1. Spirit Fanfics >
  2. Straight Pool >
  3. Capítulo único

História Straight Pool - Capítulo 1


Escrita por:


Notas do Autor


tive que pesquisar muito esses termos de sinuca, usei mais os gringos pq BR não tem muito, nem imaginava que eram tantos e espero que não fique nada muito confuso, de qualquer forma segue um glossário e os comentários (e o google) está ai para tirar as duvidas.

hustling - é uma gíria da língua inglesa, não necessariamente de sinuca podendo ser usada para todos os tipos de esportes e também em situações do cotidiano, quando um jogador faz seu oponente de "bobo" ou quando alguém tenta persuadir uma pessoa a achar que ela está ganhando, quando na verdade não está.

strip pool - basicamente um strip de sinuca.

english (inglês) - uma gíria também conhecida como giro lateral, é o giro colocado na bola quando é atingido com a ponta à esquerda ou à direita do centro da bola.

eu tô escrevendo essa fic há tanto tempo que terminei na força do ódio, por isso peço que ignorem qualquer erro (não aguentava mais revisá-la kkkkj :c)
nas notas finais tem links de vídeos de duas jogadas que eu citei na fic e deixei grifado, é só conferir
boa leitura!!!!! <333

Capítulo 1 - Capítulo único


  Sábado à noite. 

  Ainda era cedo, mas Yoongi já estava entediado. 

  Provavelmente jogaria mais tarde, mas não por precisar de grana, um velho barrigudo e com uma boca suja havia lhe garantido dinheiro suficiente para semanas. O Min não pretendia humilhá-lo, mas todos insistiam em jogar com o Gatinho de Daegu, sabiam que o baixinho era o melhor jogador de bilhar da cidade, e este ficou espantado com o quão confiante o velho era para apostar caro em um jogo praticamente perdido, só não conseguiu evitar o soco que desferiu na bochecha do outro homem quando este lhe xingou de prostituta para baixo ao vencer a partida. Yoongi normalmente conseguia se defender, mas quando as coisas saíam do controle os seguranças do bar o apoiavam, afinal, o Gatinho era precioso demais para os negócios, ele odiava o apelido que havia adquirido, sabia que era baixinho e parecia mais jovem do que realmente era, além de seus traços parecerem com os de um felino, mas ainda sim era um pouco irritante para si.

  Naquela noite em especial, Namjoon, um dos jogadores, estava realizando algumas partidas nas mesas  no final do corredor e Yoongi observava tudo com desinteresse. Namjoon ainda era o único dos oponentes que quase era um verdadeiro desafio ao Min mas, ultimamente, o homem de fios cinza havia perdido sua mão e se tornara muito arrogante. Não que o Min não gostasse de vencer, ele gostava de ganhar mais do que qualquer outra coisa, e olha que ele gostava de muitas coisas; álcool, incluindo seus vinhos importados e licores caros, comida boa e sexo selvagem, mesmo assim nada superava a sensação de euforia que tomava seu corpo ao ser campeão. 

  O baixinho chegou rápido ao primeiro lugar, adorava jogar sinuca, adorava a precisão e o planejamento, adorava praticar longas horas aperfeiçoando uma nova tacada ou dominando uma técnica já antiga. Mas atualmente ele raramente usufruía da maior parte de seu arsenal, Yoongi já havia dominado todos os jogadores decentes de Seul e todos na região e arredores o conhecia, isso o deixava entediado, talvez fosse hora de uma viagem a sua terra natal Daegu, ou poderia ir buscar novos ares em Busan, ir às praias durante o dia e nos bares à noite. 

  — Você sabe se esconder muito bem, gatinho, quase desistimos — a voz profunda soou familiar demais para seus ouvidos e Yoongi levantou a cabeça, dando ao recém-chegado um olhar de soslaio, até que ele descobrisse quem diabos era o cara que puxava o banquinho para se sentar ao seu lado. — Ah, que isso? Não se lembra de mim? Assim você vai partir o meu coração, Min — o mesmo franziu o cenho e examinou melhor aquele rosto, a pinta no nariz, os cílios longos adornando as orbes escuras, os lábios rosados e a pele quase âmbar beijada pelo sol, o cabelo agora castanho escuro e com ondas livres e volumosas, bem diferente do verde claro e curto de antes, parecia acentuar melhor o homem e lhe atribuía um olhar tão sensual que chegava a ser obsceno.

  Recém chegado na cidade, o Min passeava pelos bares de Seul, indo de bairros chiques ao subúrbio, procurando novos rostos e novos jogos. Especialmente à noite, porque durante o dia a cidade era barulhenta, cheia de estudantes, brega e às vezes cansativas, mas era de noite que a grande metrópole mostrava sua verdadeira face. 

  Yoongi sabia que, à primeira vista, ninguém lhe enxergava como nada além de um mero estudante universitário, alguém silencioso, educado e um tanto sonhador, características comuns a quase todos que vieram de bairros carentes. Levando isso em conta, qualquer um ficaria surpreso em encontrá-lo nos bairros mais famosos e os mais sujos da cidade, berço de clubes de strip-tease, industria pornográfica, salas de jogo e bordéis. 

  E lá estava ele, em um bar e clube de sinuca no distrito de Seongbuk-gu, cuja a fama dos jogadores de lá chegou em seus ouvidos, antes mesmo de se mudar para a capital do país. Mesmo em sua cidade natal, o garoto frequentava vários desses lugares, desde os dezessete anos quando percebeu que não era totalmente sorte ele jogar tão bem. Em Daegu, Yoongi já havia escrito seu nome no livro dos melhores e, quando percebeu que podia ganhar muito dinheiro e, em algum momento, se tornar o melhor jogador de bilha do país, ele inventou uma bolsa de estudos para a família e se mudou de mala e cuia para o apartamento de seu amigo, Park Jimin, que anos antes se mudara para a cidade em busca de oportunidades melhores e acabou dono de um bar tranquilo.

  O problema começaria seis meses mais tarde, quando seus pais decidiriam fazer uma inesperada visita surpresa ao filho na manhã de seu aniversário de dezenove anos, descobrindo o que o mesmo tentava esconder há anos, sua homossexualidade, inclusive botariam o cara que dormia com o Min para correr. Fortalecidos por essa epifania, eles pensariam à negá-lo como filho e cortariam laços definitivos, mas não negariam sua ajuda financeira todo fim de mês, afinal eles não lhe aceitavam mas adoravam seu dinheiro "sujo".

  O baixinho estava bebericando um coquetel rosa e meio enjoativo, de longe parecia um sonho com sua pele branca pálida, olhos delineados e boca vermelha, o rosto que parecia esculpido por anjos e membros finos e delicados escondidos por roupas largas. Quando um homem alto, que parecia ter saído de uma capa de revista com seu rosto de modelo perfeito e terno aparentemente caro, caminhou em sua direção, o primeiro pensamento de Yoongi foi que iria lhe pedir uma informação ou até mesmo que fosse engano, mas, na verdade, o homem que articulava muito bem e sorria quadrado era um apostador.

  As sinucas monótonas de bêbados nos bares camuflava um submundo que passava quase que invisível pelos olhos da lei, o submundo das apostas em mesas de bilhar. Apostadores eram os que tinham dinheiro; políticos, figuras públicas, grandes empresários e juízes, já os Jogadores eram os que faziam o show acontecer. 

  — O meu nome é Kim Taehyung, prazer.

  Yoongi, naquela época com seus fios em tom de pêssego e piercing no septo, se inclinou contra a mesa de sinuca e esperou que o cara lhe desafiasse em uma partida ou tentasse dar em cima de si, de qualquer maneira ele estava disposto a aceitar as duas opções. — Min Yoongi.

  O outro apenas sorriu e gesticulou em direção ao bar. — Posso te oferecer uma bebida ou você tem menos de dezoito?

  Eles realmente se deram muito bem naquela noite, o baixinho recordou.

  O Kim parecia que estava tentando agir como um idiota que não entendia suas investidas, mas era claramente teatro para conhecer as intenções do garoto, que quando finalmente lhe chamou para uma partida, talvez até um strip pool* se eles conseguissem despachar todos aqueles bêbados do bar, o esverdeado pareceu tentado a aceitar. — Adoraria, mas eu não jogo muito bem, nessa parte só entro com o dinheiro. Quem tem talento para isso é o meu amigo Jungkook, ele é incrível, você já pode ter ouvido falar dele, é o Jeon.

  Yoongi agradeceu aos céus por seus anos de prática controlando suas expressões faciais e tudo que escapou foram apenas um sorriso leve e sobrancelhas arqueadas. Se já tinha ouvido falar? Jeon era simplesmente uma lenda nas ruas, eles diziam que o homem era imbatível, que seu foco e postura eram impecáveis e que todos seus oponentes desistiam de jogar após uma partida, envergonhados demais para continuar. Também diziam que ele era incrivelmente bonito e charmoso, mas os 'eles' nesse caso eram principalmente as mulheres que também competiam nos bares e clubes de bilhar. Jeon era exatamente o calibre de jogador que Yoongi esperava enfrentar quando chegasse em Seul, ele queria jogar com suas habilidades arduamente conquistadas contra os melhores.

  Sua admiração por Jungkook começou um pouco antes de se envolver no submundo da sinuca, na época ele apenas tinha acesso aos feitos do grande Jeon através das bocas dos bêbados do bar da esquina de sua casa, todos o elogiavam e ficavam admirados por um homem tão jovem, no auge de seus vinte e um, já carregar nas costas o título de melhor jogador de bilhar do país. Ele já havia participado de campeonatos, não só os locais como também os mundiais, o cara era praticamente imbatível e isso só fez crescer a vontade do Min de enfrentá-lo quando se tornasse um profissional.

  — Você é o gatinho de Daegu, certo, garoto? — Yoongi assentiu, evitando revirar os olhos para o codinome ridículo. — Dizem por aí que você está alcançando o Jeon rápido demais — ele deve ter parecido pelo menos um pouco ansioso com a menção de Jeon porque Taehyung lhe direcionou uma risadinha triste. — Jungkook adoraria jogar com você, mas ele está fora da cidade  — o Min fez uma careta e engoliu todo o coquetel de uma vez, suspirando e deixando sua frustração de lado, logo os dois estavam conversando e rindo como velhos amigos. Quando ele se levantou para ir embora, o Kim lhe deu mais uma prova de sua simpatia e disse. —Talvez nos vejamos novamente, eu gostaria de ver você jogar e sei que Jungkook também

  Sim, Yoongi esperava que isso pudesse acontecer em breve.

  Já fazia mais de um ano desde aquela noite, o baixinho quase conseguiu tirar da cabeça o pensamento de Jeon Jungkook, mas ele sentia o formigar em seu estômago com a mera perspectiva de conhecê-lo e finalmente poder jogar contra o mesmo. 

  Yoongi virou-se para Taehyung e deu-lhe o seu melhor sorriso. — Eu jamais poderia te esquecer, Kim, bem-vindo ao Filter Beer, aqui temos a melhor cerveja da cidade.

  Jimin riu baixinho enquanto trazia as canecas espumantes de cerveja e o garoto sorriu de volta para ele, quase como em um pedido de ajuda. — Muito obrigado pela promoção, Yoon, aliás, quem é o bonitão? 

  — Este é Kim Taehyung, Jimine, eu lhe falei sobre ele, esqueceu? 

  Como poderia esquecer? Jimin fora obrigado a passar meses e mais meses ouvindo as ladainhas do amigo sobre o quão animado ele estava para enfrentar logo o outro, o quanto queria conhecê-lo e dividir experiências. Aliás, o Park sempre achou hilária a forma como a simples menção de Jeon deixava Yoongi nervoso e isso porque ele nunca nem viu o tal do Jeon, pois por algum motivo o outro nunca revelava sua face por aí, era quase como se ele fosse como as fãs malucas que sempre julgou e Jimin adorava provocá-lo com isso, além de conseguir boas risadas e sempre transformar o Min em um desastre corado e encabulado quando fazia suas brincadeiras.

  — Ah, claro, o amigo daquele tal Jeon, como vai? — o Park reprimiu a gargalhada que ameaçava escapar de si e, quando olhou para o lado, viu os olhos suplicantes e ameaçadores do amigo, que se borrava de medo e ao mesmo tempo parecia falar "se você me entregar eu prometo te matar enquanto você dorme."

  Taehyung estendeu a mão educadamente e cumprimentou Jimin. — Muito bem, obrigado, gostei muito do seu bar, nunca tinha vindo aqui antes e vejo que vocês tem mesas de bilhar, acho que seria uma boa recomendá-lo para os meus amigos.

  Jimin fez uma careta, ele nunca gostou muito da parte suja do negócio. — Eu agradeço, mas já temos nosso circuito formado, aqui não trabalhamos com apostas muito altas e, de qualquer forma, quem cuida dessa parte é Jin-hyung, estamos bem assim — antes de voltar para trás do balcão, o loiro ofegou e deu um tapinha na cabeça do amigo distraidamente. — Boa sorte, gatinho, mostre suas garrinhas.

  Yoongi suspirou, não queria deixar sua empolgação transparecer em seu sembrante ameno, então, mesmo ansioso, sentou-se com Taehyung e conversaram sobre coisas triviais, evitando perguntar se o Jeon estava na cidade ou se eles se veriam logo. 

  Um tempo depois, Hoseok, um dos frequentadores assíduos do local os interrompeu com um sorriso malicioso. — Gatinho, acho melhor você ficar de olho naquele cara — ele indicou o sujeito em questão com uma inclinação de cabeça.

  Yoongi esticou o pescoço para olhar onde parecia haver uma multidão reunida em torno de uma das mesas de bilhar mais ao fundo. O menor se levantou no parapeito do bar e pôde ver Namjoon jogando com um desconhecido, estava de costas para si mas conseguiu ver que se tratava de um homem alto e forte, com pose de quem parecia que poderia ter o comando apenas com um estalar de dedos.

  — Por quê? Ele está perdendo.

  — Sim, mas ele está perdendo espetacularmente, ninguém tem uma sorte tão ruim e tenho certeza que não é apenas incompetência, o cara está perdendo e ainda está tornando isso interessante, deixando Nam correndo atrás dele — Hoseok riu como se tivesse acabado de descobrir um novo continente. — Nosso querido Namjoon está em dois jogos e, como ele é arrogante demais, não acho que tenha notado. 

  Yoongi arqueou uma sobrancelha e, após observar uma tacada propositalmente errada do desconhecido, constatou. — Namjoon está levando um hustling* desse cara.

  Taehyung sorriu por cima da borda do copo de cerveja. — É ele.

  O Min sentiu sua garganta fechar e todos seus membros congelaram, por algum motivo ele sentiu, soube sobre quem o Kim estava se referindo e que aquele era ele, Jeon Jungkook, bem ali, embaixo de seu nariz e fazendo outro jogador de idiota. Quanto tempo ele estava ali? Será que lhe viu? Pretendia lhe desafiar? Eram muitas perguntas e a cabeça do baixinho quase explodia, ele podia sentir o suor frio se formando nas palmas da mão e jamais imaginou que se sentiria assim quando estivesse na presença do homem, se sentia patético. 

  — Bem, eu disse que ele queria jogar com você. Além disso, eu disse a ele que você realmente parecia um gatinho fofo — Yoongi jurou que teria derrubado o outro com seu olhar infame se não estivesse muito ocupado planejando sua abordagem. Ele escorregou da banqueta do bar, ajeitou suas roupas, passou a mão pelos cabelos fofinhos e xingou-se mentalmente por agir como um adolescente sem cérebro, evitando a tentação de se olhar no espelho onipresente do bar atrás de Jimin, que lhe fitava com um olhar insinuativo pois sabia a paixonite que o mais novo carregava pelo tal Jeon. 

  O menor revirou os olhos e caminhou o mais casualmente possível na direção da multidão, Taehyung estava a poucos passos atrás de si, com um sorriso brincando no rosto desde que viu de perto o efeito que o nome e a presença do amigo causou no Min. A maioria das pessoas lá o conhecia e se afastaram para abrir espaço, Namjoon caminhou até Yoongi, presumivelmente para se gabar de sua "vitória", enquanto seu oponente tomava sua vez. Ele assentiu distraidamente para a fala animada do de fios cinza, enquanto observava Jeon circundar a mesa, fazendo um show para verificar os ângulos com um sorriso sem sentido em seus lábios desenhados. Yoongi estreitou os olhos e, quando o moreno se inclinou sobre a mesa para dar sua tacada, ele desviou os olhos para si e seu sorriso cretino cresceu. 

  Ao fim da jogada, seus olhos escuros brilharam e ele murmurou 'bem à esquerda, caçapa do canto'. Foi uma tacada difícil, de onde estava parado, Yoongi não foi capaz de avaliar se ele conseguiria realizá-la se tivesse com o taco na mão. Jungkook estalou as juntas e mais bolas voaram, lisas como seda, bola de número 7 na caçapa do canto direito. Agora que o moreno sabia que Yoongi estava de olho em si, parecia querer encerrar seu jogo atual o mais depressa possível, ele largou de mão o joguinho psicológico que praticava antes, não se incomodando em esconder sua segurança quase arrogante quando preparou suas jogadas e as obsidianas de Jeon sempre travando o mesmo caminho dos olhos de gato. 

  O baixinho aproveitou a oportunidade para assistir o outro homem, enquanto podia fazer isso sem os meandros do jogo enchendo sua mente e sem que ninguém pudesse pegá-lo encarando demais. A postura do moreno mudara drasticamente, ele passou de uma ingenuidade alegre para uma elegância controlada, seus movimentos suaves como de um jaguar, rápidos, graciosos e um pouco hipnotizantes, mas certamente mortais. O belo rosto do Jeon lhe chamou atenção, pelo o que sabia ele não tinha mais de vinte e quatro anos, suas feições marcantes lhe deixavam com um ar mais feroz, a curva orgulhosa de seu nariz grandinho, o corte agudo de vidro de sua mandíbula bem marcada e os longos cabelos ondulados, lhe deixava ainda mais tentador.

  Namjoon pareceu perplexo quando Jungkook deslizou seus ataques pela mesa implacavelmente, realizando com perfeição cada tacada, uma após a outra e virando rapidamente o jogo. O moreno nem estava fazendo algo particularmente chique, sem arremessos ou giros extra, que eram suas marcas registradas, apenas uma boa estratégia antiquada e precisão metódica. 

  Duas ou mais vezes, Jeon observou as ações de Yoongi, suas obsidianas brilhavam divertidas, com cada biquinho ou mínima expressão de descrença que o outro esboçava e se perguntava se aquelas expressões também apareciam quando estava tendo prazer, quando estava gozando, bem, de qualquer forma ele queria solucionar sua tese, nesta noite de preferência. Era como se Jungkook e Yoongi estivessem compartilhando uma piada em comum e o mais baixo sabia que o outro estava propositalmente jogando o mais claramente possível enquanto ainda dominava o jogo.

  Jungkook queria que o Min soubesse que estava guardando suas melhores jogadas para mais tarde, especialmente para o gatinho, e com isso o mesmo engoliu em seco e lutou para esconder o arrepio de antecipação que percorreu sua espinha. 

  Em pouco tempo, Jeon era quem dominava a partida a partir daquele momento, seu oponente nem teve a chance de um outro turno e quando a última bola lisa afundou na caçapa central, Namjoon saiu do transe e começou a resmungar descontente. Jeon sorriu amigavelmente e caminhou para apertar a mão do adversário, que fez uma careta e começou a dizer coisas como 'fui enganado' e 'como se atreve a me humilhar no meu bar.'

  Jungkook apenas se balançou sobre os calcanhares, colocou as mãos nos bolsos e sorriu. — Mas eu realmente gostei da partida, foi divertida, obrigado por jogar comigo.

  A multidão, que até então comentava ferozmente sobre a grande virada, começou a rir e o de fios cinza explodiu, estendendo a mão para agarrar o colarinho do moreno, que segurou seu pulso com força antes que sequer pudesse tocá-lo, seu olhar se tornou gelado e seu maxilar bem marcado travou. A multidão reunida imediatamente ficou quieta e antes que ele pudesse abrir a boca para falar, Yoongi se pronunciou.

  — Primeiro de tudo, este é o bar de Jimin, não seu, não estou vendo o seu nome na placa acima da porta. Segundo, se você tivesse se dado ao trabalho de olhar além do seu próprio umbigo, teria visto o que ele estava fazendo antes, mas você estava tão ocupado se parabenizando pelas suas "incríveis habilidades" como um amador, para perceber que estava sendo enganado e caiu como um patinho — o menor estreitou os olhos em satisfação quando Namjoon estremeceu um pouco e Jungkook lhe observou surpreso, provavelmente não precisava ir tão longe mas ficou chateado com o showzinho que o perdedor pretendia armar, ele esteve esperando há tanto tempo por essa oportunidade e não queria que um idiota de segunda classe arruinasse tudo. Quando Jeon largou o pulso do outro homem e deu um sorriso tenso que não alcançou seus olhos, Namjoon recuou alguns passos e o Min instantaneamente virou-se para encarar o mais alto. — É legal da sua parte finalmente vir até mim, Jeon.

  Mais uma vez, os espectadores começaram a conversar em silêncio quando alguns reconheceram o nome e explicaram aos que não sabiam exatamente quem era Jeon e por que ele era tão importante. A expressão de Jungkook não mudou em nada, ele sorria brilhantemente para o baixinho e estendeu a mão grande num aperto, os dedos do moreno eram longos e bonitos, ele tinha um aperto de mão firme e agradável, Yoongi observou isso e também os anéis e as tatuagens na parte superior dos dedos e nas costas da mão, que subiam pelo braço e desapareciam na manga longa dobrada nos cotovelos. 

  — É bom estar aqui! Você pode me chamar de Jungkook — ele levantou uma sobrancelha divertida. — Prefere que eu te chame de Yoongi ou gatinho?

  O baixinho reprimiu uma carranca com a implicação do apelido que tanto detestava. — Yoongi está bom, obrigado.

  — Ótimo! Vamos nos divertir muito, Yoongi-yah!

  O Min podia sentir o músculo sob o olho esquerdo tremer no honorífico escolhido pelo outro, mas mordeu a réplica afiada que tinha na ponta da língua. 

  — Você precisa se aquecer ou já está pronto para mim? — Jungkook questionou com um tom de segundas e terceiras intenções, apoiando ambas as mãos no taco que usara anteriormente.

  — N-não, estou pronto — o menor amaldiçoou o início repentino de timidez em seu rosto com as palavras de Jeon, ele precisava começar a tratar o homem mais como um oponente e menos como uma celebridade. Respirou fundo e ergueu os ombros, convocando a confiança que o deixava dominar. — Vamos.

  O outro inclinou a cabeça levemente, ainda apoiado no taco. — Qual é o seu jogo? Você me parece um cara de nove bolas.

  E era verdade, Yoongi jogava quase todos suas partidas por dinheiro e a bola de número nove era um jogo de apostas tradicional. A bola nove era um jogo desafiador, ele tinha certeza de que seria uma boa partida, mas não duraria tempo o suficiente para o seu gosto e o Min esperou tempo o suficiente por esse jogo, por isso queria manter Jeon por perto o máximo que conseguisse.

  — O que você diria de um straight pool?

  O moreno sorriu, erguendo uma sobrancelha e viu o leve rubor no rosto do Min tomar uma cor ainda mais profunda. — Eu diria que agora você está falando a minha língua, Yoonie. Joga até cem?

  — Cento e cinquenta.

  14:1, ou simplesmente straight pool, era uma das formas mais antigas e puras da sinuca; todos os mestres já jogaram, costumava ser o único jogo para torneios, atualmente apenas pessoas que se consideravam profissionais se preocupavam com a tradição. Yoongi adorava, cada tacada era importante e decisiva, por isso era requerente muito planejamento e precisão, e as partidas podiam durar horas às vezes, por isso definitivamente não era para amadores.

  — Combinado — Jungkook estendeu a mão e todos no recinto tremeram. Novamente, Yoongi não pôde deixar de observar os dedos longos e ágeis, um desenho em especial chamou sua atenção; a coroa no inicio de seu indicador e aquilo poderia representar seu reinado nas ruas, afinal ele era o melhor, repreendeu-se ferozmente para colocar a cabeça no jogo.

  Seokjin, o agenciador de apostas do local, aproveitou a oportunidade para começar a pedir os lances, abriu um caderno e anotou codinomes que só ele entendia. Parecia que o apoio local era forte e as chances favoreciam Yoongi, apesar dos rumores sobre o talento absurdo de Jungkook ter pesado. Taehyung chamou a atenção do agenciador e fez questão de colocar um grande maço de dinheiro em favor do moreno bem diante dos olhos do Min.

  — Vou ficar muito feliz quando eu ganhar o seu dinheiro, Kim — Yoongi brincou, polindo a ponta de seu taco com giz.

  O outro homem apenas riu e deu um tapinha no ombro forte de Jungkook. — Tenho que apoiar o meu amigo.

  Eles alinharam-se em um de cada lado e decidiram na sorte da sinuca quem iniciaria a partida, a bola do baixinho parou um pouquinho antes, enquanto a bola do moreno rolou centímetros extras e quase tocou a barreira de madeira. — Sua vez, Jeon.

  Yoongi arrumou as bolas na mesa para a primeira partida e o mais alto o observou melhor, seus fios castanho-claros, o pescoço bonito, os diversos brincos na orelha e as roupas alguns números maiores, que o faziam parecer ainda mais baixinho e adorável, lambeu os lábios e esperou até que ele erguesse os olhos para lhe analisar. — Você realmente parece um gatinho.

  — Cala a boca! — o Min reclamou com as bochechas pegando fogo e irritado com a risada do moreno.

  Os primeiros ataques de Jungkook saíram com facilidade, como se ele tivesse colocado cada bola exatamente onde queria: sete, no canto superior direito, treze, no centro esquerdo e dez, no canto inferior esquerdo. O moreno quase limpou a mesa inteira, apenas a bola de número oito permanecia intacta, pois a tacada, que deveria ter sido um pouco mais torta, escorregou levemente para o lado e impediu a bola de entrar na caçapa no último minuto. Yoongi fez uma careta para a exclamação da torcida, e olhou para seu oponente, o sorriso do homem maior que si não revelava nada, e o Min só podia suspeitar que Jeon havia deixado uma mesa quase vazia de propósito.

  O baixinho encaçapou a bola oito com rapidez e acabou aquela rodada, deixando a mesa limpa e bufando quando Seokjin atualizou a pontuação na lousa pendurada na parede mais próxima. Mas estava tudo certo, Yoongi já imaginava que não seria um jogo fácil e ele até preferia recuar um pouco no início, eles poderiam ficar empatados para manter as coisas mais interessantes, um avançando e o outro alcançando logo no próximo turno. 

  Por volta do quinquagésimo ponto, mais ou menos, o Min recebeu de bandeja uma oportunidade de fazer uma jogada malandra e não conseguiu deixar passar, ele deu a tacada e engoliu em seco contra seus nervos repentinos quando os olhos escuros de Jungkook faiscaram com interesse. Foi exatamente como ele havia previsto em sua cabeça, a bola de número doze pulando perfeitamente sobre a nove para empurrar a três para a caçapa central direita. Alguns de seus apoiadores no meio da multidão aplaudiram e Jeon abaixou o taco para bater palmas junto com eles.

  Yoongi abaixou a cabeça enquanto mordia o lábio inferior afim de esconder o sorrisinho de nervosismo que ameaçava escapar. — Eu acho que você não deveria estar comemorando isso.

  O moreno se inclinou, passando seu braço sobre os ombros do mais baixo e chegando perto antes que o mesmo pudesse fugir. — Mas o jogo é mais divertido quando as coisas estão acirradas e, além disso... — abaixou o tom de voz e Yoongi teve que reprimir o calafrio ao sentir a respiração quente tão perto de seu ouvido, acariciando seu pescoço e arrepiando seus pelinhos.  — Eu gosto do jeito que você manuseia esse taco, gatinho.

  O acastanhado engasgou com sua própria respiração, Jungkook só podia estar brincando consigo, tentando distraí-lo e testando seus limites. Deu de ombros, afastando o aperto do braço do mais alto e se afastou com o cenho franzido. — E-eu... pare já com isso!

  Jungkook sorriu fingindo inocência e Yoongi tentou se concentrar.

  O jogo esquentou, cada tacada mais complicada que a outra e técnicas impressionantes, dignas de profissionais. O taco do Jeon se adiantou e executou um combo limpo e perfeito, a bola branca saiu do lado esquerdo e bateu duas vezes nas bordas de madeira, antes de mandar a bola dez direto para a caçapa direita e a sete para a outra. Um triplo banco, ou a triple bank shot*, como costumava ser chamado.

  Yoongi resistiu à vontade de deixar seu queixo cair ao ver o outro realizar aquela tacada dificílima de bilhar como se não fosse nada.

  Algumas rodadas depois, o baixinho fez um giro complicado, o tão famoso tricky spin shot*, tocando a bola branca e fazendo uma bola girar em torno de outra até cair na caçapa e Jungkook sorriu. — Seu english* é incrível, Yoonie-ah!

  O garoto tentou evitar corar, seu ídolo estava lhe elogiando por uma tacada que ele treinara arduamente para completar, ninguém na multidão pareceu notar, mas Jeon chamou sua atenção e piscou. Dali em diante, ele passou o jogo em um pânico implícito, tentando se manter em boa forma e ignorando as provocações cada vez mais óbvias do oponente.

  Yoongi não podia negar para si mesmo que estava atraído por Jungkook, o homem era lindo e habilidoso, e a maneira como ele oscilava continuamente entre o jogador frio e alheio e o jaguar sedutor e autoconfiante era inexplicavelmente fascinante. Mas o Min ainda não sabia dizer se o outro estava apenas brincando consigo, tentando ver o quanto poderia abalar suas faculdades mentais e lhe distrair no jogo. 

  Quando Seokjin limpou a garganta, para anunciar a nova alteração na lousa, o placar estava 151-142 a favor do Jeon, porém Yoongi tinha mais uma chance de aumentar sua pontuação final, se ele pudesse encaçapar todas as dez bolas em fileira, terminaria o jogo por um ponto de diferença.

  A multidão estava quieta, quase silenciosa, exceto pelos murmúrios silenciosos e estratificado de várias conversas sussurradas diferentes. Jeon parecia contente em recostar-se contra uma mesa, seus braços fortes cruzados rente o peitoral, acompanhando os movimentos do menor ao redor da mesa como uma águia cercando sua presa do alto.

  Os primeiros pontos foram fáceis, nenhum deles exigia extravagância mas sim calma e um bom domínio do taco. Sua melhor estratégia para receber o nono ponto era a bola de número doze, que estava posicionada na borda da caçapa esquerda da maneira mais desagradável possível, se ele tacasse a bola branca depois da doze para a caçapa, seu turno terminaria e o jogo estaria empatado. Yoongi queria muito ganhar, não era apenas uma questão de dinheiro, ele queria merecer o respeito de Jungkook.

  Não havia outras bolas em boa posição para usar como intermediária entre a bola doze e a bola branca, o baixinho teria que arriscar sua habilidade de dar um giro suficiente na bola branca para parar sua força a tempo, já havia feito isso antes, embora não com tão pouca margem para erro. Sem mais adiar, Yoongi tomou sua posição e calculou à distância, a conjectura sibilada de Namjoon sobre sua sanidade e o tinido de mais dinheiro trocando de mão em mão. Ele cerrou os olhos e estreitou o foco na bola e no taco, e por um segundo nada mais importava.

  Atacou a bola branca um pouquinho mais baixo do ponto que planejava, mas o giro parecia bom. A bola girou vertiginosa e lentamente através da mesa, tocando a doze levemente e fazendo-a cair com uma pancada sólida na caçapa e a bola branca balançou no precipício antes de parar, Yoongi soltou um suspiro que ele nem sabia que estava segurando.

  O primeiro som a quebrar o silêncio foi a exclamação alegre de Jungkook, enquanto ele apertava seu ombro e lhe puxava para um abraço. — Isso foi fantástico, Yoonie!

  — Obrigado, Jungkook — Yoongi não pôde deixar de comemorar, sorrindo entre os braços fortes do maior enquanto Seokjin registrava o placar final: 151-152.

[...]

  Meia hora e várias cervejas de comemoração depois Yoongi, Jungkook e Taehyung dividiam uma mesa perto do balcão, vendo Jimin terminar de arrumar o restante das mesas, se preparando para fechar o estabelecimento.

  O Kim virou seu copo e deslizou do assento com um sorriso simpático. — Bem, eu vou indo. Parabéns, Min, foi um jogo do caralho e foi um prazer assistir você jogar — Yoongi apertou a mão que o outro estendeu e tentou ignorar o olhar significativo que lançou a Jungkook, ele também iria embora? — Juízo vocês dois! Vejo você amanhã, Kookie! — o moreno apenas sorriu e acenou em resposta com a mão que não estava segurando sua cerveja. 

  Murmurando uma melodia aleatória, Jimin limpou o bar e organizou todas as bebidas e equipamentos em seus determinados locais, se encostou na borda do balcão e franziu a testa. — Vão me implorar para ficar aberto para que vocês possam jogar uma outra partida?

  As obsidianas de Jungkook brilharam. — Você deixaria?

  — Nem pensar, eu estou morto de cansaço. 

  — Eu posso trancar tudo depois, Jimine, você pode ir para casa e eu deixo as chaves no seu quarto, não vamos quebrar nada — as palavras saíram da boca de Yoongi antes que seu cérebro pudesse processar exatamente o que aquilo poderia significar. 

  O olhar de soslaio que Jungkook lançou para si logo depois fez seu estômago apertar em nervosismo e excitação, o Min realmente esperava que não tivesse interpretado mal a situação, mas na pior das hipóteses, ele poderia simplesmente se divertir em outra partida contra seu melhor oponente.

  — Ótimo! Divirtam-se! — o Park exclamou, soltando as chaves sem cerimônia no balcão e praticamente correndo para a porta. 

  Yoongi seguiu o amigo e colega de apartamento, lembrando-o sobre colocar ração para Holly, o poodle dos dois, e, após a saída do loiro, fechou a porta atrás de si, o clique da fechadura soando estranhamente alta no silêncio incomum do bar. Jungkook o observava com um sorriso pequeno e agradável que o baixinho achou impossível ler. — Então... você quer jogar de novo?

  — Quero — o moreno engoliu a última metade de sua cerveja e pelo canto do olho, Yoongi pôde ver como sua garganta se movia enquanto ele engolia o liquido alcoólico e como seu maxilar marcado parecia ainda mais imponente naquele ângulo. O olhar do maior queimou em suas costas enquanto se dirigiam para uma das mesas de sinuca, mas o Min estava convencido de que aquilo era apenas uma ilusão de sua mente excitada, até que se virou e se viu preso contra a borda de madeira. Jungkook o mantinha encurralado, com as mãos apoiadas na mesa, a centímetros dos quadris do baixinho. Se inclinou com um sorriso malicioso e um brilho predatório nos olhos. — Eu não acho que esteja enganado, mas você não quer jogar bilhar de fato, certo?

  Pouco se importando com respostas verbais, Yoongi apertou a camisa do Jeon com as mãos e o puxou para mais perto, diminuindo a distância entre eles e finalmente capturando os lábios do mesmo com os seus. Apesar de um pouco surpreso com a ação, pois achou que o gatinho talvez fosse negar um pouco antes, o maior não perdeu tempo e abriu a boca para a língua insistente e deliciosa do outro, beijando de volta como se o antidoto da felicidade plena escorresse pelos lábios do mais baixo. Yoongi os pressionou o mais perto que conseguiu chegar e levantou a mão do ombro de Jungkook para passar os braços em volta de seu pescoço. Quando ele pressionou os quadris juntos, pôde sentir uma grande protuberância roçando contra sua coxa e isso o fez gemer imundo e descontrolado na boca do moreno.

   Já desde o primeiro suspiro, suas mentes estavam perdidas na densa névoa anestesiante do tesão, estando em um estado alterado, os pensamentos de ambos fluíam rapidamente, desconectados, como um carrossel, e depois se uniam sob uma cúpula de relaxamento coletivo. Mãos fortes incitaram os quadris de Yoongi e, em pouco tempo o mesmo se encontrava sentado na mesa de sinuca com o mais alto entre suas pernas, a batida do coração que, amplificada em sua cabeça, batia com a dele. Aproveitou a oportunidade para cruzar as pernas nas costas de Jungkook e deslizou as mãos para apertar os ombros e braços fortes, ondulando seus corpos. 

  O Jeon quebrou o ósculo para jogar a cabeça para trás e ofegar com a fricção dolorida dos jeans, a costura do cós da roupa incomodando a cabeça de seu pau que persistia em crescer e inchar com os estímulos. Agora ostentando um sorriso maldoso, o moreno pousou as palmas gananciosas sob a camisa de Yoongi, subindo o tecido até os mamilos eriçados, sem antes perder a oportunidade de esfregá-los levemente e agarrá-los com os dentes, mordiscando e chupando a auréola, e deslizando os dedos sobre a costela proeminente, deixando a pele ali queimando.

  — Você já está acostumado com essa posição, gatinho? Se senta aqui com frequência? — o menor mordeu com força o pescoço do outro em uma repreensão sem palavras, mas o grunhido apreciativo que deixou os lábios desenhados fez com que Yoongi tivesse certeza de que o "castigo" de seus dentinhos não havia surtido nenhum efeito negativo, ainda assim, ele não esperava que a profundidade ofegante da voz do Jeon exerceria um estrago maior sobre seus membros e ele tremeu quando o mesmo tornou a falar. — Porra, eu estive esperando a noite toda por isso, tentando descobrir alguma forma de como te foder exatamente aqui.

  Caralho, ele só queria ser fodido até perder a consciência, era pedir demais?

  — Jungkookie? — chamou num fio de voz.

  As obsidianas encontraram os olhos de gato e novamente compartilharam algo que era só deles, nenhum dos dois saberia como nomear aquele novo sentimento mas tinham certeza de uma coisa, a tensão era palpável no ar pesado que começava a tomar conta do local. — Sim, meu gatinho? — Yoongi jurou ter visto faíscas formando uma névoa brilhante no pequeno espaço entre ambos e era melhor ter cuidado; ele poderia facilmente se acostumar em ser o foco desse fogaréu.

  — Vai logo, eu não aguento mais esperar!

  O Min tinha certeza de que nunca mais iria querer parar de beijar Jungkook e só concordou em se afastar momentaneamente quando o maior fez menção de retirar a camisa, permitindo ao menor uma visão privilegiada de seu abdômen definido em junção com pêlos ralos formando o caminho do umbigo até a sua v line marcada e o resto das tatuagens que se espalhavam pelo seu braço esquerdo e peitoral. Se afastou para vislumbrar melhor a imagem do moreno, apoiando-se com os cotovelos na mesa de sinuca, com o rosto corado e mordendo os lábios a cada pedaço de pele que devorava com os olhos. Aproveitando sua posição, o Jeon arrancou as calças de Yoongi em um puxão impaciente e se pôs de joelhos. 

  Antes que o baixinho se desse conta da posição lânguida em que estava e ficasse envergonhado, Jungkook separou e manuseou as pernas do mesmo, beijando dentro suas coxas roliças enquanto as acariciava com um carinho desproporcional para o momento. — Você tem uma bunda perfeita, Yoonie — o moreno grunhiu, mordendo as bandas rosadas e colocando as mãos na parte de trás das coxas febris de Yoongi, dando alguns tapas e posicionando as pernas rente aos seus ombros.

  — Oh, meu Deus — ofegante, o Min moveu um pouco os joelhos e tentou se inclinar sobre o rosto de Jungkook, tentando se distanciar um pouco para não esmagar o rosto do maior. 

  As mãos do Jeon agarraram as coxas com força, mantendo-o quieto, e, em seguida, lambeu os lábios. O estômago de Yoongi tremeu quando o nariz do moreno se instalou entre as bochechas de sua bunda e as separou lentamente, os lábios de Jungkook roçaram contra a pele enrugada em torno da entradinha ansiosa do menor em um beijo ruidoso e pornográfico e Yoongi soltou um gemido tão agudo que ele mal o reconheceu como vindo de si mesmo.

   — Porra, você é gostoso demais, assim eu fico louco! — o moreno lambeu os lábios e degustou o sabor do menor.

  Então a língua macia e molhada de Jungkook se moveu em círculos ao redor do buraquinho e Yoongi sentiu como se toda a respiração fosse arrancada dele. Ele se ergueu para ver melhor a cabeça de fios negros longos entre suas pernas e agarrou um punhado do cabelo macio, querendo descontar um pouco do prazer que sentia ali.

  Com as mãos entrelaçadas nos fios sedosos, Yoongi relaxou o suficiente para começar a desfrutar a sensação avassaladora que derramara sobre si enquanto o mais alto lhe chupava, cutucando a língua pouco a pouco em seu buraco apertado.

  Quando as orbes predadoras de Jungkook caíram em si ele não conseguiu evitar gemer alto novamente por que aquela era sem dúvidas uma das cenas mais eróticas e maravilhosas que já havia presenciado, sua boca estava aberta e qualquer frase que tentasse formar saía como um grito ou um isentivo gritado para o outro. Ele sentiu um calor no pé da barriga e enluvou seu próprio membro, e foi rapidamente repreendido pelo outro que tapeou sua mão e a substituiu com a sua semelhante, realizando movimentos dolorosos de um vai e vem lento e apertando a cabecinha inchada que pingava, enquanto sua boca ainda trabalhava sem descaso na entradinha do mais baixo, chupando desde o anel ruidoso ao períneo e incitando sua língua para dentro. 

  Os pequenos zumbidos que Jungkook soltava contra sua entrada e os barulhos molhados fez o pau ereto de Yoongi doer sob o aperto forte da mão do moreno e ele sabia que se não fosse aquele aperto, lhe privando do total prazer, ele gozaria a qualquer momento. Quando menos esperou, a língua de Jungkook cutucou um pouco mais fundo dentro de si e ele viu uma explosão de estrelas através de suas pálpebras.

  Caralho, o Min pensou e quando percebeu estava falando incoerentemente em voz alta e sôfrega, seu equilíbrio abalado enquanto firmava o aperto no couro cabeludo do Jeon com as duas mãos. — J-jungkookie, merda — o citado retirou a cabeça uma fração de polegada das bandas marcadas e Yoongi choramingou, empurrando sua bunda contra o rosto do moreno e acrescentando. — Por favor, por favor...

  Com a língua de Jungkook lambendo sua borda em grandes e profundas lambidas que arrancavam cada vez mais altos gemidos do baixinho, seu corpo tremeu quando o prazer ameaçou percorre seu corpo mas foi parado pelo polegar do Jeon rente na fenda de seu membro, impedindo que ele alcançasse o orgasmo. Yoongi rapidamente soltou os cachos do moreno e tentou afastar a mão do mesmo, que continuou com seu aperto implacável e rosnou com os olhos presos em suas reações. 

  — Você não vai gozar agora, Yoongi.

  Jungkook deu um último beijo na borda da entradinha do Min, enquanto este continuava choramingando baixinho, sensível e dolorido demais. O moreno lambeu uma linha reta do cuzinho até as bolas, engolindo as duas e acariciando a pele sensível com sua língua antes de ter certeza que o baixinho não corria riscos de gozar. De pé, Jungkook soltou seu aperto aos poucos, roubando gemidos e lamúrias do corpinho estendido na mesa de sinuca, e por último liberou a fenda de seu dedão, espalhando o pré-gozo reunido na ponta e levando aos lábios de Yoongi, que aceitou de bom grado. Jungkook enlouqueceu com isso, Yoongi com lágrimas nos olhos, rosto vermelho e franzido, chupava seu dedão com tanto vigor que parecia que estava chupando outra coisa. Ele se mexeu desconfortável quando a costura da cueca e da calça jeans incomodou novamente a cabeça inchada de seu pau intocado, resvalando na pele febril e lhe incitando a se livrar de todo aquele pano.

  Jungkook desfez seu zíper com a livre mão e desceu as calças, em seguida enfiou mais três dedos na boca de Yoongi, que lhe fazia pensar que tipo de cara tinha lábios tão macios assim e a língua tão ágil entre suas falanges. Enquanto se livrava dos botões e chutava a calça com os pés, ele podia ouvir os sons escorregadios da boca alheia engolindo e encharcando seus dedos. O Jeon oscilava os quadris e o atrito do pau recém liberado do outro com seu buraquinho que não parava de piscar era incrível, mas ainda não era o que o gatinho queria. 

  Yoongi sentiu os quadris de maior falhando quando mordeu os dedos dentro de sua boca e sorriu contra as falanges ensopadas, antes de soltá-las. 

  — Porra, Yoonie, não faz assim — o sorriso  que o Jeon lhe ofereceu após a frase e o aperto suave em sua bochecha fez com que o calor voltasse a habitar o pé da barriga de Yoongi, que tentou morder a mão do moreno novamente, guinchando quando foi repreendido com um tapinha leve e um arquear de sobrancelha. — Estou te achando um gatinho bastante arisco, sabe, deveria usar essa sua boquinha para coisas mais interessantes, não acha? — o homem dizia aquilo enquanto punhetava o próprio pau e assistia as reações do baixinho, que engoliu em seco e encarou a ereção dura como pedra com seus olhos levemente encapuzados. — De quatro, anda!

  O Min sentiu um puxão de sua camisa sendo finalmente retirada lhe trazendo de volta para a realidade e, enquanto se apoiava nos joelhos e engatinhava como um verdadeiro gatinho até a borda da mesa com a bunda empinada, ele só desejou que pudesse chupar o pau de Jeon Jungkook até sentir a boca dormente. O baixinho olhou para o moreno com seus belos olhos brilhantes e abriu sua boca, colocando a língua para fora e se cercando pelas coxas grossas. Jungkook achou aquela visão tão tentadora que precisou olhar por mais de um segundo, capturando o momento com seus olhos e gravando-os na mente, respirou fundo e empunhou seu pau, esfregando a ponta nos lábios superiores do outro. Yoongi, se apoiou nos cotovelos para beijar o abdômen perfeito do moreno e deixou algumas marcas antes de voltar a sua posição.

  O mais alto lançou a cabeça para trás e suspirou com a sensação gostosa da boca quentinha e úmida em volta de seu pau e a visão diante de si quase o fez gozar instantaneamente, os olhos gateados o fitavam e a boca pequena engolia se esforçava para engolir o membro grosso, lhe deixando com as bochechas cheias e fofas. O Min lentamente deslizou a boca para baixo, provavelmente para tomar um pouco de ar e logo voltou chupando a glande inchada, sua língua contornou as veias da extensão e depois mergulhou na fenda que escorria líquido perolado, o mais alto silenciou um gemido em sua garganta.

  Jungkook rosnou quando os dentinhos do outro roçaram no parte de baixo de seu membro, engolindo suas bolas ruidosamente, fazendo com que uma quantidade excruciante de prazer passasse pelo corpo do moreno e fosse quase impossível não soar alto.

— Caralho! — ele gemeu e quase engasgou quando sentiu o sorriso do outro ao redor de seu comprimento, fazendo com que vibrações de prazer se espalhasse pelo seu corpo. Yoongi soltou o falo em um estalo molhado e começou a acariciar a rigidez grossa, usando sua saliva como lubrificante e facilitando o atrito, fazendo tudo isso enquanto balançava sua bundinha no ar e foi impossível para o maior não tapeá-la e apertar bem forte.

  Antes que o mais baixo retornasse a felação, o Jeon agarrou seus cabelos e puxou-o para longe de seu membro, batendo o pau grosso no rostinho de Yoongi. Era tão obsceno e bonito que ele jurou que poderia fazer isso a vida toda e, sem avisar, ele estocou seu pau na garganta do baixinho. Um som de protesto saiu do Min, logo sendo abafado em torno do membro pulsante de Jungkook que gemeu alto antes de firmar a cabeça do outro e inclinar seus quadris para continuar a foder a boquinha molhada.

  — Puta que pariu, você vai me deixar louco — Jungkook sussurrou enquanto empurrava com mais força, sentindo a garganta de Yoongi tremular ao seu redor e por diversas vezes quase engasgar. Seu corpo já enviava indícios de que estava perto de atingir o orgasmo e, a contra gosto, ele afastou seu pau e deitou de costas o corpo do outro, que rapidamente teve seus quadris puxados para frente e as pernas novamente encontraram conforto nos ombros fortes do moreno, agora sem que Yoongi se sentisse envergonhado por estar totalmente exposto. 

  — Se Jimin descobrir que fizemos sexo em uma de suas mesas, ele vai me matar — refletiu aleatoriamente, agradecendo pelo amigo não ter câmeras de segurança no estabelecimento, pelo menos não que soubesse.

  — Se ele descobrir, eu protegerei você — Jungkook lhe assegurou e então se inclinou, logo aqueles lábios perfeitos estavam envoltos na cabeça do membro do Min, que parou de raciocinar completamente.

  Ele novamente enroscou uma mão nos cachos longos e macios do moreno, a outra mão esfregando inutilmente contra o feltro da mesa enquanto lutava para não perder a cabeça com a sensação quente e a vibração conhecida da língua de Jungkook logo abaixo da pequena coroa da glande, quase não sentiu as mãos sorrateira do maior traçando a curva de sua bunda.

  — Caralho, sim, Jungkookie! — levantou os quadris, se empurrando descaradamente contra o toque das três falanges habilidosas contra sua entradinha. O deslizar daqueles dedos tatuados e longos dentro de si era irreal e igualmente gostosa como a da língua do moreno. Jungkook engoliu o membro cm facilidade e se manteve na posição por alguns segundos, sorrindo quando viu o menor se contorcer e gemer, enquanto tesourava os dedos e pressionava mais fundo dentro do mesmo. — Eu não posso- eu vou gozar... Eu preciso que você me foda.

  Jungkook cantarolou em concordância e se afastou, lambendo a saliva acumulada de seus lábios e retirando os dedos do buraquinho ansioso, deixando o gatinho se sentindo aberto, vazio e desesperado. Ele podia ouvir a respiração irregular do moreno e o som molhado de sua punheta, depois de pegar o preservativo do bolso de sua calça e vesti-lo e não demorou mais de um segundo ou dois para o Jeon, com as mãos grandes incitando as coxas de Yoongi, alisando os músculos trêmulos e pressionando suavemente para a frente.

  Os dois gritaram quando Jungkook empurrou mais forte, tão profundo que não parou até que ele estivesse com as bolas rente às bandas agora vermelho-escarlate do Min, a sensação de ser empalado pelo pau grosso do mais alto era tão excruciante que ele precisou morder a palma da mão para impedir-se de gritar alto enquanto o mais alto empurrava cada vez mais fundo para dentro em si. 

  O Jeon percebeu a angústia visível no pequeno vinco na testa do mais novo e se mexeu para beijar o rostinho corado, cobrindo o corpo menor que o seu com o próprio e retirando sua mão para tomar-lhe os lábios em uma tentativa de distraí-lo da dor. Yoongi se inclinou e passou os braços ao redor do pescoço de Jungkook, chupando sua pele enquanto suas unhas corriam livremente pelas costas fortes e suadas. O moreno xingou em seu ouvido quando o Min enrolou suas pernas em sua cintura e movimentou os quadris em concordância, descobrindo que a dor já não era tão insuportável.

  Jungkook abraçou seus quadris com força, empurrando-o de encontro a sua pélvis e aumentando a velocidade a cada gemido que abandonava a garganta do outro. Não precisou de muito para que o maior encontrasse aquele mesmo ponto dentro de Yoongi, fazendo seus impulsos se tornarem ainda mais duros e fundos para tocá-lo ali repetidamente. A maneira como as mãos grandes do Jeon agarraram seus quadris, cobrindo sua bunda enquanto estocava contra seu buraquinho ansioso, com força e rapidez, a maneira como as obsidianas de Jungkook faiscaram quando o menor, sem mais vergonha, gritou a cada penetração, afundando suas unhas na pele tatuada e marcando rudemente o pescoço com chupões.

  — Jungkookie! — Yoongi arrastou a última silaba enquanto recebia uma estocada necessariamente bruta, as ondas de prazer inundando suas veias como fogo líquido, o sangue rugindo em seus ouvidos mas não conseguindo abafar os barulhos de pele na pele. — M-mais rápido! Ah, isso, va-ai com mais força! — ele mandou e sentiu a mão do mais alto apertando seus lábios juntos em forma de bico, correndo a língua ao redor de deles e saindo de sua entrada para entrar com tudo logo depois.

  Ele podia sentir a tensão se acumulando em seu intestino e sabia que não iria durar, mesmo que nem tivesse tocado no próprio membro e principalmente por já ter tido seu prazer negado, tentou aguentar, mas a visão do homem moreno lhe olhando como se fosse comê-lo vivo, lhe encorajando a gozar e adorando ouvir cada som que saia de sua garganta o puxou para uma onda de êxtase e ele só se deixou ir. 

  Incansável, Jungkook o fodeu mesmo com ele jorrando sua porra por ambos os corpos, reprimindo-o, fazendo-o sentir que ainda estava gozando mesmo depois de ter liberado todo seu liquido. A luta de Yoongi para manter os olhos abertos para ver o outro homem valeu a pena, Jeon estava incrível quando estremeceu e chegou ao nível máximo de seu prazer dentro do baixinho, um belo rubor pintando suas maçãs do rosto altas e um gemido profundo abandonando seus lábios desenhados.

  Alguns instantes depois, o moreno se retirou de dentro de Yoongi, que relaxou as pernas e ofegou exausto. O mais alto ganhou sua apreciação eterna ao desaparecer por um segundo, apenas para retornar com um pano úmido, vindo de sabe-se lá onde, e limpar os dois, verificando se não deixavam manchas de porra na mesa de bilhar. Quando a mesa parecia intocada, o Min olhou para o lado, sem saber o que fazer a seguir. O que se diz depois de um incrível jogo de bilhar com alguém que você admirava como jogador, seguido de um incrível sexo quente com este mesmo jogador?

  Novamente, Jungkook preencheu a lacuna entre eles e puxou Yoongi de volta para um beijo suave, totalmente confortável com a nudez dos dois. — Isso foi incrível.

  — Hum, sim, foi. Obrigado?

  O moreno riu e deu um tapinha na bunda ainda vermelha do gatinho. — Eu quem devo agradecer, deveríamos fazer mais vezes — o sorriso de Jungkook cresceu e assim que se deu conta do que disse, coçou a nuca um pouco envergonhado. — Se você quiser, claro!

  Yoongi assentiu e tentou não se sentir desconfortável com a repentina intimidade. Os cachos de Jungkook pareciam uma bagunça suada mas, que o deixava ainda mais jovem e um pouco fofo, teve que se segurar para não acariciá-los ou enfiar o nariz ali e sentir o cheiro do shampoo. Enquanto catava suas roupas jogadas no chão, o Min percebeu a movimentação desconfortável do outro, como se ele quisesse lhe falar alguma coisa e estivesse reunindo coragem.

  — O que foi? — o acastanhado perguntou curioso, tombando a cabeça um pouco para o lado.

  — Você vai ficar ocupado pelas próximas semanas? — o Jeon suspirou como se tivesse enfrentando um campo minado antes de responder e seu tom de voz parecia precioso demais e, mesmo que tivesse planos, o menor os cancelaria para manter aquele brilho esperançoso nas obsidianas alheias.

  — Na verdade não, por quê?

  — Há um torneio em Busan, não é tão grande mas eu estava planejando ir, aproveitar para fazer uma visitar para minha família, e não sei se você gosta de torneios, mas você é bom o suficiente para ganhar e eu pensei que você poderia querer ir comigo.

  Ele sorriu para a expressão atordoada do moreno, quase como se ele estivesse esperando de uma negativa e até pensou em brincar com o outro, mas Yoongi estava realmente começando a gostar de calar Jungkook com seus próprios lábios. 

  O Jeon interrompeu o beijo com um ponto de interrogação estampado no rosto. — Dessa vez eu preciso de uma resposta verbal.

  — Eu adoraria, Jungkookie! — ele riu animado e retomou o beijo, sentindo as luzes da manhã infiltrando-se pela janela quase fechada do bar.


Notas Finais


triple bank shot: https://www.youtube.com/watch?v=Ui7B1UVY8tE
tricky spin shot: https://www.youtube.com/watch?v=9lXKerh_xcc

obrigada por ler e fique a vontade para comentar sua opinião sobre a fic, okay? ><
bye <3333


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...