História Stronger Together - Capítulo 33


Escrita por:

Postado
Categorias Shawn Mendes
Personagens Personagens Originais, Shawn Mendes
Tags Dreams, Love, Mendes Army, Music, Shawn
Visualizações 302
Palavras 3.153
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Aventura, Comédia, Drama (Tragédia), Ficção, Musical (Songfic), Romance e Novela
Avisos: Adultério, Álcool, Drogas, Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Mutilação, Nudez, Sexo, Suicídio, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


TO AQUI PQ TAVA MORRENDO DE ANSIEDADE PRA POSTAR ESSE CAPÍTULO E EU SOU LOCAAA

Meu neném Hayden nem é gente, é anjo. Esse é o Hayden da minha imaginação e sei muito bem que ele é diferente da descrição que dei na primeira aparição dele. Mas fiquem livres pra imaginar como quiserem!

BOA LEITURA!

Capítulo 33 - Airplane (ST)


Fanfic / Fanfiction Stronger Together - Capítulo 33 - Airplane (ST)

Hayden acompanhou Nikki ao quarto, carregando a bagagem dela. Ele sentou na cama e observou enquanto ela retirava uma pequena escultura de cerâmica da bolsa e a colocava sobre a mesa de estudos dela. Ela encarou apaixonada o objeto e passou o dedo carinhosamente nele.

– Como foi a viagem? – Hayden indagou, se jogando na cama da amiga.

Ela sorriu bobamente, olhando para ele. Em nenhum momento desde que descobriu que sua amiga havia tido um relacionamento com Shawn, ele duvidou da veracidade dos sentimento dela e do seu ídolo. Estar perto e conviver com um casal como Shawnkki, o shipp que ele mesmo criou, era como estar sempre rodeado de um bom perfume. Você sempre se sente bem perto deles.

Ter seu ídolo tão perto ainda era inacreditável. Constantemente Hayden se pegava gritando sozinho no seu quarto por estar tão perto do anjo da sua vida.

– Foi incrível. – Ela suspirou, apaixonada. Puxou o celular do bolso e mostrou a galeria ao amigo. – Fomos à Itália. Um lugar chamado Taormina na ilha da Sicília.

– Shawn me ligou sexta-feira de manhã e só me disse que era para eu colocar alguns biquínis na sua bagagem. – Hayden revelou. Shawn não havia contado mais nada. Mas a Itália deveria ser apaixonante e super romântica.

– Foi lindo! Olha só. Tinha essa praia, que possuía um pequeno monte que só podíamos ter acesso por algumas horas e quando o mar baixasse. – Nikki deitou ao lado do amigo e mostrou as fotos dela e Shawn na ilha. Ambos sabiam que ele já tinha visto as fotos que vazaram, mas o relato da melhor amiga era mais que especial. – E também tinha esse monte Etna, com um vulcão mas por que tinha uma altitude elevada, tinha neve e nós esquiamos...

Meia hora depois, Nikki já havia relatado tudo o que considerou importante sobre a viagem. Colocou seu celular no carregador. Ela encarou o melhor amigo e ele sorriu.

– E você, como foi o final de semana? Como foi o encontro com o gatinho de Teatro? – Nikki indagou.

Hayden estava há umas duas semanas de papo com Steven, um cara muito bonito que era da turma de Liam Neeler. Eles marcaram um encontro no sábado a noite. Que foi muito bom, diga-se de passagem.

– Não é tão grandioso como uma viagem para a Itália, né, mas foi maravilhoso. – Hayden tentou conter o sorriso, mas a amiga sabia muito bem que ele parecia radiante. Ela deu um gritinho de alegria e saltitou na cama, até Hayden se juntar a ela na comemoração.

– Imagina se nossas vidas amorosas saírem da fossa ao mesmo tempo? – Nikki comemorou.

– Já pensou? Passamos um ano na fossa juntos, outro ano em superação juntos, e agora... – Hayden sorriu, abraçando a amiga.

– Mas me conta mais. Eu trabalho com detalhes, meu querido. – Nikki pressionou e o sorriso dele cresceu.

– Stevie me levou ao restaurante favorito dele. É um pouco afastado da cidade mas valeu muito à pena. E não era muito formal, sabe, então eu fiquei muito à vontade. Nós bebemos um pouco e depois emendamos para o planetário no centro. Ele me beijou sob a luz das estrelas... – Hayden suspirou. – Foi tão romântico.

– Oh, que lindo! E vocês transaram? – Nikki não aguentou.

– Depois eu que sou o pervertido dessa relação! Não, sua safada. Não transamos. – Hayden disse todo feliz. Nikki ficava feliz em vê-lo assim. – Mas aí, fomos para uma festa e viemos para cá.

– Aí sim vocês transaram. – Nikki completou.

– Não transamos! – Hayden exclamou, rindo. – Mas nós ficamos conversando e nos beijando até amanhecer.

– Isso é tão fofo. – Nikki sussurrou, segurando a mão do amigo.

– Depois tomamos café da manhã juntos, e aí ele foi embora. E eu fui dormir por que preciso do meu sono da beleza não é, meu amor. – Ele se gabou, passando a mão no topete platinado.

– Eu estou muito feliz por você, amigo. – Ela sorriu docemente. Ela ficava feliz quando o amigo ficava feliz.

– E eu por você. – Ele beijou a bochecha dela. – Mas imagino que você esteja cansada da viagem. E como amanhã temos aula, vou deixar você dormir.

– Boa noite, coisa linda. – Ela o abraçou novamente.

Hayden e Nikki estavam juntos o tempo todo durante os últimos dois anos, mas era só quando passavam algum tempo longe que percebiam como são importantes na vida um do outro. A presença era tão constante que às vezes eles nem percebiam o quão são valiosos um para o outro.

Hayden levantou e foi para a cozinha, fez pipoca e assistiu um filme na sala. Ele estava totalmente sem sono, já que havia dormido literalmente o dia inteiro após Steven ir embora, e só acordou na hora de ir buscar a melhor amiga no aeroporto.

Passou as horas seguintes vendo uma maratona cronológica de filmes da Marvel. Mas quando era quase quatro da manhã, seu celular, carregando no canto da sala começou a tocar.

Era Tommy, o pai de Nikki e Hayden estranhou. Já devia ser manhã na América mas o Sr. Becker sabia que era madrugada na Inglaterra.

– Alô, senhor Becker? – Hayden atendeu.

– Hayden, querido. É a Olivia. – A voz feminina da madrasta da sua melhor amiga chamou, ela parecia muito abalada.

– Oi, Olivia. Está tudo bem? – Ele se preocupou. O tom dela não era nada bom, e o coração acelerado do bailarino só concordava com a conclusão do seu cérebro.

– Não, Hayden. Aconteceu uma coisa terrível. Ligue em algum canal de notícias internacionais. – Ela falou com a voz embargada.

Com as mãos trêmulas, ele pegou o controle da TV e colocou no canal de notícias. A transmissão era ao vivo e falava de um acidente aéreo. A queda de um avião.

– Olivia... O que...? – Ele não conseguiu completar a frase, sua voz morreu na garganta quando viu na TV que se tratava de um voo de Toronto para Los Angeles. O nó na garganta dele cresceu rapidamente, mas ele se recusou a acreditar.

– É o voo do Shawn, Hayden. – Ela disse e ele sabia que ela estava chorando.

Rapidamente, as lágrimas começaram a correr pelo rosto de Hayden. Ele tapou a boca com as mãos para conter seus soluços.

– Tem algum sobrevivente? – Ele nem sabia como as palavras saíram de sua boca.

– Tem. Mas são poucos e não temos informação nenhuma até agora. Presta atenção, eu preciso que você seja forte agora. Pela Nikki. – Olivia falou, respirando fundo.

– Eu... Eu vou tentar. – Hayden disse, engolindo o choro.

– Tommy acabou de comprar passagens para vocês virem para cá. Me desculpe te fazer toda essa pressão, mas você precisa contar a ela. E vocês dois tem que embarcar agora para cá. Falamos com Andrew e a família do Shawn também vem para cá. – Olivia explicou rapidamente.

– Tudo bem. – Hayden se forçou a respirar fundo e não perder as esperanças. – Me envie as informações do voo por mensagem. Eu vou acordar a Nikki.

Hayden desligou e secou o rosto úmido de lágrimas. Por alguns minutos, olhou as notícias para saber de algo mais. De um voo de quase 270 pessoas, incluindo passageiros e comissários, até agora apenas 12 sobreviventes foram confirmados, mas não tinham identidade de nenhum deles. Shawn tinha que ser um dos sobreviventes. O avião caiu quase perto do aeroporto em Los Angeles, em uma estrada deserta que dava acesso ao litoral. O acidente ocorreu devido a uma falha no motor de uma das asas, que acabou explodindo.

Ele chegou à porta do quarto da amiga e respirou fundo antes de girar a maçaneta. Ele entrou, e estranhou se deparar com a amiga acordada, sentada na cama. Ela não parecia saber de nada pois estava tranquilamente lendo um livro.

– O que você está fazendo? – Ele perguntou. Ela ergueu o olhar rapidamente e voltou a focar no livro.

– Eu acordei com uma sensação ruim ainda agora e não consegui voltar a dormir. E você? Está tudo bem? – Ela perguntou, finalmente deixando o livro de lado ao ver a expressão transtornada do amigo. Uma sensação ruim. Ela deve ter sentido, afinal a conexão deles é inegável.

– Nikki... – Ele respirou sem saber como começar. – O avião que Shawn estava sofreu um acidente.

Nikki arregalou os olhos, e levantou.

– Não, Hayden. Não. – Ela disse, os olhos já transbordando. – Não é verdade.

– Eu sinto muito. – Hayden falou, também sentindo os olhos encherem.

– Não é verdade... Hayden... Eu não... O Shawn... – Ela se aproximou do amigo, o segurando desesperadamente pelos ombros.

– É verdade, eu sinto tanto. – Ele murmurou.

– Ele morreu? – Ela disse com a voz engasgada.

– Não sabemos. Há alguns sobreviventes mas não temos informação nenhuma. – Hayden conseguiu se recompor minimamente. Ele segurou a amiga pelos ombros e a fez encarar seus olhos. – Eu tenho certeza que ele é um dos sobreviventes.

Na verdade ele não tinha certeza nenhuma, mas tinha esperança. E precisava ser forte pela melhor amiga e por todo um fandom.

Enquanto Nikki chorava descontroladamente, Hayden arrumava uma pequena bagagem com algumas mudas de roupas da amiga e suas também. Com a bolsa pronta, ele procurou alguns documentos da amiga e os seus. Pegou tudo o que era essencial e ainda ajudou a amiga a se vestir. Por isso, menos de meia hora depois eles estavam no aeroporto embarcando para Los Angeles.

Nikki estava em choque. Em algum momento entre o apartamento e o aeroporto ela parou de chorar. Mas parou de falar, de olhar, de agir. E Hayden estava preocupado.

Antes do avião decolar, ele viu que haviam milhares de mentions e dm's em seu Twitter. A notícia de que Shawn estava no voo era pública e agora todo o fandom estava enlouquecido de preocupação. E como muitas delas sabiam da ligação de Hayden com Nikki e Shawn, pediam informações, desesperadas. Então ele decidiu dizer algo em um tweet.

“Gente, não temos notícia nenhuma até o momento. Estamos a caminho de LA mas assim que eu souber algo e se tiver autorização da família, trarei notícias. Prometo.”

...

O voo foi terrível. As quase sete horas de viagem pareciam um tormento, e Nikki estava fora de si. Ela parecia entorpecida. Já Hayden, roía as unhas, bebia água a cada dez minutos e consequentemente ia ao banheiro a cada dez minutos também. Ele tentava não pensar demais no acidente, mas morria de preocupação a cada instante. Ele havia tentado consolar a amiga, mas não sabia o que dizer, afinal estava tão no escuro quanto ela.

Quando chegaram à Los Angeles, Tommy Becker os recebeu no aeroporto. Ele parecia muito abatido e possivelmente não havia dormido nada. Assim que o viu, Nikki correu em direção ao pai e se jogou nos braços dele, caindo em prantos outra vez.

– Oh, filha. Vai ficar tudo bem. – Tommy sussurrou, trocando um olhar grato com Hayden.

O bailarino colocou a alça da pequena mala sobre o ombro e começou a caminhar junto com os Becker para o carro do patriarca.

– Onde está Olivia? – Hayden indagou com uma necessidade absurda de preencher o silêncio no carro enquanto eles iam para o local do acidente.

– Ela deve estar chegando, foi deixar Miguel com os pais. Ela achou melhor afastá-lo pelo menos por hoje. – Tommy respondeu, os dedos batucando de nervoso no volante.

Hayden no banco de trás com Nikki, passou o braço sobre os ombros dela e a acolheu nos braços. Ele fez um carinho no cabelo dela.

– Pode tentar cochilar, se quiser. – Ele disse, tentando ajudar.

– Eu não consigo fechar os olhos. – Ela respondeu, apenas aceitando o carinho gentil do melhor amigo.

Hayden observou quando a amiga pegou o próprio celular e abriu o chat da conversa com o namorado. A última mensagem dele havia sido horas antes do acidente.

Shawn: Acabei de chegar em Toronto. O voo para LA é em duas horas. Vou a um restaurante comer, e volto para o aeroporto.

Shawn: Sei que deve estar dormindo agora e eu queria poder estar compartilhando a cama com você.

Shawn: Amo você, minha bailarina e espero que tenha amado nosso final de semana tanto quanto eu.

A próxima mensagem era de pouco mais de uma hora depois.

Shawn: Estou no aeroporto e já vou embarcar. Te ligo quando chegar à Los Angeles. Vou visitar o nosso lugar em Venice Beach. Amo você.

Ela começou a chorar outra vez nos braços do amigo. Nikki estava relendo aquilo. Hayden queria poder amenizar a dor dela. Mesmo que estivesse sentindo a dor do fã, precisava ser forte como melhor amigo.

Assim que chegaram ao local do acidente, Hayden viu as proporções caóticas do lugar. Via mais ao longe destroços avião, espalhados em vários locais. Alguns ainda em chamas e bombeiros tentavam apagar. Haviam muitas ambulâncias, carros de bombeiros e policiais. Havia um limite de passagem marcado com uma fita amarela, e antes disso, várias famílias aguardavam notícias desolados. E a cada momento mais familiares das vítimas chegavam.

Do espaço destinado aos familiares, havia outra faixa que pedia distância e era cercada por jornalistas e fotógrafos. Os abutres da imprensa querendo se alimentar da dor de todas as pessoas que sofriam por seus entes.

O sol da Califórnia estava a pino, naquela tarde. Assim que entraram dentro dos limites, Tommy os guiou até um lugar onde Karen, Manny e Aaliyah estavam. Nikki se soltou do melhor amigo para abraçar primeiro Karen e depois Manny, dizendo palavras de conforto enquanto os abraçava. Então ela foi até a irmã mais nova de Shawn, que chorava copiosamente e a abraçou apertado. Mais perto, Hayden pôde ouvir o que elas diziam.

– Nikki, o meu irmão... – Aali chorava, nos braços da cunhada. Nikki engoliu o próprio desespero e segurou o rosto da mais nova, secando suas lágrimas.

– Ele vai ficar bem, eu prometo. Você vai ver só, aposto que ele nem se machucou muito. O Shawn é muito forte. – Nikki dizia, tentando forçar um sorriso.

E naquele instante, Hayden percebeu que Nikki Becker era uma garota preciosa demais para esse mundo. Ela havia engolido a própria dor para cuidar e confortar a família do namorado. Ela merecia o mundo.

Hayden só não percebeu que Nikki fazia pelos Mendes, o mesmo que ele próprio fazia pela melhor amiga.

– Onde está o Andrew? – Hayden deu falta do manager do seu ídolo e perguntou a Tommy.

– Ele foi até o hospital para onde os sobreviventes estão sendo levados, ele está tentando qualquer informação. – Tommy disse, sem desfazer a expressão de preocupação.

Por estarem ao ar livre, tudo era visto dali e nos entornos. Então o tempo inteiro os representantes da imprensa tentavam chamar a atenção dos familiares das vítimas, alguns até tinham a audácia de tentar invadir o espaço. Felizmente, alguns homens da polícia estavam fazendo o bloqueio da área.

Após quase uma hora ali, a espera de notícias, Hayden não aguentou. Marchou decididamente até o espaço de contenção e ficou frente a frente com os repórteres.

– Você tem alguma notícia do acidente?

– Quantas pessoas já foram confirmados o óbito?

– É verdade que o Shawn Mendes estava nesse avião?

– Vocês são nojentos. – Hayden disse. Suas palavras calaram todas as vozes deles. – Aqui não tem famosos ou não famosos. Todos são pessoas, vítimas de um acidente terrível e todos tem entes queridos que estão morrendo de preocupação. Vocês podem por favor respeitar a dor dessas pessoas?!

Logo após terminar seu breve discurso, Hayden deu as costas e partiu de volta para junto da melhor amiga. Ele abriu a bagagem e tirou dois pacotinhos de lanche do avião. Ele se agachou entre Nikki e Aaliyah, estendendo um pacotinho para cada.

– Por favor, comam isso. Eu sei que vocês estão há horas sem comer. – Ele disse. Aali pegou um dos pacotinhos e abriu.

– Eu não consigo. – Nikki falou com a voz embargada.

– Por favor, Nikita. Você não come desde ontem no avião que você veio da Itália. – Hayden insistiu. Ela pegou o pacotinho e abriu. – Não precisa ser muito, apenas o suficiente para você não desmaiar.

Ela assentiu, mordendo um pedaço do lanche do avião. Hayden abriu a mochila e pegou três barras de cereais que ele sempre tinha na bolsa para manter a dieta caso sentisse fome. Não era muito, mas era o suficiente para dar o mínimo de energia para aqueles que ali estavam. Então ele ofereceu uma barra de cereal para Manny, uma para Karen e outra para Tommy. Hayden havia conseguido comer um lanche no avião.

Alguns minutos depois, Olivia Becker chegou até eles. Ela imediatamente abraçou Nikki e ficou sussurrando palavras de conforto para a bailarina.

Não demorou muito, um dos bombeiros apareceu, com uma prancheta e se dirigiu a todos eles.

– Vocês são a família de Shawn Mendes? – Ele indagou, sério.

– Somos. – Foi Tommy quem conseguiu responder, pois todos os outros prenderam o ar naquele momento.

– Encontramos um corpo que bate com as características que vocês nos deram. Precisamos de alguém para fazer o reconhecimento. – O homem disse, com uma expressão de pesar.

Por um minuto o ar pareceu ser sugado daquele lugar. Karen caiu em prantos abraçada ao marido. Aaliyah levou a mão à boca, contendo o choro. Tommy baixou a cabeça, passando as mãos pelos cabelos. Nikki, colocou todo o lanche que havia ingerido para fora, vomitando ali mesmo no chão. Olivia apenas segurou os cabelos dela e afagou suas costas.

Hayden sentia o coração bater desesperadamente, dolorido. Mas ele foi até a própria bagagem e pegou a garrafinha de água, dando para a amiga. Assim que ela se sentiu minimamente melhor, ela levantou, encarando o bombeiro.

– Eu vou. – Ela disse com a voz trêmula. Hayden se colocou na frente da amiga e a impediu de dar um passo sequer.

– Não. – Ele disse, enfático.

– Eu preciso...

– Eu não vou deixar você passar por isso. – Ele foi taxativo, mas no fundo dos seus olhos, Nikki entendeu que era só preocupação. Que ele queria poupá-la da dor caso aquele fosse mesmo o corpo de Shawn. Ela assentiu e ele se virou para o bombeiro. – Eu vou.

O bombeiro o chamou, e Hayden o seguiu em silêncio. Eles andaram muito, até uma cabine de lona. Um corpo estava sobre uma maca, coberto por um plástico preto, mas ele era alto o suficiente para ser Shawn, e por isso, Hayden sentiu os olhos encherem de água salgada. Ele andou devagar até o corpo e o bombeiro segurou o plástico preto.

– Está pronto? – O bombeiro indagou. Apenas esperou um aceno de cabeça de Hayden e puxou o plástico.

Hayden prendeu o ar.

Então olhou para o rosto do cadáver. Seu rosto estava totalmente desfigurado, com queimaduras e ferimentos cheios de sangue. Não era possível realmente ver detalhes, mas o cabelo era castanho e estava bagunçado, cheio de poeira, cinzas e sangue. O cabelo era da mesma cor, e onde era possível ver, a pele também. As primeiras lágrimas caíram sem que o bailarino note. Até que ele lembrou de algo que lhe daria uma resposta certeira.

Ele puxou o plástico até o fim e olhou a mão direita do cadáver. Constatando que não havia nenhuma andorinha ali. Nenhuma tatuagem.

Não era Shawn Mendes.


Notas Finais


Hoje pode me xingar hauahaau...

Teorias?

Comenteeeem, beijo no core!


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...