que já estavam na porta. Desconfiei desde o princípio. Peguei minha mochila, bolsa e papai me ajudou a levar a sacola lá pra fora. O Leigh desceu e abriu o porta malas.

- De onde você tirou essa van?

- Com um tio nosso. – Ele colocou a sacola e minha mochila lá. – Pronta?

- Sim!

Ele sorriu indo novamente pro lugar do motorista. Fui até meus pais, mamãe me abraçou.

- Juízo.

- Pode deixar.

- Já sabe. – Papai aponta – Se quiser vir embora antes.

- Eu ligo. Mas fiquem de boas.

- Tá levando dinheiro extra?

- Tô. – Ergo a bolsinha pendurada no meu ombro.

- Boa viagem.

- Valeu, mãe. Tchau, pai. Quando eu chegar eu ligo, prometo.

Acenei e me virei pra abrir a porta. Finalmente um lugar onde eu vou poder colocar meus pensamentos bugados em ordem, longe do Nathaniel talvez eu possa tirar mais algumas dúvidas comigo mesma.

Puxei a porta – detalhe que minha mão por pouco não foi junto com ela – e quase caí pra trás quando vi quem estava lá dentro.

- McCullen?

Ele sorriu, me estendendo a mão, para me ajudar a subir. Sorri de modo automático, mas parecia que eu tava com câimbra no rosto. Aceitei a ajuda e subi na mini van, me sentando no lugar vazio atrás dele.

- Tá fazendo o que aqui?

- Ele vai com a gente, né, Gabe. – Ouvi Alexy falando. Virei para trás e ele estava de boas mexendo no celular, Ariana perto dele ouvindo música, ela me mandou uma piscadinha.

Rosa estava lá na frente com Leigh; Castiel e Lysandre estavam na primeira fila de poltronas; Nath atrás deles, e Armin estava do meu lado, na fila de poltronas atrás do McCullen. Ari longe do Castiel?

- Do nada? – voltei a olhar pro Nathaniel.

- Eu decidi de última hora.

A ideia era colocar os pensamentos no lugar longe do Nathaniel, e ele vai com a gente. Animação, pessoal, animação!

 

[...]

 

Normalmente não consigo dormir em viagens, então fiquei acordada ouvindo música metade do caminho, nós paramos pra comer algumas besteiras, então retornamos.

Virei pra trás, para conversar com Alexy e Ariana, mas os bonitos estavam dormindo, Armin do meu lado também. Bufei. Me apoiei na cadeira da frente e levantei.

- Nathaniel... Tá dormindo?

- Acho que todo mundo dormiu. – Leigh falou.

Estiquei a cabeça para ver se o McCullen estava dormindo também. Ele estava de olhos fechados, batucando os dedos nas pernas. Sorri e fui me sentar perto dele.

- O que foi? – tirou um lado do fone e olhou pra mim.

- Nada. – Dou de ombros. – Todo mundo dormiu, menos nós três.

- Castiel dormiu? – ele sorriu de lado. Uni as sobrancelhas.

- Vou ver. – levanto me segurando no encosto do assento. Agito a mão na frente do rosto de Castiel e como ele não disse nada, deduzi que ele estava dormindo.

- Dormindo.

Nathaniel enfiou a mão no bolso tirando um... Delineador. Tapei a boca com uma mão para abafar a risada.

- Não acredito que tu vai fazer isso.

- Eu? Eu não. Nós.

- Muito maduro você. De quem você roubou esse delineador?

- Da Ambre.

Ele saiu do seu lugar, dando a volta e se sentando no lugar vago entre Castiel e Lysandre. Fiquei de pé, gravando e tentando prender a risada.

- Nathaniel?

Virei pro Lys, que franziu o cenho, e fiz sinal para ele ficar calado.

Nathaniel fez, além de bigodinho de festa junina, chifres e um...

- Um pênis, McCullen? Cresce, pelo amor – dei risada.

- Falta uma coisa.

Ele passou o negócio nas pálpebras e na boca do de cabelo vermelho. Lysandre, Leigh e eu não estávamos mais aguentando prender a risada. Nathaniel fez pose de Lula Molusco – não tentem imaginar, por favor – e voltou pro meu lado, ficamos rindo por um bom tempo com Leigh e Lysandre.

- Leigh, foca na estrada. – disse me recuperando das risadas.

- Se eu bater a culpa é de vocês.

Cruzei os braços, imitando uma figurinha que eu gosto de usar, da Ariana Grande.

- Mas, vem cá, qual é a da van?

- Era pra ter sido um carro. – Lys explica. – Mas nosso tio arranjou essa van. A gente aceitou, né. Maior e mais confortável.

- Senta um no norte outro no sul. – apontei pros meninos lá atrás.

- Dá pra deitar. Olha o Armin. – Nathaniel aponta pra trás da gente. Viro, vendo Armin com as costas encostadas na janela e as pernas esticadas sobre as poltronas. Ri. – Estamos chegando?

- Sim. Tá bem perto.

- Já pode acordar o pessoal? – Pergunto, tendo a confirmação do Lys.

Nathaniel me estendeu o delineador. Inocentemente – só que não – peguei de sua mão, sorrindo fofa.

 

[...]

 

- Demorou mais do que imaginei.

- Ninguém manda alguém ficar anos pensando no que desenhar e no fim fazer uma carinha sorrindo e um pau. Cresce, Gabe, pelo amor.

Ri dando um tapa em seu braço por usar minhas palavras contra mim.

- Posso acordar eles? – Leigh pergunta.

- Todo seu.

Tomei um susto do caralho quando, do nada, Leigh buzinou.

- Leigh! – Rosa grita. Provavelmente todo mundo vai acordar com o grito da Rosalya não com a buzina.

- Ari – Alexy ria –, tem um pau na sua cara.

Vejo Castiel virar pra trás. Cutuco Nathaniel, prendendo a risada.

- A sua não tá muito diferente.

- A do Castiel também não. – Ele gargalhou. – Princeso.

Castiel fez cara de cu, pegando o celular pra ver seu reflexo.

- Caralho, Nathaniel!

Todo mundo começou a rir do ruivo-não-ruivo que, sem aguentar muito tempo, começa a rir também.

- Porra, calem a boca! – resmungou um Armin com uma tentativa fail de unicórnio desenhado na testa. Podem falar, eu desenho muito bem.

- Espera, tem alguma coisa desenhada na minha cara também?

- Não, Rosa.

- Fui excluída?

- Não tenho como chegar aí. Mas calma. – Tirei o delineador do bolso e passei pro Lys entregar pra ela.

- O que eu desenho?

- Um G, de Gabe.

- B, de Bibi.

- Pro inferno, Rosalya! Pro inferno.

Algum tempinho depois nós paramos em frente uma porteira enorme. Já dava pra ver as árvores, o celeiro, uma casa enorme, algumas galinhas soltas, até o ar deve ser diferente. Finalmente! Lys desceu para abrir, depois que a van entrou, ele subiu novamente, mas do lado de Rosalya. Paramos em frente a casa.

- Chegamos, crianças!


Notas Finais


*Revisando fanfic nova* EXATAMENTE, fanfic nova!! Para mais informações sobre ela, fiquem ligados nessa nota final hehe, provavel que seja postada hoje.

Link: https://www.spiritfanfiction.com/historia/kaslow-20027758

Muito tenkiu por tuudo. Até o próximo <3


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...