História Stockholm - Capítulo 25


Escrita por: ~

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS)
Personagens J-hope, Jimin, Jin, Jungkook, Personagens Originais, Rap Monster, Suga, V
Tags Bangtanboys, Bts, Hoseok, Jimin, Jungkook, Namjoon, Romance, Seokjin, Taehyung, Yoongi
Visualizações 287
Palavras 2.570
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 14 ANOS
Gêneros: Comédia, Romance e Novela, Shoujo (Romântico)

Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Espero que gostem :)

Capítulo 25 - Açúcar


Fanfic / Fanfiction Stockholm - Capítulo 25 - Açúcar

Assim que cheguei ao local do show que os meninos me disseram para ir, liguei para eles, que falaram ao manager vir me buscar. Agora eu seguia Sejin que andava praticamente correndo por todos aqueles corredores. O show logo começaria e ele certamente tinha coisas mais importantes para fazer do que ficar ali comigo.

Os meninos haviam me convidado para ir com eles até o local do show e assistir também o ensaio, mas eu tive trabalhos para finalizar que eu não poderia deixar de fazer e acabei vindo por conta própria.

− Não saia dessa sala até o segurança dizer que pode sair – Sejin ordenou e voltou a descer as escadas.

− Olá – cumprimentei o segurança que apenas baixou o queixo para me olhar e me ignorar. – Ok então.

Ele abriu a porta e me deu espaço para entrar. Creio eu que estávamos em algum tipo de camarote, pois o lugar parecia uma sacada com algumas poltronas. Fui até os vidros abertos e vi todo o estádio onde o show seria realizado.

Estávamos pouca coisa acima das arquibancadas, estas completamente lotadas, assim como a pista lá embaixo. O palco era enorme e tinha várias passarelas.

Tirei a army bomb versão 2 do saquinho preto e, com o segurança poucos metros atrás de mim e trancando a porta, esperei o show começar.

***

Em algum momento, quando os meninos saíram do palco para trocar o figurino, eu comuniquei ao segurança que precisava ir ao banheiro. Eu jamais faria isso em uma situação normal, mas precisava sair dali.

Deixei o army bomb desligado em uma das poltronas e o segurança me disse que o banheiro era na primeira porta à esquerda. Assenti para ele e saí da sala.

Imediatamente fui para a direita. As escadas eram para aquele lado, afinal.

O show estava maravilhoso, eu não queria sair de lá, mas eu queria estar com o resto das armys. Sequer podia cantar alto por culpa daquele segurança.

No final das escadas, uma placa apontando para a direita dizia “plateia” em coreano, então segui para lá e, passando pela única porta ali, saí atrás de todas as cadeiras. Os meninos já estavam no palco novamente e cantavam Dope. A cor dos lightsticks tinha mudado para vermelho. Eu tinha deixado o meu na sala com o segurança, mas mesmo que ele estivesse ali eu não poderia usá-lo, pois chamaria a atenção para a intrusa em pé atrás das cadeiras da plateia.

Continuei ali em pé sem problemas durante o show. Não conseguia desviar os olhos de suas apresentações, sequer sabia para qual deles eu deveria olhar, pois todos estavam perfeitos.

Quando Spring Day tocou, eu comecei a chorar e não parei mais. As músicas que se seguiram foram calmas para finalizar o show e eu me sentia ridícula por continuar chorando.

Os meninos se despediram e as luzes ficaram completamente apagadas por alguns segundos, mas as armys continuaram com seus lightsticks para cima. As luzes foram acesas e todas as pessoas ali, meninos e meninas, começaram a arrumar suas coisas e se levantar.

Eu havia me afastado da porta, então virei-me para ir até ela, mas meu pulso foi segurado e puxado. Virei-me tentando me soltar, mas vi que era o segurança enorme.

Ele começou a me puxar na direção contrária a que eu originalmente ia, mas apenas o segui. Enquanto eu era puxada, tentava me recompor e secar as lágrimas que tinham caído. Eu estava completamente feliz depois do show e aquele coreano estava estragando isso.

Algumas fãs coreanas me olhavam quando eu passava e eu desejei estar de máscara, mas elas não pareciam me reconhecer, apenas estranhavam o segurança me puxando.

Passamos por uma porta também atrás da plateia e demos de cara com um corredor completamente branco e bem iluminado.

O homem me levou para uma sala que servia provavelmente de camarim e simplesmente saiu fechando a porta. Olhei para os lados vendo as bancadas de maquiagem e as cadeiras, meu army bomb estava em cima de uma das bancadas dentro do saquinho.

− Mas que porra... – reclamei em voz alta e em português, mas antes que eu pudesse completar a frase a porta foi aberta.

− Anna! – Yoongi, Taehyung e Jimin entraram afobados sendo seguidos pelos outros meninos.

− O que houve? – Taehyung estava apavorado. – Por que você está chorando?

Levei a mão ao rosto e percebi que as lágrimas realmente escorriam novamente e sem minha permissão. Os meninos ali na minha frente me encarando com os olhos apreensivos apenas me lembravam do show e as lágrimas saíram.

Eu os observava com as mãos no rosto para tentar tirar as lágrimas dali e sem falar nada enquanto chorava mais silenciosamente e lembrava deles no palco. Era ridículo, eu sei.

− Anna! – Yoongi se desesperou e deu alguns passos, parou na minha frente. Olhei para cima para olhar em seus olhos. – Alguém machucou você?

Olhei-o por mais alguns segundos e dei um passo para a frente. Passei os braços por sua cintura e afundei o rosto em seu peito. Senti que ele estava preocupado, mas imediatamente passou o braço pelos meus ombros e fez carinho nos meus cabelos. Seu queixo estava apoiado no topo da minha cabeça.

− O que aconteceu? – Ele sussurrou para mim com a voz suave.

− Vocês – respondi me afastando e ouvindo minha voz fraca pelo choro e pela cantoria do show. – Não tenho palavras para esse show. Foi tudo que eu tinha imaginado. Cantei tanto e chorei o tempo todo. Vocês não tinham o direito de serem tão talentosos assim.

Os meninos pareceram relaxar instantaneamente, Namjoon inclusive soltou uma risada e Hoseok sorriu. Todos pareciam satisfeitos com o meu elogio e com a minha reação já que era meu primeito show, mas, enquanto todos sorriam, Yoongi tinha mudado de preocupado para um semblante furioso.

− Que merda você estava pensando quando fugiu do segurança? – Ele elevou a voz surpreendendo a mim e aos meninos.

− Como é? – Indaguei pronta para discutir.

− Mandaram você ficar lá em cima, eu mandei! – Mais um pouco e ele estaria gritando. Não entendi a parte do “eu mandei”. – Você tinha um segurança, por que é tão difícil obedecer e ficar lá?

− Hyung... – Hoseok ia falar algo com a voz baixa em advertência, mas o interrompi.

− Eu não tenho a obrigação de obedecer a ninguém, nem aquele maldito contrato me obriga a fazer isso – aumentei minha voz como ele completamente furiosa. – Se vocês acham que eu vou aceitar tudo que falam e baixar a cabeça, então muito enganados. Ninguém manda em absolutamente nada sobre mim e não vai ser um namoradinho que vai me impedir de fazer as coisas!

Assim que despejei rapidamente as palavras, me arrependi de não ter pensado sobre elas. Eu havia chamado o Yoongi de namoradinho e queria dar um tapa na minha casa por isso.

Os meninos me olhavam meio chocados pelo meu surto, mas Jimin e Taehyung tinham um sorriso de canto nos lábios. Yoongi pareceu sem reação por alguns segundos, mas abriu um sorriso constrangido.

− Namorado? – Ele questionou de modo presunçoso.

Todos me olhavam divertidos e eu queria enfiar a minha cabeça em um buraco.

− Porra – reclamei em português. – Podemos ir embora logo?

Namjoon e Hoseok começaram a rir e eu quis estrangula-los. Peguei o army bomb em cima da bancada e passei por eles.

No corredor, eu obviamente não sabia para onde ir, então Taehyung passou o braço pelos meus ombros e começou a me guiar. Os meninos vinham atrás ainda usando o figurino do show.

− Namorado é? – Tae falou rindo.

− Quieto! – Repreendi e ele riu mais ainda.

***

− Anna – Yoongi chamou timidamente assim que entramos em casa. – Preciso falar com você.

Percebi que todos os meninos olhavam para mim como se esperassem a minha reação. Estavam espalhados pela sala e estáticos. Yoongi também me olhava em expectativa.

− Tudo bem – respondi calmamente estranhando a atitude de todos eles.

Yoongi se dirigiu para as escadas e eu o segui já sem os meus tênis e observando os meninos em volta de mim. Eles agora trocavam olhares confusos. Eu realmente não os entendia.

Segui Yoongi escada acima e entrei em seu quarto logo depois que ele o fez. Ele fechou a porta sem fazer barulho algum e ficou de frente para mim a pouco mais de um metro de distância.

Ele manteve o olhar longe de mim enquanto eu o olhava de cima a baixo. Ele mexia no anel que tinha na mão direita e parecia nervoso. Eu particularmente não estava entendendo muita coisa, mas não queria que ele se sentisse daquele modo.

Yoongi respirou fundo e finalmente me olhou nos olhos. Quando achei que ele falaria, ele voltou a olhar para os pés.

Olhei em volta, seu quarto devidamente organizado, a cama feita e a janela fechada, mas voltei meu olhar para ele que continuava olhando para o chão.

− Então... – tentei puxar assunto e fazê-lo falar o que queria falar comigo, mas ele não disse nada.

Voltei a olhar o quarto e foquei na escrivaninha atrás dele. Estava cheia de papéis espalhados além do notebook fechado. Todos os papéis lá tinham apenas coisas escritas em caneta preta, mas um, por ser o único colorido, me chamou a atenção. Eu conhecia aquilo.

Caminhei até a mesa e passei por Yoongi, que observava meus atos atentamente. Em cima da mesa, em cima dos outros papéis com coisas escritas por Yoongi, estava a foto que há meses atrás eu havia tirado para imitar uma das fotos do Yoongi no álbum de debut deles. A foto havia sumido depois do primeiro fansign desastroso que eu tinha ido.

− Por que você tem isso? – Questionei mostrando a foto em minhas mãos. – Achei que tinha perdido naquele dia.

Ele estava mais próximo de mim agora. Parecia constrangido.

− Eu... Eu lembro de você – ele sorriu para mim, os olhos sorriram junto. – Lembro de você em Estocolmo.

Não pude evitar sorrir de volta. Eu já tinha ouvido ele falar sobre isso, mas ele nunca disse para mim.

− Por que lembra de mim? – Essa provavelmente não era a pergunta certa, mas eu já não pensava direito sobre o rumo que a conversa tomaria.

− Fiquei pensando no que nos disse. Namjoon traduziu para nós – fiquei ainda mais feliz ao ouvir isso. – Você era tão pequena e nos disse algumas coisas que precisávamos ouvir.

− Eu poderia ter dito mais, poderia ter ficado horas falando. Foi importante para mim ter falado aquelas coisas, achei que nunca conseguiria – confessei e ele ergueu a cabeça novamente para me encarar.

− Sabe, depois daquele dia, achei que nunca mais ia ver você. Guardei na memória o que você disse, mas queria ter entendido de você, não queria a tradução do Namjoon – ele riu baixinho. – Foi uma surpresa ver você naquele primeiro fansign, nem mesmo reconheci você de primeira, mas depois ficou óbvio. Você mudou bastante, mas olhando para você na primeira vez em que nos vimos no fansing e até agora, eu sei que você ainda poderia falar aquelas mesmas coisas para a gente. Foi importante para nós também – Yoongi desatou a falar e parecia querer continuar, então não fiz comentários. Eu sequer sabia o que falar, talvez meu cérebro tivesse desistido de tentar se recuperar. Sua voz era calma e ele alternava seu olhar do chão para mim.

− Por isso guardei a foto que você colocou na minha parte do álbum, me desculpe por isso – ele riu e o acompanhei. Eu estava encantada por ele. – Pensei que novamente eu ficaria anos sem ver você ou até mesmo nunca mais voltasse a te ver, então guardei a foto, mas você voltou ao fansign e me preocupou mais ainda.

Ele parou de falar subitamente e erguei o olhar para mim mais uma vez, me fazendo encara-lo. Estávamos em pé frente a frente a apenas alguns passos um do outro.

− Me desculpe por hoje, eu estava apenas preocupado, não farei de novo. Não mando em você, desculpe – seu olhar era realmente envergonhado e arrependido por isso.

Aguardei alguns segundos para saber se ele continuaria, mas ele me encarou em silêncio e baixou o rosto.

Ok, eu acho que eu não tinha entendido tudo. Talvez estivesse entendendo tudo completamente errado, mas decidi arriscar.

− Sabe – comecei e ele me olhou, – foi diferente conhecer você assim – seus olhos se estreitaram em confusão. – Eu sempre admirei você, eu usei a sua história para me ajudar a continuar a minha, eu conhecia você, mas quando eu cheguei aqui eu acabei me apaixonando de novo, eu conheci o verdadeiro Yoongi e não me decepcionei. Eu não sei se é nisso que você queria chegar, mas isso estava me deixando confusa e eu precisava falar – desabafei. Seus lábios estavam entreabertos.

Quando pensei em me desculpar depois de alguns segundos em silêncio e abri a boca para fazê-lo, ele me interrompeu.

− Namora comigo?

Espera... O quê?

Ele abriu um sorriso tímido de canto e me olhava carinhosamente. Meu coração derreteu. Não sei quantos segundos eu perdi em silêncio, talvez minutos, mas ele parecia cada vez mais apreensivo e ansioso.

Meu primeiro pensamento foi um estúpido “Min Yoongi está na minha frente me pedindo em namoro”. Nós sequer tínhamos nos envolvido tão intimamente para que isso acontecesse, mas eu ignorei isso completamente. Meu segundo pensamento foi um “Puta merda, ele realmente está me pedindo em namoro”.

Minha mente estava em branco enquanto eu piscava sem parar tentando me recompor. Seu olhar preocupado permaneceu em mim.

− Sim! – Respondi alto depois do choque.

Foram precisos apenas dois passos para que eu estivesse nos braços dele. Ele ri levemente quando envolvo seu pescoço com os braços. Eu estava na ponta dos pés.

Suas mãos grandes e quentinhas seguraram o meu rosto dos dois lados. Observei seus olhos encarando a minha boca, desci por seu nariz perfeitinho e parei em seus lábios bem desenhados e rosados. Me surpreendendo, ele toma a iniciativa de tomar meus lábios para si.

Seus lábios eram macios contra os meus e seu beijo era lento e carinhoso. Apertei os braços em seu pescoço e afundei meus dedos em seus cabelos loiros. Suas mãos desceram para a minha cintura e me ajudaram a continuar na ponta dos pés, mesmo que ele tivesse baixado um pouco a cabeça.

Não posso dizer que aquilo acabou rapidamente, pois continuou por um tempo indefinido. Terminamos sentados frente a frente na beirada da cama de casal.

− Os piercings não atrapalham – ele comentou quando nos separamos. – É até divertido – rio com isso.

Eu não sabia quanto tempo tínhamos passado ali dentro, mas sabia que já estava tarde.

− Tenho quase certeza de que você tem um show para fazer amanhã – ele tinha que descansar para isso.

− Ok, preciso mesmo dormir – ele afirmou. – Você vai amanhã também, não vai?

− Posso ir – era óbvio que eu queria ir.

− Só não precisa fugir – ele riu e eu me levantei também rindo.

Me abaixei para deixar um selinho em seus lábios, mas este foi aprofundado e interrompido depois de alguns segundos.

Já na porta, virei-me para ele novamente. Ele me olhava do mesmo lugar na cama.

− Eu deixo você ficar com a minha foto – ele sorriu, – mas eu acho que vou precisar de uma foto sua para ficar justo.

Saí do quarto ouvindo sua risada. Fechei a porta atrás de mim.

Puta merda. Eu vou morrer.  


Notas Finais


Finalmente beijo e uma libertação de sentimentos auhsuah
Bom, não tenho muito o que falar na vdd. Só não achem estranho um pedido de namoro assim sem nem terem ficado antes, eu não quis fazer como se eles precisassem ficar se pegando muito antes, não imagino isso acontecendo na verdade, e eu queria algo fofinho também. Além disso, eu não teria onde encaixar um pedido de namoro se não fosse nesse capítulo aushauh
Comentem o que acharam e até quarta! <3


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...