História Suicide love - Capítulo 6


Escrita por: ~

Postado
Categorias Justin Bieber
Personagens Chaz Somers, Christian Beadles, Justin Bieber, Pattie Mallette, Personagens Originais, Ryan Butler
Visualizações 2.949
Palavras 1.633
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Crossover, Drama (Tragédia), Festa, Hentai, Luta, Romance e Novela, Violência
Avisos: Adultério, Álcool, Drogas, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Tortura, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Capítulo 6 - Você não tem coragem


Fanfic / Fanfiction Suicide love - Capítulo 6 - Você não tem coragem

          Acordei assustada e ofegante com um barulho intenso, que aparentava ser de tiro. De primeiro passou pela minha  cabeça que a casa estava sendo invadida por uma máfia rival ou coisa do tipo, já que eles são desse mundo. Fiquei escondida debaixo dos lençóis ate o barulho amenizar.

            Quando o barulho pareceu ter sessado, eu me levantei cuidadosamente e peguei uma blusa - a mesma não era minha- e vesti. Caminhei com cuidado ate a parede com o cortinado e olhei por uma fresta o ambiente externo.

            Deu uma raiva quando eu vi o que era, ou melhor, o quem eram. Eu quase  tive um infarto por causa do Bieber e seus amigos jogando paitball na propriedade. Olhando assim  nem da pra dizer que são o que são,  eles estão parecendo um bando de retardados,  retardados bonitos e gostosos.

            Bufei. Voltei para o quarto de hospede, pois depois daquela noite acabei dormindo junto com ele novamente. Isso não pode acontecer, envolvimento não.

              Cheguei ao quarto e o mesmo já estava impecável, cama arrumada sem nenhum amarrotado, todas as coisas em seus devidos lugares, essa empregada é perfeccionista. Tomei um banho relaxante, fiz minha higiene matinal e voltei para o quarto enrolada na toalha. Quando cheguei ao mesmo ouvi alguém batendo na porta.

              ― entre! ― falei.

            Uma das empregadas abriu a porta e entrou com malas, mas estava com dificuldades.

            ―quer ajuda? ― assentiu.

            Fui ate ela e a ajudei a trazê-las ate perto da cama.

     ―Desculpe a pergunta, mas de quem são essas malas?

            ― são suas, senhorita.

            ―MINHAS? ―arregalei os olhos.

            ―o senhor Bieber ordenou para que trouxessem seus pertences para cá.

            ―quem ele pensa que é? Ou melhor, quem ele pensa que eu sou?  Eu não vou ficar presa nessa casa servindo de escrava sexual. Eu não sou igual às outras. ―comecei a me alterar.

            ― Me desculpa, senhorita. ―a empregada se reprimiu. ― eu só cumpro ordens.

            ― Tem razão, eu não deveria ter alterado com você, aliais você não tem nada haver com isso. ―assentiu. ― mas eu resolver isso com o seu patrão.

            Sai daquele quarto rasgando, caminhei ate as escadas e as desci batendo o pé, para que soubessem que eu estou chegando.  Cheguei à sala e encontrei Bieber e mais quatro garotos, entre eles estava o Adam.

             ― Que palhaçada é essa, Bieber? ―falei chamando a atenção de todos para mim. ― você pensa que eu sou propriedade sua? ― parei na sua frente e cruzei os braços.

        Bieber começou a me olhar de um jeito estranho, como se tivesse me comento com os olhos. Olhei para os lados rapidamente e vi que os outros também me olhavam assim. O que tem demais comigo? Será que eles nunca viram uma garota enfurecida?

            Olhei para mim mesma e entendi tudo. Lilyan, sua louca, como você não percebeu que estava só de toalha?  Confesso que corei da cabeça os pés.

            ― Hein, Bieber? ― gritei para que eles me levassem a serio.

            ―quem você pensa que é para falar desse jeito comigo?

            Ele trocou o olhar safado pelo agressivo e segurou fortemente meus braços.

            ― Me solta. ― falei entre os dentes. ― Você esta me machucando. Eu quero ir embora.

            ― Você quer ir embora? Então porque você ainda não foi? Esta com correntes e bola de ferro no pé para não poder andar? ― ele me jogou no sofá.

            ― Vai embora então, eu não estou te impedindo. ― me encarou.

            ―então por que trouxe minhas coisas para cá? ―o encarei nos olhos. ― Hein? Responda-me Bieber.

             Levante-me do sofá e fui de encontro a ele. Enquanto os outros olhavam sem se pronunciar.

            ―Escuta aqui, sua aprendiz de puta. ―apontou o dedo na minha cara. ― Você esta acabando com a minha paciência.  Esta me dando vontade de sacar a arma e estourar seus miolos. Só não faço isso por que não quero perder tempo escondendo seu corpo.

        ― Não, Bieber. Você não faz isso porque não tem coragem. ― o peitei.

     Nesse dado momento eu vi a fúria consumir seus olhos.

     ―Vish, ela brincou com fogo. ―um dos garotos falou.

     ―o que você disse? Repete!

      ― VO- CE - NAO - TEM - CO - RA -GEM. ―o desafiei.

       Eu estava brincando com a morte, e agora era somente uma questão de tempo ate ela me pegar.

       ― então é isso que veremos.

        Ele sacou a arma que estava em sua cintura e apontou para a minha testa. Eu gelei dos pés a cabeça, meu coração pulsava forte e saliva não existia mais na minha boca. Fechei os olhos quando ouvi a arma sendo engatilhada.

            ―Bieber, não viaja, cara. ―ouvi uma voz familiar aconselha-lo.

            Mas ele não recou. Me comprimi quando ouvi um barulho de tiro  sendo disparado ecoando pelo meu ouvido e o ar faltar em meus pulmões.

            Abri os olhos ainda receosa. Meu peito pulsava forte por debaixo da toalha, meus olhos estavam vidrados nele, minha boca estava seca, enquanto ele gargalhava do meu estado.

             ― você viaja, Bieber. ―um deles disse.

               Me atrevi a olhar para trás,  para ver da onde veio a voz que intercedeu por mim e me deparei com Adam.

            ― É para você aprender quem manda. ― me virei novamente para Bieber. ― E hoje você não sai dessa casa, já fiz minha boa ação do dia não te matando.

            ―Bieber, você não pode fazer isso comigo. Eu não sou um objeto que você guarda em uma prateleira, eu sou uma pessoa.

            ―Legal, então você prefere voltar para o puteiro? ― me encarou. ― Já vou lhe avisando, não é uma boa ideia, ele esta com ódio de você. ― sorriu de lado.

            ― Pelo menos lá tem homens melhores que você. Melhores que você em todos os quesitos, principalmente na cama. Não preciso ficar fingindo e nem forçando orgasmo. ― o provoquei.

            ―wow! ― um garoto loiro falou rindo.

            ― que isso, irmão. ― riu. ― esta perdendo a manha. ― um outro garoto com uma pinta acima dos lábios falou.

            ―Sou tão ruim de cama que a noite passada você entrou no meu quarto de madrugada igual uma cadela no cio. ― sorriu de lado.  ― Ué? Conta para eles que você quicou no colo do papai aqui. Conta que você gemeu igual cadela no cio e pediu mais,  muito mais.

            ― Vai dizer que você não gostou? ―o encarei.

            ―Sou homem, não recuso uma boa foda. ― ele se aproximou e falou com voz roca bem perto do meu ouvido.

            ―Não é só minha foda que é boa. Eu sou boa. ― provoquei. ― vocês querem ver?

      ― Mostra pra gente. ― o garoto com pinta acima dos lábios falou.

     ― Já que vocês estão pedindo. ―dei de ombro e sorri de lado.

       Eu comecei a abri a toalha. Fui abrindo uma parte que deixou a lateral do meu corpo amostra.

        ― Mostra o resto, vai? ― um dos  garotos falou.

         Sorri de lado olhando Bieber fixamente. Ele estava com a cara amarrada e balançava a cabeça. Olhando para ele eu comecei a soltar o outro lado da toalha.

     Eu não estava fazendo isso era para provocar, e sim para enfurecê-lo a ponto dele me expulsar daquela casa, e assim eu estaria livre.

          ― vamos parar com a palhaçada. ― Bieber falou antes que eu revelasse meu corpo por completo. ― Enquanto você estiver na minha casa, você é exclusividade minha, e eu odeio dividir minhas coisas com os outros.

            Ele me tampou novamente. Eu não estava conseguindo conter meus risos, eu sei provocar. Olhei de relance para os lados e os garotos estavam com uma expressão de desapontamento.

            ―Bieber, eu não sou objeto para ser sua. ― Falei perto dos seus lábios.

            ― Enquanto você estiver aqui, você é o que eu quiser.

            ― é isso ai, Bieber! O que é bonito é para se mostrar. ― um dos garotos disse.

            ― estava vendo, Bieber. Eles concordam comigo. ― Falei.

            ― Garota, sobre para o seu quarto. ― Falou mandão.

            ― Você não é meu pai. ― rebati.

            ―SOBE AGORA!

            ―Argh! 

        Sai daquela sala batendo o pé,  subi para o quarto, bati a porta e não me contive e comecei a rir. Eu não acredito que  fiz o que fiz.

       Fui ate a mala e  procurei uma roupa para vestir. Achei um macacão jeans curto e  um top preto, peguei uma calcinha e um sutiã e fui para o banheiro me trocar. Depois que já estava arrumada fui procurar outro sapato para calçar. No fundo da mala achei um papel, o peguei e li o que nele estava escrito.

        " estou preocupada com você, assim que ler este bilhete me liga. A senha do telefone é 9876. Meu numero esta na agenda telefônica.

          Bj Camila. "

     Comecei a procurar o celular dentro da mala, ate que o achei dentro de um bolso. O desbloqueei rapidamente e liguei para ela.

            ―Alô? Camz?

            ― Ly? Você da para me explicar o que esta acontecendo?

            ― eu também queria saber o mesmo. Os empregados dele chegaram com minhas malas e eu estou ate agora sem entender o motivo dessa loucura.

            ― O Victor esta furioso. Os homens do Bieber chegaram aqui pela manha dando ordens e pegando a suas coisas. Victor esta possesso com você e com o Justin. Ele acha que você armou isso tudo com o Justin.

            ―Mas isso é loucura. Camz, você sabe muito bem que eu não fiz isso, eu quero ir embora, só que ele não deixa. E fugir daqui é quase impossível. Essa casa é uma fortaleza.

            ―eu sei, eu sei. Mas a melhor coisa agora é você não voltar, pelo menos não agora.

            ―O que ? Como assim?

            ―Agora eu tenho que desligar, eu acho que tem alguém vindo.


Notas Finais


Capitulo Alterado
Nivel de alteração: Alto


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...