1. Spirit Fanfics >
  2. Sunflower (Omori and Basil) >
  3. Did You Kiss Horace!?

História Sunflower (Omori and Basil) - Capítulo 6


Escrita por:


Notas do Autor


Olá, olá! E aqui estou eu com mais um capítulo pra vocês! Espero que gostem!

Capítulo 6 - Did You Kiss Horace!?


Basil's Flashback

(aproximadamente) 19:30 AM

 Bem, eu estava bebendo na praça junto com a Aubrey e o Kel, olha só, eu peço pro Kel não beber mas eu bebo, isso que chamo de um verdadeiro conselho. 

- HAHAHA!! DE QUE PORRA VOCÊ ESTÁ FALANDO!?? - O Kel grita bêbado.

- É SÉRIO!! EU BEIJEI AQUELE GAROTO GOSTOSÃO DA SUA RUA HAHAHA!! - A Aubrey fala rindo.

- HAHAHA NÃO ACREDITO!! VOCÊ BEIJOU O HORACE!? - Eu coloco a mão na boca com os olhos arregalados. Os dois olham pra mim e começam a rir mais ainda.

- Aah, puta merda...vamos parar de rir, minha barriga está doendo...! - O Kel fala respirando fundo com a mão na barriga e bebendo mais alguns goles.

- Hahaha! Ai, vocês são muito idiotas...! - Eu digo limpando as lágrimas. Após eu ter falado isso, um garoto se aproxima de nós. Ele é dono de lindos olhos cor de mel que se destacavam nos seus longos cabelos avermelhados. Ele é o Horace, ele mora na casa onde o Sunny morava antes, a Aubrey é a que anda mais com ele.

- Aubrey? - O garoto fala se aproximando ainda mais.

- Horace!? Estávamos falando de você agora, meu filho! Senta aí, anda, anda! - Ela fala dando leves batidinhas na grama e ele se senta. 

- Falando de mim? Haha! Quem são eles? - Ele pergunta. Oi? Ele não sabe quem somos nós? A gente sabe mais dele do que ele sabe da gente. 

- Esse daqui é o Kel, eu já te falei sobre ele, lembra? 

- Ah, sim. Quem é essa menina? - Ele olha pra mim.

- MENINA É O CA-...*hic* CARALHO..! - Eu grito indignado e o Kel começa a gargalhar, que filho de uma putinha né?

- Pff- esse é o Basil, não é uma menina...! Não se preocupe, ele está bêbado..! - Ela diz isso claramente tentando não rir.

- S-sério!? Desculpa, eu não sabia, não era a intenção! Hahaha! - Ele diz com um sorriso sem graça, segurando a minha mão.

- Huh? D-do que está se desculpando!? eu não me importo, me solta, anda! - Eu falo olhando pra ele soltando a minha mão. Mano, puta que me pariu, que arrombado gostoso. 

- Vocês sabiam que a Aubrey já me falou muito mal de vocês? Essa falsa. Haha! - O ruivo fala deixando claro que é brincadeira.

- Hey! Deixa de ser mentiroso, ô cabelin de menstruação! - Ela dá um tapa na nuca de Horace.

- Hahaha! - Ele ri massageando a região onde a Aubrey deu o tapa.

- Bebe isso aqui e cala a boca, anda! - A Aubrey dá a garrafa para o garoto e ele acaba aceitando.

- Você está muito bravinha hoje...! - Ele fala dando alguns goles na bebida olhando pra garota.

- E então, "Vermelhinha", qual a sua posição favorita? - Eu o pergunto. Foda-se também, estou excitado.

- EITAA!! - O Kel grita. 

- Uau Basil, não sabia que você era tão direto...! - O Horace fala bebendo também.

- Tu não viu nada, lindão...! - Eu falo rindo.

- Calma, o Basil é gay!? - A Aubrey pergunta gritando com as mãos nas bochechas.

- É EU SOU GAY SIM!! - Eu grito bebendo ainda mais. Todos começam a rir.

- Então vou fazer você virar hétero agora! - A Aubrey grita chegando perto de mim e me beijando na bochecha. 

- QUÊ!? EU QUERO BEIJO TAMBÉÉM...! - O Kel choraminga abraçando a Aubrey. (pela 645267276° vez)

- ai looove iu...! - Eu fico repetindo e apontando pro Horace, já estou quase dormindo.

- O MEU BEBÊ SE APAIXONOU, KEL!! NÃO!! EU VOU PERDER O MEU FILHO!! DEVOLVA ELE PRA MIM HORACEE!! - A Aubrey grita que nem uma retardada, as pessoas nem estão passando perto da gente.

- Nããão...! Agora ele é meu! Não é? - O ruivo olha pra mim. Mano, vai se fuder, que bixo lindo.

- ai love iu...! iu love mi? - Eu falo de novo sorrindo exageradamente.

- Que belo casal..! Hahaha! - O Kel fala já tonto.

- Basil é bilíngue, foda-se. - Horace fala.

- HAHAHAHA!! - Todos começam a rir.

...

Basil's On

22:00 PM

 Eu ouço o meu celular tocar, eu acordo e vou olhar quem é. É a tia Polly, eu decido atender.

- Ahn...Oi? - Eu digo com uma voz sonolenta e massageando a testa, puta dor de cabeça do cacete.

- Basil! Graças à Deus! onde você está!? Eu te procurei por toda a parte!

- Ah...eu? Eu estou... - Eu olho em volta pra saber, porque eu também não faço idéia de onde eu estou. Parece ser o quarto do Sunny, mas...está diferente, os móveis não estão no mesmo lugar. Quando eu olho pro lado eu vejo...o Horace!? Ele está deitado na cama sem camisa...quê? Por quê?

- A-ahn...E-eu estou aqui na casa d-da Aubrey, já...já estou chegando aí, tá?

- Ah, que bom. Quero que volte agora! Não demore, ok? - Então a chamada é encerrada.

- (A-ah, o-o quê?) - Logo eu olho embaixo do cobertor e percebo que estou sem camisa e apenas com a roupa íntima. Eu começo a tremer. Eu não acredito que eu fiz isso. Os meus olhos se enchem de lágrimas.

 Eu saio rapidamente da cama do ruivo e pego as minhas roupas que estavam jogadas no chão junto com as dele. Eu as coloco novamente e saio correndo da casa do mesmo. E cá estou eu, chorando no meio da rua com peso na consciência. Eu não consigo acreditar que eu fiz isso, não era pra ser outra pessoa além do Sunny...não era...

- AAARGH!! RUIVO FILHO DA PUTA!! - Eu grito com a mão no rosto abafando o grito, ninguém me ouve, até porque a rua estava totalmente vazia. 

 Quando chego em frente a minha casa, eu limpo as lágrimas para que a Polly não perceba. 

- tia Polly! Estou em casa! - Eu exclamo.

- Basil! - Ela me dá um abraço, acho que deixei ela mesmo preocupada. - Você já tem dezoito anos, mas isso não significa que deves chegar tão tarde! 

- Me desculpa, isso não irá mais acontecer. - Eu digo abaixando a cabeça.

- Tudo bem, tudo bem. Vai tomar um banho para ir dormir. - Ela fala passando a mão no meu cabelo que estava totalmente bagunçado.

- Uhum... - Eu balanço a cabeça indo pro banheiro.

 

Sunny's On

23:00 PM

 Eu e minha mãe paramos em um hotel próximo. O hotel é até que confortável e aconchegante, mas temos que presenciar um momento constrangedor juntos de um casal do quarto ao lado se divertindo a noite toda, por que eles não foram pra porra de um motel? 

- Esse homem consegue mesmo fazer isso a noite toda? - A voz sem-vida ecoa pelo quarto, não preciso nem dizer quem é.

- Omori... - Eu resmungo baixinho pra minha mãe não ouvir. Já deve ser a centésima vez que estou citando o nome dele para ele calar a boca.

- Como você vai dormir sabendo que tem literalmente duas pessoas transando no seu lado? - Ele claramente quer me tirar do sério.

- Eu tenho certeza que duas pessoas transando no meu lado seriam menos barulhentas do que você... - Eu falo sussurrando com os olhos fechados, estou mesmo tentando dormir, mas está complicado.

- Você iria ser o passivo. - Ele diz. Mano??????????????????????????????

- Puta que pariu. - Eu falo em voz alta.

- Sorte que sua mãe está dormindo. - Ele olha pra minha mãe que está dormindo na outra cama.

- Sorte que você não é um humano...

- E o que você faria se eu fosse? Nada? Foi o que imaginei. - Ok, isso realmente me irritou.

- No dia que você servir pra alguma coisa que mude a minha vida você aparece, ok? Já pode se preparar e sumir pra sempre...

- Você precisa de mim o tempo todo, já que você não-... - Ele é interrompido.

- Não tenho escolha. - Eu respondo e cubro a minha cabeça com um cobertor, tentando dormir.

- ...ei Sunny.  

- Não.

- Você é gay?

- Nã-...quê?

- Não faço a menor idéia do que você é, então, responde, o que você é?

- Um ser humano.

- Oh, claro. - Ele concorda revirando os olhos. - De qual gênero você sente atração, ser humano? 

- Bem, isso daqui é uma entrevista ou o quê? - Eu abro um olho.

- Digamos que seja uma entrevista pra ver se você pode trabalhar em um puteiro. - Mas de que porra ele está falando? - Então senhor Sunny, qual gênero é a sua preferência? - Ele fala sentando no ar e cruzando as pernas.

- Chefe, para quê tal pergunta? - Eu decido entrar na brincadeira. Então eu me levanto e me sento na cama ficando de frente ao fantasma, que também estava sentado de frente a mim, como se fosse mesmo uma entrevista de emprego. A que ponto eu cheguei?

- Bem, precisamos saber se você prefere linguiça ou lábios. Caso você goste de linguiça, prepararemos uma bela feijoada. - Ele fala isso mantendo a sua mesma face neutra, é tão estranho alguém falar tal coisa e continuar com essa expressão de cu.

- Pfft-...q-quê? - Eu coloco a mão na boca segurando a risada. - De onde você tirou isso?

- Feijoada é bom. 

- Hahahaha! - Eu começo a rir baixo com a mão na testa. Eu não acredito que o Omori falaria algo do tipo, eu nunca imaginei na verdade. Ele sempre se mostrou ser muito sombrio, mas parece que ele está mudando, é super estranho ver isso acontecer tão de repente.

- Vocês gays que pensam em coisas tão obscenas. Eu só ofereci uma feijoada.

- Hahaha! Quem oferece uma feijoada no meio da entrevista?

- Não pode? 

- Seja lá de onde isso for, coloque de volta. - Eu falo com a mão na testa, estou simplesmente desacreditando 'numa' porra dessas.

- Não senhor, a feijoada foi cara. Aceite. 

- Ai, ai...vamos lá chefe, não sabemos muito sobre você, apesar de sermos próximos. - Eu falo limpando uma gota de lágrima do meu olho.

- Hm, não tenho nada de interessante para oferecer, senhor. 

- Sério? Não sabe nem por quem sente atração?

- Oh, é sobre isso que queres saber? - Ele levanta o queixo.

- Exatamente. 

- Eu não sinto atração. 

- Huh? - Eu arregalo levemente os olhos. 

- Não gosto de nada.

- Calma, você não gosta de nenhum dos gêneros?

- Não.

- Por quê?

- Tsc, você está fugindo do assunto.

- Hm?

- Você é gay, né?

- Agora é você que está fugindo do assunto. 

- Bem, você também está fugindo agora.

- Eu não estou fugindo.

- Mas eu que perguntei primeiro.

- Ah, dane-se. - Eu desvio o olhar dele.

- Eu sei que você é, mas não quer falar.

- Eu sou hétero.

- Agora que você confirma, né? Não adianta, já descobri o que queria.

- Manipulador...

- Isso não é manipulação. - Depois que ele fala aquilo, nós ficamos nos encarando e permaneceu um silêncio desconfortável, até o Omori o quebrar da pior maneira possível.

- Finalmente aqueles dois pararam de transar, já estava ficando com pena da mulher. 

- Caralho, é incrível como você simplesmente-...ah, esquece. - Eu me deito novamente e pego o meu celular olhando as horas. - 01:13, pelo menos tenho algumas horas pra dormir...isso é culpa sua.

- Culpa minha? Você que continuou a conversa.

- Cala boca, antes que eu jogue fogo em geral. - Eu coloco o meu celular na mesa ao lado da minha cama ainda deitado.

- Sunny...

- Não, Omori.

- Sunny-...

- Omori, por favor.

- Sunny...

- Não.

- Mas-...

- Não...


Notas Finais


Me desculpem pelo diálogo aleatório entre o Sunny e o Omori, é que eu estava achando o clima do Basil muito tensa, e como não tinha idéia de como quebrar essa tensão, decidi colocar uma conversinha nada a ver KK enfim
Muito obrigado por ler até aqui.


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...