História "Suicídio" - ChanBaek - Capítulo 1


Escrita por:

Postado
Categorias EXO
Personagens Baekhyun, Chanyeol, Chen, Lu Han, Sehun, Xiumin
Visualizações 33
Palavras 1.590
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Drama (Tragédia), Ficção, LGBT, Violência, Yaoi (Gay)
Avisos: Álcool, Drogas, Estupro, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Mutilação, Suicídio, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


⚠Atenção:⚠

"suicídio" é uma fanfic que contém palavras impróprias, cenas pesadas como: estupro, violação, bullying, assassinato, relacionamentos abusivos ect., uso de drogas e alcoolismo. Se você for muito sensível ao ponto de não conseguir ler e fica extremamente abalado, é aconselhável que não o faça.

Não vai ser uma fanfic "feliz, " diga-se de passagem, pois como irão perceber um dos personagens que faz parte do casal Chanbaek está morto desde o começo da história. Sim terá momentos fofos e agradáveis entre eles (Se não a fic não seria chanbaek) porém isso serão acontecimentos do passado (como será indicado pelas datas), para ajuda à compreensão do desenvolvimento da relação de ambos e percepção de certos pontos que serão narrados.

Se depois dos breves avisos feitos ainda se sentir cativado(a) a ler, seja bem vindo(a)!

Boa leitura xoxo<3

Capítulo 1 - B a b y D o n ' t C r y



2 6  d e   n o v e m b r o   d e   2 0 1 7

2 3 : 4 0


Jongdae estava sentando no seu sofá acolhedor, centrado na mediana sala de estar de sua casa, enquanto que com o comando remoto da televisão em mão passava freneticamente os canais afim de achar algum filme ou seriado chamativo e interessante o suficiente para assistir com MinSeok, dito cujo que estava na cozinha acabando de arrumar a loiça que fora utilizada no jantar dos dois, e que iria pernoitar na residência do loiro naquele dia para que o mesmo não se sentisse tão só mas também por adorar estar na sua companhia, até que algo chamou à atenção do mais novo. Algo que de primeira o deixou de olhos arregalados, muito chocado e inexpressivo a encarar as imagens que passavam pela tela. Ele estremeceu. Conhecia bem o cenário e a casa que estavam sendo mostrados no programa, mas não queria acreditar no que estava vendo. 

O máximo que Jongdae conseguiu fazer nos segundos seguintes foi aumentar o volume do aparelho para ouvir atentamente as palavras que a jovem mulher apresentadora do noticiário pronúnciava, coisa que aos poucos fez o seu mundo desabar por completo. 

"— boa noite senhoras e senhores, eu estou em direto da rua onde numa destas casas, à pouco mais de uma hora, foi confirmada a morte de um jovem estudante que deixou muita vida por viver. Byun Baekhyun, nome do garoto de apenas dezoito anos de idade que teve o seu corpo desacordado encontrado pelos próprios pais, em seu quarto, quando estes chegaram a casa e se aperceberam de que não obtiam nenhum tipo de resposta, manifestação ou movimento vindos do filho. Aparentemente a causa da sua morte foi nada mais nada menos que suicídio. —" enquanto a mulher falava algumas fotos de Baekhyun começaram a passar pela tela num dos cantos e os olhos de Jongdae já estavam a um passo de transbordar toda a água que ia acumulando cada vez mais. MinSeok, agora, encontrava-se presente na sala e encarava a televisão atrás do sofá com uma mão apoiada no ombro do loiro numa tentativa de lhe dar suporte, e uma expressão séria no rosto. "— 'Não existe qualquer indicação de que possa ter sido um homicídio sem serem os hematomas, algum sangue, e graves feridas espalhadas por todo o corpo do garoto' , afirma a polícia. Mas segundo o histórico conhecido, até agora, de Baekhyun o rapaz era vítima de bullying escolar, algo que explica perfeitamente as tais marcas sendo que algumas os pais afirmam já ter visto antes desta noite. Pelo que nos foi transmitido ficámos a saber que o pequeno apresentava cortes profundos nas zonas dos pulsos, braços e coxas tanto muito recentes como antigos deixando evidente que a perda de sangue e fraqueza corporal possa ter colaborado para a sua morte. Acreditasse também que a saúde mental do garoto não estava totalmente estável devido aos traumas que provavelmente adquiriu ao longo dos anos e o mesmo acabou se machucando a si próprio por pura paranóia causando os estragos fortes em si com o intuito de tirar a sua vida por completo. Apenas para reforço à suposição: foi confirmado que no seu passado alguns ataques de pânico e depressões fortes foram acusadas depois de visitar psicólogos durante esses acontecimentos, coisas que de facto podem ter afetado e atordoado a mente do jovem que era usuário de antidepressivos entre outros medicamentos pesados. De momento estas são as únicas informações que temos sobre este caso visivelmente trágico. Devido a isso apelamos aos pais dos jovens que tenham cuidado com os comportamentos dos seus filhos para que algo semelhante não aconteça. Descansa em paz Byun Baekhyun."

Jongdae nem se importou com o que veio a seguir. Nem se importou com mais nada, para dizer a verdade. De cara enterrada entre as mãos apoiadas nos joelhos chorava alto, tão alto mas tão alto que era mais que nítida a dor que sentia pela perda do Byun. Puxava os seus cabelos deixando lamurias e palavras cheias de mágoa saírem sem qualquer conexão e sentindo da sua boca. Queria gritar mais alto do que já estava fazendo enquanto o seu coração comprimia, apertava, rasgava mais e mais dentro do seu peito a cada mísero segundo que passava. 

MinSeok, que apenas observava a cena chocado de mais para ter algum tipo de reação, decidiu dar uns poucos minutos a Jongdae para que ele deitasse tudo o que mais machucava cá para fora antes de contornar o sofá e abraçá-lo como nunca havia abraçado antes, abraçá-lo como se não houvesse amanhã, abraçá-lo tão forte e tão apertado como se o mais novo pudesse desaparecer a qualquer momento. Isso por um lado assustava MinSeok, ter a sensação de que algo poderia acontecer a Jongdae depois de ambos terem perdido Baekhyun era relamente um medo. Um medo que o fazia ficar calado, tanto a ele como ao loiro, um medo mútuo e profundo.

O mais novo encolheu-se nos braços que o envolviam calorosamente tentando fazer com que ele ficasse mais calmo, mas não adiantava muito. Por muito que MinSeok sussurssse que tudo iria ficar bem e que Baekhyun estava num lugar melhor, Jongdae não parava de chorar, de sofrer, de decair tendo a cabeça à roda e a mente focada em tudo o que acabara de vizualizar naquele noticiário e em tudo aquilo que viu o seu amigo passar. 

—Aconteceu MinSeok... O Baekhyun se foi... —disse com dificuldade entre soluços e expremeu os olhos tentando conter as lágrimas intensas que acabaram por sair inevitávelmente.— ACONTECEU PORRA!!! ACONTECEU! ACONTECEU! ACONTECEU!!! —gritou com angústia, sofrimento.— O MEU BAEK... O MEU.. O... — não conseguiu terminar a frase pois a respiração descontrolada, a água com sabor a sal misturado com dor que descia pelo seu rosto e os arfares pesados não lhe permitiram. MinSeok apenas fez carinho nos seus cabelos e apertou o abraço.

—ele se foi amor... Aconteceu o que nós temiamos à muito tempo... Aconteceu e nós agora não podemos fazer nada... — Notavasse na voz do mais velho que estava tentando ser forte e engolia o choro com a maior dificuldade. Já bastava a agitação de Jongdae, ele tinha que se manter calmo e fazer o outro se acalmar. — eu sei que você vai sentir muito a falta dele...eu também vou, o Luh também vai, todos nós vamos... Mas Dae, agora teremos que viver só de memórias, de fotos, de momentos, do carinho que temos por ele e tu sabes que mesmo que queiramos não podemos fazer nada. O mal já estava se apoderando do Bae e nós não impedimos... Agora só temos que aguentar a nossa consciência gritando por saudade. — falou tudo num tom baixo e deixou que as suas lágrimas silênciosas descessem pelas bochechas redondinhas. MinSeok não tinha medo da realidade mas por vezes aceitá-la era mais difícil do que parecia e se ele não estava querendo fazê-lo, Jongdae muito menos.

—eu não quero viver de memórias e essas merdas Min! Eu quero o meu Baekhyun. Eu quero acordar deste pesadelo e poder vê-lo! Poder ver o seu sorriso, poder secar as suas lágrimas, poder ouvi-lo gargalhar! quero dizer que o amo tanto, dizer que tenho orgulho nele! Eu quero fazer tudo isso NEM QUE SEJA SÓ MAIS UMA VEZ! — desesperado por saber que não iria fazer aquilo nunca mais apertou MinSeok numa tentativa falha de matar o que tanto doía.

—eu sei que você quer isso tudo amor mas infelizmente... querer não é poder... — o realista suspirou e fechou os olhos deixando-se apertar enquanto sentia suas roupas ficaram cada vez mais molhadas por conta do choro de Jongdae.

Já era de madrugada quando o mais novo conseguiu parar de chorar tão agitadamente. Soltava  apenas umas quantas lágrimas contendo-se ao máximo enquanto bebia o chá que Minseok fizera para si e o obrigara a tomar à força toda.

A vedade é que Jongdae não sentia vontade de comer, de beber, de dormir, de se mexer, resumidamente, não sentia vontade de viver.

— Eu vou cuspir na cara dos pais do Baekhyun. Não acredito que aqueles cretinos fizeram-se se inocentes sofredores à frente das câmaras.— o loiro falou com puro ódio enquanto encarava um único ponto fixamente— e ainda tiveram a coragem de expor os problemas dele para ganhar atenção e sair em limpo desta história... Maravilhoso...

—honestamente nem acredito que eles deixaram a polícia revelar tanta coisa para a midia. Isso não é normal!— mais uma vez MinSeok suspirou e bebeu um pouco do líquido fervente que se encontrava na sua caneca, ainda avoado e igualmente dolorido como Jongdae.

—tinham que dar um jeito para ter a sua imagem limpa mesmo que na realidade sejam duas merdas. Até me surpreende bastante a mãe do Baekhyun estar sóbria!— riu com amargura e sem humor.— ele sofria tanto Min... —a sua voz chorosa fez-se presente e lá estava Jongdae chorando de novo.

—o baek era de certeza a pessoa mais forte que eu conhecia...aguentou tanto "monstro" até que um dos que mais o atormentava acabou com ele...—levantou-se de seu lugar vendo que Jongdae começara a ficar mais agitado novamente e abraçou o sofrido com uma força termenda mais uma vez.— shhh... Está tudo bem Dae... — sussurrou, mas na verdade não estava nada bem, enquanto a sua mão acariciava com cuidado os cabelos do outro, e assim ficaram o resto da madrugada até começar a amanhecer totalmente. Jongdae chorando de mágoa, se sentindo inútil por não ter evitado a situação e MinSeok contendo-se enquanto tentava ao máximo reconfortar Jongdae. 


Notas Finais


Obrigada por ler <<3
Peço imensa desculpa se estiver algo mal escrito ou incoerente <3
Até à próxima
♡Xoxo♡


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...