1. Spirit Fanfics >
  2. Stay With Me - (Shortfic Malec ) >
  3. A Confissão

História Stay With Me - (Shortfic Malec ) - Capítulo 5


Escrita por:


Notas do Autor


Perdoa pessoal :( Eu disse que voltaria antes mas não consegui!

Eu achei o capítulo meio blé mas espero que gostem :)

Desculpa por qualquer erro que tenha passado.

Boa Leitura!

Capítulo 5 - A Confissão


Eles levaram alguns segundos para se darem conta do que estava acontecendo, mas logo levantaram e Magnus foi o primeiro a falar

– Imasu o que faz aqui? – perguntou surpreso, e olhou para Catarina, que arregalou os olhos parecendo querer dizer algo, mas Magnus não teve tempo de entender por que o homem recém chegado tomou a frente

– Eu pedi para ela não avisar – então ele virou um pouco para Alec – E parece que acertei não? – terminou a frase encarando Magnus – Não tem jeito né? Eu sempre te perdoando e você sempre me traindo – disse ofendido

– Você está doido? – perguntou o mais velho franzindo o rosto – Não estava te traindo, pois não temos nada – disse revirando os olhos

– Então eu acho que seria melhor você ir embora – disse Alec calmamente e Imasu o encarou furioso – afinal nós estávamos iniciando algo... – fingiu pensar gesticulando com as mãos e continuou – íntimo?

Imasu fechou a cara e partiu pra cima de Alec com a mão fechada para um soco, e foi Magnus quem o impediu segurando o braço e o empurrando pra longe, o mais alto se moveu para defender o namorado caso necessário, mas Magnus apenas o segurou colocando uma mão em seu peito

– Calma ok? – disse tentando acalmar o mais novo.

– Está defendendo-o não é Magnus? – Perguntou o homem cheio de ódio, o músico estava disposto a protestar, mas ele não deixou, continuando – Você é bem patético, não é? Mas sempre foi assim ... Não pode ver uma putinha nova que quer dar ou comer, mas eu estou ... – ele não teve tempo de terminar a frase e Magnus nem viu de onde veio e só percebeu que Alec havia acertado um soco no outro, quando o viu cambalear para trás e quando voltou indo pra cima do maior, Magnus o segurou

– PAREM COM ISSO – Gritou o mais velho, ele estava apavorado sem saber onde isso iria parar, ele viu Alec que estava tremendo e com o maxilar trancado de raiva, ele nunca havia visto o namorado tão bravo, por isso que ele respirou fundo antes de continuar – O que vocês estão pensando? Mas que droga! – exclamou.

Alec ficou quieto, e respirou fundo – Me desculpa Mags não queria fazer cena, mas esse idiota me tira do sério – disse chateado por causar a cena toda.

O namorado assentiu – Tudo bem, mas por favor não vamos perder o controle e a calma – disse e olhou para Imasu que estava inquieto

– Ok Magnus, agora peça para esse moleque sair e vamos nós dois conversar e nos entender por favor, amor – disse a última palavra e olhou rápido pelo canto para Alec, que apenas revirou os olhos.

– Imasu... – Magnus começou – Acho melhor você ir para o hotel e depois eu vou lá e conversamos – disse e esperava que o outro aceitasse.

O homem assentiu e suspirou – Tudo bem eu vou, mas saiba que isso não terminou e você – disse apontando para Alec com o queixo – Espero ter aproveitado bem meu homem, por que agora eu cheguei viu garoto? – disse desafiando e viu Alec trancar o maxilar e fechar o punho, que o fez sorrir maliciosamente, mas contraiu o rosto sentindo dor pelo soco que havia levado, e o moreno deu um sorrisinho triunfante e Magnus apenas revirou os olhos

– Já chega! Mas que briga ridícula! – disse, ele olhou para Alec – Espera, eu vou resolver, mas mantenha calma por favor amor – suplicou.

– AMOR? – bradou Imasu furioso – Como isso? Magnus você é meu namorado? Que porra é essa? – Ele se virou para Catarina e viu que Ragnor havia chegado também – Depois não reclamem viu? – disse ameaçando e Alec franziu o rosto ao perceber.

Magnus suspirou pesado e virou para os amigos e empresários – Por favor levem ele para o hotel que reservamos – então se virou para o homem – Você vai gostar de lá e depois eu vou conversar contigo – disse calmo

– Magnus, eu não estou entendendo muito tudo isso, mas só quero deixar algo bem claro, eu não estou blefando, assim como não estive por todo esse tempo – disse encarando o músico.

Agora não restava dúvidas para Alec, ele estava ameaçando o namorado e os empresários, e quando ele olhou para o namorado viu medo em seus olhos, e por mais que Magnus se mantivesse calmo ele poderia ver a apreensão no ar, por parte dos três.

– Tudo bem Imasu você já mostrou seu ponto – disse cansado suspirando – Agora por favor vai com eles e eu logo irei para lá e conversamos.

Magnus se sentou pesadamente no sofá assim que viu os três saírem com Imasu reclamando que não era certo isso, que ele tinha que ficar e Alec sair, afinal ele era namorado do outro. Sentado no sofá, com as mãos no rosto, ele respirava e inspirava profundamente, tentando conter a raiva que estava, sentiu afundar ao seu lado e retirou as mãos do rosto, para encarar Alec que havia sentado ao seu lado, sentiu os olhos arderem e pensou em como seria difícil ter que contar tudo ao homem que amava, e ver nos olhos dele o horror de ter um monstro ao seu lado.

– Alec – começou num sussurro e as lagrimas caiam grossas por seu rosto – Eu ... – comprimiu os lábios, ele avaliou que talvez nesse momento ele não poderia falar e pareceu que o outro havia lido seus pensamentos, pois o puxou para si e abraçou forte.

– Não precisa falar nada agora meu amor – disse com os lábios contra os cabelos do outro, dando um beijo no alto da sua cabeça e ouviu o outro soluçar e seu corpo tremer desabando num choro dolorido, ele o abraçou mais forte e depois de um tempo chorando ele o pegou no colo e levou para o andar de cima, o colocando na cama ficando abraçado, ele esperaria Magnus se acalmar e então iria perguntar sobre toda essa história que parecia ser maior do que se esperava.

 

*****

 

 

 

Alec estava abraçado em Magnus, ele queria apenas proteger o namorado de toda e qualquer dor que o rodeava, passava a mão carinhosamente por suas costas, sentindo o outro relaxar, sorriu quando ouviu o outro falar baixinho

– Estou me sentindo tão protegido nesse teu abraço – disse se aninhando ainda mais no abraço do outro, que sorrio com a declaração.

– Fico feliz por isso meu amor, pois é tudo que eu quero, só te proteger – confessou.

– Sabe que eu ainda não me acostumei com você me chamando de amor? Toda vez meu coração dá uma cambalhota aqui – disse rindo e fazendo o outro rir

– Pois acostume se, eu irei te chamar assim sempre, meu amor – disse dando beijinhos no alto da cabeça do outro, que ergueu a cabeça para lhe dar um selinho demorado. Alec aproveitou o momento que o outro estava mais relaxado e perguntou

– Amor, eu gostaria de saber o que está acontecendo, você consegue me explicar? – perguntou ainda acariciando as costas do mais velho, ele não queria o pressionar mas precisava saber o que acontecia entre ele e Imasu, viu o outro suspirar e se sentar na cama, ele fez o mesmo e ficaram um de frente para o outro.

– Então meu anjo – começou ele, mas Alec percebeu que estava apreensivo – eu vou te contar, e depois você decide se ainda quer continuar comigo – disse abaixando a cabeça e parecia envergonhado, mas ainda mais triste, e ele tratou de fazer o outro erguer a cabeça colocando uma mão em seu rosto com carinho, o fazendo olhar em seus olhos

– Você só pode estar brincando, não existe um mundo onde eu não queira ficar com você Magnus – disse ele sincero, passando uma mão em seu rosto com carinho e que fez o mais velho sorrir pequeno.

Ele fechou e abriu os olhos devagar e então começou a contar para o namorado – Eu era novo, tinha apenas uns 19 anos e logo havíamos começado a fazer sucesso – antes de continuar se escorou nos travesseiros que Alec havia ajeitado para ele carinhosamente, suspirou e continuou – Fazia um mês que eu havia conhecido Imasu, tive um show espetacular e foi minha primeira vez estourando com uma plateia com mais de 10mil pessoas, eu estava eufórico aquele dia – disse com meio sorriso – Me lembro de irmos para a boate e foi lá que conhecemos Sebastian – respirou fundo antes de continuar – ele era lindo, um olhar doce e um sorriso maroto – lembrou – Eu me lembro que Imasu sugeriu um ménage e eu nunca havia feito tal coisa – deu de ombros – acho que pela bebida, ou pela euforia, eu aceitei – disse e olhou para o namorado que continuava o olhando como antes e segurava sua mão, ele esperava que a qualquer momento ele largaria sua mão, mas não o fez, e por isso ele continuou – subimos para o quarto do hotel, pois a boate ficava ali mesmo, e lembro que ficamos bebendo e ainda cheiramos um pouco, misturamos muita coisa Alec – ele levou as mãos ao rosto e começou a chorar sem conseguir conter as lagrimas, passou as mãos pelo cabelo e quando o outro veio num sinal de que ele poderia parar se quisesse, ele fez que não – Eu quero continuar, me deixa terminar, eu preciso contar tudo e você então decide o que fazer – disse ele mordendo os lábios e com um olhar triste, o que fez Alec assentir e o olhando

– Vocês transaram? – perguntou cauteloso, mas logo acrescentou – É apenas uma curiosidade amor – acariciou sua mão que voltou a segurar com carinho.

Magnus fez que sim a sua pergunta – Sim – acrescentou – Nós transamos, e muito – disse em tom baixo e Alec beijou suas mãos em sinal de que estava entendendo perfeitamente o outro e não iria julgar sobre isso

– Então vocês transaram, beberam, fumaram, cheiraram e o que mais Mags? – incentivou o outro a continuar e então ele suspirou e continuou

– Estávamos exaustos, e deitados depois de tudo – Ele parecia lembrar e Alec pode ver pelo olhar do namorado que não viria coisa fácil e foi por isso que passou uma mão em sua coxa em um sinal de que estava com ele e então Magnus continuou – Lembro que ainda comentei o quanto estava exausto e me lembro também que insinuei que Sebastian poderia ir pra casa, por que sinceramente eu estava cansado, precisava e queria dormir, mas apenas Imasu e eu, entende? – e viu o outro assentir e continuou – Mas ao invés disso, Imasu que disse precisar pegar algo na recepção ou outro local que não consigo lembrar, e foi isso que ele fez, ele saiu do quarto e nos deixou sozinho.

Magnus respirou fundo mais uma vez antes de continuar, e Alec percebeu que ele estava nervoso – Sebastian levantou e disse que iria beber algo, e eu continuei deitado, e então ele foi beber, pegou um copo eu acho, logo ele fez uma carreira e cheirou, eu lembro de ter dito para ele que já havíamos exagerado e ele ainda riu da minha cara – nesse momento Magnus não queria encarar o moreno, então ele baixou a cabeça quando continuou narrando – ele não me deu bola sabe? E ele continuou bebendo, fumava e fez mais uma vez uma carreira e cheirou – Alec ouviu ele soluçar e isso partiu seu coração, mas ele sabia que não podia interromper então apenas fez um carinho em sua perna novamente e ouviu ele continuar – Eu pedia pra ele parar e me sentei na cama quando ele fez 4 carreiras e cheirou as quatro, e então ele caiu no chão e começou a tremer muito e eu me desesperei, não sabia o que fazer, estava sozinho naquele quarto com um homem possivelmente tendo uma overdose na minha frente.

Eu não sabia realmente o que faria dali para frente e eu pensei em ligar para recepção, mas... mas quando eu estava indo fazer isso Imasu entrou e eu contei nervoso, apavorado sabe? Mas ele manteve a tranquilidade, mas igualmente não acreditava, eu estava apavorado Alec – ele falava com as mãos bagunçando os cabelos e chorando – Imasu pediu que eu saísse e fosse para o carro que ele iria resolver, ele me disse que eu estava muito nervoso e iria acabar atrapalhando, e tinha razão eu estava apavorado.

Alec o olhava sem esboçar nenhuma reação negativa, apenas tentou inutilmente secar algumas lagrimas em seu rosto – Mas o que houve com esse Sebastian? – Alec quis saber e Magnus suspirou e olhou para o outro quando disse

– Ele morreu – disparou e esperou a reação de afastamento do outro, mas não veio. O mais novo abriu a boca e fechou, ele estava chocado sim, afinal Alec nunca imaginaria isso, ele pensou que houvesse algum outro crime, ou algo mais leve. Porém morte? Não ele não imaginaria isso – Pode falar, eu sou um monstro que apenas abandonou um homem morrendo e não fez nada – disse o mais velho caindo num choro desesperado.

Alec o puxou para abraçar e apertava ele contra seu peito – Não diga isso, você não é um monstro, apenas um garoto assustado – disse beijando o alto da sua cabeça e antes que o outro dissesse algo ele perguntou – Magnus, quem verificou que ele estava morto? Como você soube? – O namorado se afastou dele para poder lhe olhar

– Foi Imasu, ele fez tudo – disse se sentindo totalmente envergonhado – eu não sabia como agir Alec, e então eu vi quando ele verificou a pulsação do outro na minha frente, e logo me disse que ele havia falecido – passou as mãos pelo rosto, fechando os olhos, lembrar das cenas faziam tão mal, era algo que ele lutava dia após dias para manter escondido em sua mente – foi horrível, depois Imasu disse que colocou ele em outro quarto, deixou ele lá e chamou a polícia, eu tentei ir no seu enterro, mas Imasu não deixou – Alec percebia o quanto isso doía no namorado, mas ele queria saber de tudo por isso que não o impediu – Contamos para Catarina e Ragnor na época e eles concordaram que era melhor abafarmos a historia toda e ficou por isso mesmo – ele engoliu em seco antes de concluir – Porém um dia eu quis terminar o namoro com Imasu, e isso foi uns meses depois do ocorrido, afinal eu nunca amei ele, apenas ficávamos, e foi aí que eu descobri quem era o cara que estava comigo.

– Deixa eu adivinhar – disse Alec – ele te chantageou? E é isso que ele faz desde então, estou certo? – Magnus apenas assentiu, fechando os olhos – DESGRAÇADO – esbravejou Alec furioso com os punhos fechados, assustando Magnus com sua reação, que deu um pequeno salto na cama e o olhou com os olhos arregalados, Alec tratou de abraçar ele

– Desculpa amor, eu fiquei furioso com isso, algo tão delicado e ele fazendo chantagem?

Magnus se afastou dele um pouco para o olhar surpreso – Você não está com raiva ou nojo de mim? – a pergunta fez o outro franzir o rosto e logo negando

– Mas por que eu estaria sentindo algo tão negativo por você? – Disse sincero – afinal você foi a vítima, era sua primeira vez, você nunca havia passado dos limites e era novo demais para saber algo – disse com carinho colocando uma mão em seu rosto fazendo ele olhar para si – Magnus por mais que você se culpe tanto, e que infelizmente você errou em não prestar o devido socorro ao rapaz, ainda assim, não foi de total culpa sua, afinal Imasu disse que iria realizar os procedimentos corretos e você confiou nele – ele se inclinou e lhe deu um selinho – Você não teve culpa e pra mim ainda é o amor da minha vida – disse sincero.

O mais velho não sabia como agradecer o anjo que ele tinha em sua vida, e apenas assentiu se jogando nos braços do mais novo – Obrigada meu amor por tudo – disse fungando com a voz abafada por estar com o rosto escondido em seu pescoço.

Alec apenas o manteve abraçado e fazendo carinho em suas costas por um tempo, deu beijinhos em seu pescoço, mas nada sexual, e sim tudo com muito carinho e delicadeza

– Amor – disse carinhosamente – Acho que poderia ir tomar um banho e descansar, depois eu peço algo para comermos, que acha? – o outro se afastou um pouco dele e assentiu

– Você tem razão – mordeu o lábio antes de continuar – depois, antes da janta, eu preciso ir no hotel conversar com Imasu – ele ficou apreensivo com a reação do outro, por isso acrescentou – Mas vai ser rápido amor, só pra ele não ficar vindo aqui, ok? – ele esperava que o namorado entendesse e sorriu quando viu o outro assentir

– Tudo bem amor – disse passando o polegar no maxilar do mais velho – mas só me faz um favor, não prometa nada para ele ok? Nada além do que ele já tem e se ele insistir enrole, mas não prometa, combinado? – disse o olhando, e Magnus não entendeu muito bem aquilo, por isso franziu o rosto, mas assentiu

– Confie em mim, promete? – perguntou Alec e Magnus novamente assentiu, por que ele confiava, afinal o namorado confiou nele depois de tudo que havia lhe contado, e estava ainda ali ao seu lado lhe dando todo apoio, ele nunca iria esquecer disso.

Magnus saiu da cama e foi tomar seu banho, ele precisava de um pouco de descanso, tinha se esgotado ao contar tudo para Alec, estava esgotado emocionalmente, mentalmente e fisicamente, por isso que se demorou no banho.

 

 

 

 

 

 

Alec fez três ligações quando Magnus entrou no banheiro, e então logo em seguida ele acompanhou o namorado no banho.


Notas Finais


Então para quem Alec ligou hein?

E Magnus será que é realmente culpado?

Até logo mais anjos ♥


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...