História Sudden Love (Romanogers) - Capítulo 8


Escrita por:

Postado
Categorias Os Vingadores (The Avengers)
Personagens Anthony "Tony" Stark, Bucky, Clint Barton (Gavião Arqueiro), Feiticeira Escarlate (Wanda Maximoff), Maria Hill, Natasha Romanoff, Pietro Maximoff (Mercúrio), Steve Rogers
Tags Romanogers
Visualizações 205
Palavras 1.733
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Romance e Novela
Avisos: Insinuação de sexo, Sexo
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Mais um capítulo para vocês, minhas lindas!

Desculpa pela demora, estive passando por uns problemas com o meu celular.

Capítulo 8 - Alô, namorado!


Maria acabava de chegar em seu apartamento e estranhou ao ver Natasha toda sorridente preparando o jantar, mas logo ela se lembrou de um certo motivo que faria bastante sentido pra tanta felicidade, então resolveu ir irritar a amiga um pouco, como sempre fazia.

—Nossa, porque tanta felicidade para picar alguns legumes? Aliás onde está aquela minha amiga que mais parecia um mulambo humano, assistindo filme romântico dramático e se entupindo de porcarias, que eu deixei hoje mais cedo, hein?

Natasha se assustou, quando ouviu a voz de Maria atrás dela.

—Maria, quer me matar do coração, sua maluca? E para de ficar comendo meus tomates! — Natasha deu um tapinha de leve na mão de Maria, a qual pegava um grande pedaço de tomate dos quais ela picava.

—Me deixa com os tomates e me fala porque tanta felicidade?

—Hum, vamos dizer que sua amiga aqui, recebeu uma visitinha que deixou ela com borboletas no estômago de tanta felicidade. — disse alegre.

—Não me diz quem foi essa pessoa milagrosa que veio aqui, porque meus super poderes de adivinhação vai descobrir. — Maria brincou, mas ela sabia muito bem quem era a pessoa.

—Então vamos ver se esse seu super poder é bom mesmo, quem era a visita? —Natasha entrou na brincadeira.

—Eu acho assim, mas só acho que meu super poder está me dizendo o nome Steve. —Maria se fez de desentendida e Natasha franziu um pouco a testa, estranhando como ela acertou.

—Espera… Como você sabia? — Maria sorriu.

—Eu tô dizendo amiga, tenho super poderes.

—Maria, não me engane!

—Tudo bem, o Steve foi lá no café hoje e perguntou por você, aí eu falei que a senhorita Natasha estava de folga, então ele me disse que viria aqui, satisfeita? —Maria contou tudo e revirou os olhos por tédi, Natasha sorriu ao se lembrar de Steve.

—Ah então foi isso? Mas você não vai querer saber o que aconteceu pra ele querer vir aqui. — Natasha puxou Maria, que estava indo tomar banho, mas bem no fundo queria saber tudo daquela história, então as duas foram para o sofá depois que Natasha ligou o forno para assar a torta salgada que ela estava preparando.

—Agora senta aí, que eu vou te contar tudo. — Natasha fez Maria se sentar a qual sorriu.

—Hoje o Steve veio aqui e me disse coisas maravilhosas, que ele sente e eu também disse o que sentia por ele… E agora estamos namorando. — Natasha falou sorrindo.

—Mas amiga isso é muito bom, parabéns de verdade e outra a sua felicidade está estampada em você, eu fico muito feliz com isso! — as duas se deram um largo sorriso e se abraçaram.

—É verdade, eu estou muito feliz e não é só por fora, por dentro também meu… É sério Maria, ele me faz sentir um sentimento único que eu nunca senti por ninguém, acho que isso é o famoso amor de que todo mundo fala.

—Que lindo, me chama para o casamento viu. — Natasha sorriu da amiga. — Mas trocando de assunto… Hoje o Bucky, apareceu lá no café.

—Nossa, o Bucky? Ele não aparece há semanas, como eu fui me esquecer, eu preciso falar com ele… O que foi que ele disse? — Natasha queria muito se desculpar daquela noite, ela se sentia muito mal só de pensar em ter magoado o seu segundo melhor amigo.

—Ele parecia bem, mas foi só para se despedir, porque ele vai passar umas semanas fora por causa do trabalho e te mandou um abraço.

—Que pena eu não vou conseguir falar com ele… Mas Maria, quando você pensa em contar o que sente por ele?

—Eu não sei, toda vez que estou perto dele, sei lá parece que minha garganta fica sem reação pra falar. — deitou a cabeça no colo de Natasha, era sempre assim uma oferecendo colo pra outra quando ambas precisava.

—Não fica assim, que eu prometo quando Bucky voltar eu vou te ajudar a conquistar ele. — as duas juntaram os dedinhos mindinhos, em sinal de juramento. — E sabe o que cura tristeza, um grande pedaço da minha torta salgada.

—Então vamos lá, porque hoje eu vou me acabar em torta. — as duas deram risadas e foram rumo a cozinha.

Steve não tinha pregado o olho a noite toda, pensando em Sharon e Natasha, agora ele tinha certeza do que sentia e só queria deixar isso claro para Sharon, mas não queria magoar os sentimentos da mesma.

Se levantou da cama, olhou no relógio e já passava das onze horas, como não trabalharia por ser sábado, resolveu ligar para Sam e chamá-lo pra tomar café no coffe mix. Tudo que o mesmo precisava agora, era de uma conversa com o amigo e também ver Natasha.

Sorriu de leve ao se lembrar da mesma, foi para o banheiro tomou um banho rápido e se vestiu, saindo do quarto e deu de cara com Wanda no corredor.

—Bom dia, maninho. — falou como sempre, muito alegre, e deu um pequeno beijo na bochecha de Steve, o qual retribuiu.

—Bom dia, onde estão todos dessa casa?

—Mamãe foi tomar chá com as amigas, como todos os sábados… Papai está no escritório e o Pietro eu não preciso nem falar né. — Steve deu risada.

—Está dormindo até tarde, porque ontem ficou até tarde na farra? — Wanda assentiu. —E você estava indo aonde?

—Ah, eu acabei de tomar café e não tenho nada pra fazer, então eu vou lá acordar o Pietro e deixar ele estressado, como eu fazia quando era pequena.

—É, mas sempre acabava dando errado, porque ele grudava no seu cabelo e sobrava pro seu maninho mais velho aqui, separar vocês dois. — Wanda deu risada da cara de Steve.

—Era sua obrigação Steve, como o meu lindo irmãozinho, que me ama. —segurou com as duas mãos nas bochechas do mesmo, como se ele fosse um garotinho, o qual revirou os olhos.

—Então tá, eu vou sair um pouco.

—Vai lá, que eu vou acordar o nosso irmão, bicho preguiça. — ela sorriu e foi até a porta do quarto de Pietro.

—Tudo bem, mas por favor não se matem!

—Prometo, que vou tentar. — depois de falar isso, Steve desceu a escada e Wanda entrou para o quarto, mas ainda da escada deu para ouvir o grito que a irmã gritou.

—Ah eu te mato, desgraçada. — ouviu o irmão gritar e os passos de Wanda correndo.

Assim que Steve terminou de descer a escada, viu o pai abrir a porta do escritório furioso.

—Mas o que temos nessa casa, pessoas ou animais? — John falou e Wanda desceu a escada correndo, a qual se escondeu atrás do pai fugindo de Pietro, que vinha logo atrás, apenas de cueca, meia e uma camisa aberta na frente, com o cabelo todo desarrumado, quase derrubando Steve que estava rindo.

—Onde tá aquela capeta do inferno?

—O que foi que eu disse sobre esses palavrões? Vocês dois não crescem mesmo, ainda parecem ter cinco anos. — John puxou Wanda pelo braço, ela fez cara feia para Pietro, o qual foi pra cima da mesma com o travesseiro que carregava, mas o pai dele interferiu.

—Ela que parece ser uma criançona, só fica me atormentando. — Wanda mostrou a língua para Pietro

—E o que nós fazemos, ignoramos, pois é melhor do que bater… — Wanda olhou para seu pai e franziu a testa. — E faça o favor de ir se vestir, porque isso não são trajes de se andar no meio da casa. — Pietro fez cara feia para Wanda e subiu a escada, emburrado. — E você Wanda, pare de se comportar como uma criança sapeca e ficar irritando seu irmão!

—Tudo bem, Papai. —revirou os olhos e o pai da mesma voltou para o escritório, em quanto ela se jogou no sofá, rindo da cara de Pietro.

Steve estava em seu carro, dirigindo, quado teve uma ideia para aproveitar o dia um pouco, então dirigiu o carro até o apartamento de Natasha, mas no caminho viu uma floricultura e resolveu comprar um buquê.

Parou o carro e entrou no estabelecimento, ele queria um buquê como Natasha, que chamasse atenção pela sua beleza e simplicidade.

—Posso ajudar senhor?— a vendedora veio até Steve, ela era mais velha e pelos olhos puxados, com certeza era japonesa.

—Ah sim, eu queria um buquê.

—É para sua namorada?

—Sim, como você adivinhou?

—Sou vendedora de flores há muito tempo e conheço bem quando um homem está apaixonado por uma mulher, mas como é a sua namorada pois assim vou saber que tipo de buquê deve levar. — a mulher sorriu e Steve também, a vendedora tinha razão, ele estava muito apaixonado.

—Bom, ela é linda mas ao mesmo tempo simples, com um lindo sorriso inocente. —falou Steve, se lembrando do sorriso de Natasha.

—Então eu tenho flores para ela. — a senhora pegou um lindo e grande buquê de margaridas. — As margaridas são lindas e radiantes, mas sempre com uma simplicidade como você disse da sua namorada, elas não são perfeitas. — a mesma entregou as flores para Steve, o qual sorriu feliz.

—Sim, elas são mesmo, perfeitas… Eu vou levar, quanto custa? — Steve pagou pelas flores e entrou no carro, dirigindo, ligou para Natasha pois ele já tinha o número da mesma, chamou uma vez e na segunda Natasha atendeu.

—Alô namorado.

—Alô namorada… Eu estava pensando aqui, hoje não tenho nada para fazer, que tal nós dois fazer um piquenique?

—Combinado, eu levo a cesta, me encontra em frente aqui do prédio, onde moro!

—Mandona, essa minha namorada, hein!

—As vezes eu tenho surtos de mandologia.

—Acho que consigo conviver com esses surtos.

—Beijo, que agora vou preparar nossa cesta.

—Tudo bem, tchau, beijo.

Steve desligou o celular e dirigiu mas alguns minutos, até que parou em frente ao prédio onde Natasha estava parada com uma grande cesta de piquenique, a qual sorriu quando viu Steve e o mesmo saiu do carro, indo até ela.

—Tenho uma surpresa para você. — Steve pegou as flores que comprou e entregou a Natasha, que ficou deslumbrada com o presente. — Pra minha linda e doce namorada.

—Nossa é muito lindo, eu amo margaridas, como você adivinhou?

—Um passarinho azul me contou. —Natasha sorriu, largou a cesta no chão e com as flores na mão, beijou Steve com muita doçura.

Ele a levantou do chão e a girou no ar, todos na rua olharam pra eles, era bonito de se ver tanta alegria em um casal.


Notas Finais


Espero que tenham gostado do capítulo!!!

Um milhão de beijocas para voxês!!!!


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...