História Strip that down ( Lilo story) - Capítulo 1


Escrita por:

Postado
Categorias Liam Payne, Louis Tomlinson
Personagens Liam Payne, Louis Tomlinson, Personagens Originais
Tags Ceo, Drama, Fashion, Harry, Liam, Louis, Niall, Prostitute, Romance, Zayn
Visualizações 39
Palavras 2.190
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Crossover, Drama (Tragédia), Ficção Adolescente, Fluffy, Lemon, Romance e Novela, Yaoi (Gay)
Avisos: Álcool, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


O que? Mais uma fic sua doida?

Sim! Outra vez me aventurando fora da minha zona de conforto.

Eu prometi essa fic para minha insistente amiga Luísa. Demorei bastante tempo para começar, mas eu sempre cumpro minhas promessas.

Tenho consciência que algumas pessoas vão torcer o nariz por ser uma fic Lilo!

Muitos vão desistir de ler aqui mesmo. Eu lamento por isso porque essa pode ser uma grande história. Mas por outro lado, eu prefiro que nem leia, se vai ler e ficar reclamando por não ser Larry ou Ziam.

Aliás, nessa fic ainda vai rolar Zarry ( podem abaixar as armas!). Sou larrie 💚💙 mas tenho que confessar que Zayn e Harry daria um casalzão da porra!

Tudo o que peço é que dêem uma chance antes de desistir da coisa toda!

ALGUMAS PISTAS DO QUE VEM POR AÍ...


**LIAM PAYNE,35:Um rico empresário, solitário e que não acredita no amor. CEO de uma multinacional, compra empresas menores que estão à beira da falência e depois as desmembra e revende por valores maiores. Vive cercado de aparências e pessoas interesseiras. Tudo vira de pernas para o ar em sua vida, quando se depara com os mais lindos olhos azuis que já viu na vida.



**LOUIS TOMLINSON,21: Expulso de casa aos 16 anos por se assumir gay, se viu obrigado a se virar sozinho. Veio para Los Angeles onde acabou se tornando garoto de programa para sobreviver. Ciente de sua beleza e não querendo fazer isso para sempre, era bastante seletivo com seus clientes. Sua vida ganha rumos inesperados quando recebe uma proposta tentadora de um lindo homem em Beverly Hills.


** A história se inspira no filme "Uma linda mulher", mas não se apegue tanto a esse detalhe, porque farei muitas mudanças, além de acrescentar novos personagens.

** Não prometo que será longa porque não sei se alguém além da Luísa vai querer ler kkkkk

** Deveria ser postada apenas em 2020, mas adiantei o prólogo apenas para saber se vale a pena continuar.

** Então está nas suas mãos. Se gostarem, comente e vote e em breve volto com mais.

Love always 💚💙

Capítulo 1 - Prologue


Fanfic / Fanfiction Strip that down ( Lilo story) - Capítulo 1 - Prologue

Los Angeles...

Louis praguejou quando ouviu as batidas desesperadas em sua porta. Não era uma pessoa muito doce pela manhã e ficou resmungando que mataria quem estivesse naquela porta.

A decisão de matar alguém caiu por terra assim que viu a cara desesperada de Niall.

Seu vizinho irlandês era o mais próximo de um amigo que ele tinha. Realmente gostava daquele garoto, que tinha todo tipo de merda acontecendo em sua vida, mas que mesmo assim era capaz de enxergar o melhor nas pessoas e rir até mesmo de suas tragédias pessoais.

E Niall tinha a mais deliciosa risada do mundo, na opinião de Louis.

Não havia risos naquele momento. Pelo contrário, Niall tinha seus olhos azuis avermelhados e molhados, o que significava que andou chorando. E sua cara de desespero estava deixando Louis agoniado. E por puro instinto, envolveu o rapaz com seus braços e o puxou para dentro.

__ O que foi, Niall? - Louis falou baixinho quando o outro começou a chorar.

__ Theo está no hospital...de novo! - resmungou em meio aos soluços - ninguém sabe o que ele tem e eu não tenho mais de onde tirar dinheiro para essas despesas médicas. O Conselho tutelar está ameaçando tirar meu menino de mim. Eu estou cansado, Lou...

Theo era sobrinho de Niall. Era um inquieto menino de 7 anos, mas tinha uma saúde frágil.

Acabou no humilde apartamento de Niall depois que Greg, seu pai e irmão do irlandês, foi encontrado morto depois de uma overdose.

A mãe do garoto já tinha sumido a muito tempo, então Niall ficou com o garoto, que tinha pouco mais de 4 anos na época.

Niall tinha 22 anos e dividia seu tempo entre os cuidados com o sobrinho e seu trabalho como auxiliar de cozinha em um restaurante chique da região.

O salário não era exatamente uma fortuna, mal dava para pagar os gastos médicos com Theo e pagar o aluguel. Mas pelo menos as refeições eram fartas e gratuítas, inclusive para Louis que sempre era convidado para jantar com os dois.

__ Ei, respira amigão. - Louis ainda o mantinha em seus braços - vai dar tudo certo. Theo vai sair dessa e tudo vai ficar bem.

__ Queria muito acreditar nisso, Lou. - Niall secou os olhos e tentou se recompor - as vezes, eu quero apenas desistir, sabe? Parar de lutar e desistir. As vezes, eu odeio o Greg por jogar essa responsabilidade nas minhas costas. Eu não estava pronto para ser pai aos 18 anos, droga!

__ Seu irmão estava perdido na vida, Niall. - Louis disse com cautela - não acho que ele fez de propósito. O vício tira algumas de nossas escolhas e nos leva a fazer coisas estúpidas. Theo tem sorte por ter você na vida dele.

__ Mas eu não tenho vida mais! - Niall resmungou frustrado - estou apenas sobrevivendo entre as horas no trabalho e as horas nas salas de espera dos hospitais. Eu tenho apenas 22 anos e me sinto um velho, pronto para morrer. Não tenho amigos, não vou para baladas, não beijo bocas por ai...estou morto, Tommo!

__ Me sinto ofendido por dizer que não tem amigos. - Louis bateu nele - eu sou invisível por acaso? me respeita, Nialler! E não está perdendo nada em não ir para essas baladas cheias de pessoas vazias que buscam refúgio na bebida e nas drogas. Quanto a beijos na boca, acho que nem sei mais como fazer isso.

E Niall gargalhou.

Louis sentiu-se vitorioso por conseguir fazer o amigo rir, ainda que soubesse que Niall estava rindo dele e não para ele.

__ Ainda tem essa regra de não beijar na boca? - encarou o outro ainda meio rindo.

__ Essa é uma regra que jamais vou quebrar. - Louis disse petulante.

__ Como consegue? Quero dizer...você tem todo tipo de intimidade com esses homens e não pode beijar na boca?

Sim, Niall sabia bem o que Louis fazia para ganhar seu dinheiro.

__ É apenas sexo, Niall. - Louis levantou-se e foi para a cozinha, sendo seguido pelo amigo - pra mim é um trabalho, no qual não misturo sentimentos. Beijar alguém é pessoal demais.

__ E dar a bunda para desconhecidos não é? - Niall retrucou inconformado.

__ Você não entenderia. - Louis disse meio triste - esses desconhecidos pagam muito bem para ter algumas horas com meu corpo. E eles tem o melhor do Tommo que podem ter por uma boa grana. Mas jamais terão nada do Louis.

__ Ainda acho que isso não faz o menor sentido, mas se você pensa assim, é sua escolha, seu corpo. - Niall deu de ombros - talvez deva me ensinar a ser garoto de programa também. Talvez eu ganhe mais e trabalhe menos.

__ Não faça isso, Niall! - Louis o olhou sério - o preço a pagar pode ser ainda mais pesado do que pensa. Continue na sua cozinha. Não existe glamour no que eu faço.

Niall suspirou e ficou quieto. Nenhum dos dois tinha uma vida fácil. Louis manteve sua atenção na preparação do café e algo para comer.

Queria muito poder ajudar Niall e o pequeno Theo, mas não sabia como. Não ganhava tanto dinheiro assim com seus programas. Apenas o suficiente para poder se dar ao luxo de escolher seus clientes e não precisar sair para transar com desconhecidos com tanta frequência como a maioria fazia.

✔️✔️✔️

Enquanto isso, na área nobre de Nova York...

__ Com licença, Sr. Payne. - a secretária bateu de leve na porta - desculpa incomodar, mas a srta Smith insiste em vê-lo.

__ Diga a ela que estou em uma reunião e não tenho tempo para futilidades. - disse sem nem ao menos desviar os olhos do notebook.

__ Não posso dizer isso, Sr. Payne. - a garota disse sem  jeito - ela já me odeia e é bastante insistente. Não quero ser rude e ser prejudicada por isso.

Liam fechou os olhos e suspirou, frustrado. Entendia o receio de Mia em relação a Sophia Smith.

A mulher era mesmo insistente e costumava andar pelos corredores de sua empresa, como se fosse a rainha em seus domínios. Nariz empinado, olhar arrogante e cheio de desprezo pelos subordinados.

Claro que escondia essa arrogância por trás de sorrisos ensaiados e uma doçura que ela jamais teve, quando Liam ou seu pai estava por perto.

Sophia era a filha mimada do principal acionista da empresa gerida por Payne. Talvez o homem mais importante na empresa, depois do próprio Liam.

Um empresário linha dura, mas que se dobrava a todos os caprichos da filha. E essa fazia dele gato e sapato!

E o maior capricho de Sophia nesse momento era Liam. Algo que ela deixava muito claro que queria, mas era algo que não podia ter.

Liam era o solteiro mais cobiçado da cidade, mas era alguém que não se impressionava fácil e também era alguém que o dinheiro dos Smith não podia comprar.

As duas famílias via um possível enlace entre os dois como algo positivo. Uniria a empresa de forma definitiva e Liam finalmente começaria uma família.

Sua mãe reclamava constantemente que esperava conhecer os netos antes de morrer. Mas não estava nos planos de Liam se envolver com ninguém, especialmente alguém que exalava futilidade como Sophia.

Aos 35 anos estava acostumado a sua independência, além do fato que sentia-se mais inclinado a se relacionar com homens do que mulheres. Isso dificultava as chances de sua mãe se tornar avó, esperando filhos dele.

__ Vou te salvar dessa vez, Mia. - Liam encarou a secretária que lhe sorriu sem jeito - manda a diaba entrar.

__ Obrigado, Sr Payne.

Sophia passou pela garota como se Mia fosse um inseto que devia ser esmagado. Mas sua cara se transformou quando encarou Liam, abrindo um lindo sorriso.

Liam conteve a vontade de mandar aquela mulher dissimulada ir se foder, mas apenas retribuiu o sorriso, fazendo um gesto com a cabeça para Mia deixar a sala.

__ Atrapalho? - disse ainda sorrindo.

__ Sabe que sim, mas isso nunca te impediu antes, não é mesmo? - Liam voltou a olhar seu computador - o que posso fazer por você, Sophia?

__ Que tal me levar para almoçar? - disse sentando na beira da mesa.

__ Mia não te informou que tenho uma reunião importante e que por isso preciso finalizar esses relatórios? - Liam a encarou contrariado.- aliás, não gosto da maneira como intimida meus funcionários.

__ Aquela abusada tentou me impedir de entrar, mas não disse o motivo.

__ E não seria porque você não lhe deu chance pra isso? - Liam colocou a mão em sua coxa e ela sorriu, satisfeita - Devo lembrar que Mia trabalha para mim e não para você? Quando eu digo que não quero ser incomodado ou que estou ocupado, significa que não vou receber ninguém. Isso ficou claro?

__ Mas eu... - Sophia perdeu a pose arrogante.

__ Eu tenho uma reunião daqui a pouco e estou muito ocupado. - Liam a cortou rude - então se puder me dar licença, fico grato. Nosso almoço fica para outro dia.

Liam deu um tapinha suave na perna da garota, indicando que devia levantar de sua mesa e deixar que trabalhasse. Sophia estava desconcertada, mas arrumou a postura e caminhou até a porta.

__ Vou ver se o papai está livre para almoçar comigo.- disse com olhar pidão.

__ Faça isso. - Liam levantou a sobrancelha.

Sophia saiu e Liam se recostou na cadeira, massageando as temporas. A insistência de Sophia já estava atingindo seus limites de paciência.

Em momento nenhum encorajou esse tipo de sentimento na garota. É bem verdade, que deixou seus pais se empolgar com a possibilidade, mas não podia mais lidar com isso.

Voltou a se concentrar nos relatórios que precisava concluir antes da reunião. Em pouco tempo estava na sala de reunião, cercado de empresários sérios e taciturnos. Liam era o mais jovem ali, mas ainda assim, o mais respeitado.

Estavam prestes a fechar um excelente negócio com uma rede de empresas com dificuldades financeiras em Los Angeles. Liam fez uma generosa oferta e sabia que o atual proprietário não estava em condições de recusar.

__ Meu neto precisa analisar a proposta ainda. - disse o homem meio contrariado.

__ Achei que já estivessemos de acordo, Buchanan. - Liam o olhou sério, não estava acostumado a ser contrariado - não vai encontrar outra proposta como essa que estou oferecendo.

__ Em algum momento de sua vida, já precisou abrir  mão de algo que lutou a vida toda para construir, Sr. Payne? - o homem o olhou nos olhos - para você e seus acionistas é apenas mais um conjunto de imóveis que, serão fragmentados e revendidos pelo dobro do valor no mercado imobiliário. Prá mim, é como fragmentar anos da minha vida. É tirar a herança dos meus filhos. Não tem dinheiro no mundo que valha isso.

Liam recostou-se em sua cadeira confortável e mordeu os lábios, pensativo. Os diretores ao seu redor, o olhavam como se esperasse que fosse duro e direto como sempre era com aquele homem. Sem misericórdia. Sem hesitação.

Afinal era apenas negócios, certo?

Mas havia algo no olhar daquele homem que fez Liam sentir-se pequeno e insignificante.Quase podia imaginar o Sr Buchanan trabalhando noite e dia para fazer sua empresa crescer e prosperar, com o intuito de construir um futuro para seus filhos e sua família.

Os negócios saindo dos trilhos em algum momento e o homem tendo que vender a empresa para não perder tudo.

Liam sentiu verdadeira simpatia pelo homem, mas não estava em posição de ser compassivo ali. O conselho precisava de uma resposta porque era muito dinheiro envolvido.

__ Sua oferta é generosa Sr. Payne. - Buchanan disse respeitoso - mas ainda não estamos prontos para vender.

Liam apenas assentiu enquanto observava o homem se levantar e sair acompanhado por seus conselheiros e advogados. já pódia ouvir os mumrmurios de seus acionistas e suspirou, sabendo que teria uma boa briga pela frente com aquele velho teimoso.

__ Não vai fazer nada, Payne? - Joseph Smith questionou surpreso.

__ O que espera que eu faça? Que obrigue o velho a vender todo seu patrimônio?

__ Você já foi mais...persuasivo do que isso! - Joseph insistiu - não esqueça de que há milhões envolvidos nesse negócio.

__ Os milhões continuam em nossos cofres, Joseph! - disse sem se abalar - deixe Buchanan lutar mais um pouco e então vai perceber que somos a melhor opção para evitar sua falência total.

__ É um jogo arriscado, Liam.

__ E não é o que fazemos todos os dias por aqui? - disse tranquilo - mas se deixa você mais tranquilo, vou pessoalmente a Los Angeles e convencer ao neto de Buchanan. Não volto de lá sem o contrato assinado.

Joseph Smith sorriu, sabendo que Liam Payne não era um homem fácil de ser vencido. Tinha sempre argumentos impossiveis de ser refutados. Não era o  presidente daquela empresa, sendo tão jovem, sem motivos. Ele era o melhor naquilo que fazia.

✔️✔️



Notas Finais


** É isso galera.
Espero mesmo que tenha alguém lendo e não esqueçam de comentar .

novo capítulo em breve...


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...