História Suicide and the psychopath - Capítulo 52


Escrita por:

Postado
Categorias Histórias Originais
Personagens Personagens Originais, Tate Langdon
Tags Amor, Briga, Depressão, Drama, Morte, Psicopata, Revelaçoes, Romance, Suicida, Suícidio, Violencia
Visualizações 93
Palavras 898
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Aventura, Comédia, Drama (Tragédia), Festa, Ficção Adolescente, Romance e Novela, Suspense, Violência
Avisos: Álcool, Drogas, Estupro, Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Mutilação, Nudez, Sexo, Suicídio, Tortura, Violência
Aviso legal
Todos os personagens desta história são de minha propriedade intelectual.

Notas do Autor


Oii
Turu bom? Espero q sim

Desculpa os erros
Espero q gostem
Comentem o q estão achando
Boa leitura😘😘

Capítulo 52 - Capítulo 52


No último capítulo

Eu- O que você está fazendo aqui?

Agora

POV EMANUELI

Foi o que eu falei quando eu vi o Marcelo (pai do Tate) entrando na casa.

Eu- Essa é a sua solução? Trazer Alguém que também pode ser preso para tirar ALGUÉM DA CADEIA?- digo alto já irritada.

Rafa- Manu calma por favor.

Eu- Me acalmar? Eu estava esperando alguém para tirar meu marido da cadeia e você traz o motivo dele ter ido para a cadeia e ainda quer que eu me acalme?

Marcelo- Você sabe que eu não sou o culpado. Acha que eu queria ver o meu filho preso?

Eu- Eu sei que não, mas mesmo assim foi você quem começou com isso.

Marcelo- Você esta certa e agora eu quero concertar isso, por mim, pelo meu filho, por você e pelo meu neto.

Eu- Sabia que a Rafa ia te contar.- falo sorrindo- Mas ainda não tenho certeza.

Marcelo- Você sabe que eu estou sempre nesse tipo de coisa, tirar pessoas da cadeia ou botar pessoas la dentro. Eu sei o que fazer e preciso que você confie em mim.- vou confiar em um louco psicopata? bom, eu já me casei com um então confiar em outro sera o mesmo que nada.

Eu- Ok, se você diz que consegue vamos tentar.- sim! Eu estou desesperada! Mas vai que da certo, né?

Rafa- Eu e o Denis vamos deixar vocês ai falando e vamos cuidar do Théo.- eles sobem e ficamos só nós dois.

Nós nos sentamos no sofá da sala e começamos a conversar.

Marcelo- Vamos começar. Sabemos que o caso do Tate e bem sério por terem digitais no corpo e ele ter ido ao lugar do assassinato algumas horas depois e no meio da noite. E por isso não sera fácil tirar ele de la.

Eu- Nossa, que motivador.- falo sarcastica.

Marcelo- Mas por sorte temos uma mentirosa profissional aqui e também algumas coisas que podem nos ajudar.

Eu- Que coisas?

Marcelo- O Tate só esta preso porque aquela menina reconheceu ele, certo?

Eu- Sim.

Marcelo- Problema resolvido.- ele abre a mala dele e pega alguns papéis e depois me entrega.

Começo a ler os papeis no primeiro estava escrito e comprovado que aquela menina tinha esquizofrenia.

Os outros eram papeis dizendo os remédios que ela tinha que tomar e outras coisas relacionadas a isso.

Eu- Podemos mostrar os papeis e dizer que ela não tomou os remédios no dia e por isso teve a alucinação do Tate matando seu pai, quando na verdade foi só uma pessoa qualquer que tentou incriminar ele.

Marcelo- Exatamente, sabia que você entenderia de primeira.

Eu- Só que agora vem o pior, qual vai ser a desculpa do Tate ter estado la?

Marcelo- Podemos dizer que ele foi visitar um amigo que morava ali antes daquele cara.

Eu- Isso. Agora precisamos de um nome pra esse amigo... Hmm.

Marcelo- Hmm... Que tal Adam?

Eu- Adam?

Marcelo- É, por que não?

Eu- Sei la, vai Adam mesmo.

Marcelo- E agora como a pessoa que assassinou o cara tinha as digitais do Tate?

Eu- Isso não sabemos, se fizermos muito detalhada eles pode desconfiar.

Marcelo- Esta certa. Agora que temos a mentira perfeita vou achar um advogado dos bons e depois marcamos o julgamento.

Eu- Ótimo.- espero que isso de certo.

Algumas horas depois

Marcelo- Tenho uma noticia boa e uma ruim.- ele fala entrando na cozinha onde eu estava jantando.

Eu- Diz a ruim primeiro.

Marcelo- O julgamento só acontecera daqui a um mês.

Eu- Um mês?- eu sei que não é tanto tempo assim mas eu também sei que vai parecer uma eternidade pra mim.

Marcelo- Pois é.

Eu- Diga a boa.

Marcelo- Consegui o advogado e ele disse que se ganharmos o julgamento podemos tirar o Tate da cadeia no mesmo dia.

Eu- Achei que só íamos conseguir diminuir a pena.

Marcelo- Eu também. Pelo jeito nossa mentira vai funcionar melhor do que pensávamos.

Eu- Isso é ótimo.- eu falo sorrindo e em seguida abraço ele.

Marcelo- Você é como uma filha pra mim, ele não poderia ter escolhido alguém melhor.

Eu- E você no momento ta sendo o pai que eu nunca tive, o Tate teve sorte.- ele sorri e depois nos soltamos.

Ele se senta na mesa também e começa a comer comigo.

Depois que comemos cada um foi pro seu quarto dormir.

Mas eu não conseguia dormir de jeito nenhum, então comecei a mexer no celular (A: resumiu minha vida).

Entrei em um aplicativo que eu não entrava a muito tempo, eu normalmente usava ele pra escrever a letras das músicas mas parei de usar.

Eu comecei as ler algumas coisas antigas que eu escrevi pra ver se dava sono e no meio dessa bagunça eu achei uma coisa que o Tate escreveu pra mim. Dizia assim.

"Agora que eu estou aqui

Você não precisa se sentir sozinha novamente

Ficarei com você do anoitecer até o amanhecer

Eu estou aqui

Pra te segurar quando tudo der errado

E pra ficar feliz quando tudo der certo

Mas caso algum dia você se sinta sozinha

Lembre-se eu posso estar longe

Mas estou do seu lado

E ainda estou te amando"

Depois de ler isso limpo a lágrima que escorreu.

Eu- Eu te amo Tate.- sussurro baixinho e depois adormeço.

POV TATE

Eu- Eu te amo Emanueli.- sussurro baixinho e depois adormeço.



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...