História Sunday Morning - Calzona History - Capítulo 1


Escrita por:

Postado
Categorias Grey's Anatomy
Personagens Alexander "Alex" Karev, Amelia Shepherd, April Kepner, Arizona Robbins, Calliope "Callie" Torres, Margaret "Maggie" Pierce, Meredith Grey, Richard Webber, Sophia Robin Sloan Torres
Tags Arizona Robbins, Callie Torres, Calzona
Visualizações 55
Palavras 3.854
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Famí­lia, Romance e Novela, Yuri (Lésbica)
Avisos: Álcool, Bissexualidade, Insinuação de sexo, Sexo
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Capítulo 1 - One


April ajudou Arizona a entrar no táxi, depois de Ross ser chamado para o hospital, ela realmente estragou tudo porque ela deixou Arizona dizer o endereço, e isso se tornou uma péssima ideia. 

A mente nublada de Arizona não processou as informações da maneira que deveria e de alguma forma ela disse ao motorista o endereço do prédio do outro lado da rua do hospital. O apartamento que ela e Callie dividiram por quase 5 anos. Arizona odiava Penny. 

Bem, não, ela não odiava. 

Mas ela odiava o que isso significava. Callie estava seguindo em frente. 

Penny era inteligente, engraçada e bonita. E Callie estava mais feliz do que nunca. 

Arizona bufou no táxi. 

Ela passou anos amando-a e elas até se casaram apenas para Callie dizer para Arizona na cara dela que ela nunca foi tão feliz como está sendo agora. 

Arizona falhou em fazê-la feliz? 

Arizona também perdeu Sofia. 

Ela não vê a filha há quase uma semana. 

Ela não achava que era culpa de Callie, mas em todas as noites em que Sofia deveria ficar com Arizona, ela estava de plantão ou no turno da noite. Arizona saiu do táxi e olhou de soslaio para o prédio. 

Sempre foi alto e inclinado um pouco para a esquerda?

Arizona riu para si mesma e subiu as escadas. O que foi uma péssima decisão. E ela não parou no quinto andar também, não, ela estava indo direto para o telhado. A última vez que ela estava no telhado foi quando estava fumando, logo depois que voltou do apartamento do hotel aonde ficou nos últimos meses depois da separação da duas, ela estava se sentindo indesejada e desconfortável, mesmo depois de Callie ter feito a proposta de ela voltar, ela não se sentia em casa.

Arizona empurrou a porta do telhado, quase choramingando quando a porta se recusou a abrir, antes de perceber que ela tinha que empurrar. Ela riu e tropeçou no telhado. Ela sempre achou a vista linda daqui. 

Às vezes, no verão, ela ficava deitada aqui com Callie, deitadas em um cobertor elas observavam estrelas e trocavam caricias. 

Também ela sempre se sentia tão destemida. 

Não havia corrimão no telhado. Apenas um cimento plano. Ela se aproximou da borda do telhado, mas não muito perto, e sentou-se.

 

 

O que Callie acreditava ser um dia perfeito se transformou em um desastre. 

Penny, sua Penny, era uma médica envolvida na morte de Derek. Ela sabia que a acusação de Meredith era bastante irracional. Penny realmente não o matou. Mas ela estava lá e era parcialmente responsável por não dar a Derek os cuidados adequados. 

Callie balançou a cabeça. 

Sofia estava com Zola, Bailey e Elis e ela não queria ficar em casa sozinha. Ela estacionou o carro em frente ao antigo prédio. Ela adorava assistir as luzes do hospital do telhado do prédio. Arizona sempre alegou que amava as estrelas, mas Callie não, ela adorava assistir as luzes. E ouvindo as ambulâncias passarem correndo. Isso nunca significou que algo positivo aconteceu, mas para ela isso significava estar em casa. 

Callie subiu as escadas, arregalando os olhos quando percebeu que a porta do telhado estava parcialmente aberta. Ninguém nunca subiu ao telhado. Estava trancado para as crianças e os adultos nunca se incomodarem em conferir. Não havia nada aqui em cima. Callie empurrou a porta ainda mais antes de perceber que havia alguém sentado lá. Conseguindo distinguir a silhueta na escuridão e no reflexo das luzes da cidade ela poderia dizer quem era. Mas foi quando ela se aproximou, ela percebeu que era realmente Arizona. 

Ótimo, a pessoa que ela mais precisava ver hoje. Arizona tentou muito ser gentil no jantar para conhecer Penny e Callie não poderia estar mais agradecida, mas foi difícil. Tê-la por perto constantemente. 

Porque você não pode simplesmente parar de amar alguém da noite para o dia. Callie apertou seu casaco preto com mais força. Ela notou uma fumaça vindo da direção de Arizona. 

-Arizona.-Callie chamou.

Os olhos de Arizona se arregalaram e, de repente, ela teve o desejo de esconder o cigarro de Callie, como fazia com os pais quando era mais jovem. 

-Eu não estava fumando.-Ela disse rapidamente e riu enquanto jogava o cigarro fora.

-Aha.-disse Callie.-Quanto vinho você tomou? E, por favor, não me diga que você dirigiu até aqui.-Arizona, com alguma dificuldade, tentou se levantar, balançando um pouco.

-Na verdade, não bebi tanto vinho quanto uísque. E cheguei aqui de táxi.-Do jeito que o Arizona estava olhando de soslaio para Callie, ela sabia que Arizona queria lhe contar uma coisa. 

-Você pode dizer o que quiser.-disse Callie. Porque Arizona estava bêbada e não ia se lembrar disso amanhã.

O queixo de Arizona caiu com o quão bem Callie a conhecia. Elas ficaram juntas por um longo tempo e Callie podia lê-la como um livro aberto. 

-Penny é legal. Penny é adorável.-Arizona começou a divagar.-Foi intimidador no começo, mas depois percebi que ela estava lá quando Derek morreu, então me sinti melhor. Mas não deveria, porque isso poderia acontecer com alguém, qualquer um. Mas aconteceu com Penny. E nossos amigos, seus amigos, estão todos loucos com ela, oque volta a me fazer sentir melhor. Mas você disse que ela te faz feliz. Mais feliz que você já esteve em toda a sua vida. Eu falhei com você? Eu falhei em fazê-la feliz? Mas você sabe o que? Se ... Se felicidade é ela, estou feliz por você. Estou mesmo.-Arizona terminou sua gagueira e gaguejou devagar e abaixou a cabeça.

Callie estremeceu na noite fria. Sua garganta se fechou um pouco. Porque Arizona a fez feliz. Elas eram casadas. Elas tiveram Sofia. Mas os últimos anos juntas a separaram e não parecia justo para nenhuma delas permanecer em um relacionamento que lhes causava dor. Então, Callie decidiu dizer algo só porque sabia que Arizona não se lembraria disso depois.

-Eu estava feliz com você. Temos tanta história, Arizona. Tudo o que aconteceu nos últimos 7 anos é sobre nós. Você me deu tanta felicidade. Mas só porque eu estava feliz com você, não significa que não posso ser feliz com ela. Penny é uma ótima pessoa. O que quer que tenha acontecido naquela noite é obviamente algo que ela não deveria ter passado. Mas Arizona.-Callie falou baixinho, fazendo Arizona olhar para ela com seus grandes olhos, fazendo-a parecer tão infantil.-Você me fez feliz. E eu sempre terei essas maravilhosas lembranças de você.-Arizona assentiu. 

-Entendi.-ela murmurou.-Não significa que eu entendo ou que não dói, mas como eu disse, se felicidade é ela, estou feliz por você.

-Obrigado.-disse Callie genuinamente. Arizona, de repente riu.

-Eu fico pensando que se eu parasse de te amar, tudo isso seria mais fácil, mas eu não consigo parar. E eu estou tão tonta agora.-Ela tentou dar alguns passos à frente, mas acabou tropeçando para trás. Os olhos de Callie se arregalaram. Arizona já estava perto da borda do telhado. 

-Arizona!.-ela gritou. Ela correu em sua direção, tentando pegá-la ou agarrá-la. Alguma coisa. Mas o material da manga da jaqueta de Arizona escorregou por entre os dedos. De repente, Callie sentiu a perda. 

Arizona estava caindo. 

Bem na frente dela. 

E ela nunca iria esquecer o som horrível do seu corpo batendo no chão. 

Seu cérebro apagou por uns segundos. 

Toda decisão racional deixava sua mente. 

Foi por um minuto que ela ficou lá? 

Mais tempo? 

Luzes de ambulância acesas vinham em alta velocidade o barulho de sirenes invadia seus ouvidos. Uma mulher correu para fora de seu antigo prédio de apartamentos tentando ver mais de perto Arizona. 

Callie era médica, deveria estar lá embaixo tentando ajudá-la. 

O estômago de Callie girou e ela vomitou no telhado, ela começou a correr. 

Arizona precisava de ajuda. 

Lágrimas ardiam em seus olhos, seus lábios tremendo e suas mãos tremendo Callie chegou até a frente do prédio. A mulher que olhava o corpo imóvel de Arizona não conseguia descobrir o que fazer enquanto falava ao telefone com o 911. 

-Eu sou médica.-Callie murmurou. Mas agora ela não se sentia como uma. Havia sangue. Muito Sangue. 

Provavelmente um ferimento na cabeça, o rosto normalmente impecável de Arizona estava riscado, o seu queixo quebrado. A mão de Callie estava tão instável que ela nem tinha certeza se Arizona tinha um pulso ou se ela havia imaginado. E então a ambulância chegou e ela estava sendo afastada enquanto os médicos tentavam salvar Arizona. Callie sentiu-se perdida. Ela não sabia o que fazer, o que dizer, para quem ligar. Ela precisava de alguém. Ela discou um número de telefone. 

-Karev?.-ela sussurrou após sua resposta rabugenta.-É A-Arizona, você pode me encontrar no hospital?

Foi depois que a ambulância saiu e a senhora se afastou do local para conversar com policiais que Callie inalou profundamente o ar e caiu no chão. Ela não conseguia parar as lágrimas e não conseguia respirar. O policial tentou falar com ela, consolá-la, mas Callie mal conseguia ouvi-lo.

-Torres?.-Alex perguntou.-Eu corri para o hospital e você nem estava lá.-Eram 2 da manhã. Ele estava cansado e confuso.-Por que tem sangue perto de você e o que aconteceu com Robbins?"

Callie acabou tossindo enquanto tentava falar. 

-S-ela ... o telhado.-Callie conseguiu gaguejar.-Ela caiu.-Os olhos de Alex se arregalaram e ele olhou para cima. 

-Merda.-ele disse baixinho.-Ela caiu do telhado? O que aconteceu? Ela sobreviveu, certo?.-Mas ao seu segundo olhar para o telhado, ele estremeceu.

-Não sei. A ambulância chegou. Eles a levaram.-disse Callie distraidamente.-Oh Deus, eu não sei se ela está viva. Eu não posso.-Ela balançou a cabeça.-Eu não posso. Eu ... Mark já se foi. Sofia ... Ela só vai me ter. Eu não posso fazer isso sozinha.-E ela percebeu o quão terrível Meredith deve ter se sentido quando perdeu Dereck. Ela estava sozinha com três filhos.

Alex se ajoelhou na frente de Callie.

-Robbins é imortal. Ela sobreviveu ao acidente de avião, acidente de carro e a um tiroteio. Ela sobreviverá a isso também. Olha, deixei uma garota seminua dormindo na minha cama, vamos lá.-Callie se encolheu.

-Isso é muita informação.-ela murmurou. Ela deu uma olhada no local onde Arizona estava alguns minutos atrás e enxugou as lágrimas.-O que eu vou fazer se ela não conseguir? Oh meu Deus, isso é tudo culpa minha. Ela ficou bêbada por minha causa. Eu sei que ela não estava confortável em conhecer Penny. Mas eu queria que vocês conhecessem ela. Hoje foi um desastre.-ela chorou novamente.

-Na verdade, ontem foi um desastre.-disse Alex.-Olha, a menos que você a empurrou do telhado, isso não é culpa sua. Você não a empurrou, não é?.-Callie olhou para ele.

-Claro que não!.-O policial percebeu que Callie tinha parado de hiperventilar. 

-Senhorita, posso falar com você por alguns minutos?.-Callie apenas assentiu.-Por que você estava no telhado com a moça?

-A-arizona, o nome dela é Arizona.-disse Callie.-Eu não sabia que ela estava aqui. Só queria alguns minutos de paz quando percebi que ela estava lá.

-Então você a conhecia?.-Callie engoliu em seco. 

-Nós éramos casadas.-Os olhos do policial se arregalaram, mas rapidamente voltaram ao normal. 

-Ela estava intoxicada? Ela está agindo de forma estranha ultimamente? Algum comportamento suicida?

-Ela não é suicida!.-Callie quase gritou. Ou ela era? Não, ela só estava bêbada demais.-Ela tentou se levantar e tropeçou para trás e perdeu o equilíbrio.-E Callie sabia por que Arizona perdeu o equilíbrio.-Ela não tem uma perna. Ela perdeu o equilíbrio.-ela repetiu calmamente.

Alex notou que Callie estava à beira de outro colapso. Isso o lembrou do tempo que ela estava chorando em uma sala de plantão depois que a perna de Arizona foi amputada. 

-Vamos lá.-ele disse calmamente, puxando-a para uma posição ereta.-Vamos para o hospital. Vou ligar para Jo e contar o que aconteceu. As pessoas vão querer estar aqui.

-Não podemos perder mais um de nós.-Callie ofegou, as lágrimas caindo novamente.

-Nós não vamos.-Alex a encorajou. Ele a ajudou a entrar no carro e atravessou a rua. Ele não tinha certeza se Callie poderia andar até lá.-Você não vai desmaiar, vai?.-Callie apenas balançou a cabeça. Ela não conseguiu formar uma palavra, ela não sabia o que estava pensando ou sentindo. Alex abriu a porta do carro para ela quando chegaram ao hospital e a ajudou a sair. Eles chegaram ao balcão de informações. Eles não eram médicos agora.-Posso obter alguma informação sobre a doutora Robbins? Arizona Robbins?

A mulher atrás do balcão não era nova, conhecia todos os cirurgiões, mas ainda tinha que agir profissionalmente. 

-Só posso dar informações à família dela.

-Sou o contato de emergência dela.-disse Callie. Todos sabiam que ela era casada com Arizona.

-Sinto muito, Dra. Torres, mas ela deve ter mudado seu contato de emergência. Aqui diz que Barbara Robbins agora está encarregada de suas decisões médicas.-ela falou.-Callie virou-se para Alex com uma expressão de pânico. 

-Alex, eu não posso ligar para a mãe dela e dizer que Arizona caiu de um telhado. Você sabe como isso soa? Oh, Deus, eles terão que voar para cá de Baltimore.

-Nós já contatamos a mãe dela.-disse a senhora no balcão.-Alex suspirou. 

-Você pode pelo menos nos dizer se ela está viva?.-Ele ignorou o olhar que ela lhe enviou e continuou a encará-la. 

-Ela foi levada às pressas para a cirurgia. Sua condição é crítica. É tudo o que posso dizer.-Callie choramingou e Alex a levou para a sala de espera. 

-Você quer que eu ligue para alguém? Eu não sei como lidar com essas coisas. Talvez eu deva ligar para Meredith. Ou Maggie.

-Não, não. Meredith teve uma noite difícil o suficiente.-disse Callie, balançando a cabeça.

-E Penny?.-Callie balançou a cabeça ainda mais rápido. 

-Ela não entenderia. Quero dizer, ela conhece Arizona, sabe do nosso casamento e que Sofia é nossa, mas ela não nos conhece ... nós. Sobre Mark e África e todas as outras coisas horríveis.

-Você e Robbins tiveram momentos felizes.-Alex disse com um encolher de ombros.-Eu sei que vocês viviam trasando nas salas de descanso.-Callie abriu um sorriso, mas desapareceu segundos depois. 

-Você já sentiu falta de Stevens?.-Alex franziu o rosto. 

-Izzie? Por que eu sentiria falta dela?

-Você se casou. Ela deveria ser o amor da sua vida. Você não a amava?.-Callie perguntou.

-Uhm, eu acho, acho. Mas veja, as coisas eram diferentes naquela época. Ela teve câncer, quase morreu, foi demitida e depois foi embora. Pensei que a amava, mas estou com Jo agora. Por quê?.-Callie deu de ombros. 

-Você acha que Penny é minha Jo? Que eu vou esquecer Arizona?.-Alex riu. 

-Você tem uma filha com ela. E eu e Izzie não ficamos casados por tanto tempo.

-Mas ainda assim.-argumentou Callie, sem saber o porquê.-Ela disse que foi a pior noite de sua vida. Que o dia em que Derek morreu foi a pior noite da vida de Penny. Mas e se ela também quis dizer que hoje foi a pior noite de sua vida? Vocês são minha família, meus amigos, tudo o que me resta. 

-Você a trouxe para a casa de Mer. Obviamente, todo mundo pirou.-disse Alex, tentando confortá-la, mas não estava indo tão bem.-Callie mordeu o lábio por alguns momentos. 

-Eu falei sobre amigos para ela. Mencionei o nome deles. Eu disse que Meredith perdeu o marido em um acidente de carro porque eles não deram a ele os cuidados adequados. Ela sabia. Ela deveria ter dito alguma coisa.-Alex encolheu os ombros. 

-As pessoas são péssimas.-Callie bufou, enxugando as lágrimas com a manga da jaqueta. 

-Ela é a Arizona.

-O que?.-Alex realmente desejava entender as mulheres. Um minuto elas estavam chorando e no outro falavam palavras que ele deveria entender. Bem, ele não entendeu.

-Penny. Ela é Arizona, mas antes do acidente de avião. Elas têm o mesmo senso de humor, terminamos as frases uma da outra e compartilhamos os mesmos pensamentos, assim como eu eu e Arizona. E ambas gostam de Donuts.-Callie suspirou.-Você acha que estou cometendo um erro?

-Eu não entendo mulheres.-Alex resmungou.-Quer que eu ligue para Jo?.-Callie balançou a cabeça. 

-Eu quis dizer com Penny. Obviamente ela mentiu para mim. Mas, novamente, Arizona também mentiu para mim antes. E se o meu destino for ficar solteira para sempre?

-Você é quente demais para isso.-Alex disse sem se desculpar.-Olha, são quase quatro horas da manhã. Eu tenho trabalho hoje. Você tem trabalho hoje. Robbins provavelmente ficará em cirurgia por um tempo e não há nada para fazermos. Deixe-me levá-la para casa.

-Posso ficar com você e Jo?.-Alex gemeu. 

-O que há com você e lésbicas quererem ficar na minha casa?.-ele reclamou baixinho. Ele caminhou ao lado de Callie, certificando-se de que ela não estava tão instável quanto antes e a levou para sua casa.

Callie pegou licença de manhã e ninguém fez perguntas. 

Ela realmente não dormiu muito, sua mente ficava repetindo o som horrível do corpo de Arizona batendo no chão. Ela não podia deitar na cama o dia todo, os pais do Arizona estavam chegando e ela foi buscar Sofia. 

Sofia tem passado por muita coisa ultimamente. Ela não entende por que suas mães não moravam mais juntas e por que ela teve que sair de casa e também começou a pré-escola, o que obviamente Sofia não gostava. 

-Ei, princesa. Você se divertiu com Zola?.-Sofia assentiu.

-Nós fizemos bolinhos.-disse ela com um sorriso brilhante.-Não tem escola hoje?

-Hoje não há escola.-confirmou Callie.-Seu avô e sua avó estão na cidade.-disse ela animada. Sofia os via principalmente pelo Skype, apesar de terem visitado quando Callie e Arizona estavam em terapia. Fazia parte do programa.

-Podemos ir ao zoológico?.-Sofia perguntou com um sorriso largo. Callie assentiu, mas não tinha muita certeza.-Com a mamãe?.-Sofia perguntou novamente. A respiração de Callie ficou presa na garganta. Enquanto sentava Sofia no carro e a ajudava com o cinto, ela decidiu contar. 

-Sua mãe sofreu um pequeno acidente ontem à noite. Ela está no hospital e não poderá ir ao zoológico.-Além disso, o tempo não estava do lado deles, porque as nuvens escuras já estavam se acumulando.

-Oh.-Sofia disse com uma careta.-Eu posso vê-la?

-Ela está dormindo.-disse Callie. Ela não tinha muita certeza de qual era a condição de Arizona.-Mas quando ela melhorar, vamos visitá-la.-Sofia fez beicinho. 

-Mamãe vai adormecer para sempre como papai? Eu não quero que ela durma.-O coração de Callie se partiu.

-Eu ainda não sei, pequena senhorita. Vamos lá, vamos ver a vovó e o vovô.-Ela os levou para o hospital onde se encontraria com Barbara e Daniel. Ela era mais próxima de Barbara e, honestamente, o pai do Arizona ainda a assustava. Quando chegou à sala de espera, Barbara estava chorando. Os olhos de Callie se fecharam por um momento, seu peito começou a doer.

-Por favor, não.-ela murmurou para si mesma, orando pela vida de Arizona.-Oi.-ela disse suavemente.

-Oh querida.-Barbara gritou ainda mais alto, abraçando Callie. Ela sentiu o peito apertar tentando entender oque significava, Callie estava com medo de descobrir.

-É ... Arizona?.-Barbara ficou agarrada em Callie, ela virou a cabeça na direção de Daniel.

-Ela está muito mal.-foi tudo o que ele disse. Owen foi até eles e Callie soltou Barbara para ir até ele. 

-O que aconteceu? Quais são os ferimentos dela?.-Owen olhou para os pais de Arizona que não estavam em condições de receber as informações que ele possuía. 

-Você precisa ouvir isso como médica e não como alguém próximo dela.-Ao aceno de Callie, ele começou.-Ela sofreu uma ruptura grave da perna direita, sua prótese foi esmagada e tivemos que retirá-la, mas ela praticamente salvou sua vida. Seu pulmão entrou em colapso e ela quebrou algumas costelas. Um pulso torceu e o outro quebrou. Seu queixo quebrou ela também sofreu uma fratura no crânio que levou a um sangramento no cérebro. Há muitos machucados. Mas ela não sofreu ferimentos na coluna e no pescoço.-Callie visivelmente relaxou com isso, mas isso não significava que Arizona estivesse bem.

-E agora?

-Nós vamos manter ela sedada pelo maior tempo possível. Ela passou por 9 horas de cirurgias e há mais por vir. Estou dizendo isso como amigo. Espere até você vê-la. Há muitas contusões e inchaço se você não aguenta creio que eles não vão.-Callie se virou para encarar os ex-sogros. Eles já estavam destruídos.

-Tudo bem.-ela disse calmamente.-Mas ela vai viver? Ela vai ficar bem?

-Tivemos que revivê-la algumas vezes. E houve muito sangramento interno. No momento, ela não esta totalmente estável, seu pulso está muito instável e variando a cada minuto, não podemos fazer nada em relação a isso, apenas esperar e monitorar.-foi tudo o que Owen disse.

Callie voltou para perto dos pais de Arizona, pegando Sofia e fazendo-a rir e gritar de alegria. Ela não estava ciente das coisas horríveis que estavam acontecendo ao seu redor. E Callie precisava disso para se manter firme.

-Ele disse que provavelmente não deveríamos vê-la hoje, ela precisa de algum tempo para curar. Vai demorar um pouco para que ela acorde.

-Callie?.-Callie se virou, respirando fundo. Ela não tinha certeza se poderia lidar com Penny agora. Ela colocou Sofia de pé novamente com um beijo na bochecha. 

-Desculpe-me, com licença.-ela se desculpou. Ela caminhou em direção a Penny, com as mãos nos bolsos da calça jeans. Penny tinha uma expressão preocupada no rosto.

-Eu ouvi sobre Arizona. Sinto muito. Pensei que você fosse pegar licença.

-Eu peguei.-disse Callie.-Eu não estou trabalhando hoje. Uhm, eu só me encontrei com os pais de Arizona. Sofia quer ir ao zoológico com eles.

-Oh.-Penny murmurou.-Posso te ligar mais tarde?.-Callie deu de ombros. 

-Não sei se estarei disponível. Vou tirar alguns dias de folga para passar um tempo com os pais dela, ver como estão as coisas... É ... Ela é uma de nós. Não podemos perde-lá também..

-Entendi.-Penny disse, um pouco severamente.-Eles disseram que você estava lá no telhado com ela. Você não estava tentando voltar com ela, estava? 

-Claro que não! Eu não sou traidora.-disse Callie defensivamente.-Ela estava bêbada. E eu nem sabia que ela estava lá até chegar ao telhado. Olha, eu realmente não posso falar sobre isso agora.-disse ela, distraída, olhando para Sofia e para os pais da sua ex-esposa. Penny assentiu. 

-Ok.-Callie apenas lhe enviou um pequeno sorriso e voltou para Barbara e Daniel. 

-Vai chover mais tarde, então que tal irmos ao parque e irmos ao zoológico outro dia?.-ela sugeriu, olhando principalmente para Sofia.

-Tudo bem.-disse Sofia, sorrindo pela atenção que estava recebendo da avó e do avô. Daniel parecia duro, mas ele ainda fazia cócegas na barriga dela e a elevava no ar.

 



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...