História Sublime - Capítulo 18


Escrita por:

Postado
Categorias Naruto
Personagens Sakura Haruno, Sasuke Uchiha
Tags Hóquei, Jiratsu, Konohana, Minakushi, Naruhina, Nejiten, Patinação, Patinação Artística, Patinação No Gelo, Retrive, Saiino, Sakura Haruno, Sasuke Uchiha, Sasusaku, Shikatema, Suika
Visualizações 989
Palavras 3.469
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Comédia, Drama (Tragédia), Ecchi, Esporte, Famí­lia, Festa, Hentai, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Universo Alternativo
Avisos: Álcool, Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


eu não demorei nem um mês pra att aaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaa vocês estão sentindo essa dlc, meu povo?

ah, eu gostaria de deixar aqui uma note de muito amor pra @equinocio que vem betando a fanfic com muito amor e carinho. Não está tudo betado ainda, nitidamente, mas ela vem fazendo um trabalho maravilhoso e paciente comigo aaaaaaaaaa PRA VOCÊ, BRANDY, EU DOU TODO O AMOR DO MUNDO, VIU? fadinha <3

Capítulo 18 - O que eu quero


Fanfic / Fanfiction Sublime - Capítulo 18 - O que eu quero

— Então ela é meio burrinha, né? Quer dizer… Dar moral pro Obito? Você não tem mais respeito no rinque? Pelo amor de Deus...

Sasuke apenas riu da frase do tio, negando com a cabeça antes de dar mais um gole em sua cerveja. O olhar perdido deixava claro que sua cabeça ainda não sabia como ignorar a pequena discussão que havia acabado de ter com a parceria de patinação.

Kiba e o resto do time já havia ido embora  na van de Rock Lee, que era o único que estava com a cara limpa para dirigir. Sabaku saiu do estádio gritando do quanto se orgulhava por ter um namorado tão responsável como aquele. E, de fato, Lee era extremamente responsável naquele quesito.

E estava conseguindo ser mais responsável que o Capitão, que enchia a cara sem dó, tentando afogar as mágoas como se fosse um adolescente que não é capaz de lidar com suas próprias emoções sem o auxílio da amiga bebida.

Tobirama estava deitado no meio do rinque, gritando vez ou outras frases desconexas enquanto Kakashi cantava Rihanna com toda emoção de seu coração.  Hatake não estava bêbado, na verdade, já havia parado de beber antes mesmo que Shino e os outros partirem.

Madara foi proibido de beber pelo próprio Hashirama. Até mesmo o sobrinho cauteloso havia esquecido dos medicamentos do tio. Por sorte, tudo que o Uchiha mais velho havia bebido foram apenas três goles da cerveja roubada de Tobirama.

O mais novo do grupo já planejava uma forma de voltar para casa. Ainda conseguia andar em linha reta e, com um pouco de sorte, seria capaz de executar um belo salto no gelo, mas sabia que não estava bem o suficiente para pegar no volante naquela estado melancólico e meio bêbado. Um acidente não era algo que ele queria. Também não teria coragem de pegar em um volante tendo uma gota de álcool no organismo.

Tinha inúmeros motivos para ser cauteloso em dobro quando o assunto era carro. Apenas o pensar que o acidente de seus pais foi causado por um motorista bêbado, o sangue de Sasuke fervia.

No fim, seria o técnico Kakashi que teria que bancar o motorista para os Uchihas.

Já havia desabafado tudo que o angustiava com o tio, pagando seu mico de bêbado apaixonado. Embora Madara não fosse do tipo super romântico e conselheiro, ele parecia estar extremamente responsável nos assuntos do coração desde que Mei voltou para a cidade e eles retornaram o namoro.

— Não digo burra, mas afirmo que é idiota, sem noção, estúpida, egoísta e... Encantadora.

— Aposto 10 pratas que ela deve falar o mesmo sobre você com as amigas dela.

— Eu garanto que ela fala exatamente assim. Ino mesmo me afirmou isso, ela “deixou escapar” propositalmente.

— Oh, então são dois frescos… Enfim, está com raiva dela?

— Transbordando. Me segurando para não bater na porta dela e xingar até a sétima geração daquela desgraçada — bebeu todo o líquido que ainda tinha em sua garrafa, fazendo uma careta quando sentiu a garganta queimar.

— Ei, vai com calma, melequento. Crianças não podem beber muito — Madara riu batendo nas costas do sobrinho.

O mais novo se sentou na arquibancada e trocou os tênis pelos patins. Os irmãos Senju já haviam pedido para que ele entrasse no rinque, mas o rapaz sempre negava dizendo que não estava bem para patinar.

Mas sete cervejas foram o suficiente para dar aquela coragem que ele necessitava para entrar no gelo junto com os velhos de parafusos a menos.

— Vai falar com ela? — Madara usou a rapaz como apoio para ir até o meio do rinque sem perder o equilíbrio.

— Sinceramente? Quero que tudo isso se exploda. Se é isso que ela quer

— E o que você quer?

— Quero exatamente o que ela disse que não quer.

— Mas o que ela não quer?

— Pelo amor de Deus, quanto “quer” em tão pouco tempo — Kakashi passou pelos dois.

— Eu acho que você devia deixar bem claro o que você qu- — os olhos recaíram sobre Hatake, que ainda observava a conversa com um semblante divertido. — Deve deixar claro o que você deseja. Colocar ela contra a parede e diz o que você deseja. Depois deixa ela escolher o caminho dela.

— E se ela ainda quiser ficar longe?

— Aí, nesse caso trágico, você deixa pra lá. Melhor sofrer por uns meses do que correr atrás de quem não pensa nos sentimo dos outros.

— É assustador quando você parece mais maduro sentimentalmente do que eu.

— Ora, eu sou o mais velho aqui, Sasuke. Estranho seria se fosse o oposto. O que vai fazer?

— Seguir seu conselho.

— É a melhor escolha.

Madara largou Sasuke e voltou a patinar lentamente sozinho.

O mais novo continuou parado no meio do rinque, bem ao lado de Tobirama que já nem sentia mais o frio do gelo.

Na mente do atual Capitão do time, a imagem perfeita de Sakura patinando passou por sua cabeça. Sorrir foi completamente inevitável. Desejar estar novamente com os lábios dela grudado aos seus também foi inevitável.

Sasuke quase podia ver a rosada patinando bem na sua frente quando a cabeça girou. Foi no meio do seu delírio alcoólico mesclado com melancolia de coração partido que Sasuke teve uma ideia insana demais.

A playlist que tocava no rádio de Kakashi havia sido escolhida por Gaara, que deixou a pendrive ali para os amigos. Sem que o moreno planejasse, aquela música que tocava se tornou a trilha sonora ideal. A coreografia já aparecia em sua cabeça com total naturalidade.

Sasuke, sozinho e doido, havia criado a série que a dupla tanto precisava. Chegou a arriscar alguns passos no rinque, ignorando a risada dos mais velhos.

❖ ❖ ❖

Estava escuro no ginásio quando Sakura chegou. Milagrosamente, ela havia conseguido arrumar seus próprios horários e estava 10 minutos adiantada. Jiraiya ter dado um jeito no bendito chuveiro no dia anterior também ajudou muito.

Claro que a conversa com Sasuke na noite anterior ainda rodopiava em sua mente. Tinha medo de ter que encará-lo depois de cada palavra dita dos dois lados. Já não tinha certeza se o que fazia era realmente a idéia mais correta. Começava a pensar que o Uchiha estava coberto de razão, pelo menos em certo ponto.

Sakura estava sendo egoísta, mas só queria protegê-lo do modo que julgava ser correto. Do modo dela. Mas naquele momento já não sabia de mais nada. A madrugada chorando foi o suficiente para confundir sua mente ainda mais.

Estava tudo muito embaralhando.

O ensaio, por conta das despedidas de solteiros, foi marcado para a parte da manhã. Isso cortaria seu tempo com as meninas, mas ela não tinha muita escolha. Estavam atrasados em termos de coreografia e pausas não eram permitidas.

Tsunade não a proibiu de ir para a despedida, apenas marcou um horário que seria mais agradável para todos. A festa da casa de Tenten e Neji seria de tarde e nada muito importante seria perdido por ela.

Enquanto descia a arquibancada, não era capaz de parar de pensar no quanto era assustador o fato de apenas Sasuke estar sentado na primeira fileira de cadeiras, provavelmente com o olhar perdido.

— Chegou cedo — disse sem virar para trás, como se seu sentido aranha apitasse com a aproximação dela.

— Onde está Tsunade?

— Ela não vem. Digamos que alguém pediu para adiar o ensaio de hoje por conta de um certo casamento — olhou para o celular e afirmou com a cabeça enquanto contava mentalmente as horas.

— E porque ninguém me avisou? — ele finalmente olhou para ela, virando levemente apenas a cabeça em sua direção.

— Por que eu te queria bem aqui. Sozinha e calminha, sem poder correr de mim.

Sasuke se levantou. Naquele pequeno momento, Haruno descobriu o que era ser congelada viva em tempo recorde. Descobriu que era realmente uma droga estar apaixonada por Sasuke Uchiha.

— A-acho melhor eu ir para casa.

— Não ouse — eram passos lentos, como se ele possuísse todo o tempo do mundo para fazer o que bem entendesse. — Podemos ensaiar juntos e sozinhos, princesa. Somos um time e, felizmente, você não pode fugir de mim.

Droga, droga, droga e mais mil vezes droga. Toda a situação ficou ainda pior quando ele sorriu. Um tipo de sorriso como quem queria dizer “eu tomei a decisão de te tornar minha, não tem escapatória”. E ela não podia negar que era um sorriso que ela amou conhecer.

— Eu não posso ficar aqui perdendo tempo, Sasuke — balançou a cabeça e soltou um leve suspiro — Ainda preciso fazer a unha, provar o vestido uma última vez e outras milhares de coisas.

— Eu acho que sua unha está boa do jeito que está. E você não está perdendo tempo, o ensaio da manhã já estava no seu cronograma a semana toda.

A boca da rosada abriu quatro vezes, mas, no fim, ela se manteve calada. Já estava afundando em uma situação sem saída.

— Fiquei bem puto com você ontem, não nego. Pensei em ligar pra te xingar, mas Madara me deu alguns conselhos bem úteis. No fim da minha madrugada regada a álcool, eu tive uma ideia para a nossa coreografia.

— Você planejou uma coreografia?

— Eu sei que isso parece estranho pra caralho. Na verdade é estranho pra caralho mesmo… Mas estávamos no rinque ontem e eu não conseguia parar de pensar em você e em nós dois no gelo…

Ele deu uma pequena pausa para respirar e passar as mãos nos cabelos, bagunçando os fios mostrando seu nervosismo. Por algum motivo que Sakura não foi capaz de entender, ele riu. Mal sabia a rosada que ele ria dele mesmo. Ria por estar tão apaixonado por ela ao ponto de pensar na garota até bêbado.

— Cada palavra dita por você está rodando na minha cabeça. Eu ainda quero pegar seu pescoço e fazer igual aqueles caras dos Simpsons-

— Homer e Bart?

— Sua mania de me interromper também é um ótimo motivo pra eu atacar seu pescoço, eu só não sei se faço isso com a boca ou com as mãos... Enfim, eu ainda estou com raiva, mas vou agir tranquilamente por hora. Quero deixar claro que, de forma alguma, você vai conseguir me afastar.

— Sasuke… Por favor, entenda o meu lado.

— Entenda você o nosso lado. Que porra de história é essa de reputação? Eu nunca precisei disso, Sakura. E eu garanto que ainda tenho respeito de todos os times desse país, então não venha com essa. Quer me afastar? Tente a sorte. Não vou falar de relacionamento amoroso agora, mas nem em sonho você vai tirar a nossa parceria de mim.

Haruno negou com a cabeça, tentando não achar incrivelmente charmoso a forma rápida e desesperada que Sasuke falava tudo.

— Me mostre — disse baixo, com um sorriso de canto discreto.

— Eu já escolhi a música é já tenho uma parte da série planejada. — não ouviu o que ela havia dito. — Você não pode dizer nada pra quebrar esse momento pois ele é todo meu, Sakura. Eu nunca, na minha vida, pensei que ia ficar ensaiando rodopios em um rinque quase vazio. Se você acha que isso prejudica o meu desempenho do hóquei, eu tenho que te chamar de burra. Você sair da minha vida agora é a única coisa que pode me prejudicar.

— Sasuke, pelo amor de Deus, me mostre.

O moreno piscou três vezes e fechou a boca enquanto arqueava as sobrancelhas. Incrédulo com o que havia sido dito por ela.

— Não vai tentar ir embora ou fazer algum discurso sobre o quanto você pode ser tóxica na minha vida? Está mesmo me dizendo que eu preparei uma lista de respostas rápidas a toa, Sakura?

— Acho que não posso escolher nada por você, embora eu queira.

— Ouvir isso da sua boca é como música para mim. Mas isso de não poder escolher vale pra tudo? — sorriu de lado.

— Só me mostre o que você planejou, Sasuke.

— O que eu planejei para a nossa possível futura relação ou para a série?

Não segurou a risada quando a garota apenas revirou os olhos e terminou de descer as arquibancadas quase manchando.

Ambos foram rápidos na hora de colocar o patins e ir para o gelo. Se direcionaram para o meio do rinque sem trocar uma só palavra.

— Primeiro eu quero que escute a música — puxou o emaranhado de fios do bolso da calça e fez questão de colocar um fone no ouvido dela e outro no dele. — Quero que sinta a sensualidade das notas e espero que você sinta o mesmo que eu senti quando entender o que a letra pode significar.

— Não sei se sou capaz de entender o que um bêbado sente.

— Quer se afastar de mim, mas não economiza nas piadas toscas. Assim faz parecer que somos íntimos, princesa.

Tentou ignorar enquanto olhava para baixo e apertava o fone no ouvido. Também tentou ignorar o fato de que Sasuke ficava sublime quando se distraia daquela forma. Os olhos encaravam a tela do celular com atenção enquanto os dedos deslizavam, descendo a página a procura da tal música.

Mas era impossível não desejar olhar para ele. Quando percebeu, já havia até se aproximado alguns mínimos centímetros dele, sendo puxada pela magnitude que existia entre eles.

Se condenou mentalmente quando percebeu que, mesmo se tentasse com todo o seu coração, não seria capaz de simplesmente arrancar pela raiz a importância que Sasuke tinha em sua vida naquela altura do campeonato.

Já nem sabia que seus atos eram mesmo corretos. O moreno estava certo quando dizia que a falta dela arrancaria mais sua concentração do que a presença? Olhando por aquele ângulo, parecia mil vezes mais correto apenas deixar a correnteza guiar a relação.

Haruno já quase podia tocá-lo, mas foi interrompida com o susto que levou quando a música tomou conta de seus ouvidos.

Soltou uma risada baixa quando reconheceu a música sem nenhuma dificuldade.

— Está me dizendo que pretende coreografar em menos de duas semanas essa música? Logo essa música?

— Vamos fazer isso juntos. Talvez não fique a coisa mais maravilhosa do mundo, mas temos que tentar. Já estamos inscritos, precisamos mostrar pelo menos alguns passos bonitos e tentar dar o nosso melhor. Eu prometi pra mim mesmo que te ajudaria a alcançar as olimpíadas, não vou desistir.

— Esse sonho já está distante demais para mim — negou com a cabeça, focando o olhar na pequena mancha desbotada da blusa do moreno.

— Cala a boca! Nem tentamos ainda. E, supondo que nossa nota não seja boa o suficiente, eu quero pelo menos ter a mente limpa e poder pensar que tentei com todas as minhas forças. Não quer isso?

— Claro que quero, só é complicado.

— Para de pensar demais e aceita isso! Acho que podemos fazer algo legal aqui. Acho que formamos uma boa equipe quando você não é egoísta.

— Sabe que existe movimentos obrigatório e tudo mais, né? — ignorou toda a parte sobre egoismo.

— Sim. Por isso vamos fazer juntos. Você não consegue perceber que essa música foi feita para ser coreografada por nós? Não percebe que ela quase fala de nós dois? Ou só de você… Não sei… — riu negando com a cabeça, sem ser capaz de segurar as piadas.

— Não acho que seja uma boa ideia.

— Somos os únicos capazes de passar tudo que essa música diz de uma forma maravilhosa. Você só está com medo do que essa coreografia pode despertar em você.

— I-isso não faz o menor sentido, Sasuke — se afastou um pouco, mas ele fez questão de se aproximar.

— Então por que está recuando, princesa?

A rosada já quase perdia o controle dos patins. Tentava ir para trás e, na medida do possível, conseguia se afastar. Mas o Uchiha patinava de frente, então nunca deixava o espaço entre eles realmente pequeno.

Estavam tão próximos que nem os fones haviam saído do lugar.

Foi quando sentiu seu corpo bater contra o muro de proteção que ela teve certeza que o coração sairia pela boca.

— Nós dissemos que isso não seria amor, mas nós sentimos a emoção.

— Não sei do que está falando.

— Estou recitando a música, você que está entendendo errado.

O moreno deu pausa na música e sorriu de lado. Seus dois braços foram usadoa como cerca para encurralar a mulher contra o muro. Sasuke levou bem ao pé da letra o conselho de Madara sobre “colocá-la contra a parede”. Sabia o que o tio disse de forma metafórica, mas daquela forma parecia bem mais excitante e eficiente aos olhos ônix do rapaz.

Haruno estava sem saída. Admitia lá no fundo que desejava, com todas as forças, que Sasuke a beija-se. Mas quase gritava para que ele se afastasse.

— Você não pode fugir de mim ou negar o que está sentindo.

— Não lembro da música ter essa parte.

— Você é hilária — revirou os olhos. — Me pergunte o que eu quero antes de tomar uma decisão por mim. O que eu quero também é importante nessa merda.

— E o que você quer? — desviou os olhos para o gelo, sentindo as orelhas e as bochechas queimaram.

— O que eu quero, Sakura? Eu quero você.

Ela levantou o olhar por um milésimo de segundo. O moreno parecia bem mais alto enquanto ela quase afundava, consumida pela vergonha. Ele também parecia mais sexy, com aquela olhar sério e decidido.

— Mas não vou te obrigar. Não vou roubar um beijo de tirar o fôlego. Também não vou fazer uma proposta indecente ou uma piada estranha. Eu sei exatamente o que você deseja, mas vou deixar que você decida isso sozinha. Só não me faz de trouxa e não me dê falsas esperanças. Saiba que você do meu lado me motiva muito mais do que longe. Somos um time e temos que tomar as decisões juntos, Sakura. Você me faz bem e eu quero despertar em você o mesmo que você desperta em mim — abriu um sorriso encantador enquanto acariciava as bochechas rubras da mulher em sua frente — Escolhe com o coração, não com a cabeça. Entenda melhor o significado de ser um time e aplique isso na sua vida.

— Uchiha… — abriu um sorriso, já não sendo capaz de segurar.

— Cala a boca, princesa. Tenho medo de você falar alguma merda é estragar tudo.

— Você tem alguma coisa da coreografia já planejada?

Sasuke pareceu incrédulo com a pergunta completamente fora do contexto, mas havia gostado de ouvir aquilo. Havia gostado de vê-la pelo menos interessada. Também tinha ciência de que aquele discurso era o suficiente para deixá-la pensativa.

Se afastou um pouco da moça e estendeu a mão. Quando ela aceitou, ele simplesmente a puxou pelo rinque sem dizer uma só palavra.

Mas Haruno sabia exatamente o que ele planejava. Não hesitou em se entregar com todo o coração quando ele a pegou no colo com firmeza. Sasuke a jogou para o alto com habilidade e, depois dos três giros aéreos, a pegou no colo novamente.

O salto perfeitamente executado sem dificuldade.

— Isso é trabalho em equipe, Sakura. Somo um time,  uma puta dupla de elite. Compartilhamos o que sentimos, seja algo  negativo ou possitivo. E, acima de tudo, confiamos de olhos fechados. Enfim, eu gostaria de encaixar isso em algum momento. Tenho outras coisas em mente, mas acho que você tem que fazer a unha e todas as coisas de garotas.

A colocou no chão novamente e esticou os braços, bocejando logo em seguida. Como quem não queria nada, ele se aproximou.Passou as pontas dos dedos pela face da rosada, descendo até os cabelos e indo até às pontas.

— Apesar de eu achar que sua beleza natural já é maravilhosa, eu tenho que admitir que estou ansioso para te ver toda linda em um altar.

Haruno sorriu e corou, mas fez questão de se virar o mais rápido possível.

— Até mais, Uchiha.

— Até mais, princesinha.

Sakura saiu do ginásio de patinação se perguntando como faria para matar cada maldita borboleta em seu estômago. Tentando achar uma forma de esconder aquela felicidade que inundava seu interior.

Sua cabeça estava um turbilhão de pensamentos, mas ela já tinha certeza que afastar Sasuke já não era uma boa ideia. Afinal, ela não seria capaz de ficar um só dia sem o rapaz ao seu lado.

Céus, se sentia tonta com tudo aquilo. Se sentia mais tonta ainda por estar se afogando mais e mais em um mar de confusão.

Tinha que tomar uma decisão de uma vez por todas. E, mesmo não gostando de admitir, o rapaz estava certo. Ela não tinha o direito de escolher por ele o que era melhor ou pior.

Os sentimentos de Sasuke estavam expostos na cara de Sakura, só faltava ela se decidir da forma mais prudente.

E precisava decidir com o coração. Deixar de lado todos os pensamentos negativos.Largar a mão de ser burra e nunca mais se deixar levar por comentários alheios.

Tomou a decisão que daria a resposta certa para Sasuke assim que tivessem um momento a sós.


Notas Finais


Esse capítulo não existia no meu cronograma quando eu postei o capítulo 17 (?). A minha intenção era só pular para as despedidas de solteiro e depois seguir para o casamento.
MAS AI... o banner desse capítulo é o Sasuke... eu, estranha, queria colocar o banner da Sakura na despedida das meninas e o do Sasuke nas despedidas dos meninos. Também queria fazer as meninas antes dos meninos, então isso estava me deixando putaaaa ?? Pensei com carinho e notei que colocar esse dialogo na história não ia mudar nada futuramente e ainda deixaria tudo melhor para o que eu estou planejando.

ENTÃO TOMA CAPÍTULO E INTERAÇÃO SASUSAKU QUE SÓ APARECEU PQ OS BANNERS ESTAVAM ME INCOMODANDO AKAKAKKA

bom, eu espero que vocês tenham curtido <3
vou tentar manter isso de att uma vez ao mês. ainda é um tempo longo, mas é melhor que de um em um ano KAKAJAJA

o que acharam? AMO VOCÊS <3


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...