1. Spirit Fanfics >
  2. Success and Love >
  3. Algumas verdades

História Success and Love - Capítulo 14


Escrita por:


Notas do Autor


Tempo, tempo, tempo, tempo...
Sorry ^.^

Boa leitura ♡♡♡

Capítulo 14 - Algumas verdades


Natsu jamais havia experimentado aquela aflição. Era de doer os ossos. Ainda não sabia o porquê da sua tão grande agitação, mas não podia se conter. Tudo nele gritava: Preocupação. E foi assim que saiu de casa após receber a ligação de lucy. 

No seu celular estavam marcados o endereço e o número de um quarto. Sentia o coração espremido no peito e estava com medo, com medo de que algo ruim tivesse acontecido com a loira. Só esse pensamento fazia suas mãos tremerem e suarem. Estava se importando demasiado e não sabia como parar, talvez tampouco quisesse parar. 

A sensação ruim só piorou ainda mais quando Natsu chegou ao endereço indicado pela Loira. Era um grande hospital, enorme na verdade, e Natsu odiava hospitais, odiava aquelas paredes brancas, aquele frio de doer os ossos, o rosto aflito das pessoas e acima de tudo, odiava porque era muito raro algo de bom vir desse tipo de lugar. 

Demorou uns 10 minutos perdido entre os corredores até encontrar o balcão de informação, que estava basicamente na entrada, mas de alguma forma ele não havia visto. 

- Esse é o quarto da senhora Heartfilia. Desculpe, mas preciso ligar para confirmar  se o  senhor pode subir até lá. - A enfermeira falou já pegando o telefone ao seu lado. Discou um número e esperou um pouco. 

Natsu olhava para a mulher impacientemente. Se aquele era o quarto da Lucy isso significava que algo havia acontecido com ela não é mesmo? Agora sim que estava aflito. 

Depois de esperar poucos minutos a mulher finalmente deu permissão ao Rosado, que antes de ir pediu algumas indicações para não perder tempo perambulando pelos corredos. 

O quarto em que lucy estava se localizava no sétimo andar do edifício. De frente à habitação, Natsu teve que puxar o ar algumas vezes, se preparando mentalmente para o que estava por vir. Queria se manter tranquilo e pensar que nada demais havia acontecido, mas sua mente não colaborava muito e sempre acabava pensando nas piores situações. 

Natsu não costumava ser pessimista, muito menos estava acostumado a ter todo o seu corpo tenso em plena preocupação, mas não era o momento para pensar no que estava acontecendo consigo mesmo. 

Deu duas batidas leves na porta, mas não teve resposta, então cuidadosamente abriu uma brecha e espiou dentro da habitação escura. Não conseguiu ver muita coisa, não quando sua vista reposou sobre um corpo deitado numa cama cheio de aparelhos ligados a ele.

Natsu sentiu um aperto no peito e doia de verdade. Abriu a porta assustado, rezando para estar vendo errado, rezando para que a pessoa que estivesse naquela cama não fosse aquela que pensava. Mas ai todo o seu pouco controle veio abaixo quando, com a ajuda da pouca luz brindada pelos postes da  rua e refletida pela janela, notou longos fios dourados.

Natsu parou, simplesmente. 

Estava a uns 15 passos do corpo que repousava, queria tirar suas dúvidas, mas seu corpo não queria se mover. Estava petrificado de medo e incerteza. 

Como isso era possível? Eu havia falado com ela a minutos atrás. 

Sua mente estava tendo dificuldade para funcionar e quando escutou a porta correr mais uma vez Natsu virou a cabeça assustado. E então, como água fluida, todo seu pavor escorreu e Natsu sentiu um alívio tão grande que teve que se forçar para não chorar. 

Lucy estava bem na sua frente, um pouco pálida e com certeza abatida. Tinha os olhos bicolores inchados e vermelhos, mas estava bem. Pelo menos fisicamente estava bem. 

Com passos meio apressados Natsu se aproximou da loira e a envolveu em seus braços. Pegando tanto a si mesmo como a ela de surpresa. 

- Meu Deus... - Natsu suspirou agarradando a nuca da loira e a abraçando forte - Achei que algo tinha acontecido com você.

Ficaram naquela mesma posição por alguns instantes até que o rosado se separou apenas para estudar devidamente o rosto de Lucy. 

Seu peito apertou um pouco ao perceber o abatimento da garota em seus braços. Lucy definitivamente ainda não tinha se recuperado do abraço repentino e só quando Natsu pôs a mão delicadamente sobre a sua bochecha macia foi que os olhos de ambos se encontraram de verdade e Natsu sentiu todo o seu âmago se contorcer.

- Você ta bem? - Natsu perguntou meio incerto. Sua mão ainda pousada na bochecha da loira, su voz baixa.

- Acho que sim. - A loira falou, quase um suspiro. E natsu só ouviu porque o silêncio reinava no ambiente. 

- O que aconteceu? - Perguntou só para ver a loira suspirar e finalmente se afastar um pouco.

- Algumas coisas. - Foi tudo o que respondeu.

- Esteve aqui o tempo todo? Eu estava ficando louco, porque sumiu assim do nada? - Disse com sinceridade o rosado. 

- Eu só queria ficar sozinha. - a loira respondeu e Natsu notou aqueles olhos tristes. 

Sabia que tinha algo muito errado, mas estava com medo de invadir o espaço da loira. Natsu já havia notado a máscara que essa carregava por ai, mas agora era diferente. Lucy não parecia carregar máscara alguma, parecia na verdade estar quebrada. Totalmente em pedaços e Natsu tinha medo de com as suas perguntas fazer ainda mais dano. Então se virou mais uma vez para o quarto e se deparou outra vez com a mulher que dormia sobre a cama. 

Como se soubesse o que ia perguntar a loira falou. 

- É a minha mãe. - Disse se aproximando lentamente da Mulher. - Layla Heartfilia. 

Então tinha acontecido algo com a sua mãe?

Natsu não sabia o que falar. Normalmente diante dessas situações Natsu fazia pouco caso, na maioria das vezes dizia apenas um "sinto muito" da boca pra fora e dava as costas. Mas agora era diferente, agora realmente estava sentindo algo, talvez não pela mãe da loira, mas por lucy mesma, que parecia estar sofrendo. 

- Ela está bem? - Era uma pergunta idiota. Com certeza uma pessoa que estivesse bem não estaria num hospital com vários equipamentos ligados a si mesmo, mas Natsu não sabia o que falar. 

- Ela está em coma. - Lucy Falou de uma forma tão calma que chegou a espantar o rosado. 

- Eu sinto muito Lucy. - Natsu falou se aproximando da loira e pousando uma mão em seu ombro. 

- Tudo bem. Já faz 4 anos. - Disse a loira escarando o rosado por alguns instantes e logo depois olhando para a mãe que dormia aparentemente tranquila. - Ela está bem...

- Eu não sei o que dizer... - O rosado falou depois de alguns segundos em silêncio. Estava confundido. Era uma situação delicada e Natsu não sabia lidar com situações assim. 

- Tudo bem... - Repetiu a loira e Natsu a olhou triste. - Eu também não saberia... É uma informação um pouco pesada. 

Então o rosado suspirou ao notar o que a garpta fazia. 

- Lucy para. - Falou. 

Lucy o olhou confusa. 

- Parar? - A loira perguntou franzindo as sobrancelhas. 

- Você fica dizendo que está tudo bem quando está claro que não está. - Era obvio que não estava. E quando a loira desviou o olhar isso só confirmou ainda mais. 

Então como a alguns minutos atrás natsu se aproximou outra vez da figura triste e a enrolou em seus braços. 

- Ei, eu sou uma merda com situações assim. Mas eu estou aqui ok? pode ser sincera consigo mesma e mostrar que está doendo, eu não vou sair do seu lado. - o rosado disse enquanto acariciava os cabelos loiros da Heartfilia,  e quando sentiu lucy se aconchegar no seu abraço, esmagar o rosto contra seu peito e deixar o primeiro soluço espacar, Natsu pode jurar que também sentiu a dor da loira, a dor que a cada novo soluço parecia aumentar e fazer seu peito encolher a ponto de que teve que fechar os olhos para não chorar junto com a loira. 

*********************

Natsu nunca havia visto antes uma pessoa tão quebrada, tão despedaçada, tão carregada de dor, a ponto de passar quase duas horas inteiras chorando.

Havia muitas coisas acontecendo no interior da loira, sabia disso apenas pelo seu olhar. O olhar que lhe havia sorriso com beleza e sinceridade quando fugiram até o parque, mas que agora estava envolto em uma nuvem triste. E natsu estava preocupado, queria saber tudo o que estava acontecendo em seu interior, mas aquele ainda não parecia o momento certo. Ele nem mesmo havia conseguido reagir a notícia de que a mãe da loira estava em coma. 

Saiu do banheiro enxugando o cabelo recém molhado, mas parou no mesmo instante em que viu a loira sentada na sua cama. As costas envergadas, a cabeça apoiada nos joelhos erguidos, os cabelos pingando molhados sobre a camisa que Natsu lhe havia dado. 

-  Você vai acabar ficando resfriada. - Natsu falou. Caminhou até a loira e parou na sua frente. Lucy ergueu o olhar e mais uma vez Natsu teve que ver aqueles olhos tão lindos tristes. 

- Eu não me importo. - Foi a resposta da loira. 

- Mas devia se importar. - O rosado tirou a toalha do pescoço e com cuidado começou a enxugar o cabelo da heartfilia. É claro que ele tinha um secador, mas fazer daquela forma parecia a coisa certa. 

Lucy não recusou o toque, na verdade se ajeitou no colchão para que Natsu seguisse com o trabalho. 

- Obrigada por me deixar ficar aqui. - Ela disse enquanto Natsu seguia bagunçando seus cabelos. 

- Eu não achei que você ia agradecer quando na verdade eu quase te trouxe arrastada. - Natsu respondeu tentando quebrar um pouco o clima depressivo e uma risada fraca e claramente forçada da loira foi o que ganhou em resposta. 

De todo forma não era uma mentira. Depois de conseguir se acalmar um pouco lucy queria ficar no hospital, mas é claro que Natsu foi contra. Não foi preciso ninguém dizer que estar ao lado da mãe era o refúgio da loira, mas também era óbvio que ela não poderia descansar devidamente naquele lugar. Foram minutos de muita insistência para que Lucy finalmente cedesse ao seu pedido e concordasse em passar mais uma noite na casa do rosado. Natsu também havia dado a opção da loira ir para a própria casa, mas essa pareceu ser a pior opção possível. 

A reação de Lucy diante da possibilidade de ir até a sua casa fora tão intensa que isso só fez com que Natsu voltasse a pensar naquilo que esteve pensando desde que ficou sabendo do sumisso da loira. Havia acontecido algo envolvendo o pai dela, essa hipótese não saia de sua cabeça. 

- Lucy... - Com essa hipótese na cabeça Natsu chamou a loira meio incerto do que ia pergunta. Agachou em sua frente, até ficar na altura do seu rosto. - Por que não quis voltar para casa? 

Lucy o encarou por longos segundos, como se decidindo se queria falar ou não, até que por fim suspiorou. 

- Você voltaria para casa depois de bater no seu próprio  pai? - Foi o que a loira perguntou. 

Natsu arregalou os olhos meio perdido com a pergunta. Diante da sua reação lucy voltou a falar. 

- Eu achei que não... - Disse desviando o olhar com vergonha, ou com medo de ser julgada. 

Natsu por outro lado sentiu o medo correr dentro de si. Em momento algum teve tempo para pensar em julgar a loira porque algo pior circulava em sua cabeça e as palavras saíram da sua boca antes mesmo que pudiese organiza-las.

- Lucy, sofre abuso do seu pai?! - perguntou claramente temendo a resposta. Não era coisa de outro mundo algo assim acontecer, infelizmente... Se tratando de pessoas famosas era quase comum haver uma espécie de relacionamento abusivo entre os parentes,  os artistas muitas vezes eram usados pelos próprios familiares. Uma vez havia conhecido um garoto de 10 anos que estava em depressão porque seus pais brigavam por sua guarda, não por amor, mas pelo dinheiro que o menino proporcionava. Esse havia sido um dos motivos pelos quais Natsu escolheu não envolver seus familiares na sua carreira. Nenhum dos seus parentes estavam envolvidos diretamente nas coisas pertencentes ao seu trabalho. 

A pergunta fez com o que a loira o olhasse na mesma hora. Natsu podia ver o quanto estava apreensiva e isso doeu no seu peito porque não precisava de resposta alguma para saber a verdade. 

Que merda!

Se ergueu irritado. Não sabia o que ia fazer, mas com certeza faria algo. Uma merda que deixaria as coisas do jeito que estavam. Era por isso que a loira estava sofrendo tanto, certo? Além de ter a mãe em coma ainda tinha um pai abusivo. Como alguém poderia viver com isso?

Natsu ainda não sabia o que iria fazer, mas já estava com o celular na mão quando lucy agarrou seu braço e tomou o celular de si. 

- Não é isso. - a loira falou rapidamente, claramente nervosa e assustada. - Não é isso Natsu. Ele não fez nem faz nada de mal. - Tentou explicar. - Eu concordei com tudo desde o começo. Não é culpa dele, eu sabia o que iria acontecer e concordei, por favor não fale nada. Por favor Natsu, me promete que não vai falar nada! - A loira olhava para o rosado com um desespero quase não-humano. 

- Eu não posso prometer isso lucy. - O rosado falou com clara raiva. Não da loira, mas da situação. - Olha pra você! Olha o que ele está fazendo com você! Eu não vou deixar que isso continue. Me devolve o celular. - Pediu, embora ainda não soubesse para quem iria ligar. 

- Eu não vou. - A loira falou decidida, distanciando ainda mais o celular do rosado. - Natsu você não entende.

Natsu passou as mãos no rosto numa tentativa de se acalmar. 

O que ele não entendia? Era obvio que o pai da loira estava lhe fazendo dano. O que tinha depois disso? Não tinha explicação para uma coisa dessas!

- O que eu não entendo Lucy? Eu entendo que ele é seu pai, mas ele não tem o direito de abusar de você!! 

- NATSU ELE NÃO ME ABUSA OK?! - Lucy gritou de repente o que fez o rosado se assustar um pouco com a sua reação. Então a loira pôs as duas mãos sobre o rosto e mais uma vez natsu ouviu aquele soluço de dor tomar conta do cômodo.

Se sentiu culpado imediatamente. Não era assim que devia reagir, mas como se manter calmo quando alguém que vc  gosta está passando por uma situação assim.?

Tudo errado Natsu, tudo errado. Se acalma, você devia estar dando força, não piorando a situação toda. 

Com isso em mente Natsu se aproximou da loira e com cuidado tirou as mãos que cobriam seu rosto. Lucy tinha outra vez as bochechas molhadas de lágrimas. 

- Me desculpa. - Disse. - Me desculpa mesmo é que eu não consigo ficar calmo com isso. 

- Só me promete que não vai dizer nada Natsu. - A loira pediu com os olhos molhados e Natsu teve que engolir toda a raiva e indignação para fazer "que sim" com a cabeça. Então a loira voltou a sentar na cama e depois de alguns segundos Natsu fez o mesmo sentando ao seu lado. 

Ficaram em silêncio durante longos minutos até a loira fungar e voltar a falar. 

- Você provavelmente não sabe, mas minha mãe já foi muito famosa. Eu odeio a fama Natsu, odeio essas pessoas falsas ao meu redor, as pessoas dizendo que me amam quando na verdade nem sou eu de verdade que estou ali diante das câmeras. - A loira fungou outra vez e voltou a falar. - Elas só querem amar alguém e eu já apresentei a versão que deve ser amada. Minha mãe perdeu quase tudo apenas por tentar um caminho diferente, eu queria ser como ela e fazer o mesmo, eu não me importo com isso, com tudo isso... - a loira falava baixo enquanto precionava as mãos com força uma na outra. - mas eu estou fazendo por ela. Sabe o quão caro é pra manter alguém que se ama vivo? É foda que a vida tenha que ser mantiva por dinheiro. Eu não reclamo, eu não reclamo... eu faria de tudo entende? - Então a loira ergueu o olhar e Natsu entendeu naquele momento. - Eu concordei com isso Natsu e ainda é um preço muito pequeno. 

********************* 

Natsu apenas via a loira dormir tranquilamente na sua cama. Parecia tranquila naquele momento. Ele, ao contrário, não conseguia dormir. 

Lucy não havia lhe contado tudo, mas havia contado o suficiente para que ele entendesse. Tinha vontade de bater em si mesmo por alguma vez ter pensado que a Heartfilia era mais uma cantora que iria se aproveitar da sua fama. Não, mas antes fosse, era bem pior, sua fama estava engolindo lucy, pedaço por pedaço. Se fingir um namoro para ele havia sido ruim, imagina para a loira que estava passando por tudo isso? 

Se para ele era um tormento no começo, para lucy era um sacrifício, literalmente. Sendo alguém que não se é, estando do lado de um completo desconhecido apenas para reforçar a fama que não se quer. Natsu se sentia culpado também por continuar com aquilo. Poderia ligar para os agentes e pedir para acabar com tudo aquilo, mas pelo que havia entendido a loira devia manter a carreira o mais estável possível. Sem altos e baixos, sem algo que pudesse por em risco sua fama, porque sem ela não haveria dinheiro e sem dinheiro não haveria como manter todos os gastos com a sua mãe. 

Natsu sempre havia gostado da fama, sabia lidar com as fofocas, com os assédios, os hates e uma porrada de coisas que podia atormentar qualquer pessoa. Ele apenas focava em fazer o que gostava e era isso... gostava de fazer o que gostava porque tinha oportunidade de fazer o que gostava e assim podia ser quem ele era. 

Mas e se não pudesse? Se tivesse que cantar músicas que não gostava? se vestir de um jeito que não o seu? Falar frases decoradas, atuar o tempo todo? Será que ainda aproveitaria? Com certeza não, seria como carregar uma cruz. 

Ficou ali vendo a loira dormir pensando no que poderia fazer. 

O que poderia fazer, o que poderia fazer...

Então soube. 

Lucy era incrível, era forte, corajosa, era teimosa e irritadiça, mas também sabia sorrir. Tocava piano lindamente e mesmo que não cantasse as músicas que pretendia, tinha uma voz linda. Quem em sã consciência não gostaria de uma pessoa assim? Será mesmo que ela precisava ficar fingindo ser quem não era pra manter esse "amor" dos fãs? Natsu tinha a impressão de que se a loira fosse verdadeira, seria na verdade amada o triplo, o quádruplo... 

E isso de ser amada seria o de menos, porque o mais importante é que ela estaria fazendo finalmente algo que gosta certo? 

Estava decidido. E não importava se as coisas caminhassem como se estivesse a pisar em ovo, ele faria. 

Irrevogavelmente decidido, pegou o celular e saiu do quarto para não acordar a loira. 

Buscou na agenda o número e ligou. Apenas 3 chamadas e a pessoa da outra linha atendeu. 

- Quero que marque uma reunião com Jude Heartfilia. Pra ontém se possível. 







Notas Finais


* Abuso é toda ação ilegítima de exercer o poder sobre alguém a fim de submeter a pessoa. Então sim, o que o Jude faz com a Lucy é um abuso: de direito, de autoridade e de confiança.

O que será que o Natsu vai fazer? E será que isso realmente vai ajudar ou piorar tudo de vez? O.O


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...