História Sugar Mommy - Capítulo 22


Escrita por:

Postado
Categorias Dreamcatcher
Personagens Dami, Gahyeon, Handong, JiU, Personagens Originais, Siyeon, SuA, Yoohyeon
Tags Handami?, Jiyoo, Singji, Siyoo, Sua X Gahyeon
Visualizações 62
Palavras 1.244
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Comédia, Drama (Tragédia), Ecchi, FemmeSlash, Festa, LGBT, Orange, Romance e Novela, Violência, Yuri (Lésbica)
Avisos: Adultério, Álcool, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sadomasoquismo, Sexo, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Capítulo 22 - Quem é você?


Fanfic / Fanfiction Sugar Mommy - Capítulo 22 - Quem é você?

Pov's SuA 

Eles me soltam e eu vou pra minha casa, pego meu PC e procuro pela garota nas redes sociais e não acho, tiro print da gravação do tablet e jogo a foto na internet, aparece duas dela, antigas, mas as contas estavam inativas.

Respiro fundo e continuo investigando mas não consigo nada além das duas fotos.

Baixo elas no meu celular e vou no meu quarto, pego minha arma e saio dali, foi no exato momento que a polícia chegou.

"Caralho eu to armada"

S ~ Algum problema?

I ~ Tenho mandato pra investigar sua casa.

S ~ Fiquem a vontade.

I ~ Aonde está indo?

S ~ A minha casa no lago, fica aqui perto, está no meu cnpj os endereços de todas as minhas propriedades.

Ele assente e eu continuo, entro no carro e saio dali as pressas, dirijo a noite toda com um carro me seguindo, sei que é a Polícia.

Entro e vou procurar a garota, era cedo então encontro ela dormindo como um anjinho, pego minha arma e engatilho, cutuco ela com a arma, a mesma abre os olhos e se assusta.

S ~ Quem é você... sem mentir ou eu explodo seus miolos.

Ela muda totalmente a expressão inocente por uma macabra, sorri de lado e se senta.

G ~ Sou Lee Gahyeon, fui dada como morta aos 13 anos ao ser estuprada pelo professor, enterrada viva e encontrada pelo coveiro após 40 minutos lutando pela vida... entendeu porque não achou nada sobre min?

S ~ Eu não acredito.

G ~ Bem... então só lhe resta ter uma outra opção que estourar meus miolos, ja que eu disse a verdade e é você quem não ta acreditando.

Dou uma coronhada na testa dela e quando ela levanta a cabeça vejo sangue, engulo seco, eu não queria machucar ela, mas a raiva de ser enganada de novo.

G ~ olha... -ela toca na ferida e chama um palavrão- eu não sei o que ela fez pra você mas não desconte a raiva de outra em mim.

S ~ Do que ta falando?

G ~ Da Baby pra quem vc fez aquele quarto- ela pega o lençol e pressiona o machucado. - eu tenho experiência nisso... ela aprontou e vc deve ter se livrado dela, essa raiva ai que vc ta sentindo não é de mim.

S ~ É claro que é, você me fez ser presa.

G ~ Eu não fiz nada, quem fez foi a pessoa que cuida de mim... também fiquei chateada com aquilo, me pôs em risco.

Ela levanta e eu coloco a arma na testa dela.

G ~ Ah guarda isso e me ajuda, eu to sangrando.

S ~ Não tem medo de morrer?

G ~ você ja foi enterrada viva? - nego- se tivesse sido entederia que não tenho medo de mais nada.

Ela bate no meu pulso pra cima e eu disparo, quando olho pra, vejo algo e apago.

_____________________

Pov's,Gahyeon.

Apago ela com um soco e pego a arma, tiro as balas e jogo do lado dela no chão, procuco mais balas nas roupas dela e depois coloco no meu bolso.

Pego meu chip e coloco no cell, mando mensagem de emergência e ligo o GPS... vou até a cozinha e pego gelo, volto pro quarto e da porta mesmo não vejo ela e a arma, sorrio e volto pra cozinha... pego todas as facas, coloco uma pequena no cós de trás e fico brincando com uma, sentada no chão.

"Alguma hora você cansa e vem atrás de mim."

Após um bom tempo ela surge na cozinha, levanto e a encaro.

G ~ Vamos entrar num acordo?

S ~ Eu vou te matar.

G ~ Okay, você não quer um acordo... e eu acho que o homem ali atrás com a pistola na mão também não quer.

I ~ Kim BoRa, se ajoelhe, coloque as mãos atrás da cabeça e você mocinha, solte essas facas.

Solto as facas na pia e levanto as mãos, SuA coloca as mãos na cabeça e se ajoelha, faço cara de bebê assustado já com os olhinhos marejados.

G ~ Ela machucou minha testinha, eu só queria me defender.

I ~ Está tudo bem, venha até aqui.

Passo pela SuA e vou lá, ele vai até a SuA, puxa as algemas e quando guarda a pistola pego a faca e cravo na nuca dele, sorrio e pego a pistola, puxo a SuA do chão e pego as chaves.

G ~ A Polícia costuma rastrear o carro, vamos botar ele la dentro e nos livrar dele.

S ~ Você o matou?

G~ Claro e como minhas digitais não constam no sistema, vc só será acusada se acharem ele aqui.

S ~ Eu não posso tocar nele.

G ~ SuA ... pelo tempo do tiro eles ja devem estar perto.

Ela suspira e pega dois guardanapos, colo onde vai segurar e eu pego ele pelos braços, ela pelas pernas... tiramos ele e levamos pro carro, eu abri e nós colocamos ele la dentro.

G ~ Eu me livro dele, limpa o sangue... olha cada centímetro por onde viemos.

Entro no carro e dou partida, saio em seguida, escuto alguém chamando no rádio. Suspiro e continuo, não sei onde to então fica difícil achar uma ribanceira, vejo o carro do meu amor vindo, sorrio e buzinho, ela para e eu ao lado dela.

Ch ~ De quem é esse carro?

G ~ Desse Polícial aqui que matei... olha vc queria um distintivo pra coleção.

Pego o distintivo e a carteira dele, a arma e dou pra ela, pego a faca também de recordação... ela desce com um pedaço de corda e abre o tanque dele, coloca dentro e encharca a corda, coloca uma ponta o tanque e a outra pra fora bem longe.

Entro no carro e vou pra frente, ela acende a ponta da corda e sai correndo, entra e eu saio cantando pneus, chegamos la na SuA e meu amor põe uma máscara e pega um galão de gasolina, descemos e vamos até a casa, escutamos a explosão e SuA nos olhou assustada.

G ~ Terminou de limpar o sangue?

S ~ Sim...

G ~ Agora pegue sua empregada e sai daqui... diga a Polícia que está sendo ameaça.

Chaeyoung vai até ela.

Ch ~ Se ela se machucar eu te torturo tanto que vai preferir a morte.

Chae passa batendo no ombro dela e começa a jogar gasolina na casa.

G ~ Vamos.

S ~ Ela vai incendiar minha casa.

G ~ Prefere ir pra cadeia?

S ~ Não.

SuA vai até o carro dela e a empregada em seguida, vou no quarto, pego minhas 3 pelúcias, dou um beijo no mozão e saio, entro no carro e SuA sai em seguida.

G ~ Para e me coloca no porta-malas.

S ~ Porque?

G ~ Escutei sirenes.

Ela para e faz o que falei.

__________________

Pov's SuA

A Polícia me para e eu falo que escutei uma explosão e sai as pressas com minha empregada, eles falam que o investigador escutou um tiro na minha casa.

S ~ Não foi na minha casa, foi na floresta, eu me assustei também, ja tava saindo com minha empregada quando escutamos a explosão... aí saí de lá, porque estou sendo ameaçada.

Escutamos tiro ali perto, eles mandaram voltar pro carro, dois foram la ver e um me escoltou, mas teve que voltar porque os policiais foram atacados, mais a frente ela entrou no carro novamente.

S ~ Quem é ela?

G ~ Minha primeira Mommy.



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...