História Summer Rain - Capítulo 1


Escrita por:

Postado
Categorias Wanna One
Personagens Guanlin, Jihoon
Tags Depressão, Drama, Ioi, Panwink, Rain, Sadfic, Summer, Wanna One, Yaoi
Visualizações 406
Palavras 2.949
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Drama (Tragédia), Ficção Adolescente, Romance e Novela, Yaoi (Gay)
Avisos: Homossexualidade
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Hello leitores; Essa é a primeira fanfic que eu escrevo/posto então por favor deem atenção a ela, e principalmente desfrutem ela do mesmo modo que eu desfrutei.
Mesmo minha escrita não sendo uma das melhores (me desculpem por isso), espero realmente que gostem. Mas, sem mais delongas aqui esta o primeiro capítulo. Tenham uma boa leitura ♡.

Capítulo 1 - Capítulo um.


“Eu iria segurar sua mão neste mundo cruel”

Como de costume fui violentamente despertado pelo barulho infernal do meu despertador.

— Eu odeio minha vida – Digo cancelando aquele barulho irritante.

Suspiro em derrota antes de finalmente me levantar daquele colchão macio, o qual queria passar o resto do dia. Já de pé vou em lentidão fazer minhas higienes rotinais para que assim eu possa parecer mais acessível para o mundo.

No fim pego meu material e minha chave e sigo para o lugar mais chato do universo. Escola. O lugar onde todos os pesadelos, até os mais sem noção, são reais. O lugar cheio de pessoas que provavelmente me odeiam. Eu juro que vou criar uma maquina do tempo para matar o filho da pu... criador da escola.

A brisa da manhã invadiu minhas juntas quando dei a cara fora de casa. O caminho foi até que foi tranquilo, fiquei escutando música no trajeto todo, enquanto fitava a correria de carros alheia. Foi quando eu o vi. Ele estava parado a poucos metros de mim; usava calça o que dava a impressão de estar alguns centímetros mais alto e carregava uma mochila preta nas costas. Tentei esconder meu rosto, mas vindo de mim, é claro que não deu certo.

— Bom dia Jihoon! – Disse ele com certo sorriso no rosto vindo-me cumprimentar com um aperto de mãos.

— Ah, bom dia G-gu-alin – Respondo meio sem jeito elevando a mão esquerda para complementá-lo.

— Suas mãos continuam fofinhas – Como ele pode ignorar tudo o que aconteceu?

— Obrigado... E você continua alto – “E você continua alto” sério Jihoon?

Guanlin – o nome do garoto – ficou falando o tempo todo de como conseguiu resgatar um gatinho, que mais tarde o adotou e o apelidou de Wink, e pela primeira vez na vida eu quis que o sinal tocasse logo.

Quando chegamos ao pequeno corredor que hospedava as classes de aula, notei que era um ótimo momento de me livrar do tagarela ao meu lado. Sai correndo em direção a a mesma deixando Guanlin falando sozinho para trás. Entrei na sala ás pressas para pegar meu material no armário, pois a professora de ciências já estava na sala.

Para variar as primeiras aulas foi um saco, e tive que ficar aguentando a Somi e Sejeong surtando por causa dos meninos do Bts, não sei quantos “cala a boca” ouvi do pessoal para cada surto delas.

Sejeong. Como eu odeio essa menina. Ela é o tipo de garota mais inteligente da sala, que todo mundo odeia, mas ama, além de ser o principal motivo paras brigas entre eu e a Somi. Desde que ela descobriu que Sejeong era army nossa amizade nunca mais foi à mesma, tudo só se tratava de Sejeong “Hoje vou pra casa da Sejeong”, “Eu e a Sejeong vamos para o shopping”, “Sejeong e eu fomos à sorveteria ontem”. Não é ciúmes! Eu tenho raiva dela, aquele sorriso bonito, aquela beleza, aqueles dentes brilhantes... Aah isso me irrita profundamente.

Depois das duas primeiras aulas não demorou muito para o sinal do lanche bater. Minha escola é o do tipo que tem muitas salas em um corredor só, então eu sempre sou o último a sair da sala pra evitar o “transito humano” que fica naquele cubículo de corredor.

Quando eu estava saindo me deparo com a ilustre pessoa, no qual não queria encontrar, ou seja, Guanlin.

— Oi denovo Jihoon! – Por que ele fica tão alegre em me ver?

— Oi. O que você ‘tá fazendo aqui?  Sua turma toda já foi. – Digo olhando para os lados para ver se tinha mais alguém além de nós.

— É que... Você sempre espera todo mundo sair para ir ‘pro lanche.

— Você se lembra – Eu senti meus olhos lacrimejarem naquele momento, mas não, eu não podia chorar não na frente dele.

— Claro que lembro Hyung, a gente às vezes esperava de baixo da mesa escondidos eles trancarem a porta para ficarmos só nós dois na sala comendo salgadinho. – Ele me chamou de Hyung.

— Faz tempo que você não me chama assim... – Minhas palavras saem de forma manhosa da minha boca o que me permite sentir mais vergonha – mais do que eu já estava daquela situação.

— O que acha de ficarmos aqui? – Ele sugeriu com certa animação no tom de voz — Eu trouxe algumas bolachas. – Sem mesmo esperar eu responder ele pegou sua mochila na sua sala do outro lado do corredor e entrou na minha colocando as coisas no fundo da mesma.

— Anda fecha a porta, e venha aqui! – Fiz isso meio sem jeito. Ele literalmente esqueceu-se do que houve.

Fui andando bem devagar com uma cara desconfiada até onde ele estava sentado.

— Se ficarmos aqui ninguém vai nos ver. – Falava com certa pressa em colocar as bolachas no chão— Senta ai! – Ele já abria um dos pacotes de seu sabor favorito, chocolate, e um refrigerante de latinha.

— Então... Jihoon Hyung, como anda sua vida? – Suas palavras saiam meio confusas por conta da bolacha que estava mastigando.

— A mesma coisa eu acho... Acordo cedo, vou pra escola, mexo no celular... – Uau Jihoon como você é uma pessoa interessante.

— Que legal Jihoon! – Diz ele com um sorrisão no rosto junto a um tapinha amigável que despeja sobre meu ombro.

Ficamos quietos por alguns minutos, até eu resolver quebrar o silencio na hora errada.

— Por que você foi embora? – Nessa hora seu sorriso se transformou em uma expressão séria. — Você me deixou sozinho naquele parquinho até anoitecer... – Logo sinto algumas lágrimas começarem a se formar, não fiz questão de impedi-las.

— Jihoon... Eu sinto muito, eu não queria, eu juro! – Em nenhum momento ele olhou em meu rosto diretamente, sempre olhava para baixo — Por que você não come alguma coisa? Eu comprei a bolacha que você adora.

— Não estou com fome. – Eu estava despedaçado naquele momento só de lembrar tudo o que ele disse.“Eu não quero ser mais seu amigo Jihoon, nunca mais”.  Acabo me rendendo e as lagrimas encharcam meus olhos em maior quantidade.

— Não chore Jihoon! – Guanlin venho em minha direção e me despejando um abraço, o abraço que só ele sabia me dar. Mas era tarde; o estrago já havia sido feito.

— VOCÊ ME ABANDONOU GUANLIN! – Digo perante á tosses e soluços — Você mentiu ‘pra mim! – O empurrei sem muita força para longe, ele me encarava agora com uma expressão incrédula.

— Jihoon... VOCÊ ME OBRIGOU A FAZER AQUILO! – Dessa vez eu que fiquei chocado.— VOCÊ SABIA COMO EU, QUE O QUE VOCÊ SENTIA POR MIM NÃO ERA SÓ AMIZADE – Prosseguiu ele deixando cair algumas lagrimas.

Eu não podia ficar ali, não podia ficar com ele. Sem pensar muito me levantei do chão gelado indo em direção a porta onde a abro violentamente e ponho-me a andar corredor a fora. Escuto Guanlin gritar meu nome, mas nessa hora já aperto o passo em direção as escadas com direção ao banheiro. Quando nele entro, me jogo contra a parede onde começo a chorar. Chorar como nunca chorei. Como ele pode dizer aquilo?

— EU TE ODEIO GUANLIN, TE ODEIO, ODEIO – Grito repetidas vezes enquanto soco com força o chão.

E como em um filme, as cenas daquele dia vieram novamente à tona. Eu tinha doze anos e Guanlin onze. Ele dizendo aquelas coisas maldosas mesmo sabendo que não queria falar aquilo, eu estava confuso, eu ainda estou mesmo com quatorze, eu ainda tenho mágoa daquele dia, e jamais o esquecerei.

— Jihoon? – Droga, Droga, Droga — Você ‘tá chorando? – Me levantei o mais rápido possível, limpando minhas bochechas molhadas.

— Claro que não! – Molho meu rosto com aquela água gelado no intuito de tirar aquela cena da minha mente.

— Estava sim! O que houve? – Questiona Woojin, um dos meninos da minha sala.

— Nada Woojin, eu já disse que não estou chorando! – Meu tom de voz aumenta, assustando o garoto de madeixas claras.

— Calma, não precisa ficar nervoso! – Afirmou o mesmo, ainda assustado.

Sem dizer nada, saio daquele ambiente indo rumo à sala de aula novamente que por graça de Deus, não encontro Guanlin nela. Não demorou muito para o sinal bater e os alunos voltarem aos seus lugares. O resto do dia foi horrível, não via hora de dar o sinal do encerramento das aulas, e eu ir embora de vez.

Quando soou o mesmo; fui um dos primeiro a sair da sala e ir para o portão de ferro – que sempre me induzia a pensar que ali era uma prisão –. Vi Guanlin em um canto com seu grupo de amigos que eu conhecera bem. Tentei o despistar nas inúmeras vezes que o mesmo fitava-me, mas eu sabia que não ia dar em nada já que Guanlin é muito alto e consegue ver até a semente da terra.

Tentei ser o mais rápido possível na volta para casa, evitando qualquer pessoa que cruzasse meu caminho. Quando chego à mesma, trato de tirar o tênis o mais alvoroçado possível e corro para meu quarto me jogando sobre minha cama, na qual durmo por longas horas. Já que amanhã era sábado, eu estava livre para fazer o que bem me entender.

 

 

(...)

 

 

— Jihoon? – Uma voz – conhecida – citava meu nome enquanto me chacoalhava de um lado para o outro.

— Aaah, me deixa dormir – Respondo manhoso completando com um bico formado sobre meus lábios.

— Jihoon, sou eu Guanlin – Quando ouvi proferir esse nome da boca do citado, tratei de me levantar rapidamente, passando então a fita-lo com certo desprezo.

— O que você está fazendo aqui? – Pergunto com a voz falha por conta do sono continuo que ainda pairava sobre meu corpo.

— Eu queria te ver depois do que aconteceu lá na escola.

— Eu não quero falar sobre isso – Digo me deitando novamente, dessa vez virado para a parede bege — Agora me deixa dormir.

— Você já dormiu a tarde inteira, assim vai ficar todo dolorido quando levantar.

— Como você sabe que eu dormi a tarde toda? – Levanto-me da posição em que estava onde começo a encarar o garoto alto – Você ficou aqui no meu quarto a tarde toda?

— Bem... Eu te mandei várias mensagens dizendo que vinha aqui.

— Pêra, como se conseguiu meu numero?

— O seu amigo... O tal de Daewhi me deu – Daewhi seu desgraçado.

— Mas, como conseguiu entrar sem a chave? A minha mãe só chega às seis.

— Eu apertei a campainha varias vezes, mas ninguém me atendeu. Então lembrei de que quando eu vinha aqui à porta da cozinha sempre ficava aberta aí acabei entrando.

— Isso é a invasão domiciliar e eu posso te processar por isso seu maníaco.

— Você não mudou nada Jihoon, continua exagerado como antes. – Ao final da fala o garoto esboçou aquele sorriso bonito de sempre.

— Eu não sou exagerado. – Retruco levantando da cama rumo à cozinha. Eu não acredito que ele esta aqui, na minha casa depois do que ele disse naquele parquinho. Sigo com uma briga interna de pensamentos, pegando uma jarra de suco de morango – meu favorito – na geladeira.

— Sua casa não mudou nada também, Hyung – Observa o tal, agora parado na porta da mesma, me fazendo tomar um “sustinho”. Maldito.

— Não me chama assim.

— Você gostava quando eu te chamava de “Hyung”.

— Gostava quando tínhamos onze anos de idade – Ignorei por alguns minutos a presença de Guanlin ali, me concentrando em colocar o suco no copo sem que derramasse, o que era uma missão quase impossível para mim.

— Quer ajuda Jihoon? – Sem que eu respondesse um obvio “não” Guanlin caminha em minha direção retirando com delicadeza a jarra dos meus palmares — Segura o copo – Ordena despejando aquele liquido avermelhado sobre o copo do Star Wars.

— Eu não precisava de ajuda! – Retruco friamente degustando aquele liquido rosa delicioso.

— Prontinho! – Exclama ainda sorrindo. — Onde deixo a jarra? – Procede procurando aos arredores um lugar adequado.

— Pode deixar ai mesmo.

— Eu me lembro desse pijama! – O garoto apontava para estampa do pijama velho com um sorriso enorme de nostalgia — Como ele ainda cabe em você?

— Não sei, deve ser por que eu não cresci nadica, nesses dois anos.

— Você lembra quando eu deixava você subir nas minhas costas? – Como ele pode mudar de assunto tão rápido?

— Lembro – Respondo friamente.

— Era tão divertido Hyung... Desculpa – Assenti com a cabeça enquanto colocava goela a baixo o liquido doce.

— Você tem algum filme ai? – Pergunta quebrando o breve silencio que havia se formado entre nós.

— Tenho.Esta na primeira gaveta do meu... – Sem que eu completasse a fala, ele sai correndo para o meu quarto voltando de lá em menos de minutos com alguns CDs presos sobre seus palmares.

— O que você acha de assistirmos Homem de Ferro 3? – Perguntou ele mostrando a capa do cd.

— Não, eu já vi esse filme um trilhão de vezes – Nós ficamos nessa cena uns 10 minutos até finalmente ele mostrar um filme decente.

— O Menino do Pijama Listrado? Que filme é esse?

— Sério que você nunca viu esse filme? É tipo, um clássico do cinema.

— Não. Fala sobre o que?

— Você vai tem que ver pra descobrir.

Depois de quase ter queimado toda a pipoca, eu e Guanlin fomos para frente da televisão assistir “O Menino do Pijama Listrado”.

— Você está chorando Jihoon? – Disse Guanlin surpreso, enquanto enfiava um montinho de pipoca com manteiga goela abaixo.

— Eu sempre me emociono no final – Digo limpando os rastros das lagrimas com minhas mãos cheias de manteiga e sal — Ai, minha mão esta imunda por causa dessa pipoca.

— Aqui ó pega um guardanapo.

— Obrigado – Agradeci pegando o guardanapo, o passando por todas as regiões dos meus palmares — 'Tá ficando tarde, é melhor você ir embora.

— Eu não quero ir embora.

— Sua mãe vai brigar com você, Guanlin.

— Eu avisei a ela que estaria aqui. E eu moro aqui do lado.

— Mas daqui a pouco eu vou dormir...

— Eu posso dormir aqui! – Isso não pode estar acontecendo — Eu peço ‘pra minha mãe. Mas só se você quiser.

— É... É que não tem espaço ‘pra você aqui.

— Eu durmo no sofá!

— Meu sofá é duro, você vai acordar todo dolorido.

— Então eu posso dormir no seu quarto.

— Não tem espaço no meu quarto.

— Eu durmo com você – Eu não sabia o que dizer. Depois de tudo o que aconteceu, eu vou dormir com ele? Mas como estamos tratando de Jihoon o mais burro eu aceitei.

Minha mãe não demorou muito de seu horário, e apoiou a idéia de Guanlin dormir aqui, me fazendo abaixar mais um ponto de amizade que eu tinha com ela. Limpamos a sala por conta dos vestígios de pipocas que tinham no chão e no sofá. Guanlin foi para seu apartamento – que ficava do outro lado do corredor – vestir seu pijama e escovar os dentes, enquanto eu fazia o mesmo na minha.

Eu ainda não acredito que estou prestes a fazer isso.

— Sua cama é bem grande Jihoon – Disse ele da porta me fazendo me assustar novamente.

— Eu sei – Digo voltando o foco para o aparelho que me entretia sobre meus palmares.

— O que você ‘tá fazendo nesse celular? – Perguntou tratando de caminhar em minha direção.

— Estou conversando com o Daewhi.

— Eu não me lembrava dele... Você o conheceu ele depois da nossa briga? – O que mais me irrita é que ele fala da nossa briga como se tivesse sido algo bobo.

— É... Nós fizemos aula de violão juntos.

— Você toca violão? – As feições de surpreso eram nítidas no rosto do garoto, que logo deixou escapar uma “risadinha”.

— É, por quê? Algum problema? – Enfrento o mesmo, agora me sentando na cama.

— Você nunca me contou que gostava de violão – Disse ele sentando-se bem na minha frente.

— Eu não gosto, minha mãe me obrigou a fazer.

— Ah, entendo.

— Você ainda joga basquete?

— Jogo sim, eu até tenho um time aqui – Ele chegou mais perto de mim deitando-se do meu lado — Você e o Daewhi devem se falar muito – Acrescenta observando atentamente nossa conversa.

— É. Ele acabou virando meu melhor amigo – Quando digo o termo “melhor amigo” consigo perceber uma mudança de humor em Guanlin. Não acredito que ele está com ciúmes de mim.

— Jihoon... Eu não vim aqui só pra te ver. Eu também queria te perguntar um negócio.

— O que?

— Você... Quer voltar a ser meu amigo? – Aquela pergunta foi um choque para mim. Apesar de ser boba, trazia um monte de sentimentos nela. Eu teria que confiar nele novamente, o que no passado me fez entrar em um mar de tristeza profundo.

— Eu, eu... – No momento de glória minha mãe aparece na porta dando boa noite e logo em seguida fechando a mesma. Ficamos alguns minutos calados, até que Guanlin cortou o silencio.

— Então... Você quer? – Perguntou quebrando o – maravilhoso –silêncio.

— Eu não sei Guanlin – Digo agora deixando o celular de lado.

— Jihoon, eu prometo que nunca mais vou te fazer chorar. Eu faço tudo que você quiser, por favor, me perdoa! – O garoto tinha agora uma feição de “cachorro abandonado” acompanhado de um par de olhos lacrimejando.

— Eu vou tentar – Droga.

— SÉRIO? – Logo se formou um sorriso nos lábios do mesmo, um dos maiores sorriso que já havia visto na vida.

— Sim – Seus braços se entrelaçaram em meu corpo formando um abraço amigável que durou alguns segundos — Eu estou com sono, então me deixa dormir – Digo meio enrolado por conta do maldito bocejo que se formou na hora. Levantei da cama para desligar a luz, na volta me ajeitei no canto da parede me deitando virado de frente pra mesma.

— Se lembra quando você cantava ‘pra eu dormir? – Disse ele apoiando sua cabeça no meu braço.

— Lembro.

— Você poderia cantar?

—Eu estou muito cansado Guanlin. Deixa para outro dia.

— Tudo bem – Respondeu cabisbaixo Guanlin retirando sua cabeça de cima do meu braço e a colocando sobre o travesseiro. Eu podia sentir em seu tom de voz que ele estava meio triste, mas ignorei. — Boa noite, Jihoon.

— Boa noite Guanlin.


Notas Finais


(Infelizmente) esse capítulo chegou ao fim; então o que achou? Obrigada por terem lido, até a proxima xx.
(Estou deixando aqui os links dos dois hinos que me serviram de inspiração na escrita dessa fanfic)
https://youtu.be/ZsYwEV_ge4Y - summer rain do gfriend .
https://youtu.be/41sLs5-uvfM - rainbow do gfriend.


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...