História Sua canção - Capítulo 26


Escrita por:

Postado
Categorias O Hobbit
Personagens Balin, Dis, Fili, Kili, Legolas, Personagens Originais, Tauriel, Thorin II (Escudo-de-Carvalho), Thranduil
Tags Legolas, Legolas Folhas Verdes, Senhor Dos Anéis
Visualizações 62
Palavras 1.221
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Fantasia, Ficção, Romance e Novela
Avisos: Nudez, Sexo, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Capítulo 26 - Minha afirmação


Fanfic / Fanfiction Sua canção - Capítulo 26 - Minha afirmação

Myelle despertou com vozes em seu quarto, seus olhos pareciam tão pesados, seu corpo, ela mal podia mover um musculo, sua respiração estava normal, apenas o peito um pouco dolorido, ela tentou mover-se e uma dor aguda atravessou seu corpo, fazendo pequenas linhas moverem-se em seu rosto.

- Ela despertou – disse um elfo, e logo sua mão estava sendo segurada e reconfortada.

- Mela nîn, eu estou aqui – Legolas sussurrou com os lábios colados contra as costas de sua mão.

- Eu estive preocupado, por favor mela, faça um esforço – ele implorou, toda a angustia transmitida em sua voz.

Ela forçou-se a abrir os olhos, e lentamente sua visão se acostumou com a claridade, e ela poderia ver os belos olhos azuis genuinamente preocupados.

- Você me assustou, eu pensei que te perderia – ele chorou colocando a mão dela sobre seu rosto.

- Legolas, não...– ela suspirou sua voz rouca do desuso, seus polegares circularam genuinamente as maças de seu rosto.

- Eu a amo, mas do que tudo, não aguentarei perde-la, não posso suportar nem ao pensamento – ele confessou, suas lagrimas quentes.

- Não faça isso comigo Legolas – ela gemeu deixando suas lagrimas caírem.

- Você ainda deseja me deixar?! – ele exclamou – eu não acredito nisso, não acredito.

- Me perdoe Legolas – ela chorou – eu não posso evitar, juro que não queria sentir o que sinto.

- O que você sente Myelle?! – ele rosnou e apertou a mão dela, mas não com força suficiente para machuca-la.

- Amor... por outro – ela confessou derramando-se em lagrimas, seu ferimento ainda estava dolorido, mas a dor que sentia no coração era maior.

- Eu não acredito – ele disse – como pode amar outro?

- Eu não sei se o amo, está tudo tão misturado em minha cabeça, no meu coração, eu não sei lidar com isso! – ela gemeu – eu gostaria muito de estar com você, mas não é justo se estou pensando em outra pessoa! Eu não posso dizer que amo essa pessoa, e não posso dizer que não amo você!

- Eu não posso Myelle, eu me entreguei a você – ele disse – não posso mudar isso, não posso mudar o amor que sinto, e a dor que você está me causando.

- Eu sinto muito, me perdoe – ela chorou, ele soltou a mão da moça e se levantou.

- Quando seu ferimento sarar, você pode partir – ele disse – eu espero nunca mais te ver Myelle.

Myelle colocou a mão sobre seu ferimento enfeixado e chorou sentindo como seu coração estava despedaçado, não sabia o que fazer, não sabia o que dizer, não queria estar nessa posição, e pela primeira vez em quase três anos voltou a desejar a morte.

**

A noite traz seu mundo

Que adormecerá

E a lua cobrirá de prata

O mar e a cidade

 

E você me fará falta

Mais ainda

Você não sabe quanto

 

Myelle despertou com o som suave de uma voz grave e poderosa, porém muito reconfortante, ela pode sentir dedos suaves correr por seu rosto em uma suave caricia.

 

Continuarei a acreditar que

Somos uma só alma, eu e você

E te amarei seja como for, você sabe

Mesmo que você não esteja comigo

 

Eu te amarei

 

Te levarei comigo ao sol

Nos sonhos que construiremos

Roubaremos as cores da manhã

E um céu limpo

 

Acima que colorirá sua face

E sorrirá

 

Me faz falta mais que nunca esta noite

O quanto você não sabe

E te amarei seja como for, você sabe

Mesmo que você não esteja comigo

 

Eu te amarei

 

Myelle sentiu seu corpo corresponder ao tom de voz e as caricias, o calor que os lábios provocavam pressionados ao rosto e mãos dela, intercalando beijos amorosos, e seus olhos se encheram de lagrimas, ela os abriu para encarar os dois pares de safira tão claros como o céu.

- Thorin – ela gemeu, o anão acariciou sua face com uma das mãos, enquanto a outra segurava sua mão com apertos suave.

- Bom dia Myelle – ele sorriu amorosamente, mas seu olhar denunciava sua preocupação.

- Thorin, por favor, eu quero ir embora – ela chorou, e o rei secou suas lagrimas enquanto cantarolava suavemente.

- Não chore, eu prometo que vou leva-la de volta para Erebor, mas você não pode viajar assim – ele disse preocupado, os dedos ainda alisando sua pele.

- Não! Não!! Eu quero ir agora! – ela implorou – não me importa o custo, quero apenas partir!!

Thorin franziu o cenho em preocupação.

- Você tem certeza? Odeio admitir, mas eles podem ajuda-la melhor do que nós, eu não posso colocar sua vida em risco, uma viajem em suas condições é perigoso –

- Por favor – ela implorou – apenas me tire daqui.

O rei observou a angustia estampada em seu rosto, seu corpo tremia com choro, e seu aperto em sua mão era muito forte, demonstrando seu real desconforto.

- Tudo bem, nós vamos para casa –

**

Oín, Kili e Dwalin estavam carregando as coisas dela, levando tudo para a carruagem, Thorin caminhava ao lado dela, servindo como apoio para seus passos incertos, uma mão em seu corpo para ajudá-la a se estabilizar, deixar o palácio de Mirkwood nunca foi tão doloroso, Myelle sentia-se a pior pessoa do mundo, enganou a todos, enganou a si mesma, e o pior de tudo enganou a Legolas. O príncipe élfico não fez nada além de ajuda-la e ama-la, passou momentos maravilhosos ao seu redor, e ela fez a pior coisa que poderia fazer, se confundir, e de certa forma desgraçar a todos, uma voz começou a gritar no interior de sua cabeça, enquanto a dor do ferimento a fazia levar a mão ao lado direito do corpo.

- Eu não deveria ter saído da floresta – ela sussurrou para si mesma, mas Thorin a apertou um pouco mais, e quando ela voltou seu olhar para o anão, percebeu seu olhar triste.

Quando chegaram a carruagem Oín entrou e ajudou Thorin a coloca-la, seu corpo tornou-se ainda mais dolorido quando sentou, e foi então que ouviu a voz do príncipe.

- Você não pode leva-la! – ele rosnou, se aproximando de Thorin, os anões guardas do rei se seguraram suas espadas, assim como os guardas élficos.

- Ele pode quando o desejo é dela – interveio Thranduil que esteve acompanhando a partida dos anões.

- Myelle!! – Legolas gritou – Myelle! Você não pode fazer isso comigo!

Ela contorceu-se sobre o banco enquanto uma lagrima esfriava seu rosto.

- Ela não deveria ter saído de Erebor! Vocês quase a mataram! Eu vou protege-la e nada, nem ninguém irá feri-la! – rosnou Thorin.

- Seu...! –

- Chega Legolas! – ordenou Thranduil, seu tom de voz autoritário e sombrio.

Foi então que ouve silencio absoluto, e Thorin entrou na carruagem, sentando-se ao lado dela.

- A posição a incomoda, deixa-a apoiar-se em você majestade – disse Oín, o rei acomodou-se para receber seu corpo frágil.

Myelle teve as costas descansando contra o peito do anão, e sua cabeça contra o ombro, ela sentia-se bem em seu abraço, e o sentimento lhe trouxe culpa imensa, sentia-se uma megera, uma mulher injusta, uma pessoa injusta, tudo o que estava fazendo era errado e doloroso. Suas lagrimas puderam fluir mais livremente quando seu corpo encontrou conforto no abraço cuidadoso de Thorin, ele continuou fazendo suaves caricias para apaziguar sua dor, sem entender que a dor que ela sentia era da alma.


Notas Finais


Musica: Ti Amerò - Il Divo


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...