1. Spirit Fanfics >
  2. Submersão do Amor - 8 nós de Prazer com Law >
  3. Não Se Vá

História Submersão do Amor - 8 nós de Prazer com Law - Capítulo 52


Escrita por: Abhadhon

Notas do Autor


Olá pessoal, todos bem?
Segue mais um capítulo para vocês.

E não esqueça de comentar, falar sobre o que estão achando da história.
Obrigada e façam uma boa leitura.

Capítulo 52 - Não Se Vá


Fanfic / Fanfiction Submersão do Amor - 8 nós de Prazer com Law - Capítulo 52 - Não Se Vá

LAW POV

 

Não podia acreditar no que estava acontecendo, se não correr ela irá morrer, Ikkaku estava comigo na sala de cirurgia, me ajudando a tirar o vestido de Angelin, enquanto Shachi, esperava do lado de fora para entrar e me ajudar, depois de um certo tempo, Ikkaku e eu conseguimos tirar aquilo, que só me atrapalhava, quando tiramos o vestido, Ikkaku praticamente ficou em choque, a ver o que tinham feito com Angelin, e eu quando vi seu corpo, minha nossa, o que fizeram com ela? Seu corpo branco e delicado, estava cheio de hematomas roxos, em seus braços, pernas, sua barriga, e suas costas, nossa, eu fiquei espantando o quanto eles a machucaram, deixando seu corpo quase que todo roxo, pedi para Ikkaku cobrir a parte dos seios de Angelin, e colocar algo na parte de baixo também, apenas para ela fica nua comigo e com Shachi depois, e assim ela o fez, depois que Ikkaku a cobriu, pedi para fazer Shachi entrar para me ajudar, e assim foi começamos a fazer tudo para salvar Angelin, pedi para ele pegar bolsas de sangue do tipo de Angelin, sua respiração estava fraco, seu corpo estava ficando gelado, coloquei o mais rápido possível uma máscara de oxigênio para auxiliar na respiração, que estava praticamente quase inexistente, Shachi fazia os preparativos para transfusão de sangue, já que ela havia perdido muito sangue, examinei o restante de seu corpo, vi que sua perna tinha uma leve fratura, nada muito grave, apenas uma leve torção, mas tinha ossos quebrados em sua costela, e quando fui analisar sua cabeça, foi então que tomei um grande choque, o corte foi profundo, aquilo era ruim, ela poderia morrer, precisaria dar um jeito nisso mais rápido possível, iniciei logo o preparativos para cuidar de Angelin, antes que fosse tarde mas, não tinha um minuto a perder, precisava correr contra o tempo, Shachi ficou ali me ajudando, a cada coisa que eu falava para ele fazer, tinha que tomar cuidado e prestar muita atenção para cuidar de Angelin, não podia deixar ela morrer, não, não posso, eu irei salvar sua vida Angelin, eu prometo.

Shachi e eu fazíamos de tudo para salvar vida de Angelin, fiquei um bom tempo tratando a área que mais deixava preocupado, sua cabeça, aquilo era mal, provavelmente a pancada que aquele maldito só São Charlos deu foi muito forte, o que me deixa temeroso, pois é bem provável que afete muito seu corpo, e o meu medo que ela…afinal já que era região do corte foi exatamente ali…, eu fazia de tudo para estancar aquele sangramento, usei varias gases, Shachi estava praticamente nervoso, ele estava com medo dela morrer, ela nítido ver isso em seu rosto, mas ele estava sendo bem atento, embora eu vi que ele queria muito perguntar algo, mas ele se segurava para não fazer, a mesa que Angelin estava ficou cheia de sangue, de tanto que sangue que perdeu, e deixou uma leve poça de sangue no chão, pedi para Shachi limpar aquilo logo, pois não podíamos correr o risco de acidente dentro daquela sala, enquanto Shachi fazia limpeza, eu fiquei tão concentrado em sua cabeça, que não me atentei que ele me chamava.

 

– Capitão? – disse ele me chamando – Capitão!?

– Que foi Shachi-ya? Estou ocupado! – disse ele sem tirar o foco da cabeça de Angelin.

– Não é isso Capitão…é que ela…ela… – quando eu fitei meus olhos em Shachi ele apontava para o monitor de sinais vitais, eu vejo que o coração de Angelin havia parado.

– Por que não me disse que coração dela parou?! — parei imediatamente que estava fazendo – Se afaste Shachi-ya.

 

Comecei uma massagem cardíaca, fiz meu braços ficaram esticados e imprimir meu peso sobre o peito de Angelin, tomando cuidado, comecei a massagem, a cada momento me certificando que se ela havia voltado a respirar, mas nada, refiz novamente a massagem pela segunda vez, e quando fui checar se ela respirava, nada, mais uma terceira vez, e novamente nada, não tinha jeito, teria que usar outro método para fazer ela voltar a vida.

 

– Rápido Shachi-ya, não fique ai parado, pegue o desfibrilador, ande! – apressei ele, cada segundo conta para salvar Angelin.

 

Quando Shachi finalmente trouxe o desfibrilador, fiz os cálculos necessários, eu ajustei para fazer a carga necessária para fazer o coração de Angelin voltar a bombear o sangue, fazendo ela voltar a vida, peguei o par de eletrodos, estava tudo certo.

 

– Shachi-ya afaste-se! – disse a ele, logo colocando o par de eletrodos na parede torácica de Angelin, dei a primeira carga – E então Shachi-ya?

– Ainda sem batimentos Capitão! – disse ele, esperei um pouco o intervalo para poder dar o segundo choque.

– Se afasta! – dei a segundo choque em seu peito, esperando que ela voltasse logo – Ela voltou Shachi-ya?

– Sem batimentos, Capitão, ainda não voltou! – disse ele já desesperado, novamente esperei o intervalo antes de aplicar o terceiro.

– Certo mais uma vez, vamos afaste-se  – e então dei o terceiro choque em seu peito, torcendo para dessa vez ela voltar – Então…?

– Capitão…nada, absolutamente nada! – disse Shachi praticamente aceitando que ela já havia morrido, eu fiquei olhando para ela, esperando o intervalo terminar, não, você não vai morrer, não no meu navio, não sem antes nos acertamos.

 

Não irei permitir isso, não aqui, não no meu navio, não Angelin, você precisa voltar, eu não quero ter que entrar aqui e me lembrar que eu a perdi, não, não posso me dar por vencido, eu fiquei uns instantes a olhando, ela diante de mim, sem vida, lembrei da vez que ela chegou aqui, ela tinha sido forte e aguentou firme quando cuidava dela, ela tinha sobrevivido, mas agora…agora…como pode? Não poderei permitir isso! Não… não… ela não pode…não poderei deixar ela ir, eu quero ela, quero que ela volte para mim, quero me acertar com ela, eu… quero fazer dela minha e quero ter ela em minha vida, pois eu sei que eu a…sim…definitivamente, você me fez sentir isso, ela me faz ver uma luz no fim do túnel, com certeza, você voltará para minha vida, meu amor,  voltei a lucidez então…senti que deveria tentar o quarto choque.

 

– Se afaste Shachi-ya – disse a ele que mesmo já aceitando aquilo, eu não havia aceitado, e então desferi o quarto choque.

 

IKKAKU POV

 

Depois que saí da sala de cirurgia do Capitão, fiquei sentada no chão, ao lado da porta da sala de cirurgia com Bepo e Penguin que estavam lá também, apreensivos, querendo que o Capitão saísse logo para falar como ela estava, o tempo passou, não sei quanto tempo especificamente, mas passou um bom tempo, e nada deles saírem, eu apenas fiquei imersa em mim mesma, lembrando do que eu havia visto na sala de cirurgia, quando conseguimos tirar o vestido de Angelin, minha nossa, que cena horrível, nunca pensei que… eu…se ao menos tivesse avisado ela, nada disso teria acontecido, me sinto culpada de alguma forma, como foi horrível ver todo seu corpo cheio de marcas roxas, foi feio, eles a maltratam demais naquele navio, o que será que eles queriam com ela ?Ela não é uma pessoa de fama, por que motivos queriam ela? Será…será que era por causa daquilo? Só podia ser…não tenho nenhuma dúvida era por conta daquilo…

 

– Está tudo bem Ikkaku? – perguntou Penguin.

– Sim… estou… – disse sem ser muito convincente.

– Tem certeza? Pois não parece – disse Bepo, bem triste.

– Claro que não estou, vocês não sabem o que eu vi lá dentro daquela sala, foi horrível…– disse evitando de olhar para eles, virando meu rosto de lado.

– E o que foi que você viu Ikkaku? – perguntou Penguin curioso.

– Não quero falar sobre isso… por favor…– disse quase querendo chorar, foi horrível ver ela daquele jeito.

– Está bem…como quiser – disse Penguin, se sentando ao meu lado – Mas se quiser desabafar, estamos aqui, não é Bepo? 

– Sim..sim…– disse Bepo.

 

Então ficamos ali em silêncio, nos três, olhando para aquela porta, que não se abria por nada naquele mundo, ficávamos nos perguntando o que seria que estaria acontecendo ali dentro? Como será que o Capitão está se saindo para salvar Angelin? Será que ela vai conseguir salvar ela? Espero que sim, eu quero muito conversar com ela, pedir desculpas, assim como Penguin, falou que queria muito conversar com ela, Bepo queira ela de volta, ele sentia muito falta dela, e de querer a companhia dele novamente, embora a gente conversasse um pouco, ficamos mais em silêncio, implorando internamente que o Capitão salve a vida de Angelin, e querendo que aquela droga de porta abrisse logo.

 

PENGUIN POV

 

Depois de uma luta árdua com a marinha, o Capitão conseguiu resgatar Angelin, mas ela estava sangrando muito, pude ver, seu vestido cheio de sangue, quando ela estava sendo carregada por ele, o que será que fizeram com ela? Tadinha dela…poha! Eu me sinto ainda mais culpado, primeiro pelo beijo, depois com casamento e agora isso…se eu não tivesse a beijado, ela nunca teria ido embora, e nada daquilo teria acontecido…poha! a culpa estava cada vez pior sobre meus ombros… eu ficava coçando minha cabeça, me lembrando daquele dia, poxa… embora…eu olhasse para Ikkaku ela estava com rosto branco, parecia que tinha visto algo muito horrível, acho que deve ser quando ela estava com Capitão na sala de cirurgia, será que ela viu o que fizeram com ela? Aposto que sim, ela estava em choque, e bem apreensiva, Bepo estava com olhos fechado, com suas patas juntas, como se estivesse rezando, para Angelin viver, ele estava parado bem na frente da porta, mal se mexia, espero que o Capitão salve ela, queria ao menos conversar com ela sobre que aconteceu e pedir desculpa, e…mesmo gostando dela demais, demais mesmo, ao menos ser seu amigo.

 

– Ikkaku você está bem? – perguntei queria quebrar um pouco o silêncio.

– Sim… estou… – ela respondeu de forma triste, imagino o quanto ela deve estar arrasada com que tivesse visto lá dentro.

– Tem certeza? Pois não parece – disse Bepo, que virou um pouco seu corpo olhando para Ikkaku.

– Claro que não estou, vocês não sabem o que eu vi lá dentro daquela sala, foi horrível…– disse Ikkaku virando o rosto, não querendo nos encarar.

– E o que foi que você viu Ikkaku? – fiquei curioso, o que será que fizeram com ela?

– Não quero falar sobre isso… por favor…– disse Ikkaku com uma voz de choro, então imaginei que tivesse a machucado muito, para deixar Ikkaku assim.

– Está bem…como quiser – disso e logo me sentei ao seu lado – Mas se quiser desabafar, estamos aqui, não é Bepo? 

– Sim..sim…– disse Bepo, com voz triste, mas ainda sim…não saia da frente da porta.

 

E assim foi, nós três ficamos ali, esperando Capitão abrir a porta para saber como ela estava, Bepo depois de um tempo, começou a andar de um lado para outro, bem nervoso e apreensivo, ele queria Angelin de volta, ele mesmo queria ela de companheira na sala de comando, afinal ele gostava de conversar com ela e ensinar ela ler mapas, e como eles riam das piadas que Angelin contava a Bepo, eu admito que sinto falta de cozinhar com ela, ela é muito divertida, adorava ficar cozinhando a gente conversava bastante na cozinha, mal podia esperar para conversar com ela de novo, como antes, se bem…que Kid não vai permitir ela ficar aqui muito tempo, já que eles ainda eram noivos, só finalizaram a união, acho que foi até bom, quem sabe Capitão consiga dar um jeito dela voltar para nosso bando, eu queria ela aqui, eu percebi muitas vezes, que ele estava mudado depois que ela foi embora, acho que sentia falta dela, acho que a culpa que dele deveria sentir o fazia ficar meio daquele jeito, estranho, mas seja como for, a gente não saia da frente daquela porta por nada.

 


Notas Finais


Espero que tenham gostado do capítulo, não deixe de comentar sobre o que estão achando. 🥰❤
Se tiver algum erro ortográfico, peço desculpas.
Obrigada e até mais


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...