1. Spirit Fanfics >
  2. STUCK IN MY HEAD (Michaeng) >
  3. Tenso

História STUCK IN MY HEAD (Michaeng) - Capítulo 14


Escrita por:


Notas do Autor


Esperaram muito? >.<

Capítulo 14 - Tenso


Fanfic / Fanfiction STUCK IN MY HEAD (Michaeng) - Capítulo 14 - Tenso

YOO JEONGYEON P.O.V


(Alguns momentos antes)





Estava no meu quarto, deitada na cama, olhando para o teto, pensando nos últimos acontecimentos. O dia hoje foi ruim, quase não falei com as meninas na faculdade. Elas não paravam de me mandar mensagens. Estava me sentindo péssima, um ser humano horrível. Tentei ligar e mandar mensagens várias vezes pra Nayeon, mas ela não as lia e muito menos atendia minhas ligações. Só queria saber como ela estava se sentindo, se estava me odiando ainda mais depois disso. Na verdade nunca soube o real motivo dela implicar tanto comigo, apenas comigo, e sabe, eu gosto muito dela, eu apenas revido suas investidas contra mim. Já tentei uma comunicação amigável algumas vezes, sem implicância nenhuma, mas ela sempre parecia me afastar. Se ela ao menos me falasse o porquê.




- Jeong? - Minha irmã, Seungyeon, apareceu de repente, me acordando do transe. - Não vai pra casa da Chaeyoung hoje?




- Não... Sana, Dahyun e Momo estão lá... E não estou com vontade... - Sentei na cama, estava sonolenta e descabelada.




- O que aconteceu? Está estranha, desde ontem. Pode me contar, sabe que pode confiar em mim. - Ela arrumava meu cabelo. Nós duas morávamos juntas, ela era mais velha e desde que me lembro ela sempre foi como uma mãe pra mim.




- Ai eu sou tão idiota... - Comecei a chorar.



- Me fala... O que houve. - Me abraçou e beijou minha cabeça.




- Como eu pude me aproveitar dela enquanto ela estava bêbada?- Falava com a voz abafada no seu peito.- Se antes ela me odiava, agora piorou.




- De quem está falando?- Perguntou.




- Nayeon...- Falei baixo, mas ela escutou.



 

- Maninha...- Me soltou para que podesse ver meu rosto. As lágrimas ainda escorriam.-A Nayeon não te odeia.-Enxugou minhas lágrimas.-Talvez agora ela possa estar te odiando mas...



- Ta vendo.- Choraminguei.



-Calma, olha.- segurou meu rosto.- Eu sei que gosta dela. Eu sei que isso não foi legal, mas, já está feito e ficar se culpando agora não vai adiantar nada. Tem que pedir desculpas pra ela.- Me olhava nos olhos como uma boa irmã mais velha aconcelhando a mais nova.



- Mas...



- Nada de mas. - Se levantou. - Está esperando o que?. - Fez um gesto para que eu levantasse.



- Aonde agente vai?- Sai da cama e ela foi me puxando pela mão em direção a saída.




- Eu vou te levar até a casa da Nayeon, você vai pedir desculpas pra ela e vão resolver isso logo de uma vez. - Explicou apontando pra mim. Tão mandona. - Não aguento mais te ver desse jeito. - Pegou as chaves, abriu a porta e me empurrou pra fora do apartamento.




[...]

A Im morava um pouco longe da gente, então vínhamos aqui poucas vezes, mas principalmente por que, diferente da filha, a mãe dela era bastante séria e não gostava de bagunça, e convenhamos quando estamos juntas é só baderna.



Já estávamos na frente da residência, não sabia se a mãe dela ia ficar brava, pois fui até lá sem avisar, mas criei coragem e saí do carro. Minha irmã me desejou boa sorte e disse para ligar quando saísse, que ela vinha me buscar.



Chegando na porta principal, dei várias batidas na mesma. Esperei um instante e bati novamente, mas ninguém atendia, provavelmente não estavam em casa. Tentei uma última vez, agora com batidas mais fortes, mas nada. Já estava desistindo quando percebi que a porta não estava totalmente fechada. Resolvi abri-la e procurar por alguém lá dentro.




- Olá?- Entrei e fechei a porta devagar. - Com licença, tem alguém em casa?- Olhava ao redor e estava completamente vazio.




Estava de saída quando ouvi o som de algum objeto quebrando em um dos cômodos da casa, vindo acompanhado da voz da Nayeon. É bem a cara dela deixar de atender a porta por preguiça. Fui andando devagar em direção aos barulhos. O corredor estava escuro e só o que dava pra ver era a luz vindo do quarto da Im, a porta estava aberta. Quando cheguei perto da entrada do quarto, estiquei apenas a cabeça para ver o que estava acontecendo lá dentro. Fiquei em choque, meus olhos não podiam acreditar no que estavam vendo.




Um homem alto e forte estava abusando dela. Cheguei a essa conclusão quando Nayeon começou a gritar e a pedir que ele parasse. Ele estava em cima dela e a despia a força. Felizmente ele não percebeu minha presença ali. Entrei em desespero e sentei no chão do corredor ao lado da porta. A minha vontade era de entrar lá e matar aquele cara, mas não ia ter a mínima chance contra ele. Então para não cometer nenhuma besteira resolvi ligar pra polícia. Me afastei um pouco mais do quarto ainda sentada no chão e tremendo muito, falei rapidamente o que estava acontecendo, dei o endereço e eles entenderam, a polícia já estava a caminho. Estava desesperada e tapava meus ouvidos para não ouvir os pedidos de soccorro que ecoavam no corredor escuro. Peguei novamente o celular e liguei para Chaeyoung mas ela não atendia, liguei pra Dahyun e ela atendeu.




- O que foi Jeongyeon?




- Dahyun eu tô desespera cheguei aqui na casa da Nayeon e tem um homem aqui eu não sei o que fazer.- Falava quase sussurrando e chorava muito.




- Calma, fala devagar.




- A Nayeon ele ta ele ta machucando ela




- A Nayeon o que? Eu não estou entendendo nada respira e fala com calma.




Nesse momento os gritos começaram a ficar piores e Nayeon pedia por socorro. Um ódio enorme tomou conta de mim e meu sangue ferveu, meu pensamento era pegar uma faca na cozinha e enfiar naquele desgraçado, mas qualquer movimento falho quem acabaria esfaqueada era eu ou a Nayeon, então o jeito seria desacordá-lo. Olhei pro lado e vi um vaso que estava em cima de uma estante, ele parecia ser pesado, larguei o telefone sem encerrar a ligação e fui até lá pegar. Andei cautelosamente para dentro do quarto e o filho da puta estava rindo enquanto consumia o ato. Reuni todas as minhas forças e quebrei aquele vaso na cabeça dele. Ele caiu desmaiado em cima da Im que estava totalmente nua e chorando de dor.




- Jeongyeon?! - Falou meu nome enquanto eu empurrava aquele nojento para sair de cima dela.




- Vamos sair daqui rápido!. - coloquei o lençol que estava no chão ao redor do seu corpo e a ajudei a levantar a envolvendo em meus braços.




Estávamos perto da porta quando percebi que o cara começou a se levantar. O desgraçado veio correndo atrás de nós.




- Sai daqui!- Empurrei a Nayeon pra fora do quarto e me tranquei lá dentro com o homem. A Im batia na porta e gritava meu nome varias vezes, sem parar. Queria ganhar tempo até a polícia chegar, não podia deixar ele a machucar mais, mesmo que isso fosse me custar caro. Assim que me virei fui recebida com um soco que me fez cair no chão.




- QUEM VOCÊ PENSA QUE É EIN GAROTA?! - Mais um soco. - VOCÊ SE ACHA MUITO ESPERTINHA NÃO É?! - Ele gritava com o rosto quase colado no meu. Depois de mais um soco ele pisou no meu braço direito, me fazendo gritar de dor. Tudo estava ficando embaçado e só conseguia ouvir os gritos da Im no fundo. - Não se preocupe ela vai morrer, mas antes eu te mato! - Senti ele apertando forte o meu pescoço com as duas mãos. Já estava sem ar e já tinha aceitado o fato de quê provavelmente iria morrer ali mesmo. O lugar ficava cada vez mais escuro até que ouvi um barulho estrondoso da porta antes de apagar totalmente.




[...]




Estava tudo muito silencioso, mas de vez em quando escutava algumas vozes. Parecia estar deitada em uma cama, sentia um for muito forte no meu corpo inteiro, parecia que tinha acabado de ser atropelada. Tentei abrir os olhos, mas não consegui totalmente, mesmo assim consegui perceber que era dia e eu estava em um quarto de hospital. Não conseguia mover meu braço direito, ele estava engessado. 




- Ela está acordando. - Ouvi uma voz conhecida se aproximando. Parecia a Chaeyoung. Tentei virar um pouco a cabeça para o lado e vi Seungyeon ali também. Lembrei do que estava acontecendo.




- Cadê a Nayeon?! Eu tenho que ajudá-la! Ele vai matar ela!- Tentei me levantar mas me seguraram, me encostando de volta na cama.




- Ela já está bem, não precisa se preocupar, está segura agora.- Minha irmã me acalmou.




- A polícia arrombou a porta bem na hora e ele está preso agora, ela não corre mais perigo.- Chaeyoung.




- E você foi muito corajosa, e burra também, mas corajosa. - Minha irmã parecia aliviada, mas sabia pelos seus olhos marcados que havia chorado muito.




- Tem alguém que quer falar com você.- Chae falou e ela e Seungyeon sairam para pessoa poder entrar. Queria que fosse a Nayeon, mas não era ela, era sua mãe. Ela parecia triste e atravessou o quarto de cabeça baixa o tempo todo. Se aproximou de mim.




- Agradeço pelo que fez, Senhorita Yoo. - Ela se curvou.- Eu não devia ter deixado ela sozinha, principalmente sabendo que o padastro dela havia saído da cadeia. - Ela começou a chorar ainda curvada. - Ela já sofreu muito na adolescência por causa dele.




- Eu não sabia...- Falei triste. Essa não era a primeira vez que aquele homem asqueroso tinha colocado as mãos nela. - Eu posso falar com ela?- Pedi e a Mulher concordou. E depois de agradecer mais uma vez saiu do quarto para chamar a filha. 




Enquanto a esperava, fiquei pensando em como ela estaria se sentindo com o que eu fiz naquela noite. Eu sei que depois de tudo que ela passou, isso não era nada, mas  depois de tudo que descobri hoje, a culpa só me consumia cada vez mais.




- Oi...- Falei quando percebi a Im entrando no quarto. Ela estava visivelmente nervosa. Enquanto ela chegava perto, me sentei na cama e afastai um pouco pra trás me encostando.




- Você está horrível. - Ela falou se referindo a meus olhos inchados provavelmente. Eu ri, mas ela fez uma cara de choro e veio me abraçar.- Você é louca?- Chorava.




- Não podia deixar ele te machucar. - A abraçei de volta, apenas com o meu braço bom.




- Quando você se trancou lá dentro, só conseguia ouvir ele te ameaçando e te batendo, seus gritos, estavam me torturando,  achei que fosse te perder pra sempre. - Me abraçou mais forte.- Se você morresse eu te mataria Yoo Jeongyeon.




- Você não vai se livrar de mim assim tão fácil Im Nayeon.- Brinquei. Depois um breve silêncio.-Me desculpa por aquela noite...eu não lembro direito mas...




- Está tudo bem. - Me cortou ainda me abraçando. - No começo, eu fiquei com muita raiva, mas, pra falar a verdade, mesmo bêbada eu poderia ter evitado e não foi o que aconteceu. - Engoli seco. - Mas poderíamos ter feito isso sóbrias, se você quisesse. - Falou no meu ouvido, depois se separou do abraço, me deu um sorriso.




A enfermeira chegou logo depois dizendo que eu podia ir pra casa, que os hematomas iam sumir em alguns dias. Tive uma fratura no nariz e o braço havia quebrado mas nada que o tempo não resolvesse. Um dos meus olhos estava um vermelho bem escuro, cor de sangue, e que era pra colocar um remédio diariamente nele que logo voltaria ao normal. Nayeon escutava tudo atentamente.



Saimos do quarto, Seungyeon, Chaeyoung e a Senhora Im nos aguardavam na sala de espera. A Son disse que ia pra casa dar notícias as meninas, Nayeon não queria desgrudar de mim, mas sua mãe pediu para que me deixasse descansar e que ela também precisava de cuidados. Me despedi delas e minha irmã me levou de volta pro nosso apartamento. 


Notas Finais


Vocês acharam q a Yoo foi inteligente ou nem? :,-)


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...