História Suicide love - Capítulo 21


Escrita por: ~

Postado
Categorias Justin Bieber
Personagens Chaz Somers, Christian Beadles, Justin Bieber, Pattie Mallette, Personagens Originais, Ryan Butler
Visualizações 2.281
Palavras 1.350
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Crossover, Drama (Tragédia), Festa, Hentai, Luta, Romance e Novela, Violência
Avisos: Adultério, Álcool, Drogas, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Tortura, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Capítulo 21 - Almost perfect peace


POV. JUSTIN

         - recebi uma ligação hoje cedo. A carga já saiu do porto. – Ryan se sentou na poltrona.

         - tudo tem que sair perfeitamente. São milhões de dolares que estão em jogo. – disse olhando para cada um deles.

         - relaxa Justin. Esta tudo no esquema. Os motoristas dos caminhões são dos nossos, e são treinados. – Chris disse enquanto colocava uma dose de whisky em um copo.

         - eu e o Adam já cuidamos do monitoramento dos caminhões, cada um deles esta com rastreador. Se alguém tentar dá uma de espertinho, nós pegaremos. – Chaz disse.

         - espero que a sua parte esteja tudo Ok Bieber.  Não queremos ter problemas com fiscais, muito menos com a policia. – Adam disse entre os dentes.

         - Eu sou profissional Adam. Não sou igual você que é manipulado por uma simples carinha bonita e uma historia triste. – ri de lado, ele me encarou de cara amarrada.

         - pelo menos eu não fui roubado por uma garota de 17 anos, inexperiente e bem debaixo do meu nariz. – aquilo me estressou, me levantei indo pra cima dele.

         - O QUE VOCÊ DISSE? – cuspi as palavras.

         - foi isso mesmo que você ouviu Bieber! – ele disse com ironia. Aquilo me irritou mais ainda do sério, não consegui me controlar e dei um soco na cara dele, ele revidou antes que eu pudesse devolver os moleques nos afastaram.

         - MAS QUE PORRA! SERÁ POSSIVEL QUE VOCÊS NÃO VÃO PARAR COM ISSO NUNCA? – Ryan disse enquanto os outros nos segurava.

         - vocês devem esta querendo ir para o saco. Só pode! – Chris disse.

         - eu acho que vocês se esqueceram do acordo. Ou aprendam a se suportarem ou os dois morrem. E eu farei questão de mandar vocês para o outro lado. – Chaz disse.

         - foi ele que começou. – disse.

         - eu? Você gosta muito de falar sobre as falhas dos outros, mas não olha as suas.

         - JÁ CHEGA! EU NÃO QUERO SABER QUEM COMEÇOU! PORRA VOCÊS DOIS ESTÃO PARECENDO DUAS CRIANÇAS. – Ryan gritou olhando para nós dois.

         - crianças não fazem as coisas que eu faço. – eles me encararam. – esta bem, esta bem. – disse levantando as mãos em sinal de rendição. – quando esta programado para os caminhões chegarem a Atlanta?- perguntei.

         - daqui a algumas horas. Eles devem chegar às 2 horas da madrugada.  Não podemos correr o risco de ninguém os ver chegando. – assenti. Nisso eles tinham razão.

         - e também será mais rápido e pratico para distribuir. – Chaz disse enquanto olhava para alguma coisa no laptop.  Saímos do escritório e fomos para a sala aonde se jogamos no sofá.

         -Diz ai!  Que tal um jogo de basquete hoje a noite?  Só para passar o tempo enquanto as paradas no chegam. – Chris disse enquanto  rodava uma bola de basquete na ponta do dedo.

         - Pra mim tudo bem. – todos nós concordamos.

         - desde que seja na primeira fileira, está tudo ok! – Lilyan disse enquanto  mordia uma barra do chocolate.

         - essa é das minhas. – Ryan falou fazendo todos rirem.

         - Bom agora vocês já podem ir embora. – disse enquanto me deitava nas pernas dela.

         - Pow Bieber, não precisa mandar a gente ir embora para poder fuder com ela não. Vocês já fazem isso em qualquer lugar. – Chris disse e todos riram, menos ela que ficou vermelha.

        - você é um verdadeiro idiota Christian. – ela jogou uma almofada nele. Eles foram indo embora até nos deixar a sós.

             POV. LILYAN

         - Por que mandou eles irem embora?-  o encarei.

         - você faz perguntas demais. –ele deu de ombros e se levantou.

         - aonde você vai?

         - você esta pior que minha mãe. Nem ela me faz tanta pergunta. – ele bufou. – Eu vou para a academia. Satisfeita? – assenti. – e você deveria fazer o mesmo. – ele encarou a barra de chocolate que estava na minha mão. Isso me fez mostras o dedo. Ele riu.

         - larga de ser chato! – bufei. Ele se pôs entre minhas pernas e me levantou.

         - ai,  já esta começando a ficar pesada. – ele fingiu fazer força. Dei um tapa nas costas dele. – isso vai ficar marca sabia?

         - isso também ficou marcado. – disse mostrando um  avermelhado na coxa. Ele riu.

         - gosto de deixar minha marca. Para saberem que o mestre Bieber passou ai. – ele se levantou  e tirou a camisa a jogando em cima de mim e indo embora. Ai depois diz que eu que sou folgada.

         O dia se passou e eu fiquei somente na sala de jogos jogando sozinha. Aquilo era entediante. Fui para o quarto  e me arrumei vestido um short curto e um tênis. Encarei o guarda-roupa e não tinha nenhuma blusa que eu achasse propicia para ir a um jogo de basquete. Aliais com que tipo de roupa se vai a um jogo de basquete? Eu sinceramente não sei, é a primeira fez que eu estou indo em um. Fui até o quarto do Bieber e peguei no closet uma blusa do time de Basquete e vesti, ficou meio que cumprida, tampou o short todo. A enrolei na cintura fazendo ficar no tamanho certo. Aproveitei para pegar um boné, o coloquei , ajeitei o cabelo e desci, fomos em direção  á garagem aonde entramos em uma Ranger Rover  fomos.

 Ao som da musica alta e agitada do carro, chegamos ao ginásio onde estava acontecendo o jogo, estacionamos, os  outros já estavam a nossa espera, entramos e lá dentro estava lotado, fomos descendo as escadas até onde estavam nossos lugares já reservados, bem na frente, com uma visão privilegiada, nos sentamos e começamos a assistir. A cada lance perdido os garotos protestavam xingando os jogadores, e a cada cesta vibravam em comemoração, eu até que estava gostando do jogo, mesmo não entendendo nada o Chaz me dizia o que estava acontecendo,  e o que cada um estava fazendo.  Por alguns minutos me vi observando a cena, tudo estava na mais perfeita paz, ou talvez nem tão perfeita assim, mas sem aquelas discursões, incêndios ou coisa do tipo, estávamos ali como pessoas normais, que saem durante a noite com os amigos, e não como integrantes de uma máfia . O arbitro  apitou indicando o fim do jogo, o time da casa ganhou. A multidão começou a se retirar e nós também. Fomos para o estacionamento onde estavam os carros, cada um entrou no seu e fomos embora.

         Chegamos ao galpão por volta de  meia noite e meia, ele era todo equipado com computadores e tudo mais. Subimos para uma espécie de galeria e lá ficamos esperando a hora passar, Chaz e Adam estavam constantemente olhando o monitor do computador que mostrava a rota dos caminhões. A hora foi passando e nada dos caminhões chegarem, eu já estava ficando entediada, me deitei em um sofá que tinha ali perto e fiquei observando-os, todos pareciam muito apreensivos.

         - acho que nossas belezinhas  chegaram mais cedo?! – Chaz disse esfregando as mãos , todos olharam no monitor. – só faltam 10 minutos para elas chegarem.

         - com essa grana eu compro minha ilha particular. – Ryan riu fazendo todos irem do seu jeito.

         Ficamos nessa de jogar conversa fora, e os minutos passaram voando. Ouvimos barulho de caminhões se aproximando, Adam liberou a entrada deles, descemos para esperar por eles. Um a um eles foram entrando no galpão e paravam alinhados  um ao lado do outro. Quatro dos cinco caminhões pararam porem um deles vinha em nossa direção, por isso ninguém esperavam, eles engatilharam as armas apontando para o caminhão.

    - Para agora! –Justin disse firme. O caminhão parou e foi desligado. – Agora desce com as mãos para cima- a porta dele se abriu e de dentro caiu um corpo de um homem, me arrependi amargamente de ter olhado, o rosto estava  transfigurado e a roupa lavada com sague.

         - Se alguma coisa acontecer você se esconde entendeu ?. – Justin disse e eu assenti, eu estava escondida atrás dele agarrada em sua jaqueta.

  – É melhor descer ou vamos transformar esse caminhão peneira. – a pessoa começou a descer e parte da perna se revelou, pelo pouco que deu para ver um  salto, se trata de uma mulher.



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...