História Suicide love - Capítulo 29


Escrita por: ~

Postado
Categorias Justin Bieber
Personagens Chaz Somers, Christian Beadles, Justin Bieber, Pattie Mallette, Personagens Originais, Ryan Butler
Visualizações 1.956
Palavras 1.798
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Crossover, Drama (Tragédia), Festa, Hentai, Luta, Romance e Novela, Violência
Avisos: Adultério, Álcool, Drogas, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Tortura, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Capítulo 29 - Encurralados


Fanfic / Fanfiction Suicide love - Capítulo 29 - Encurralados

POV. Justin

                                 

         Droga! Droga! Droga! Meus planos de ficar aqui até a manhã do dia seguinte foram por agua abaixo. Aquele filho da puta descobriu onde estamos, agora será uma corrida contra o tempo. Comecei a pegar as coisas mais importantes, teria que sair da cidade o mais rápido possível.

         - Arruma a mochila. Teremos que fazer uma viajem. – disse e ela assentiu.

          Arrumei  tudo correndo e em pouco tempo já estávamos prontos. Olhei no relógio que marcava dez horas. Pequei as chaves do carro, coloquei a arma na cintura e fomos em direção ao mesmo.  Coloquei as mochilas no porta-malas, entramos no carro e fomos embora. Ela estava com uma expressão pensativa, não dizia uma única palavra, uma de suas mãos apertava fortemente o banco enquanto a outra passava pelos seus cabelos.  Meu celular começou a tocar, olhei no visor e era Ryan, atendi e coloquei no viva voz.

         - diga Ryan!

         - o avião está pronto para amanha de manha, como você pediu.

         - mudança de plano, vou precisar dele para daqui à uma hora. 

         - isso vai ser impossível Justin.  O piloto não vai esta disponível.

         - então o prepare que eu vou pilotar. Preciso de uma escolta até lá. Não posso correr o risco de encontrar com eles no meio do caminho e esta sem reforços.

         - a escolta estará pronta em Los Angeles. Quando você chegar, todos estarão a postos.

         - preciso de vocês no posto em meia hora. Preciso deixar as coordenadas, terei que ficar um tempo fora, até resolver os problemas, ou até ela completar dezoito. – dei uma olhada nela, ela continuava a encarar a estrada sem esboçar reação.

         - ok! O mesmo posto de sempre?

         - o de sempre.

         Desliguei o celular e foquei somente na estrada. Depois de alguns minutos chegamos ao posto aonde estacionei perto de uma das bombas de combustível. 

         - Me espera aqui. Vou resolver uma coisa e  volto já. – ela assentiu. Desci do carro e fui em direção à loja de conveniência do posto.

 

         POV. Lilyan

        

         Fique no carro enquanto ele foi resolver alguma coisa na loja do posto. Eu o observava pela janela do carro, ele conversava com um homem, homem esse que não me era estranho.

          Eu não conseguia parar de pensar o quão burra eu fui. Por que eu não ouvi o que o ele disse? Por que eu fui atender aquela maldita mulher? Tudo estava tão bem, arriscaria a dizer que estava tudo perfeito. Sem ninguém entre nós, só eu e ele. Eu mais do que ninguém já deveria saber que quando o dia esta muito ensolarado,  é por que uma tempestade vem vindo.

         Ele estava demorando, já era quase onze horas e o posto já não tinha mais ninguém além do cara que trabalhava na loja, ninguém costuma vir aqui, é somente para ponto de encontro. Olhei pelo retrovisor e vi dois carros  estacionando no posto, fiquei observando para ver o que eles fariam, mas eles  pararam e ficaram de vidros levantados. Aquilo estava muito estranho, abri a porta do carro e sai, ouvi a porta de um dos carros abrir também e dela  sair um homem alto de óculos escuro e barba. Aquilo não poderia ser somente coincidência, aquele só poderia ser um  dos capanga do Victor. Comecei a andar de presa em direção da loja, olhei de relance e ele me encarava fixamente. Cheguei à loja e  procurei por Justin, que por sua vez me olhou confuso.

         - por que não me esperou no carro? – ele me perguntou.

         - tem alguns homens em dois carros lá fora. – ele olhou disfarçadamente pela janela. – e eles estão vindo em nossa direção.

         - temos que sair daqui.  – ele encarou a janela. – e rápido. – assenti. – quando eu disser “agora”, nós iremos correr até a porta dos fundos que vai sair na parte de trás da loja, isso dará tempo para fugirmos. – assenti.

Dois dos homens  começaram a vir em direção a loja, aquilo estava me dando uma aflição incalculável .

– Agora! – ele disse já puxando minha mão. Fomos correndo para o fundo da loja, os homens foram correndo atrás de nós. Entramos em uma das portas e a trancamos, eles tentavam arromba-la, mas não conseguiram, pois colocamos uma barra de ferro para impedir que a abrissem.

         Estávamos em uma espécie de deposito,  o ambiente estava escuro,  andamos por entre as prateleiras  de mantimentos até uma porta, a verificamos e esta trancada .

         - DROGA! – ele exclamou.

 Não tinha como abrir, mas tínhamos que pensar rápido, o barulho da outra porta sendo esmurrada pelos homens já podia ser ouvido daqui. Ele pegou uma garrafa e colocou alguns panos que achou caído no chão e colocou fogo, assim poderíamos ter uma visão mais ou menos do que estávamos fazendo.

 – pega aquilo ali. – ele apontou para uma espécie de espátula ou sei lá o que era. A peguei e entreguei a ele, que já estava com um mini extintor nas mãos. Ele apoiou a espátula em cima da tranca e  começou a bater com o extintor até chegar o ponto de quebrar  a  fechadura . A porta se abriu e nós saímos, mas já era tarde demais, havia motos  e alguns carros vindo em nossa direção e nos encurralou. Ele me protegeu colocando seu corpo em frente ao meu, um carro na qual eu conhecia muito bem  surgiu dentre as motos e parou quase em frente a todas elas, as portas se abriram e de lá saíram tio Jacob e Victor, que estava com  uma expressão de triunfo na face. Justin sacou a arma que estava em sua cintura, mas aquele ato seria em vão, pois do outro lado havia aproximadamente umas vinte apontadas para nós, esperando apenas um só comando para atirarem. Eu estava clamando por dentro para os garotos chegarem logo e nos tirar dessa situação, estávamos completamente sem saída, encurralados.

         - Ora, ora, ora! Vejo que a situação se inverteu. – Victor disse com um ar de deboche. – agora quem está encurralado são vocês. – ele riu. – Me entregue à garota Bieber! – ele disse firme.

         - NÃO! – Justin foi mais firme ainda. – Só se me matar, caso contrario não terá ela de volta.

         - já que prefere assim! – ele estalou os dedos. – vou ter o prazer de lhe fazer esse favor! - os homens engatilharam as armas, engoli seco, as armas estavam prontas para serem disparadas, eu não poderia deixa-lo  morrer por minha causa. Em um ato desesperado me pus na frente dele.

         - então terá que me matar primeiro. – Victor suspendeu uma das mãos e os homens tiraram as mãos do gatilho.

         - Lilyan saia já dai! – tio Jacob disse.

         - NÃO, EU NÃO VOU SAIR!  TERÃO QUE ME MATAR. –  disse firme, mas por dentro em implorava aos céus que Ryan, adam, Chris e Chaz chegassem logo, eu não iria consegui enrola-los por muito tempo.

         - o que você esta fazendo sua louca. – Justin cochichou perto de mim.

         - salvando sua vida, assim como você salvou a minha. – disse no mesmo tom de voz.

         - não teste minha paciência! Venha já! –  Victor disse fortemente.

         - você não entende tio, ele que é o vilão dessa história. Ele me jogou nessa vida, o culpado disso tudo é ele. – disse apontando para Victor.

        - ela não sabe o que esta dizendo tio, ele já deve ter feito a cabeça dela, ou dado alguma substancia alucinógena. – Victor disse para Jacob.

         - como você pode ser tão cretino. Seu crápula!  - disse entre os dentes.

         - agora já chega! – Victor disse irritado. – peguem a garota e o mate-o. – dois homens vieram em nossa direção, mais que rapidamente Justin se pôs em minha frente e começou atirar, e eles revidaram, corremos para trás de uns tambores que havia ali por perto. Aquilo não nos protegeria por muito tempo.

 Eles atiravam enquanto Justin revidava, eram muitos contra nós, e tudo piorou quando a munição da arma do Justin acabou, agora estávamos entregues a sorte. Sorte, que você lembre-se de mim nesse momento, pois me passou uma ideia louca em minha mente.

         - Vamos Bieber, se entregue, você não tem outra saída além dessa. – Victor dizia. Uma coragem absurda me tomou e eu levantei com as mãos para o alto.

         - Eu vou com vocês! – disse e ele me olhou vitorioso, enquanto Justin fez uma expressão de reprovação. – Mas com uma condição! – Victor franziu o cenho. – O deixem ir embora! – ele concordou.

         - NÃO LY! – Justin me puxou pelos braços me impedindo de ir. – Não faça isso.

         - É preciso. – disse com os olhos já marejados. – Eu te amo.  – uni nossos lábios em um beijo rápido.  – Nós nos reencontraremos novamente. Isso não é um adeus permanente.  – me soltei dos braços dele e fui caminhando em direção a eles.

 Quando cheguei perto Victor acariciou meu rosto, com uma expressão de falsa compaixão. Aquilo fez meu estomago embrulhar de nojo e raiva, não me contive e cuspi em sua face. vi a fúria tomar seus olhos, ele levantou a mão para me dar um tapa, mas recuou o ver o olhar de reprovação de tio Jacob.

         - Coloquem-na dentro do carro. – ele disse. Dois homens me seguraram com força e foram me arrastando até o carro. – Acabem com ele.  – ele deu a ordem e apontaram as armas para Justin que mais que rapidamente correu dentando se esconder em algo, afinal estava totalmente indefesso. E eles começaram a atirar.

         - Não!  - gritei. – você prometeu que o deixaria ir. – disse já com a voz embargada por lagrimas.

         - Eu disse que o deixaria ir, mas eu não disse que seria vivo! –ele disse se virando para mim.

Nesse momento vi Justin sair de onde estava escondido e começar a correr para frente da loja, aquela seria a oportunidade perfeita, pois os homens estavam focados em outro ponto e não perceberam que ele havia saído dali. Seria a oportunidade perfeita, porem Victor se virou para frente novamente e seus olhos bateram em Justin que corria, ele sacou a arma que estava em seu bolso, apontou para ele que corria de costas e a engatilhou. Uma força surreal me tomou naquela hora e eu consegui me soltar das mãos dos dois homens e corri em direção a Victor, mas foi em vão, antes que eu pudesse impedir ele disparou , e em questão de segundos  pude ver Justin cair de joelhos no chão. Um grito do fundo dos meus pulmões saiu pela minha boca, meu coração parou, meu mundo girou e o ar se fez necessário em meus pulmões e cai de joelhos onde estava. Todos os nossos momentos passavam como um filme em minha mente, desde a primeira fez que eu o vi até nosso beijo há minutos atrás, aquele não poderia ter sido nosso ultimo beijo, eu me recuso acreditar que tenha sido.


Notas Finais


Aguenta coração! rs

Nao se esqueçam de comentar o que acharam.


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...