História Stranger Things.- 1985 - Capítulo 8


Escrita por:

Postado
Categorias Stranger Things
Personagens Billy Hargrove, Chefe Jim Hopper, Eleven (Onze), Maxine "Max" Mayfield / "Madmax", Steve Harrington, Will Byers
Tags Drama, Eleven, Mike, Novela, Revelaçoes, Romance, will
Visualizações 89
Palavras 2.847
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Comédia, Drama (Tragédia), Ecchi, Esporte, Famí­lia, Festa, Ficção, Ficção Adolescente, Ficção Científica, Hentai, LGBT, Luta, Magia, Mistério, Romance e Novela, Sobrenatural, Suspense, Terror e Horror, Violência, Yaoi (Gay), Yuri (Lésbica)
Avisos: Adultério, Álcool, Bissexualidade, Canibalismo, Drogas, Estupro, Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Mutilação, Nudez, Sexo, Spoilers, Tortura, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Oi meus docinhos de leite ninho com Nutella. Como vocês estão?

Eu estou... FELIZ PARA UM CARALHO! VOCÊS SÃO FODAS.
SOMOS 28 FAVORITOS E 34 COMENTÁRIOS!! OMG!
EU AMO VOCÊS ♥
Quero deixar claro que eu não sou muito boa em hot, mas eu me esforço. Me dêem uma colher de chá, mas estou aberta a críticas construtivas e sugestões.
Cheguei agora pouco da escola, e eu peço que relevem os erros, eu até releio o capítulo por cima, mas na maioria das vezes estou cansada demais para notar detalhes. O trabalho, a escola, os cursos... Todos eles me tomam muito tempo e energia.

Por favor, respondam, okay?
Vocês querem outros hots/Hentais entre os outros casais? Se sim, quais? Todos?
O quão receptivos vocês são para sexo entre os mesmos sexos?

Sem mais delongas, boa leitura ♥

Capítulo 8 - As aula de matemática são as melhores. - Pontos para Wheeler


Fanfic / Fanfiction Stranger Things.- 1985 - Capítulo 8 - As aula de matemática são as melhores. - Pontos para Wheeler

- Mike? Mike? - Ambos se viraram para o rádio que chiava levemente. 

O moreno correu até lá. Era uma boa desculpa para fugir da conversa constrangedora que surgiria.

Eleven o seguiu com os olhos, sem entender. 

- Lucas? - Chamou, com o rádio em mãos. 

- Cara, Dustin e eu estamos tentando falar com você há um tempão. - Sinclair bufou. - Nós vamos no fliperama, quer ir? 

- Não, estou ocupado hoje. - Suspirou. 

- Com o que? Punheta? Qual é, cara. Deixa de ser bundão! - Lucas quase gritou. 

Mike foi corando cada vez mais, alcançando um vermelho escarlate. 
Por que os amigos dele tinham de ser tão idiotas? Quer dizer, que eles tinham demência ele já sabia, mas precisava ser  um grau tão elevado? 

- É, cara. Você precisa nos dizer o que quer de aniversário. - Outra voz entrou no áudio.

- Max? - Ele uniu as sobrancelhas, confuso. 

- Com certeza vai querer um boquete! - Os outros dois riram quando uma terceira voz chegou. 

- Cala boca, Dustin. - Mike revirou os olhos, com as pontas das orelhas em brasa. 

- Eu não vou te dar esse presente não. Deixo pra Jann. - Uma quarta voz riu. 

- Até você, Will? - Wheeler rolou os olhos. - Olha, eu não vou. Câmbio. Desligo. 

Jogou o rádio no sofá e se virou para Eleven, girando sobre os calcanhares, tentando fazer com que demorasse, assim ele teria tempo de se recompor, e se preparar para as perguntas que viriam. 

- Punheta? - Olhou para Mike confusa, que coçou a testa. 

Maldito Lucas! 

 - É-é... Al-algo b-bem pa-parecido co-com o qu-que vo-você f-fez aq-aquele d-dia. - Engoliu em seco, atropelando as palavras, diante do nervosismo. 

- Você também pensa em mim, Mike? - Os olhos de Jane brilharam. 

- O que? Cla-claro. - Corou ainda mais, se é que é possível, por revelar a Eleven que batia uma de vez em sempre pensando nela.

- O que é bo...teque? - Tentou repetir a palavra, embora ela não fosse tão clara em sua mente. 

- O-olha... Acho melhor começarmos a estudar. - Mike sugeriu, erguendo um livro. 

- O que é, Mike? Eu quero saber! - Vincou as sobrancelhas, cruzando os braços. 

Michael se pegou olhando para blusa folgada que eram pelo menos dois números maiores que ela. Os seios dela se marcaram. Eram redondos e médios. Sentiu a boca salivar. 

- Mike? - Eleven chamou outra vez, e ele arregalou os olhos, voltando o olhar para os olhos dela.

Engoliu o tanto assustador de saliva que sua boca havia produzido em poucos segundos. 

- El, depois, está bem? - Suspirou, coçando a testa. 

- Will sugeriu que eu fizesse isso. O que é? - Insistiu. Mike bateu a testa na mesa. 

- El, deixa isso para lá. - Pediu com a voz abafada e os olhos fechados. - Por favor. 

- Tudo bem. Vou perguntar para outra pessoa. - Abriu um dos livros, emburrada. 

- Tá' maluca? - O Wheeler arregalou os olhos, levantando a cabeça para fita-la. Ele estava sério como nunca esteve antes. 

- Vai me contar? - Pela primeira vez, Eleven o encarou nos olhos com firmeza. Estava o desafiando, e Mike gostou disso. 

- Não. - Respondeu, olhando na mesma intensidade que ela.

- Então, eu estou. - Deu de ombros, sorrindo de lado, voltando a página que havia aberto. 

- É uma palavra vulgar para sexo oral. É quando alguém te chupa. - O linguajar de Mike estava solto, e ele realmente não estava se importando. Aquela Eleven despertava um Mike imoral nele. 

- Por que você iria querer que eu te chupe? - Os olhos confusos e inocentes de Eleven voltaram, e Mike pigarrou, desviando o olhar. 

- Por que é algo bom. - Começou a procurar sobre a mesa um livro de capa verde. 

- Alguém já te chupou? Como você sabe? - Eleven uniu as sobrancelhas. Imaginou alguém passando a língua pelo corpo do "SEU" Mike, e não gostou nada disso. 

- Não. Não me chuparam. Mas eu sei que é. - Deu de ombros. A voz dele ainda estava rouca e vacilante. - Vamos começar por esse, está bem? 

Eleven achou estranho, mas não se opôs a nada. Tratou de prestar atenção e tentar aprender, o que era uma tarefa bem difícil considerando os lábios vermelhos de Mike se movendo, a voz rouca dele num tom baixo e arrastado, os olhos mais escuros e brilhantes que o normal, como aquele dia. Era aquele olhar. Os cílios longos e castanhos claros subiam e desciam lentamente, as sardas pareciam constatações. Eleven tinha vontade de beijar cada uma delas. Os cabelos estavam mais revoltos que o normal, o pescoço parecia tão chamativo com vasinhos verdes e a pele tão alva. 

- El, você tá' me escutando? - Mike a fitou indignado. 

- Hãn? - Piscou algumas vezes, se concentrando em Mike, e não em cada detalhe dele. 

- O que foi? Você está aérea. Você tá' bem? - Vincou as sobrancelhas, preocupado com ela. 

- Tô'. É só que... - Mordeu os lábios, o que não passou despercebido por ele, que fechou os olhos, contendo-se. - Você é tão bonito. Me desconcerta.

- Jane Hopper, preciso que você se concentre aqui, está bem? - Apontou para o livro, corando. - Aqui! 

Jane bufou quando ele a chamou pelo nome completo, fazendo que sim com a cabeça. 

As vezes a mente de Eleven simplesmente se desligava quando se tratava dele. 
Mike sentia a calça apertada e quente. Muito quente. 

Eleven apoiava as vezes os seios sobre a mesa, e ele se perguntava se ela estava ou não de sutiã. A boca pequenina e carnuda às vezes era mordida e ele sentia vontade de beija-la. Os olhos curiosos e as vezes maliciosos sobre si somente o fazia querer agarra-la ali mesmo. 

As horas se passaram naquela tortura. 
Ambos exalavam sexo. 
As bolas de Mike doíam, e a intimidade da menina se contraia as vezes. Aquilo estava começando a doer. 

- Okay, você foi bem. Mais, menos, vezes e dividir já foram. - Sorriu orgulhoso, fechando os livros. Não pensou que iria avançar tanto em tão pouco tempo. - Tem que estudar a tabuada todos os dias. 

- Sim, senhor. - Brincou, batendo continência. 

Mike mordeu os lábios, fechando os livros. 

- Mike? - Chamou, assoprando entre os seios. 

- Hm? - Murmurou enquanto colocava os livros que já haviam terminado em um canto. 

- Já terminamos? - Se debruçou sobre a mesa, agarrando a mão dele. As pontas estavam gélidas, as palmas quentes e estavam suadas. 

- Já, por que? - Ergueu os olhos para ela. 

- Eu quero, Mike. - Apertou a mão dele. 

Michael fechou os olhos. Estava quase mandando seu autocontrole para casa do caralho e se enterrando dentro dela, mas aí, lembrou-se que ela era Eleven. A doce e inocente Eleven. 

- Que tal jogarmos até seu pai vir te buscar? - Sugeriu, sorrindo, implorando mentalmente para ela aceitar. 

- Não! - Negou com a cabeça, engatinhando de quatro até Mike. 

- Eu tenho novos jogos. Ganhei de aniversário antecipado da tia Kate. - Tentou mais uma vez, fechando os olhos, fingindo não estar ciente de que Eleven estava em seu colo. 

Onde ela aprendia essas coisas? Max? 

- Não. - Afirmou outra vez, tentando beija-lo nos lábios. Mike ia desviando como podia. 

Ela não havia tido nenhuma aula daquela, mas sabia que sentia vontade de estar ali, de fazer aquilo. Sabia que estava sentindo algo, o que, ela não tinha certeza. 

- Tá' queimando, Mike. Faz parar. Por favor. - Sussurrou no ouvido dele, movendo-se para frente e para trás em seu colo.

- Já te ensinei como, El. - Ofegou, suas mãos tremiam de vontade e ele se segurava para não gemer alto. 

- Não. Quero que você faça! - Pegou a mão dele, levando até o meio de suas pernas. 

Eleven gemeu com o contato gelado dele contra a intimidade dela por baixo da calcinha. 
Mike gemeu por notar o quão molhada ela estava. Não põde deixar de sentir seu ego inflar e seu pênis pulsar. 

- Por favor, Mike. Só dessa vez. - Suplicou, olhando-o nos olhos. 

- Só essa vez, Eleven. - Enfiou a mão debaixo do vestido dela, apertando-lhe as coxas, subindo gradativamente. Chegou a bunda da menina, que não era pequena. 
Mike gemeu a apertando e Eleven gemeu baixinho, gostando do contato. 

O Wheeler a atacou nos lábios, beijando-a com fervor. Sua língua era quente e tinha gosto de menta, era lenta e fazia movimentos perversos. Eleven não sabia que eram perversos, mas se sentia molhar cada vez mais. 

As mãos dela o agarraram pela nuca e os quadris se moviam para frente e para trás, chocando as intimidades numa fricção gostosa. 

Mike largou a boca dela, descendo para o pescoço. Mordia, chupava, lambia. 
Eleven tentava conter os gemidos, mordendo os lábios. 

Mike se levantou com ela no colo, e Jane tomou um susto, dando um baixo grito de surpresa. 

- Shii, El. - Pediu. Sua voz estava mais grossa, mais rouca, mais baixa, mais... Jane não sabia, mas estava. 

- Mike... - Gemeu quando ele se debruçou sobre ela, sem colocar peso. 

O moreno segurou a barra do vestido dela e o subiu, sem o tirar. Somente queria ter acesso ao corpo dela. 

- Sabia! Sem sutiã. - Sussurrou rouco, sorrindo maliciosamente. Mordeu os mamilos rijos dela, vendo-a ofegar. 

- Mike... Mi-ke... - Gemeu, fechando os olhos com força quando ele levantou a colocou sobre a mesinha, beijando as coxas, mordendo o quadril, lambendo a barriga, assoprando-lhe os mamilos, para depois lamber e assoprar de novo. 

- Safada! - Deu um tapa na coxa dela quando ela o puxou pela nuca, fazendo-o chupar-lhe os seios. 

As mãos do Wheeler desceram até o meio das pernas dela, passando o indicador por todo o vinco que havia na calcinha, para em seguida a empurrar para o lado. Juntou o indicador e o maior de todos colocando entre os lábios vaginais de Eleven, que se contorceu quando ele encontrou o clitóris dela. 

Mike a beijou no maxilar e o queixo, e em resposta, viu-a abriu mais as pernas. Ele quase pôde rir. Se não estivesse tão duro, ele iria rir do desespero dela. 

Desceu os dedos lentamente e os deixou serem engolidos pela cavidade apertada e escorregadia. 

Jane apertou os olhos, comprimindo os lábios. 
Aquilo era muito bom.

- El? - Chamou, preocupado, parando com os movimentos lentos de entra e sai. 

- Continua, Mike! - Foi uma ordem sussurrada num tom de súplica.

Ele riu levemente e fez que sim com a cabeça, girando os dedos lentamente dentro dela, voltando a entrar e sair, entrar e sair. 

Os quadris de Eleven começaram a mover junto com a mão de Mike, num ritmo sensual e pornográfico. 

Ela era tão apertada. Estava tão molhada. Ele poderia gozar. 

- Quer que eu desça? - Passou a língua em todo o mamilo dela, chupando o pequeno pontinho e logo em seguida o mordendo. 

Jane o empurrou pela cabeça e ele sorriu cínico, começando a deslizar sobre o corpo dela, beijando, chupando, mordendo, até parar no centro das pernas dela. Assoprou, vendo ela fechar as pernas em sua mão, que ainda entrava e saía lentamente.
Passou a língua dos dedos dele até a um pequeno ponto duro que pulsava. 

Eleven gemeu, e ele sabia que ela gemeria mais alto, então tirou os dedos que estavam na fenda úmida de Jane e os levou a boca dela, que no primeiro instante se assustou. 

- Chupa. - Mandou, passando a língua no clitóris dela, que em resposta, pulsou. 

Eleven assim o fez, colocando os dedos dele na boca. O gosto era estranho, embora não fosse ruim. Segurou as mãos dele pelo mindinho e pelo polegar e logo pegou o jeito, chupava fitando Mike, que a fitava com os olhos brilhando, com a língua em sua intimidade. 
Sem quebrar o contato visual, Mike desceu a língua e a penetrou com a mesma, intercalando entre enfiar os dedos e a língua. 

Jane revirou os olhos, arqueando as costas. Quase gemeu alto, contudo, o Wheeler foi mais rápido e enfiou os dedos na boca dela, fodendo-lhe a boca. 
Ela havia gostado daquilo. Mike no controle. Havia gostado de chupar os dedos dele. 

- Mi-Mike. - Gemeu acompanhando os dedos dele com a boca, erguendo e descendo a cabeça. Agarrou-o pelos fios negros, revirou os olhos, e deitou a cabeça, arqueando as costas. Os dedos dele caíram entre os seios dela, e o corpo dela começou a convulsionar. 

- Wow! - Mike murmurou, rindo toda vez que passava a língua de leve contra a intimidade, limpando os vestígios de um orgasmo. 

- O que foi isso? - Perguntou em um sussurro, ainda tremendo. 

- Parabéns, você teve um orgasmo! - Mike riu, arrumando a calcinha dela, descendo o vestido e a ajudando a vestir o moletom preto. 

- Nunca é assim quando eu faço... - Sentiu-se ser erguida e colocada no sofá. 

- E aí? Como foi? - Ergueu as sobrancelhas para ela, divertido com o estado de Eleven. 

- A melhor coisa que já senti. - Mordeu os lábios, fitando o rosto corado dele, descendo pelo moletom cinza e largo que ele usava. Enlaçou o pescoço dele quando foi erguida, sendo posta sobre o sofá. 

- Vou encarar como um elogio. - Riu divertido, pegando a toalha azul pendurada em um dos pregos. 

Os olhos de Eleven se fixaram no volume que ela podia jurar que se mexia, nas calças de Mike. 

Lembrou-se de quando havia o visto nu. Mordeu os lábios. Era tão... Gostoso. 

- Deixa de ser pervertida, El. Você acabou de ter um orgasmo que te deixou até mole. - Riu mais ainda, corando, colocando a toalha na frente do corpo. 

- Chato! - Emburrou-se, fazendo bico, o olhando indignada quando ele cobriu o volume. 

- Certo. - Gargalhou. - Vou tomar um banho. 

Jane viu a porta se fechar, e depois ouviu o chuveiro ser ligado. Não ouviu mais nada depois disso. Não viu mais nada depois disso. 
Estava tão cansada, tão feliz e relaxada que se deixou dormir, com um imenso sorriso no rosto e a certeza de que as aulas de matemática eram as melhores. 

Mike saiu do banheiro sorrindo, pendurando a toalha, ficando nu porque teve a certeza que Eleven estava dormindo. Pegou roupas limpas no cesto, puxou o saco de dormir que ainda estava sob a cabana que um dia abrigara a menina e o forrou do lado do sofá, onde ela dormia. 

Mike a cobriu com um cobertor e se deitou no saco de dormir, virado para Jane. 
Como poderia alguém ser tão bonita?

- Mike? - Chamou, sem abrir os olhos. 

- Hm? - Ele acariciou a bochecha dela. 

- Eu te amo. - Sussurrou. 

Por um instante, ele ficou petrificado, mas logo abriu um imenso sorriso. 

- Eu te amo. - Sussurrou de volta, enlaçando os dedos aos dela, que os apertou, voltando a dormir em seguida. 

••• 

- Cadê sua mãe? - Hopper sussurrou, entrando na casa de Nancy. 

- Está dormindo. Tomou calmante. Não vai acordar. - Sorriu levemente, guiando-o. 

- Ela está bem? - Uniu as sobrancelhas. 

Karen Wheeler tomando remédio? Logo ela, que ela tão elétrica? Algo estava errado. 

- Está tudo bem. - Nancy mentiu. E muito mal. 

Hopper deu de ombros. Não era de sua conta. Ele já tinha problemas demais. 

- Eles estão lá embaixo. - Nancy comentou, abrindo a porta do porão. 

- Sozinhos? - Jim fechou a cara. 

A Wheeler não respondeu. Não ia saber mentir e também não poderia dizer que havia os deixado sozinhos a tarde toda, considerando que ambos eram adolescentes cheios de hormônios. 

Desceram em silêncio as escadas, achando que estavam fazendo algo errado, prontos para pegá-los no flagra, contudo, só viram Mike no chão, e Eleven em um sofá que caberia eles juntos numa boa. 

- Acho que gosto mais do seu irmão. - Jim susurrou. 

Só havia a luz do abajur acesa. 
Nancy sorriu orgulhosa. 

- Se você disser que eu disse isso, nego até a morte. - Cochichou sério, pegando sua menina no colo. 

- Papai... - Jane reconheceu, ainda que inconsciente quando o delegado a colocou contra o peito, e ela pode sentir o cheiro dele. 

Mike acordou em um pulo quando escutou o resmungo da amada. 

- Que susto. Achei que ela estava tendo algum pesadelo. - Cochichou, levando a mão ao peito. 

- Obrigado por cuida da minha filha, Wheeler. - Hopper agradeceu, olhando para cabana montada. Imaginou que era ali que escondiam Eleven. 

- De nada, senhor. - Se levantou, acariciando a bochecha de Jane e depois dando um rápido selo na testa dela. - Obrigado por confiar em mim. 

Jim fez que sim com a cabeça e deu as costas. 
Talvez Michael Wheeler não fosse tão ruim assim. Sua filha estava inteira, intacta, e ele não havia dormido grudado com sua menininha. 

Ele havia ganho alguns pontos. 

 


Notas Finais


O próximo capítulo é um dos meus favoritos. Hushshahushahusha, mas ao safadinhos de plantão, não tem Hentai, nem hot.

Não esqueçam de responder a dúvida acima. É MUITO importante.


Capitulo REVISADO, mas já sabem né? Achou algum erro grotesco, avisa.

Até Sexta


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...