História Stay with me - Imagine Jonghyun - Capítulo 14


Escrita por: e Yejinshi

Postado
Categorias SHINee, Super Junior, T.O.P
Personagens Choi Siwon, Jinki Lee (Onew), Jonghyun Kim, Minho Choi, Personagens Originais, T.O.P
Tags Comedia, Drama, Imagine, Jonghyun, Minho, Onew, Romance, Shinee, Siwon, Super Junior, Top, Universo Alternativo
Visualizações 36
Palavras 1.111
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 14 ANOS
Gêneros: Comédia, Crossover, Drama (Tragédia), Ficção, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Universo Alternativo

Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Boa leitura.

Capítulo 14 - Mentiras


Fanfic / Fanfiction Stay with me - Imagine Jonghyun - Capítulo 14 - Mentiras

Autora point of view

Passaram-se duas semanas desde que (s/n) foi levada para a prisão, acusada pela morte do rei Seung Hyun. Durante este meio tempo, Jinki foi finalmente coroado o novo rei.

Jonghyun fazia visitas a (s/n) sempre que o possível, e em uma das vezes que ele foi ao seu encontro, a menor havia dito que o verdadeiro culpado era o próprio Jinki. Jonghyun no começo, ficou em dúvida se realmente poderia acreditar na garota, mas ao se lembrar de como a personalidade de seu irmão havia mudado do dia para a noite, não lhe restaram dúvidas.

– Majestade – Siwon chamou a atenção do mais novo –, posso ter uma conversa com o senhor? Não como seu súdito, mas como seu amigo, como o segundo pai que você disse que eu fui para você.

– Fale.

– Jinki, não faz muito tempo que você foi coroado, e já se espalham boatos por todo o palácio.

– Que boatos?

– De que você não é um rei justo, de que você prendeu (s/n) sem nem ao menos ter uma única prova de que ela era a verdadeira culpada pela morte do rei Seung Hyun.

– Nós já falamos sobre isso. Não vou perdoá-la somente por ela ser sua filha. – Disse sério.

– Não estou dizendo isso por ela ser minha filha. Estou dizendo isso porque o que você fez pode afetar a sua imagem. Acha mesmo que o povo iria querer no comando um rei imaturo que não toma as decisões certas? Não estou dizendo para você soltá-la, apenas para julgá-la justamente.

Jinki bufou, por saber que no fundo, o mais velho tinha razão. Precisava ganhar a confiança de seus súditos.

– Tudo bem. Peça para trazerem (s/n) até aqui.

Siwon suspirou aliviado. Ele tinha certeza de que sua filha era inocente, e agora, finalmente, ele poderia provar isso – tanto para Jinki como para si mesmo.

– Como quiser. – Se curvou, e deixou a sala do trono, indo em direção a alguns guardas que estavam no corredor ao lado de fora, e pedindo para os mesmo buscarem (s/n) na prisão.

(...)

O clima na sala do trono se encontrava um tanto tenso. O rei, o príncipe, e o conde Siwon também se encontravam presentes no cômodo. As portas foram abertas, relevando (s/n) sendo trazida por dois guardas atrás delas. Ela foi praticamente jogada no chão, sendo obrigada a se curvar perante “o rei”.

– Vossa majestade. – O cumprimentou, quase morrendo por dentro por ter que tratar com respeito a pessoa a quem ela mais odiava.

(s/n) levantou a cabeça, olhando fixamente para os olhos de Jinki, que também a encarava. Parecia que os dois disputavam uma guerra, para ver quem conseguia dar o olhar mais mortal. (s/n) claramente estava ganhando aquela disputa.

– Quanto tempo (s/n). – Sorriu, a provocando.

– Digo o mesmo, Jinki​. – Fez questão de pronunciar bem seu nome, deixando claro que ela não iria tratar o mais velho com respeito. – Vejo que se tornou rei.

– E eu vejo que mesmo sabendo disso, a senhorita ainda não me trata com respeito. Quem lhe deu permissão para me chamar pelo nome?

– Não preciso de permissão nenhuma, sou dona da minha própria vida. – Sorriu debochada, deixando o antigo príncipe irritado.

– Eu a chamei aqui para julgá-la justamente, ao invés de acusá-la sem provas. – Disse mudando de assunto. – Posso começar a fazer as perguntas?

– Quando quiser.

– Onde, o que estava fazendo, e com quem estava na noite em que o rei foi assassinado?

– Eu estava no jardim do palácio, conversando com Yerin, uma das criadas do palácio que é minha amiga.

– Eu posso chamá-la aqui para confirmar?

– Claro. – Mostrou um olhar desafiador. – Vamos ver quem aqui está falando a verdade.

Não se passaram muitos minutos, e logo Yerin foi trazida a sala do trono. Se ajoelhou ao lado de (s/n), ainda um pouco confusa e nervosa com a situação em que havia sido colocada.

– Vossa majestade..

– Yerin, não é? – A mais velha olhou para o rei assim que ouviu seu nome ser chamado. – Onde, o que estava fazendo, e com quem estava na noite em que o rei foi assassinado? – Repetiu a pergunta.

Olhou para sua dongsaeng hesitante. (s/n) reparou na expressão da mais velha. Estava estranha. Yerin virou seu rosto para Jinki, voltando a encará-lo.

– Eu estava no jardim do palácio, junto a minha amiga Yeeun.

– Yerin! – A mais velha olhou para (s/n) com a expressão culpada. – Você estava comigo, não se lembra?

– N-não.. Eu tenho certeza de que eu estava com a Yeeun. – Voltou a olhar para Jinki. – Se quiser pode chamá-la aqui para confirmar.

Dito e feito. A tal Yeeun foi trazida a sala do trono, e assim como as outras, ajoelhou-se diante do trono, ao lado de Yerin.

– Vossa majestade.

– Pode me dizer onde, o que estava fazendo, e com quem estava na noite em que o rei foi assassinado?

– Eu estava conversando com a Yerin no jardim do palácio.

Derrotada. (s/n) estava se sentindo derrotada. Jinki olhou vitorioso para (s/n). Era óbvio que isso era parte de seu plano.

– Parece que você não tem nenhum álibi senhorita (s/n).

– Não fui eu. – (s/n) olhou para Siwon, e logo em seguida para Jonghyun. – Não fui eu. Yerin, você sabe que não fui eu! Por favor, diga a verdade para eles. – Implorou, mas a morena apenas abaixou a cabeça, a ignorando.

– (s/n). – Jinki a chamou. – Você sabe que cometeu um crime grave, não sabe? – Olhou para todos presentes na sala. – Vocês sabem, não sabem? – Voltou seu olhar para a mais nova. – Você sabe qual a punição para este crime?

Engoliu em seco.

– Hyung, eu acho que-

– A punição para este crime é a morte. – Cortou a fala de Jonghyun. – Ela vai receber o mesmo que ela deu para nosso pai. Vai morrer do mesmo jeito que ele. – Sorriu maligno. – (s/n), você será executada daqui a três dias. Morte pela forca.

– Hyung!

– Ah, Jonghyun, eu fiquei sabendo que você sempre visita a (s/n) na prisão, é verdade? – O príncipe permaneceu em silêncio. Jinki sabia exatamente que aquele silêncio significava. – A partir de agora você está proibido de visitá-la. – Olhou para alguns guardas que estavam na sala. – Levem-na daqui.

Os homens pegaram (s/n) pelos braços, e começaram a arrastá-la para fora da sala.

– Yerin! Yerin! – Gritava a medida que se afastava. – Yerin, fale a verdade para eles, YERIN!

A morena continuou ignorando (s/n), que por fim foi levada embora. As portas foram fechadas, e o silêncio permaneceu na sala do trono.

– Jinki. – Siwon se pronunciou. – Você tem certeza da sua decisão?

– Você que disse para mim julgá-la justamente, e agora está reclamando? Se quiser morrer no lugar de sua filha vá em frente. – O conde não respondeu. – Se me derem licença, eu gostaria de descansar um pouco.

Se levantou, e por fim saiu, deixando Jonghyun e Siwon sozinhos.


Notas Finais


Espero que gostem!


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...