1. Spirit Fanfics >
  2. Suas mãos >
  3. Plus one

História Suas mãos - Capítulo 2


Escrita por:


Notas do Autor


Felipe original fala tu que eu tô cansado: o pornô chegou carai.

Texto não betado mo

Capítulo 2 - Plus one


As pessoas, às vezes, se esqueciam que debaixo da personalidade calorosa de Rengoku Kyoujurou existia um homem extremamente observador e perspicaz. Ninguém era considerado um prodígio por nada, ainda mais quando se tratava do curso de direito da Universidade de Tóquio.

Ele não era esnobe ou algo do tipo. Havia se esforçado muito para chegar onde chegou e reconhecia o trabalho duro dos estudantes daquele Campus. Era um menino de ouro na concepção de todos, gentil e enérgico, embora não pudesse evitar prestar atenção em certas coisas. 

Coisas como sua fixação por mãos. Especificamente, as mãos dele

Rengoku mentiria se dissesse que não tinha vontade de tentar coisas um pouco mais… rudes. Mas o relacionamento de você era tão novo e ele estava tão apaixonado que tinha medo de pisar na bola e fazer alguma coisa que você não gostasse. 

Mas ali, com você sentada atrevidamente no colo dele com tão pouca roupa, beijando-o cheia de tesão e puxando os cabelos loiros com tamanha voracidade, Kyoujurou jogou para cima todo e qualquer autocontrole. Apertou com firmeza sua cintura com as mãos e jogou o corpo para frente, te prensando no colchão. 

Você arfou, os dedos imediatamente buscando os fios loiros e puxando-os. Rengoku soltou um grunhido e voltou a colar a boca na sua, apertando com força sua coxa e enlaçando-a em torno da cintura dele. Ele jogou o quadril para frente, encaixando-se entre suas pernas e pressionando o volume que tinha na calça contra sua intimidade. 

Você quebrou o beijo e jogou o rosto para trás, gemendo baixinho pela pressão quente e gostosa do corpo de seu namorado. Kyoujurou, entretanto, puxou o ar por entredentes e levou uma das mãos até sua mandíbula, puxando até que seus olhos se encontrassem. 

— Olhando pra mim, meu anjo. – Ele falou e jogou os quadris para frente, esfregando a ereção contra sua virilha descaradamente. 

Um choramingo escapou de seus lábios e você rebolou, firmando as mãos nos ombros fortes de Kyoujurou. Ele te encarava, assistindo suas feições se contorcerem de prazer toda vez que ele roçava firme. Sua voz começava a sair mais alta à medida que a pressão aumentava, o tesão te tornando incapaz de se controlar. 

— Kyou! – você chamou, apertando as pernas em torno dele para trazê-lo para mais perto. – Mais, mais, mais! 

Rengoku arfou ao escutar a forma necessitada como você falava, encantado com o prazer que se acumulava em suas feições. Ele apertou suas bochechas entre os dedos, roçando o indicador por seu lábio inferior. Você gemeu satisfeita, abrindo a boca e o acomodando sobre sua língua como se fosse a melhor coisa do mundo. 

— Puta merda. – ele xingou, se endireitando na cama. Você caiu no colchão, fechando os olhos e deslizando a língua pelo dedo em sua boca. Kyoujurou não resistiu à tentação e colocou mais um pra dentro, assistindo você quase se engasgar. – Você é tão linda, meu bem, me chupando gostoso desse jeito.  

Um gemido te escapou com o elogio, suas pernas se apertando em volta dele. Você poderia gozar só com isso, mas era egoísta o suficiente para querer mais. Seus olhos se abriram e você encarou seu namorado, entreabrindo os lábios e exibindo para ele o trabalho que sua língua fazia em cada um dos dígitos. 

Até que ele empurrou-os mais para dentro e você fechou os olhos extasiada.

Um xingamento de Kyoujurou foi a única coisa que você processou antes de ser virada de lado na cama. Ele jogou uma de suas pernas para a lateral e ajoelhou-se entre suas coxas, te impedindo de esconder o tecido preto que tapava sua intimidade.

— Oh, meu amor. – Rengoku praticamente ronronou, a voz cheia de promessas enquanto deslizava o tecido de sua calcinha para o lado com o polegar. – Não deveria brincar com fogo.

Seu interior queimou de tesão e você enfiou o rosto no travesseiro, gemendo alto quando dois dedos grossos, compridos e molhados invadiram seu interior. Suas mãos foram puxadas para suas costas e presas pela mão livre de Rengoku, te impedindo de se contorcer quando o polegar dele roçou por seu clitóris. 

— Kyou! – você gemeu, empinando a bunda mais um pouquinho. 

Ele riu, os dedos começando a se mover sem pressa. Kyoujurou os tirava e colocava vagarosamente, mudando o ângulo toda vez que chegava perto daquele lugarzinho maravilhoso. Você sabia que estava sendo punida, e céus queria tanto que ele se apressasse e te fizesse gozar. 

— Isso, meu anjo. Tão linda, tão sensível. Era isso que você queria? – você soltou um miado de tesão, o polegar de Kyoujurou apertando firme sobre seu clitóris. – Olhe, está escorrendo de tão molhada. Melando meus dedos e apertando com tanta vontade. Gosta tanto assim das minhas mãos? 

Um gemido alto abriu caminho por seus lábios quando aquela imagem passou por sua cabeça. Você tentou mover os braços, mas Kyoujurou mantinha um aperto de aço enquanto te levava à loucura. Ele escorregou uma das pernas para o lado e te fez abrir mais as coxas, te expondo para os olhos maldosos e carregados de tesão. 

— Kyou… 

— Quer ser uma boa menina, meu amor? – Ele perguntou tranquilo, curvando os dedos no seu interior bruscamente. Seus olhos se arregalaram e você gemeu desesperada, o prazer quase te cegando. – Responda, ou eu vou te impedir de gozar por vezes antes de te foder. 

Sua mente demorou para processar o que acontecia no meio de todo aquele prazer, mas assim que conseguiu, você o olhou toda necessitada. 

— Quero, quero! Kyou, eu preciso! – sua voz saiu desesperada, quase chorosa. 

Seu namorado sorriu suavemente, o que não combinou com a força que ele usou para meter os dedos dentro de você. Seus olhos lacrimejaram e você gemeu alto, tentando se debater e fugir do aperto das mãos em suas costas. 

— Do que você precisa, hm? Quer meu pau? – ele perguntou casualmente, e sua pele se arrepiou. Você já escutou Kyoujurou falando putaria diversas vezes, mas nunca daquele jeito. 

— Quero. – você murmurou baixinho, tentando soltar seus braços do aperto dele outra vez.

Kyoujurou fez questão de apertar sua pele ainda mais. 

— Eu não ouvi direito, meu bem. 

Você virou o rosto na direção dele, abrindo as pernas o quanto conseguia e olhando nos olhos incandescentes. Dois podiam jogar aquele jogo. 

— Baby, – você chamou, o tom baixinho e cheio de tesão. – Eu quero que você me foda com força e me faça engasgar nos seus dedos. Por favor, Kyou, fode a sua boa garota. 

Apelar para o lado levemente possessivo do seu namorado era maldade, mas tudo estava valendo naquele momento. Você foi recompensada com um movimento brusco, seus braços foram soltos e você foi virada para cima na cama, tendo a oportunidade de assistir a expressão afoita de Kyoujurou. 

Ele nem se deu ao trabalho de tirar a calça, apenas abaixando o tecido apressadamente e se inclinando para pegar uma camisinha na mesinha ao lado da cama. Você assistiu morrendo de tesão ele rasgar o pacotinho e encapar o próprio membro, descendo o látex por toda a extensão sem dificuldades.

— Se é isso que a minha garota quer, – Kuoujurou praticamente rosnou, se debruçando sobre você e puxando ambas as suas pernas para um dos ombros largos e fortes. – É isso que vou te dar. 

Os dedos dele invadiram sua boca no exato momento que ele te penetrou com força, os quadris batendo na sua bunda. Você agarrou os lençóis e quase se engasgou, gemendo alto mesmo que sua boca estivesse ocupada. Kyoujurou não teve dó, iniciando com um ritmo forte logo de primeira. Você mal conseguia respirar em meio as estocadas, bêbada de prazer. 

A mão livre de seu namorado puxava seus quadris para perto enquanto metia, entrando e saindo de seu interior vezes sem conta. Cada vez ele ia mais rápido, mais intenso, os dedos em sua boca te fazendo engasgar vez ou outra. Kyoujurou pareceu notar aquilo, retirando os dígitos molhados e acertando-os em sua bunda. 

— Ah! Kyou! Puta merd- Ah! – Você gemeu com o impacto, retorcendo os lençóis em seus punhos. 

O loiro sorriu entre arfadas e grunhidos, acertando outro tapa, e mais um e mais um até que sua pele ficasse avermelhada. Você se remexia, os olhos lacrimejando e gemidos e mais gemidos escapando de seus lábios. 

— É assim que você queria? Desse jeito, meu amor? Você tá tão apertada. – A voz dele falhou no final, mas mesmo isso não retirou o peso daquelas palavras sobre você. 

Seu corpo estava quente e suado, seus olhos mal conseguiam ficar abertos e receber outro tapa forte e ardido te fez soluçar de prazer. O pau de Kyoujurou te abria por completo, batendo nos lugares exatos para te levar à mais completa loucura. Era demais, céus, você estava quase gozando e ele mal havia te tocado. 

— Q-qua… se! – você se engasgou, a língua embolada quase prendendo as palavras em sua boca. 

Mas seu namorado, atencioso como era, percebeu e apressou-se para separar suas coxas e apoiar uma em cada ombro, curvando-se para frente. Você quase gritou com a troca súbita de posição, a glande acertando no lugar exato pra te fazer ver estrelas. Suas pernas tremeram e você virou o rosto para o lado quando a mão dele se apoiou no colchão, seus olhos embaçados traçando as veias salientadas na pele. 

Kyoujurou riu arfante, agarrou uma de suas mãos, firmou-a contra o lençol e voltou a meter fundo dentro de ti. Sua respiração falhava naquela posição e você desviou os olhos para o rosto de seu namorado, se arrepiando com o que encontrou. 

Uma camada fina de suor cobria-lhe a testa, os olhos dourados estavam fechados tamanho prazer, os cabelos naturalmente bagunçados estavam ainda mais rebeldes e você conseguia enxergar o corpo dele se movendo mesmo com seus tornozelos apoiados um em cada ombro. A visão era devassa, completamente despudorada e excitante o suficiente para fazer sua boceta pulsar. 

Entretanto, o que te fez chegar ao ápice foi o momento em que Kyoujurou abriu os olhos, sorriu com maldade, segurou sua panturrilha firmemente e cravou os dentes em sua carne. 

O orgasmo foi cruel de tão intenso. Por um momento, você jurava que sua alma havia saído do seu corpo e retornado de tanto prazer. Seu corpo inteiro tremia e sua boca jazia aberta num gemido mudo, os olhos cerrados e uma das mãos enlaçada na de Kyoujurou. Ele gozou também, enchendo a camisinha de porra o mais fundo que pôde no seu interior. 

Seu corpo desabou sobre o colchão assim que sua consciência retornou, completamente acabado. Seu namorado saiu de dentro de ti com delicadeza, claramente cansado. Ele retirou a camisinha, deu um nó e jogou no lixo, caindo ao seu lado com a respiração desregulada. 

— … Uou. – foi a primeira coisa que veio em sua mente e Kyoujurou riu ao seu lado. 

— Pois é. 

Vocês olharam um para o outro por um momento e acabaram caindo na risada. Não era nada alto ou extravagante, mas era confortável e te fazia se sentir quente por dentro do peito. Você procurou o calor do corpo de Kyoujurou, deitando no peito forte e jogando uma das pernas doloridas sobre a dele. Ele abraçou sua cintura carinhosamente, beijando sua testa e acariciando seu cabelo. 

O silêncio que veio em seguida era confortável, delicado. Vocês apenas curtiam a companhia um do outro enquanto pensamentos e mais pensamentos corriam por sua cabeça. O jeito como ele te tocava era diferente, como cuidava de você, te levava comida e sempre te lembrava de se hidratar. O jeito como te amava e fazia questão de dizer e demonstrar essas palavras, cuidando de você em todos os momentos. 

Você era feliz ao lado dele como nunca foi ao lado de ninguém. Kyoujurou te fazia querer ser uma pessoa melhor, querer imaginar um futuro ao lado de alguém com um apartamento espaçoso, móveis planejados e uma katana pendurada na parede junto com seus diplomas. Kyoujurou era o homem mais incrível da terra, e te fazia se sentir a mais rara entre todas as jóias do mundo.

E naquele momento, você percebeu que nunca falou isso para ele durante todos os  meses de caminhada até estarem ali, jogados numa cama de hotel depois de uma rodada de sexo maravilhosa.

— Kyoujurou. 

Os dedos dele não pararam os carinhos mesmo quando ele olhou para baixo, encontrando seus olhos. 

— Hm? 

E você sabia que só existia um jeito de resumir tudo o que sentia naquele momento.

— Eu te amo. 


Notas Finais


FINALMENTE ACABEI AHDIAJFJAJDJAJ jesuuuus essa me deu trabalho, travei legal em algumas partes. Espero que tenham curtido o sexo e a história.

AMO VOCÊS CARAI BEIJOS ❤


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...