História Strip club - Klance - Capítulo 1


Escrita por:

Postado
Categorias Voltron: O Defensor Lendário
Personagens Keith, Lance
Tags Gay, Keith, Klance, Lance, Lemon, One-shot, Stripper, Yaoi
Visualizações 259
Palavras 2.419
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Lemon, LGBT, Yaoi (Gay)
Avisos: Bissexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


ta era pra eu tá atualizando as outras fanfics eu sei me desculpa não desistam de mim

um dia eu escrevo uma fanfic fofinha deles eu juro

eu fiz com carinho espero q gostem kabja

Capítulo 1 - Capítulo Único


O rosto de Keith queimava. Por que pensou exatamente nessa alternativa para desestressar?

O lugar era barulhento, podia ouvir o som alto já do lado de fora. Não fora difícil entrar, havia conseguido isso com facilidade para ser sincero. Já lá dentro seu rosto apenas se enrubesceu mais. Nunca tinha ido em uma boate antes, quem dirá uma boate gay.

O palco era enorme com uma barra de ferro no meio que ainda estava vazio. As mesas em volta dele estavam lotadas mas acabou conseguindo uma vazia e sentou-se ali. O lugar que estava era razoavelmente longe do palco, ele preferia mesmo assim, já estava constrangido o bastante de estar ali.

Todos ali tinham a feição bastante relaxados, nem um pouco tensos como o de cabelos negros. Chegou a sentir alguns olhares sobre si mas apenas ignorou passeando aleatoriamente pelo celular enquanto fingia fazer algo importante.

A luz colorida do lugar se escureceu ainda mais com um foco de luz especial no palco. A atenção de todos do lugar se direcionaram para o centro, igualmente ao de Kogane.

Uma música começou a tocar. Um garoto moreno saiu de trás das cortinas pretas indo lentamente em direção a barra de metal. Ele usava uma camisa escura – Keith não conseguia distinguir a cor específica pela falta de claridade – rasgada e uma calça também escura e bastante apertada juntos de um salto deveras alto também preto. O queixo do coreano caiu um pouco enquanto olhava cada movimento do garoto a sua frente.

O que mesmo estava fazendo ali?

Se sentiu ainda mais tenso que antes e tudo apenas piorou quando viu o stripper começar a olhar para si. Seu corpo gelou e o garoto passou a língua entre os lábios de forma provocativa enquanto encostava na barra. Começou a se esfregar ali de forma nada casta chegando até o chão e voltando. Os olhares não se cortavam, nem mesmo se quisesse podia tirar os olhos dos do moreno. Todo o corpo se movimentava em perfeita sincronia com a música que nem ouvia mais.

A blusa era arrancada e jogada para o lado aumentando os gritos. Bastante dinheiro era jogado no palco, Keith não pode não reparar nas notas altas. Voltou sua atenção ao peito despido do rapaz, principalmente a seu tanquinho e aos seus olhos que ainda o encaravam.

Desceu quicando segurando o ferro enquanto fazia gestos e feições obscenas para o de mullet. A calça do moreno estava apertada e ele mordia o lábio com força para evitar que qualquer barulho saísse por apenas ver a apresentação.

“McClain!”

Ouviu gritarem. Então esse era seu nome.

Ainda olhando para Keith, tirava a calça sem nenhuma pressa. Perna por perna com certa dificuldade pelas coxas grossas que se eram expostas junta com a cueca box azul marinho que usava na noite.

Finalmente estava somente com a roupa de baixo. Kogane não consegui esconder um “ah” que saiu de seus lábios e foi respondido por uma risada nasal de Lance, que pelo olhar fixo notou a reação.

Os gritos já nem mesmo eram mais ouvidos pelo moreno, só conseguia prestar atenção no stripper. As mãos desciam do peito desnudo até a cueca box apertando o membro aceso. Outra mão foi até sua bunda apertando-a também sorrindo malicioso.

Keith sentia seu baixo ventre latejar. Seu rosto estava em um vermelho total, suas mãos foram em direção da ereção coberta pela calça coberta enquanto os olhos azuis lhe observavam e faziam um pole dance perfeito.

Lance subia e descia escorregando na barra de forma sexy. A pele exposta fazia com que partes de seu corpo se friccionassem no metal gelado causando gostosos arrepios ao de pele dourada.

Continuou com a dança por bastante tempo. Rebolou até o chão com ainda mais força apertando com vontade partes específicas de seu corpo.

A música finalmente terminava e McClain tinha uma feição exausta. Suor descia por seu rosto vermelho enquanto respirava pesado.

A apresentação acabou e Keith voltou a realidade. Todos batiam palmas alto e assobiavam. Os olhos azuis quebraram o contato fazendo Keith suspirar. Viu o moreno sair e sumir atrás das cortinas negras. Abaixou o olhar vendo o volume em sua calça enquanto bebia um gole da bebida que nem mesmo tinha notado que havia sido colocado ali em sua mesa. Poderia resolver seu problema no banheiro da casa, quase todos ali deviam estar do mesmo modo. Dizia quase, pois sabia que alguns já deviam ter resolvido o “problema” durante o show.

Iria embora, não conseguiria se aliviar ali. Teria uma noite bem longa sonhando com um certo stripper de pele dourada. Passou mais tempo que esperava ali pensando na apresentação do que deveria, estava prestes a se levantar, seu membro já estava latejando por atenção.

– Senhor. – Um dos guardas lhe chamou. – Me desculpe a intromissão mas o senhor McClain quer vê-lo.

– Espera… O que? – Gelou. – Olhe, me desculpe se fiz algo errado, eu realmente não queria!

– Por favor, apenas me siga. – Sentiu seu corpo tremer e resolveu obedecer o comando dado.

Chegou em uma sala, não, era um camarim. O nome “Mcclain” era estampado na porta com detalhes brilhantes. Não podia ser ele. De jeito nenhum seria ele. Quais são as chances?

Após três batidas na porta decorada dadas pelo segurança um “pode entrar” foi dito de dentro. O homem enorme abriu a porta para Keith entrar e saiu da sala.

Lá estava ele. Ainda usava o mesmo salto junto um roupão de seda azul escuro, tinha algumas plumas nele também e seu peito ficava um pouco exposto. Kogane não conseguia nem mesmo desviar o olhar.

– Parece que gostou mesmo de mim. – Riu baixo fazendo o moreno se arrepiar por inteiro e corar também.

– M-me desculpa, não queria parecer um estranho te olhando.

– Não estava falando disso. – Disse e dirigiu o olhar ao membro ainda bastante duro. Não conseguiu responder, todas as palavras se prendiam em sua garganta e ele ficava a cada momento mais envergonhado. Acabou apenas pedindo desculpas enquanto, tentava, esconder a ereção. – Também não disse que era um problema.

– Então, por que me chamou aqui? – Mudou o assunto tossindo.

– Não sei. Você me pareceu bastante interessado no show. E bem, eu acho que tenho um fraco por homens com Mullet. – Riu chegando perto do ouvido do moreno. – Me diga seu nome.

– Keith. – Falou sentindo a respiração pesada em seu pescoço.

– Hm, eu gostei. Sei que me apresentam como McClain mas quero que você me chame de Lance. Gosto que me chamem pelo nome nas fodas.

Keith enrubesceu.

O rosto de Lance foi chegando cada vez mais para perto do de Keith. Seus narizes já se encostavam quando o cubano enrolou os braços no pescoço do maior e começou um beijo. Era desesperado, cheio de luxúria, Keith demorou para pegar o ritmo mas depois de um tempo já tinha os braços na cintura do outro. As línguas travavam uma batalha por dominação e as mãos dançavam cada momento mais necessitados.

Sentiu o de olhos azuis enroscar as pernas em sua cintura com sua ajuda o levando para uma bancada ali perto. Começou a lamber, morder e chupar com vontade o pescoço de Lance que gemia e arranhava as costas pálidas por baixo da camisa em recompensa.

O sobretudo que Mcclain usava foi abaixado revelando a mesma cueca que havia usado no espetáculo. O falo continuava ainda mais marcado que antes, Keith mordeu os lábios.

– Olha o que fez comigo.Terá que resolver isso para mim. – Tinha a voz gemida e seu acento em espanhol ficou ainda maior. – Acho melhor me foder direito.

Keith não conseguiu se segurar mais, voltou a beijá-lo ainda com mais vontade enquanto uma das mãos passava por seus mamilos. Sua respiração estava pesada e a de Lance era cortada por gemidos. O rosto pálido se distanciou do moreno cortando o beijo e indo em direção ao seu baixo ventre e o lambeu por cima do tecido.

– Eu me imaginei muito fazendo isso. – Falou Keith enquanto abaixava de uma vez aquela roupa íntima. Seu membro era grande, bem mais que tinha pensado, não que isso fosse um problema.

A boca quente envolveu o pênis inteiro do moreno sugando-o com vontade fazendo o mesmo se agarrar nos longos cabelos negros. Sentia todas as partes do corpo tremerem, e sua voz não era nem um pouco contida, qualquer um que passasse por ali ouvi-lo. Não era por menos, afinal, Keith era extremamente bom no que estava fazendo, tão bom que Lance já estava chegando em seu limite depois de pouco tempo.

Soltou um gemido mais alto mas sentiu a falta de contato grunhindo de agonia. O garoto do mullet tinha sua boca bem longe do membro, que agora necessitava atenção.

– Por que caralhos você parou? – Gemeu decepcionado.

– Disse para eu te foder, é isso que pretendo fazer. – Dizia mesmo um pouco vermelho, nunca tinha sido bom em falar essas coisas durante essas horas mas Lance aparentemente tinha gostado.

– Então é melhor fazer direito. – Sorriu malicioso. As mãos cataram com rapidez o pote de lubrificante e camisinhas dentro da gaveta embaixo de onde ele estava sentado. – Tem uma cama ali nos fundos, é melhor para fazer isso. E tire essas roupas, também quero te ver pelado.

Keith absorveu as palavras com rapidez tirando a camisa em um piscar de olhos. Seu corpo era bastante musculoso, Lance arriscaria que ele malhava. O latino voltou a beijá-lo se agarrando ainda mais para conseguir ser levado até a cama. Foi jogado lá sem muito cuidado, não que se importasse com isso, estava excitado demais para reclamar.

As mãos morenas apertaram o volume na calça do outro que se separou para soltar um gemido. As mãos passaram de apertos para uma massagem e logo Kogane tirou a calça apertada ficando apenas de box, coisa que causou falta de ar no de baixo. Os toques se tornaram ainda mais intenso pelo contato bem mais sensível. A outra mão que sobrava de Lance foi até o pote de lubrificante melando os dedos e levando até sua entrada.

As únicas coisas que o coreano conseguia fazer era gemer pelo toque de Lance e aproveitar as feições do outro. O moreno com pressa tirou o membro que segurava de dentro da cueca e começou a masturba-lo de verdade. Depois de nem tanto tempo Mcclain soltou o outro e o deitou na cama ficando por cima.

– Você é gostoso ‘pra caralho. – Falava passando a mão lambuzada de lubrificante pelo pau ereto e olhava a barriga em forma lambendo a mesma.

– Posso dizer o mesmo de você. – Respondeu mordendo os lábios provocativo.

As mãos do emo deitado foram até os mamilos do garoto apertando-os fazendo-o gemer. Ele brincava com eles sem a mínima intenção de parar enquanto o que ganhava a estimulação se aprontava para a penetração.

Lance começou a descer com calma, sentia o membro lhe preenchendo por completo. Os espasmos se espalhavam por todo seu corpo do mesmo modo que os gemidos se espalhavam pela sala. Keith também começara a gemer, seria impossível não gemer sendo apertado daquele jeito.

Nem tanto tempo depois já estava todo dentro. O cubano arranhava o peito do mais velho com força. Ele esperaria para deixar Lance se acostumar com o tamanho mas o mesmo foi mais rápido rebolando contra o falo duro. Subia e descia com força e rapidez sendo ajudado pelo coreano. Mcclain sussurrava obscenidades no ouvido do maior que em qualquer momento reclamaria ou ficaria envergonhado mas no momento só lhe causava ainda mais prazer.

A mão que apertava a bunda morena desferiu um tapa estalado no mesmo lugar. Ouviu Lance gemer alto e manhoso pedindo mais, coisa que foi obedecida com prazer pelo de cabelos negros. A cada estalo ouvido vinha seguido por um gemido ainda maior. Mcclain tinha a boca tão suja que fazia o outro enlouquecer. Pedia mais loucamente, chamava Keith dos mais obscenos nomes, rebolava feito uma vadia e comprimia o interior deixando Kogane fora de si.

As mãos pálidas passaram a masturbar o jovem sentado em si quando percebeu que estava perto. Os gemidos dos dois eram tão altos que se o som da casa de strip não estivesse naquela altura todos que estavam lá ouviriam seus barulhos.

Keith se levantou com a onda de prazer tornando McClain de seu colo e o deitando fazendo com que seu membro lhe acertasse ainda mais fundo. O rosto do de baixo se arregalou e Kogane levantou as pernas as flexionando na barriga.

– Carajo Keith! – Gemeu alto quando teve sua próstata novamente acertada. Suas mãos apertavam os lençóis com força.

– Disse que queria ser bem fodido. – Falou sendo totalmente cortado por gemidos. 

O de cabelos pretos acertava o local específico com força fazendo Lance se revirar na cama com gemidos altos e o emo tinha seu pau apertado.

As estocadas e os gemidos ecoavam pelo quarto – e provavelmente por fora dele também. O lugar estava queimando assim como os dois ali presentes que depois de nem tanto tempo gozaram juntos com gritos altos.

Os corpos cansados e suados permaneceram na cama por longos segundos tentando recuperar a respiração.

– Então… Foi bom? – Perguntou tímido Keith.

– Puta merda! – Falou incrédulo olhando para ele. – Preciso mesmo responder isso?

Kogane riu baixo enquanto Lance se aconchegava na cama vendo o outro se sentar e procurar as roupas.

– O que está fazendo? – Perguntou sonolento.

– Acho que tenho que ir embora… não é? – Falou com cautela mas sentiu ser puxado por um certo alguém completamente nu deitado na cama

– Não quer ficar aqui? – Viu pela primeira vez o rosto corado por vergonha de Lance

Apenas desistiu de procurar as roupas e deitou junto do cubano sentindo-se ser abraçado e devolvendo o carinho mesmo que constrangido.

Acabaram dormindo assim e acordaram do mesmo jeito. Lance acordou primeiro mas não saiu do lugar aproveitando o calor da posição que não ficava há tempos.

– Bom dia. – Falou sorrindo leve observando os olhos se abrirem com certa dificuldade.

– Bom dia. – Respondeu também sorrindo e se sentando na cama quebrando o contato entre os dois fazendo Lance bufar baixo.

Keith se vestia e Lance decidiu colocar o roupão de antes também. Enquanto se vestia o de pele dourada observava o outro se vestir, Kogane podia sentir a pressão dos olhos julgadores em volta de si.

Na porta do camarim, já devidamente vestido, Keith olhou de volta sem saber como se despedir corretamente. Mcclain apenas riu de leve enquanto lhe puxava para um beijo.

– Tem uma bunda e tanto. Podia ficar em baixo na próxima vez. – Ficaria constrangido mas a última frase fez o garoto ignorar a primeira.

– “Próxima vez”? – Levantou as sobrancelhas sorrindo de leve.

Lance apenas virou de frente para uma mesinha ali, escrevendo um número de telefone em um papel mal rasgado. Entregou o papel para o ser pálido de sua frente.

Riu de leve.

– Estou livre na sexta.



Notas Finais


desculpa qualquer erro

eh só isso mesmo a


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...