História Subentendido - Capítulo 16


Escrita por: ~

Postado
Categorias EXO
Tags Abo, Chansoo, Exo, Sebaek, Sulay, Xiuchen, Yaoi
Visualizações 590
Palavras 1.803
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Drama (Tragédia), Ficção Adolescente, Fluffy, Lemon, Lírica, Romance e Novela, Slash, Universo Alternativo, Yaoi (Gay)
Avisos: Bissexualidade, Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Demorei mesmo, podem me xingar, minha criatividade foi pra puta que pariu e não voltou até agora
O comeback me destruiu

Capítulo 16 - Persistência.


Os passos de KyungSoo ficavam obviamente devagares com o tempo, cuidadosos demais. Além desse motivo, ainda tinha as dores que fizeram que agradecesse mentalmente por o refeitório não ser muito longe do jardim.

Comeu com gosto naquele dia, consequência das tardes e começo das noites gastas a procura de algum lugar que pudesse o dar um pouco de dinheiro em troca de seus serviços, essas que lucraram em nada. Estava de mãos vazias, sem nenhuma solução possível para se agarrar e finalmente correr para longe de seu padrasto.

Nem que tivesse que estudar em uma escola pública ㅡ ou até mesmo largar os estudos ㅡ arranjaria outro lugar para morar.

Percebeu, enquanto mastigava, que Chanyeol chamou Mina, o mais discretamente possível, para conversar. Talvez estivesse agindo daquele modo quieto por estar envergonhado ou apenas por realmente não querer ser notado; ainda que um sentimento incômodo por vê-lo deixar o local para ficar a sós com Mina, que já tinha deixado bem claro que gostava do Park, ocorresse de lhe esmagar o peito, não os impediu de ir, sabendo que eles precisavam conversar e se resolver.

Concentrou-se no salgado a sua frente, nas mãos bonitas e precisas de Baekhyun que vezes pousavam sobre sua coxa direita ou cintura em uma carícia leve, afetuosa e principalmente preocupada.

O Byun sabia muito bem que KyungSoo era calado, portanto não era isso que o alarmava. Os olhos perdidos, as sobrancelhas franzidas e lábios crispados a quase todo momento que o faziam perceber que algo não estava certo, quando o de olhos grandes resmungava e se mexia como se sentisse dor só servindo para deixar-lhe mais atencioso ainda.

O movimento que o Do fez, tentando se afastar e novamente reclamando dolorosamente, ao ter um certo ponto de sua perna apertada um pouco mais forte ㅡ mesmo que ainda sem intenção de machucá-lo ㅡ só serviu para que mais suspeitas surgissem na mente criativa do Byun, que estava determinado a ajudar o amigo.


*-*-*-*-*-*-*-*-*-*-*-*-*-*-*-*-*-*-*-*-*-*-*-*-*-*


ㅡ Eu queria pedir desculpas. ㅡ Chanyeol disse, sem encarar Mina, enquanto encolhia os ombros de leve e escondia suas mãos dentro do bolso de sua jaqueta preta.

ㅡ Por que sinto que essas palavras não são tão verdadeiras quanto deveriam ser vindo de alguém sincero como você? ㅡ Mina riu, escondendo a tristeza por não ser olhada nos olhos pela pessoa que gostava.

ㅡ Eu admito que o que fiz foi errado, mas ainda não te perdoei por machucar KyungSoo. ㅡ O Park prontamente respondeu, firme, finalmente olhando para Mina, que preferia não ser observada a receber os olhos que a acusavam e culpavam por algo que sabia ter feito, por isso foi a vez da garota desviar os olhos.

ㅡ Está tudo bem. ㅡ Mina disse. ㅡ Sei que não quis abusar nem de mim nem de KyungSoo. ㅡ Ficou em silêncio por alguns momentos, pensando no que falar em seguida para que o clima pesado que ali estava desde o início se suavizasse.

ㅡ E também sabe que eu não gostaria de fazer isso com você, não sabe? ㅡ Chanyeol foi direto, se referindo não totalmente a abusá-la, mas sim a fazer algo que considerava tão íntimo com a garota.

ㅡ É, eu sei. ㅡ Mina disse, dessa vez não conseguindo conter a tristeza. ㅡ Mas os gostos das pessoas mudam, Chanyeol, então eu não vou desistir tão fácil. ㅡ Viu o alfa franzir a testa desagradado, fazendo com que continuasse a falar. ㅡ Porém, desta vez, não vou machucar ninguém. Você vai ver, Chanyeol, vai ser meu e não precisar machucar nem uma pessoa para isso, vou fazer você se apaixonar por mim. ㅡ Falou com convicção.

ㅡ Eu não gosto de você, Mina. Eu já escolhi meu ômega, e não é você. ㅡ Chanyeol foi duro outra vez, tentando fazer Mina enxergar que aquilo era apenas perda de tempo.

ㅡ Acha que eu já não sei, oppa? ㅡ Mina riu de leve. ㅡ Você olha para o Soo de um jeito tão óbvio. ㅡ Baixou a cabeça, a franja dos cabelos bem cuidados cobrindo seus olhos que inundavam com lágrimas que ainda não permitia cair. ㅡ Mas eu ainda não vou desistir, afinal, mesmo que pareça o amar, ainda não percebeu o que há de errado com ele, então imagino que não seja um sentimento tão forte. ㅡ Comentou, por mais que KyungSoo fosse seu rival, ninguém merecia ser espancado como o ômega parecia ter sido, e já que não podia fazer muito para ajudá-lo, esperava que Chanyeol pudesse. Daquele modo também mantinha sua palavra, não contaria para Chanyeol, apenas o daria algumas indiretas para que ele descobrisse ele mesmo.

Já Chanyeol permanecia estático desde que escutara o apelido que os amigos usavam para KyungSoo sair da boca de Mina. Era tão óbvio assim, ou era realmente só Mina que tinha aquela percepção? De qualquer maneira, seus olhos se arregalaram mais do que já estavam arregalados quando escutou que tinha algo de errado com o ômega sem odor, achava que estava imaginando coisas até, na verdade, só fingia não ver pois na sua cabeça era culpa sua que o garoto parecia tão dolorido, o que o fazia se sentir extremamente culpado a cada vez que olhava o amigo.

ㅡ Eu realmente o machuquei muito? ㅡ O Park murmurou, frustrado por não conseguir se controlar durante os cios.

Foi então que Mina o olhou com dúvida, ele já tinha percebido, então, e se culpava por KyungSoo parecer machucado por não conseguir lembrar-se de nada.

ㅡ O máximo que fez a KyungSoo, nesse quesito, foi jogá-lo no chão. Ainda sim não acho que com força o suficiente para que ele estivesse reclamando até agora. ㅡ A garota comentou. ㅡ Por mais que não conseguisse me soltar, não me machucou, Chanyeol. ㅡ Disse a verdade. Sim, por mais que lhe tivesse arrancado as roupas com brutalidade, não a batera uma vez e nem apertara seu braço, ao não deixá-la fugir, com força suficiente para deixar uma marca. O pior de toda a situação fora o medo que passara e não duvidava que fosse o mesmo com D.O.

Por mais que o Park falasse que não se lembrava de nada, Mina achava que lá no fundo da mente do alfa, ele ainda se mantinha presente a ponto de controlar a força que usava, mas infelizmente ainda era incapaz de controlar suas ações.

ㅡ O que KyungSoo tem, Mina? ㅡ O ruivo perguntou ao perceber que mina sabia de algo, mas a garota apenas virou-se saindo de ali não sem antes respondê-lo, mas sem parar seus passos.

ㅡ Pergunte a ele, se quer saber. ㅡ A ômega virou-se, sorrindo com as mãos atrás do corpo e a ponta do nariz vermelho, denunciando sua vontade de chorar. ㅡ E lembre de minhas palavras, Chanyeol, ainda vai se apaixonar por mim. ㅡ Virou-se outra vez, sem esperar reação e sair correndo sem muita velocidade, apenas para poder virar o corredor e sair das vistas do maior mais rapidamente.

Chanyeol não se importou em ir atrás da garota, no momento sua preocupação era achar KyungSoo e descobrir o que havia de errado com ele, por isso se dirigiu direto para a mesa onde estavam os amigo. Apenas não esperava não encontrar o ômega que estava sem seus óculos ali, esse que aparentemente tinha sumido junto de Baekhyun.

Achá-los não foi difícil, mesmo que tenha os encontrado por acaso na escada mais escondida do colégio, lugar que sempre permanecia vazio. Ainda que tenha os achado, nāo mostrou sua presença, ao menos torcia para que seu cheiro não o denunciasse, KyungSoo provavelmente não notaria, avoado como era, já Baekhyun provavelmente tinha o notado ali, mas preferiu não o denunciar.

Provavelmente se sentiria culpado mais tarde, mas não pode evitar ficar escondido e escutar a conversa quando ouviu algumas das palavras de KyungSoo.

ㅡ Ele abusa sexualmente minha mãe, e eu venho tentando fazer com que isso não aconteça, e consigo, mesmo que no fim sempre acabo sendo espancado. Não pode contar isso para ninguém Baekhyun, eu estou confiando em você.

ㅡ Como assim não contar para ninguém, KyungSoo! Chame a polícia, alguém que possa te ajudar, que tenha uma arma!

ㅡ Não dá Baekhyun, ele tem dinheiro, vai dar um jeito de encobrir tudo e ainda terminar de acabar com a vida da minha mãe.Você acha mesmo que eles ligam para isso? Tudo o que querem é dinheiro para encher seus bolsos que nem têm mais espaço de sobra.

Chanyeol penava para controlar sua presença naquele momento, sentia tamanha raiva, tamanho ódio por quem quer que fosse que estava machucando KyungSoo e sua família que não se aguentou por muito tempo. Revelou-se, saiu de trás da parede que o escondia e não se importou mais em controlar sua presença, que faz os ômegas ali se encolherem, KyungSoo conseguindo se manter mais firme que o Byun, mesmo que o outro ômega também não fosse alguém que abaixasse a cabeça facilmente.

KyungSoo cerrou os olhos, a manga da blusa grande demais para seu corpo sendo apertada com força por seus dedos enquanto se xingava mentalmente por não ter sido mais cuidadoso e deixasse que mais duas pessoas descobrissem o que acontecia. Não que Baekhyun o tivesse obrigado a contar, a confiança que tinha no outro era apenas grande demais, mesmo que não se conhecessem a tanto tempo, os dois ômegas sentiam como se fossem amigos por toda a vida.

ㅡ O que escutou, Chanyeol?

ㅡ Que algum merdinha está batendo em você e abusando de sua mãe. ㅡ O Park praticamente rosnou, raivoso. ㅡ Me diga quem é para eu acabar com o desgraçado, KyungSoo. ㅡ Ralhou outra vez.

ㅡ Você não vai fazer nada, Chanyeol! A não ser que queira que eu acabe na rua junto com minha mãe, aliás, isso provavelmente já vai acontecer, não preciso que complique mais as coisas! ㅡ KyungSoo devolveu, igualmente bravo, ignorando a presença que o indicava para que aceitasse tudo sem questionar.

ㅡ Vocês ficam na minha casa. Só me diga quem é de uma vez para que eu acabe com a raça dele!

ㅡ Não é tão simples assim! Como você acha que vou pagar a escola, que eu posso simplesmente ficar em sua casa, nem mesmo um emprego consigo achar!

Ao entender que não era a mãe de KyungSoo que sustentava o tal, Chanyeol finalmente percebeu quem que estava fazendo tudo aquilo com KyungSoo, fazendo-o parecer exausto, dolorido, estressado demais para um adolescente. Lembrou-se de quando o Do o contou que vivia apenas com sua mãe e com seu padrasto e então não precisava mais de uma resposta do omega, pois já a tinha.

ㅡ É seu padrasto, não é? ㅡ Perguntou, apenas para se tornar mais convicto de sua conclusão ao receber o silêncio de KyungSoo e o olhar espantado de Baekhyun, que até o momento parecia perdido demais para fazer alguma coisa.

ㅡ Não ouse fazer algo, Chanyeol, não preciso que ferre ainda mais as coisas. ㅡ Repetiu, os olhares que trocavam mostravam como praticamente se desafiavam.



























Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...