História Suddenly Love - Capítulo 7


Escrita por:

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS)
Personagens Jeon Jungkook (Jungkook), Jung Hoseok (J-Hope), Kim Namjoon (RM), Kim Seokjin (Jin), Kim Taehyung (V), Min Yoongi (Suga), Park Jimin (Jimin), Personagens Originais
Tags Imagine Jungkook
Visualizações 64
Palavras 1.504
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Romance e Novela
Avisos: Álcool, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Boa leitura 🍪

Capítulo 7 - 07


Pov S/n.

Hyo-Nare já tinha voltado do passeio pelo castelo quando avisei a ela que teria uma conversa com o príncipe depois do jantar. Ela simplesmente começou a gritar "Sim! Sim! Sim!" enquanto andava pelo quarto. E eu me achava a pessoa mais estranha do castelo.

- Hyo-Nare...daqui a pouco o jantar começa, tenho que começar a te arrumar.

-Certo... faça seu trabalho, quero estar impecável para o príncipe.- senta na ponta da cama enquanto olha para as unhas.

Preparo tudo para o banho dela, todas as loções hidratantes possíveis, aquela espuma toda começa a subir junto com a água, e quando está no nível o suficiente para o banho dela desligo a torneira e volto para o quarto, com uma toalha em mãos.

-Aqui Nare. A banheira está pronta, todos os produtos que você irá precisar usar estão ao lado dela, mas qualquer coisa que estiver faltando basta pedir para mim.- falo enquanto me curvo, entregando a toalha branca para ela.

- Hyo-Nare.

-Como?

-Meu nome é Hyo-Nare, não Nare. Não temos intimidade o suficiente para apelidos.

-Ah...como quiser.. só pensei que você fosse querer que..

-Pensou errado. É Hyo-Nare.

Me curvo, mimada. Qual o problema de a chamar de Nare?

-Certo. Me perdoe nesse caso.

Ela acena com a cabeça e se tranca no banheiro.

Depois de alguns minutos, ela sai do banheiro enrolada na toalha. O vapor sai daquele cômodo e corro para abrir a porta da varanda, como o quarto dela dá para o jardim, não tem perigo de ninguém ver Hyo-Nare.

Entrego as peças íntimas dela e vou em direção ao armário, vejo vários vestidos que as costureiras fizeram com a medida de cada selecionada. Azul, vermelho, creme, rosa, roxo, vinho...curto, longo, meia medida...com mangas ou sem, decote ou não, são tantos vestidos que fico até perdida.

-Você tem preferência de alguma cor?

-Vermelho, adoro vermelho. Talvez vinho também.

Deus. Muito vermelho...o cabelo dela já é chamativo com esse vermelho.

-Certo, não prefere uma cor mais discreta? Um vestido branco mais elaborado ficaria ótimo para a ocasião de hoje.

-Não...muito apagada, eu quero chamar a atenção. Com tantas outras meninas aqui eu tenho que me destacar.

Concordo com a cabeça, pego um vestido vinho fechado,  um salto preto e coloco na frente dela. Pego um corset preto e prendo na cintura dela, dando vários nós com as fitas em volta da sua cintura, a ajudo colocar o vestido e prontamente coloco os saltos em seus pés, o vestido vai até seus pés, totalmente justo em seu corpo, tendo um decote simples na altura dos seios, sem mangas, uma grande diferença de nós criadas, que não podemos em momento algum mostrar nossos braços ou pernas, por isso usamos vestidos longos e finos, servem somente para esconder nosso corpos deixando de fora as mãos, o rosto e os pés. O pescoço é o verdadeiro problema para todas nós, não podemos mostras o pescoço de jeito nenhum. Os braços se acontecer de mostrarmos levamos uma advertência e uma punição da Madre responsável, que no nosso caso é a Tersaya, mas o pescoço é totalmente proibido, dizem que o pescoço é a perdição do homem, uma área proibida para todas até o casamento, por isso usamos roupa com golas altas, somente nós da última classe social, as criadas. Pessoas como Hyo-Nare, Princesa SoYah, as selecionadas e até mesmo a Rainha não têm problemas com isso, mostram tudo o que podem de pele, claro, respeitando as normas do país.

Por isso uso esse vestido velho, que vai até meus pés, onde uso dias sapatilhas que o castelo mesmo oferece, mangas finas até o pulso e uma gola alta que cobre todo meu pescoço, uniforme padrão para todas as outras criadas e funcionárias do castelo. O bom do vestido ser fino é que no verão não temos grandes problemas. 

-Cabelo agora. Quero ele preso, em um coque talvez, quero essa parte bem evidente.- gesticula a área dos ombros, clavícula e até o início do seio, ou seja o colo. Levo ela até a penteadeira e pego os grampos de cabelo.

Faço uma trança lateral e cruzou essa trança por cima do cabelo, como se fosse uma tiara, prendo com o grampo é faço um coque simples, deixando alguns fios soltos de propósito, afinal ela é uma jovem, não pode andar por aí como a Madre Tersaya, com o cabelo quase fazendo uma cirurgia na testa de tao puxado. Termino o cabelo e faço a maquiagem mais simples possível, um batom rosado, um pó que usamos para uniformizar a pele e com um lápis preto pinto acima dos olhos dando um olhar mais forte para ela. Quando vejo ela pronta escuto saltos batendo no mármore.

-Pronta, todas as outras damas estão indo para o salão principal, lá será servido o jantar e logo após ele o príncipe terá uma conversa com cada uma de vocês em particular. Boa sorte.

-Não preciso de sorte. Viu quantas garotas sem graça tem aqui? 

Ela pergunta mas logo se levanta, não me dando tempo de responder. Vai até a porta e para em frente a ela. Dou uma corridinha e abro, esperando ela passar. Vendo as outras selecionadas quase não vejo diferença com Hyo-Nare, todas resolveram usar uma cor forte com decote, uma ou outra estão mais discretas. 

Hyo-Nare sai, fazendo um barulho com aquele salto absurdamente alto. Depois de todas elas sairem as criadas vão atrás, prontas para servir não somente a família real mas as selecionadas também, ia ir atrás de Maya mas me lembro do banheiro desarrumado, volto uns passos pra trás entro no cômodo citado e abro o ralo da banheira, vendo a água com espumas sumir aos poucos, fecho a varanda do quarto e arrumo os grampos que ficaram jogados. Tudo ok S/n? Sim tudo ok consciência. Agora sim saio do quarto, antes de chegar no topo da escada escuto um voz.

-Ei senhorita. Preciso de sua ajuda. Venha.

Me viro e vejo...Crê em Deus pai. Que que isso meu senhor?

Principe Jeon...Principe Jeon com um roupão no meio das escadas, subindo logo em seguida.

Era comigo que ele falava? Eu devia seguir ele?

-Ande logo, não escutou o que eu disse?

Ele reaparece no topo da escadaria, sumindo pelo outro andar. Subo as escadas com o coração na mão. Príncipe Jeon precisa da minha ajuda.

Chego na porta do quarto dele, que é bem diferente de todos os outros, ele decorou do jeito dele. Já tinha vindo aqui antes ajudar uma outra criada a arrumar tudo isso.

-Licença Alteza.- digo entrando boa quarto quando ele acena positivamente com a cabeça, de costas pra mim, arrumando alguma coisa na cama.- No que posso ser útil para o senhor?

-Minha criada adoeceu e não pode me ajudar com as escolhas da roupa.

Aponta pra três camisas jogadas, fora um paletó preto com abotoaduras douradas. 

-O senhor quer uma sugestão? 

-Sim.

Olho pras blusas, vinho, azul e preta. Básicas. 

-Eu optaria por uma cor escura, azul marinho, não tem erro e para noite um azul forte pode ser a melhor escolha, diferente mas elegante, fora que azul fica bem no senhor. 

Ele pensa por um instante, logo depois concorda.

-Certo. Blusa azul, paletó preto e a gravata?

-Preta é claro.

Concorda e tira o roupão, ficando  com o tronco desnudo na minha frente. Céus! Sinto minhas bochechas pegarem fogo ao olhar para o peitoral e abdômen dele, eu sabia que Jungkook fazia exercícios, mas não sabia o resultado de todas as atividades.

Viro de costas imediatamente, com a imagem ainda viva na minha cabeça. 

-Não precisa ter vergonha, já me vesti, pode virar. 

Viro e vejo ele abotoando último botão da blusa, me analisando com aqueles olhos negros. Veste o paletó e me entrega a gravata, pego aquele pano na mão e me aproximo quando ele senta na ponta da cama, passo a gravata por trás do pescoço, sentindo meus dedos entrarem em um contato rápido com a parte exposta do pescoço, faço o famoso nó de gravata e me afasto, sentindo ainda mais vergonha.

-Qual seu nome?

-O meu?- aponto pra mim.

-Certamente, não vejo mais ninguém no meu quarto.

-Sim, tem razão. Me chamo S/n.- curvo sentindo seu olhar queimar em mim.- Precisa de algo a mais Alteza?

-Não, sua ajuda basta por hoje. Pode sair.

Saio do quarto quase correndo, assim que fecho a porta me encosto na parede ao lado. Vou precisar rezar cem terços para tirar aquela imagem e pensamentos de minha mente. 

Escuto passos se aproximando da porta e me ponho a correr pra longe de lá. Indo pro andar onde as conversas já são escutadas. Me posiciono ao lado de Maya.

-Está com febre?

-Como?

-Você tá vermelha nas bochechas...

-Não é nada Maya, besteira minha.

 Ela volta a postura original, quando o príncipe atravessa a porta. Seu olhar percorre a mesa onde as meninas estão agora de pé, depois ele olha para o trono, onde seu pai e sua mãe já estão sentados, sendo servidos por seus criados oficiais, ao lado de todos os ministros e secretários do povo. Vejo o príncipe olhar para cada criados também, parando por um segundo em mim, onde solta um sorrisinho de lado, e logo se põe a andar até seu trono, ao lado do Rei.

Se eu tava vermelha antes, agora estou roxa.







Notas Finais


Interação entre S/n e Jungkook.
Beijuss


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...