1. Spirit Fanfics >
  2. STRONGER PLEASE - Taekook imagine >
  3. ~ cap 7 ~

História STRONGER PLEASE - Taekook imagine - Capítulo 7


Escrita por:


Notas do Autor


BOA LEITURA ;-;

Capítulo 7 - ~ cap 7 ~


Fanfic / Fanfiction STRONGER PLEASE - Taekook imagine - Capítulo 7 - ~ cap 7 ~

 - Bom dia TaeTae!

- Jisoo? – Falei e ela me empurrou entrando na minha casa sem  pudor algum.

- Olha aqui garota, quem você pensa que é pra entrar na minha casa assim? – Fechei a porta

- Eu vim em paz Taehy. Vim dizer que eu te perdoo por tudo. Eu estou em uma nova fase.

- Você tá grávida. Não fez uma lavagem cerebral... Tá fazendo o que aqui?- Perguntei impaciente.

- Vou morar com vocês.

-  Ah! Nunca! - ela pensa que é quem?

- Eu acho que vai ser melhor para o meu filho, preciso que entenda. Ficar perto de Yoongi pode ser bom.

- Não! Jisoo, tá maluca?  O Yoongi nem é hetéro. Por que tu não vai pra casa do papai? – Perguntei e ela me olhou com o olhar distante, mas não respondeu nada. -  O papai te expulsou de casa não é?

- Sim, você sabe como ele é. Eu só tenho dezesseis, ele surtou. Por favor, eu não tenho pra onde ir. – Passei cruzei os braços suspirando.

- Quando eu fui expulso de casa, eu te procurei. Tu lembra o que me respondeu? Que se dependesse de você eu morreria.

- Taehy, eu tinha 14 anos. Eu estou grávida. – Me encarou insistente.

- Por consideração ao meu sobrinho, ou sobrinha, pode ficar. Mas se você não estivesse grávida, eu juro por Deus, que te tirava daqui sem pensar duas vezes. – Falei com os dentes semicerrados

Jisoo me agradeceu, e eu fui para o meu quarto. Depois de um tempo, ouvi a porta batendo. E uma discursão entre Yoon e a minha irmã começou.

No começo desse ano eles namoraram. Mas era só um plano meu e de Yoongi para arrancar dinheiro de Jisoo. Até porque ele é completamente gay, e não sentia absolutamente nada por ela. Mas a minha irmã, ela é burra, feito uma porta. Uma das pessoas mais fúteis que eu conhecia. Nenhum dos irmão Kim gosta dela, talvez porquê  ela seja a filha bastarda de meu pai.

Ela foi morar no Canadá, voltou , e Yoon comeu ela. A maluca se apaixonou por ele muito rápido, e a gente conseguiu tirar 8 mil reais dela. Depois de 3 meses mais ou menos namorando, eu e ele ficamos chapados de êxtase, e transamos dentro do banheiro do hotel que ela estava hospedada.

Jisoo nos pegou  no flagra. Ficou frustrada e voltou pro Canadá. A vida tem  dessas.

Enfim, Yoongi e Jisoo estavam gritando igual a dois animais , na sala da minha casa. Eles ficaram nessa o dia inteiro.

 Estava sozinho no meu quarto, por volta das seis da tarde, ouvindo musica e comendo um lamen (miojo coreano). Quando o Yoongi entrou.

- Vou sair hoje a noite. – Falou com a cara fechada

- Tá com raiva?

- É , lógico. A maluca da sua irmã veio morar comigo. Por isso vou sair, com o Hoseok, não sei quando eu volto. Não sei nem se eu volto! – Falou e eu apenas assenti com a cabeça. Yoon saiu batendo a porta.



      Yoon saiu por volta das oito da noite. E não tinha absolutamente nada pra fazer.

      Eu não aguentava mais isso. Minha vida parece que parou esse mês, todas as emoções que eu e Yoon passávamos todos os dias em festas, nada disso estava acontecendo ultimamente. Isso acabava com o meu ânimo. Minha rotina estava sendo basicamente, acordar, comer, fumar, injetar  heroína, comer, me jogar na cama, cheirar cocaína, comer, fumar de novo. Eu estava ficando maluco.

Acendi um cigarro, e caminhei até a varanda. Fiquei ali por um bom tempo, analisando os carros passando, e sentindo a brisa em meu rosto. Meu abdômen estava nu e eu estava apenas com uma calça de pijama. Traguei o cigarro mais uma vez, e quando soltei a fumaça senti uma mão envolver a minha cintura.

- Pensando na vida? – Me assustei  bastante, pensando ser um espírito (eu tenho umas paranoias com fantasmas). E me virei rapidamente com a mão no peito devido ao susto.

- Como você entrou aqui?! – Falei claramente puto.

- Relaxa gatinho, sua irmã me deixou entrar. – Passou a mão no meu cabelo, depositando um beijo quente e rápido no meu pescoço.

-Porra Jeon, vai embora! Puta que pariu, moleque abusado do caralho! – Falei baixo porém com raiva, me afastando do moreno.

- Bom gatinho, eu só vim atrás do que é meu... As gravações da gente fodendo gostoso no meu quarto. Isso não pode cair em mãos erradas não é?

- Ah, claro! Pode pegar ali naquela gaveta – Apontei na direção um pouco impaciente, me virando novamente pra rua.

Pude ouvir os passos  de Jeon  indo até a gaveta indicada. Ele abriu e ficou remexendo por um tempo. E esse barulho de coisa sendo revidada já estava me incomodando. O pior de tudo é que aquele imbecil não falava nada.

- O que você tanto mexe aí? – Me virei com raiva, encarando Jungkook que por sua vez estava um pouco  “chocado”.


- Meta Anfetamina Taehyung?! – Arqueou a sobrancelha – Sério isso? Essa merda aqui é viciante pra caralho. Quase impossível ficar limpo. – Levantou fechando a gaveta com o pé.

- Não tem razão para você se importar. Pegue a câmera e vaza. – Coloquei a mão na boca, e bati o pé um pouco impaciente. Eu estava realmente nervoso com o fato de Jeon ter achado minha droga. Não sei por qual motivo, mas estava bastante incomodado.

- ‘Cê tá suando frio, só de ouvir falar nessa merda... Olha pra mim! – Encarei Jeon, que estava com um semblante sério.

– Eu já tive 2 overdoses, mas eu sofro uma pressão do caralho da mídia, e eu não tenho os caralhos de dezessete anos! –  Praticamente cuspiu essas palavras na minha cara. Ele me irritou agora, como assim “ele sofre um pressão da mídia”?  Ele estava realmente querendo diminuir os meus problemas?

- Olha Jeon, você não me conhece, não sabe as merdas que eu já passei, não sabe o tanto que eu já sofri. Então, não abra essa boca pra falar de mim... Agora saia da minha casa!

- Você é a porra de um adolescente mimado! Filhinho revoltado do papai, que faz todas essas merdas pra chamar atenção!


     O moreno, tinha algum problema com dualidade, porque,  a um segundo atrás ele estava sério porém calmo e pleno. Mas agora ele parecia um animal, me olhando de cima abaixo com ódio e desprezo, como se a qualquer momento fosse me dar um soco na cara.

- Quem é você Jeongguk? Quem você pensa que é pra entrar na minha casa, e me humilhar desse jeito? – Falei alto, tentando manter uma postura de “durão”, mas por dentro eu tava morrendo de medo de apanhar.

     Olhei para ele, que estava se mordendo de raiva, eu sinceramente não entendi nada. Jeon apareceu do nada querendo me dar lição de moral. E agora estava todo putinho por que suas palavras não me afetaram.

     O moreno trancou o maxilar e apertou os punhos olhando para mim. Eu me encolhi um pouco, pois ele era realmente capaz de tentar me matar de novo.

- Porra... Me desculpa gatinho . – Como assim me desculpa?  Sempre que ele faz uma merda ele pede desculpa como se fosse resolver alguma coisa?

- Vai embora caralho! – Falei alto me virando para a varanda.

- Certo! Mas me perdoe. Eu faço essas coisa sem pensar. – Falou baixo ainda parado atrás de mim

- Se manda maluco! – Disse debochado tragando o cigarro.

Fechou a porta, mas logo depois ela foi aberta novamente.

 - Caralho Jungkook, eu não quero te ver na minha frente, vaza, chispa , se manda! – Me virei revoltado encarando Jisoo que me olhava confusa coitada.

- Taehy, quem era aquele homem? – Se aproximou de mim

- Ah garota, não interessa! O que você quer?

- Eu ouvi ele dizer, que você usa drogas pesadas, é sério isso?

- E por que você acha que eu fui expulso de casa? – Falei entediado, revirando os olhos.

- Papai sempre disse para mim e para Jennie , que você e Namjoon foram expulsos porque tentaram roubar dinheiro da empresa Kim’s .

-  Então ele mentiu para vocês. Namjoon é traficante, e eu sou um parasita que usa todo tipo de tóxico.

- Traficante? Meu Deus Taehyung, como ele deixou isso acontecer? Vocês tem que parar com isso, você pode morrer.

- Ah, jura? – Sorri sarcástico

-  Eu te amo Taehyung, posso ser chata e te provocar, mas nós somos irmãos. E eu vou fazer o possível pra ajudar você e Namjoon a saírem dessa vida.

- Certo, comece derrotando o vilão Airon, para salvar o mundo das drogas! – Falei debochando e rindo.

- Sim! Farei isso, vou encontrar esse Airon, e ele vai pagar por tudo.

Encarei Jisoo com um olhar ameaçador, e traguei a última vez o meu cigarro, jogando ele varanda a baixo.

- Você  é burra ou se faz? Se meter com Airon é suicídio. Fique na sua e deixe as coisas como estão. Eu devo muita grana a Airon, e se ele descobrir que eu tenho uma irmãzinha, você morre. Você e teu filho piolhento.

- Não, vamos fazer uma aposta. Se eu conseguir falar com Airon, e convencer ele a perdoar a dívida você fica limpo, para de usar drogas, e tentamos voltar para a mansão dos Kim’s. Se eu não conseguir, eu volto para o Canadá, e esqueço que você e Yoongi existem.

- Por que quer fazer isso?

- Porque você é o meu exemplo. Somos quase gêmeos e eu te amo. – Falou me abraçando. Eu travei, e me emocionei um pouco. Nunca pensei que Jisoo gostasse de mim.

- Puta que pariu, cala a boca.

- Tá chorando? – Falou rindo e me dando um soco leve no braço.

- Não! Sua pirralha desgraçada, foi só um grão de poeira que entrou no meu olho.

Jisoo riu, e ficamos ali conversando por um bom tempo.


 


Agora eram por volta de 3 da manhã. Eu levantei para ir fazer um lanche da madrugada. Estava tranquilo na cozinha, quando ouvi um barulho forte de porta batendo e coisas caindo no chão.

- Puta que pariu, é um espírito! – Sussurrei para mim mesmo, com um pedaço de pão nas mãos. Meu corpo paralisou, peguei uma faca e caminhei lentamente em alerta em direção a sala.

Ouvi arfadas e barulhos do sofá batendo na parede.

- Ah... M-mais forte p-por favor... – Meu deus Yoongi estava gemendo alto pra caralho.

- Isso... Ah , desse jeito, geme para mim! – Ouvi um barulho forte de tapa, seguido de um gemido manhoso de Yoon.

Não me contive em rir descontroladamente, porém baixo, para não atrapalhar a transa dos dois.

-Caralho que tesão. – Falei baixo, mordendo um pedaço do meu sanduíche e voltando para o quarto, com o pau duro e fervilhando.

Fechei a porta, um pouco desacreditado. Não acredito que fiquei excitado em ver Hoseok e Yoongi fodendo.

- Eu sou a vergonha da profición. – Falei para mim mesmo me jogando na cama, ouvindo cada vez mais alto os gemidos de Yoon.

Coloquei o travesseiro no ouvido tentando esquecer a tensão no meu pau. Mas não adiantou.

Me sentei na cama agoniado e me coçando inteiro. Olhei para o meu membro que estava rígido e latejando. Foi impulso, eu olhei para ele... Ele olhou pra mim... Não me contive em começar uma masturbação.

- P-puta merda, não acredito que eu to tocando uma punheta por causa disso. – Passei o dedo na glande fazendo movimentos circulares com o polegar.  Arfei jogando a cabeça para trás.

- I-sso Hoseok... M-mais forte.. A-ah.– Gemido de Yoongi


     Desci e subi com as mãos no meu pau molhado, sentindo a sensação do pré-gozo. Gemi baixo e rouco intensificando os movimentos.

Do nada, os gemidos dos meninos  parou. E a casa ficou em silencio. Mas eu não havia gozado , então não parei de me tocar. Eu estava gemendo um pouco mais alto, pois estava quase lá.

Quando de repente a porta abriu, e nesse exato momento eu gozei. E gemi estendido. Encarei o filho da puta que estragou o meu momento.

- Porra Taehy, tá tocando uma punheta pra mim e pro Hope? – Riu soprado

Levantei da cama ainda nu, e puxei Yoongi para dentro do quarto.

- O que tá fazendo Taehyung? – Sussurrou baixo e ofegante.

Nesse momento o meu último neurônio explodiu, e eu joguei Yoongi na minha cama com todas as forças.

- Cara, eu acabei de gozar. – Falou o loiro em baixo de mim.

- Eu também. – Sorri atacando a boca do mais velho.

Puxei levemente os cabelos da sua nuca, e senti um tapa forte na minha bunda.

Me virei para trás, e vi a figura de Hoseok apenas de cueca atrás de mim.

O moreno me jogou na cama ao lado de Yoon, e lambeu o meu abdômen. Passou a língua na parte de dentro da minha coxa e eu arranhei suas costas, arrancando uma arfada do mais velho.

- Bom, eu já atingi meu limite hoje, vou dormir. Aproveitem a noite. – Yoon saiu um pouco nervoso do quarto. Mas eu ignorei, voltando minha atenção para Hope.

Hoseok me virou com agressividade, me posicionando de quatro. Bateu mais uma vez na minha bunda, e puxou os meus cabelos. Eu gemi manhoso quando ele passou o membro devagar na minha entrada, e penetrou dois dedos, me fazendo pedir por mais.

O moreno me estocava com os dedos, enquanto apertava a minha bunda com força.

-  Você, é um menino muito pervertido Taehyung. E precisa aprender a controlar os seus hormônios. Ficou duro por tão pouco, imagina se eu te fodesse, quantas vezes você seria capaz de gozar?

- Me fode, e veremos que eu sou capaz de muita coisa. – Falei e Hoseok deu  seguidos tapas fortes na minha bunda, tirou seus dedos da minha entrada. E me virou de frente para si. Envolvi minhas pernas na sua cintura e sorri malicioso esperando o mais velho me penetrar.

O  moreno apertou o meu pescoço e me encarou pervertido

- Eu nunca, colocaria meu pau dentro de um pirralho escroto que nem você. – Me deu um tapa do rosto, e eu solucei assustado com a ação do mesmo. Hoseok saiu em silencio, me deixando ali sem entender nada do que havia acabado de acontecer.

Eu fiquei literalmente  a noite inteira acordado, tentando processar a informação.

 Por que Yoongi saiu do quarto tão  nervoso? E por que J Hope me tratou daquela maneira?

 

Levantei por volta das dez da manhã, e fui no quarto de Yoon esclarecer algumas coisas. Bati na porta e ouvi um “entra” do mais velho.

- Yoon, preciso te falar uma coisa. – Entrei


- Também preciso. Não quero que você transe com Hoseok, eu estou realmente curtindo ele. E você é o meu melhor amigo, fiquei um pouco incomodado com vocês ontem.


- Sim, é exatamente sobre isso. Eu e ele, a gente nem transou. Yoon, ele disse que nunca transaria comigo, porque eu era escroto, depois ele me deu um tapa no rosto e foi embora. Ele é um filho da puta cara. – Cruzei os braços e Yoongi me encarou rindo.

- Tá maluco Taehy? Hope é a pessoa mais doce e  simpática que eu conheço. Tu devida tá chapado cara.

- O que? Sério isso? Eu sei a diferença de quando eu to chapado, ou sóbrio.

- Não viaja Tae. – Riu e voltou a cortar uns papeis de LSD.

- Porra... Abre teu olho. – Apontei pra ele com raiva. E sai de seu quarto.

Eu estava furioso, é muito ruim a sensação de alguém não acreditar em você.

     Entrei no meu quarto batendo a porta, cheirei uma carreira de cocaína. Me vesti com uma calça jeans preta, rasgada nos joelhos, e uma blusa de moletom cinza escuro, com umasa correntes penduradas nas laterais. Calcei um chinelo slide  preto, catei a minha bolsa e saí.

- Aonde vai Taehy? – Perguntou Jisoo quando eu estava saindo de casa

- Casa do Nam. Preciso me resolver com ele. – Falei colocando meus brincos

- Vou com você.

- Certo vamos logo. – Falei trancando a porta, e descemos as escadarias do meu prédio.

Eu estava prestes a pedir um táxi quando vi Jisoo destravar um carro.

- Quer dizer que você tem um carro? – Perguntei arqueando as sobrancelhas

- Sim, papai me deu de aniversário. Ele queria tirar de mim mas, o carro já esta no meu testamento. – Entramos e eu apoiei os pés no porta luvas.

Jisoo deu partida no carro e não demorou muito pra chegarmos.

- Namjoon mora aqui? – Perguntou enojada na porta do prédio do mais velho.

- Sim, pare de frescura, venha. – Puxei seu braço para dentro do prédio.

Subimos as escadas, e Jisoo estava encolhida atrás de mim. Provavelmente com medo de todas as pessoas estranhas que ali viviam.    

Bati na porta e o homem moreno de cabelos dourados abriu, com a cara mais lavada possível.

- Jisoo? – Olhou para nós.

- E Taehyung! – Falei feliz tentando fazer ele prestar atenção em mim.

- Taehyung? O que você quer? – olhou entediado , e entramos em sua casa.

Sentei no sofá e reparei , que a casa estava organizada, e todos os seus móveis estavam empacotados com plástico bolha.

- Nam, queria te pedir desculpas! Eu não queria que o Airon arrancasse o seu dedo. – Falei cabisbaixo

- O que?! – Jisoo deu um grito

- Tudo bem Taehy, já passou. Depois daquilo, Seokjin veio aqui. Estou voltando para a mansão dos Kim’s. – Namjoon falou e eu o encarei confuso.

- Jin teve aqui? Jin? Kim Seokjin? O primogênito ? – Jisoo falou balançando o dedo indicador.

Seokjin, era o mais velho dos irmão. Ele era um “santo”, puxa saco do meu pai e sempre foi criado para ser o herdeiro principal das empresas da família. Quando eu e Nam fomos expulsos de casa, ele quem vinha nos trazer comida todo o mês. Mas parou quando meu pai descobriu. Ele é um bom homem, mas como ninguém é perfeito, Jin também escondia segredos obscuros de sua vida. E se meu pai descobrisse, Jin seria mais um Kim deserdado

- Sim, e eu estou voltando para a mansão, vou trabalhar na empresa, e pagar a minha dívida com Airon. – Disse Namjoon tirando meus pés de cima da mesinha.

- Quanto a você Jisoo, o que faz em Seul? – Abraçou a garota

- Bom... aconteceu algumas coisas...

- Ela tá grávida! – Interrompi – Do safado do Yoongi.- falei e os dois me olharam

- Yoongi não era gay? – Namjoon cruzou os braços.

- Ele é, Jisoo é muito burra cara. – Falei gargalhando

- Porra Taehyung! Meu pai sabe que Yoongi é o pai?

- Não sabe, e não precisa saber. – Uma voz diferente se fez presente na conversa

- Jin! – Eu e Jisoo falamos ao mesmo tempo.

Corremos para abraçar o mais velho.

- Se Ji Yong sonhar que Yoon é o pai, não sobra nem um fio de cabelo loiro do coitado. – Seok falou sério.

Ele estava certo, meu pai odiava Yoongi com todas as forças, ele o culpa por tudo que aconteceu comigo.

Meu celular tocou, e eu me despedi dos meus irmãos, chamei Jisoo e fomos descendo as escadas, enquanto eu atendia a chamada.

- TaeTae, Bom dia! Tá frio hoje não? – Disse do outro lado da linha


-Airon! Grande dia! – Falei debochado.


Pov’s Jisoo

 Taehyung estava conversando com o tal Airon enquanto eu dirigia, era possível ouvir os gritos de fúria do mafioso do outro lado da linha. Meu irmão estava muito angustiado, e eu prometi pra mim mesma que o ajudaria com isso. Pois o moreno havia me acolhido em sua casa, mesmo depois de tudo que eu disse a ele.

     Chegamos em casa, e eu precisava descobrir quem era o tal traficante mascarado.

Fiz algumas ligações para Mark, um amigo meu, ele é hacker e possui contato direto com Airon.  Não foi nada fácil conseguir respostas, mas se tem uma coisa que eu sou boa, é em chantagear pessoas.

     Me encontrei com o loiro por volta das sete da noite. O garoto me entregou uma arma,e um papel com o endereço de Airon.

Eu não tinha um plano, estava agindo por completa emoção. Peguei meu carro e dirigi, dirigi sem medo, e por muito tempo.

Cheguei em um bairro com mansões absurdamente lindas, e enormes. Um pouco distante, vi um carro preto sendo estacionado, e um homem saindo de lá. Este homem entrou na casa, e eu o segui.

Desci do meu carro, respirei fundo, escondi a arma e toquei na campainha.

- Boa noite, em que posso ajudar? – Um homem alto, moreno e bem vestido abriu a porta me encarando de cima a baixo.

- O-olá , me chamo Lalisa, gostaria de falar sobre negócios. – Eu falei me passando por outra pessoa. O encarando firme e com um pouco de medo.

- Está sozinha? – assenti – Certo, entre. – Falou fechando a porta.

- E que tipo de negócios gostaria de tratar? ... Whisky? – Me serviu um copo de bebida.

- Não obrigada... Certo, gostaria de falar sobre, suas... como posso dizer, fontes de entorpecentes ilegais. - Falei confiante

- Oh! Claro, vamos até o meu escritório por favor. – Deu passagem com as mãos .

Entramos em seu escritório, e ele fechou a porta, me virei para trás

- Pensa que eu não sei quem você é Kim Jisoo? Irmã do nojento do Taehyung. – Colocou uma arma na minha cabeça e eu levantei os braços.

- P-por favor não atire. Eu estou grávida  - Me virei lentamente ainda com a arma na cabeça

- Grávida de quem? Mark Twan? Justin Biber? Ou melhor, seu próprio irmão? Essa família Kim é tão problemática, não duvido de mais nada.– Me deu um empurrão e riu - Sabe princesa! Não posso deixar você viver. É perigoso demais, as pessoas lá fora não podem saber quem eu sou. Não vou correr riscos.

- P-por favor, eu juro, eu não conto pra ninguém . – Meu coração batia muito forte e o Airon estava apertando o meu braço com muita força. Comecei a chorar descontroladamente. Me tremia com os olhos fechados ouvindo suas ameaças e berros.

- Airon me solte por favor. - choraminguei

Me tremia com os olhos fechados ouvindo suas ameaças e berros quando a porta foi aberta com muita força.

 

Pov’s Airon

- Pare de chorar, sua puta desgraçada. – Apertei seu braço quando ouvi a porta sendo empurrada com força, me assustei com o som, e disparei uma bala na cabeça da garota, que caiu morta no chão. Me virei num pulo apontando a arma pra pessoa da porta


- Hoseok?


Notas Finais


Olá cuzis, nn talariquem os amiguinhos de vcs


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...